Ácido fólico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Vitamina B9)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ácido fólico
Alerta sobre risco à saúde
Folicacid2.png
Nome IUPAC (2S)-2-[(4-{[(2-amino-4-hydroxypteridin-6-yl)methyl]amino}phenyl)formamido]pentanedioic acid
Outros nomes N-​(4-​{[(2-​amino-​4-​oxo-​1,​4-​dihydropteridin-​6-​yl)​methyl]​amino}​benzoyl)-​L-​glutamic acid; pteroyl-L-glutamic acid; Vitamin B9; Vitamin M; Folacin
Identificadores
Número CAS 59-30-3
PubChem 6037
Número RTECS LP5425000
SMILES
Propriedades
Fórmula química C19H19N7O6
Massa molar 441.37 g mol-1
Aparência yellow-orange crystalline powder
Ponto de fusão

250 °C (523 K), decomp.

Solubilidade em água 0.0016 mg/ml (25 °C)
Acidez (pKa) 1st: 2.3, 2nd: 8.3
Riscos associados
Principais riscos
associados
non-toxic, non-flammable
Compostos relacionados
Compostos relacionados Ácido glutâmico (2-amino-pentanodioico)
Ácido 4-aminobenzoico
Pteridina (dois anéis hexagonais fundidos, com 4 N sustituintes)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O ácido fólico, folacina, ácido pteroil-L-glutâmico ou Vitamina B9,[1] é uma vitamina hidrossolúvel pertencente ao complexo B para a formação de proteínas estruturais e hemoglobina.[2]

Benefícios[editar | editar código-fonte]

  • O ácido fólico é efetivo no tratamento de certas anemias;[3][4]
  • Pode manter espermatozoides saudáveis;[5][6]
  • É um dos componentes indispensáveis para uma gravidez saudável;[7]
  • Reduz risco de mal de Alzheimer;[8]
  • Pode ajudar a evitar doenças cardíacas e derrame;[9]
  • Pode ajudar a evitar a anencefalia dos fetos na gravidez;
  • Ajuda a controlar a hipertensão;[10]
  • Queda de cabelo e unhas.
  • Melhora os níveis de insulina no sangue.[11]
  • Reduz perdas auditivas em idosos.[12]

Encontrado em vísceras de animais, verduras de folha verde, legumes, frutos secos, grãos integrais e levedura de cerveja. Ele se perde nos alimentos conservados em temperatura ambiente e durante o cozimento. Ao contrário de outras vitaminas hidrossolúveis, é armazenado no fígado e sua ingestão diária não é necessária. Sua insuficiência nos seres humanos é muito rara.

No Brasil, há uma lei que determina que a farinha de trigo seja enriquecida com ferro e ácido fólico (e produtos derivados, como o pão) para diminuir a ocorrência de anemia principalmente em crianças.

Se a mulher tem ácido fólico suficiente durante a gravidez, essa vitamina pode prevenir defeitos de nascença no cérebro e na coluna vertebral do bebê, como a espinha bífida, pois o ácido fólico participa na formação do tubo neural no feto.

Sinais e sintomas de níveis anormais do nutriente[editar | editar código-fonte]

Hipovitaminose: anemias, anorexia, apatia, distúrbios digestivos, cansaço, dores de cabeça, problemas de crescimento, insônia, dificuldade de memorização, aflição das pernas e fraqueza.

Hipervitaminose: euforia, excitação e hiperatividade.[13]

A fórmula molecular do ácido fólico é C19H19N7O6.

Prevenção na gravidez[editar | editar código-fonte]

O ácido fólico atua na prevenção de anomalias congênitas no primeiro trimestre da gestação. Ele é recomendado na prevenção primária da ocorrência de defeitos do fechamento do tubo neural, que entre os dias 18 e 26 do período embrionário transforma-se na espinha. Defeitos do tubo neural são malformações que ocorrem no início do desenvolvimento fetal, sendo os principais: anencefalia e espinha bífida. A dose diária recomendada é de 600 mcg (conforme recomendação da ANVISA), no período de no mínimo um mês antes da concepção até três meses ou 12 semanas de gravidez (1º trimestre).

O principal problema desta prevenção reside no fato de cerca de metade das gestações não serem planejadas e, assim, quando as mulheres descobrem que estão grávidas já é tarde para se fazer a suplementação com o ácido fólico. Por este motivo o principal foco é que as mulheres em idade reprodutiva tenham uma alimentação balanceada que contenha alimentos ricos em ácido fólico. As principais fontes deste nutriente são as vísceras, o feijão e os vegetais de folhas verdes como o espinafre, aspargo e o brócolis, além de abacate, abóbora, carne de vaca, carne de porco, cenoura, couve, fígado, laranja, leite, maçã, milho, ovo e queijo.

Referências

  1. «Vitaminas B6, B9 e B12 são fundamentais para o metabolismo». Portal Brasil. Consultado em 31 de maio de 2016 
  2. «Acido Fólico Pode Reduzir Risco de Má-Formação Congênita». Boasaúde. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  3. «Folha Online - Colunas - Nutrição é Saúde - Fortificação de Farinhas». Folha Online. 21 de outubro de 2005. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  4. «O ranking do ácido fólico— SAÚDE». Consultado em 21 de agosto de 2013 
  5. «Folha Online - BBC Brasil - Ácido fólico pode manter espermatozóides saudáveis, diz estudo». Folha Online. 20 de março de 2008. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  6. «Folha Online - BBC Brasil - Erramos: Ácido fólico pode manter espermatozóides saudáveis, diz estudo». Folha Online. 21 de março de 2008. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  7. «Folha Online - Colunas - Nutrição é Saúde - Suplementos nutricionais na gestação são necessários?». Folha Online. 2 de outubro de 2008. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  8. «Folha Online - BBC - Ácido fólico reduz risco de mal de Alzheimer, afirma estudo». Folha Online. 16 de agosto de 2005. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  9. «Folha Online - Reuters - Ácido fólico pode ajudar a evitar doenças cardíacas e derrame». Folha Online. 22 de novembro de 2002. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  10. «Folha Online - Equilíbrio e Saúde - Uso de analgésico eleva risco de hipertensão». Folha Online. 28 de julho de 2009. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  11. Setola, E.; Monti, L. D.; Galluccio, E.; Palloshi, A.; Fragasso, G.; Paroni, R.; Magni, F.; Sandoli, E. P.; Lucotti, P. (1 de outubro de 2004). «Insulin resistance and endothelial function are improved after folate and vitamin B12 therapy in patients with metabolic syndrome: relationship between homocysteine levels and hyperinsulinemia». European Journal of Endocrinology (em inglês). 151 (4): 483–489. ISSN 0804-4643. PMID 15476449. doi:10.1530/eje.0.1510483 
  12. Durga, Jane; Verhoef, Petra; Anteunis, Lucien J.C.; Schouten, Evert; Kok, Frans J. (2 de janeiro de 2007). «Effects of Folic Acid Supplementation on Hearing in Older Adults». Annals of Internal Medicine (em inglês). 146 (1). ISSN 0003-4819. doi:10.7326/0003-4819-146-1-200701020-00003 
  13. José de Felippe Junior e Váleria Cristina Paschoal - ControlSoft Nutrition 2004 .
Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço relacionado ao Projeto Química. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.