Voo Ethiopian Airlines 409

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ethiopian Airlines 409
Acidente aéreo
Boeing 737-800 semelhante ao acidentado.
Sumário
Data 25 de janeiro de 2010 (7 anos)
Causa Disputada:
  • Mal-funcionamento de um instrumento levando à desorientação espacial e perda dos controles; erro do piloto. (NTSB e BEA)
  • Explosão em pleno ar (Testemunhas oculares)
Local Mar Mediterrâneo, 3,5 km (1,9 nmi; 3,5 mi) da costa de Na'ameh, Líbano
Coordenadas 33° 45′ N 35° 25′ E
Origem Aeroporto Internacional de Beirute, Beirute, Líbano
Destino Aeroporto Internacional Bole, Addis Abeba,  Etiópia
Passageiros 82
Tripulantes 8
Mortos 90
Sobreviventes 0
Aeronave
Modelo Boeing 737-800 (Next Generation)
Operador Etiópia Ethiopian Airlines
Prefixo ET-ANB

O voo Ethiopian Airlines 409 foi um voo comercial que ligava Beirute, Líbano, à cidade de Addis Abeba, Etiópia. No dia 25 de janeiro de 2010 o Boeing 737-800 (Next Generation) que perfazia a rota, operado pela companhia Ethiopian Airlines, acidentou-se pouco depois da decolagem e caiu no Mar Mediterrâneo. Todos os 90 ocupantes da aeronave morreram.

Avião[editar | editar código-fonte]

A aeronave envolvida, um Boeing 737-800 (Next Generation)[1] estava registrada sob a matrícula ET-ANB, serial number 29935,[2] foi originalmente entregue à Ryanair em 4 de fevereiro de 2002, registrada como EI-CSW. Em setembro de 2009 foi adquirida pela Ethiopian Airlines.[3] O equipamento passou por vistoria técnica em 25 de dezembro de 2009, quando nenhum problema foi encontrado.[4]

Acidente[editar | editar código-fonte]

O Boeing 737 caiu no Mar Mediterrâneo pouco depois da decolagem do Aeroporto Internacional de Beirute Rafic Hariri, com 82 passageiros e 8 tripulantes a bordo. No momento da decolagem, chovia e havia vento forte em toda a região metropolitana de Beirute.[1][5] O sistema METAR indicou ventos de 8 nós em todas as direções e tempestade nas proximidades do aeroporto. O avião subiu para 9000 pés antes da perda de contato com o controle, em pouco mais de 5 minutos de voo.[6][7] Foi quando pessoas próximas da costa viram o avião em chamas mergulhar no mar.[8][9] O voo chegaria a Addis Abeba às 7h50 (4h50 UTC).[9]

Este foi o primeiro acidente aéreo envolvendo o aeroporto de Beirute desde 1987,[10] quando um Boeing 707 da Middle East Airlines foi atacado a tiros após o pouso, sem mortes.[11]

Além disso, o acidente com o voo 409 foi o primeiro com a companhia Ethiopian desde o sequestro do voo 961 em 1996, cujo Boeing 767 mergulhou no mar por falta de combustível.[5][10]

Busca e salvamento[editar | editar código-fonte]

Na manhã seguinte ao acidente (no mesmo dia), as autoridades libanesas recolheram restos e destroços nas proximidades do local da queda do avião, a cerca de 3,5 km da costa, próximo ao vilarejo de Na'ameh, 15 km ao sul de Beirute.[12][13] As buscas por sobreviventes foi comandada pelo Exército Libanês[14] com o uso de helicópteros Sikorsky S-61, pela Marinha Libanesa e pelas tropas da UNIFIL.[7] Os Estados Unidos, em resposta ao governo libanês, enviou ajuda militar para as buscas dos restos do avião.[15] A UNIFIL enviou 3 navios e 2 helicópteros para o local. A Royal Air Force, da Inglaterra,[5] e a Cyprus Police, do Chipre,[16] também colararam nas buscas.

Até 26 de janeiro, somente 24 mortes foram oficialmente confirmados, muito embora todas as 90 pessoas a bordo, se presume que estejam mortas.[17] A mulher do embaixador francês em Beirute, Marla Sanchez Pietton está entre os passageiros do voo.[18][19][20]

Os corpos identificados foram enviados para o Hospital da Universidade Rafik Hariri, em Beirute, para identificação por meio de DNA.[21]

Investigação[editar | editar código-fonte]

As autoridades libanesas iniciaram investigação para determinar o que causou o acidente, conjuntamente com o National Transportation Safety Board (NTSB) e a Boeing.[22] O presidente libanês Michel Suleiman acredita que o acidente não deve ter sido causado por terrorismo.[23] O ministro da informação do Líbano, Tarek Mitri, rebateu as afirmações de que o avião não poderia ter decolado naquelas condições meteorológicas, afirmando que as operações do aeroporto estavam normais.[24] O ministro dos transportes e obras públicas do Líbano Ghazi Aridi, e o ministro da defesa Elias Murr, disseram que o piloto errou ao não seguir as instruções da torre de controle.[18] A Ethiopian Airlines enviou um grupo de 14 técnicos para colaborar nas investigações sobre o acidente;[15] os Estados Unidos também enviaram técnicos do NTSB para ajudar no processo, que serão assitidos por técnicos do Federal Aviation Administration e da Boeing.[25] A caixa-preta do avião, contendo dados de voz e de voo (flight data recorder e cockpit voice recorder) foi localizado em 27 de janeiro, numa profundidade de 1300m, a 10 km a oeste do aeroporto.[26]

Antes que a caixa preta fosse recuperada, alguns especialistas em aviação especularam que o mau tempo sozinho não poderia ter derrubado o avião e sugeriu que uma falha técnica pode ter causado um incêndio em um mecanismo.

O relatório final divulgado pela Autoridade de Aviação Civil do Líbano declarou que a tripulação de voo não administrava a velocidade, altitude, posição e atitude da aeronave. As entradas de controle de voo da tripulação foram inconsistentes e isso resultou na perda de controle da aeronave. A equipe não cumpriu os princípios de gerenciamento de recursos da tripulação de apoio mútuo e verbalização de desvios e isso impediu qualquer intervenção oportuna e correção da trajetória e manobras de voo da aeronave. A companhia aérea desafiou as declarações como tendenciosas, firmemente convencido de que a aeronave experimentou uma explosão a bordo, com base em evidências de testemunhas oculares de "uma bola de fogo cair no mar", um vídeo da CCTV e a falta de informações de investigação sobre passageiros e bagagem. De acordo com os relatórios da Stratfor e os e-mails exibidos em wikileaks, vários membros sênior do Hezbollah deveriam embarcar no avião, e a sede do Hizbullah, incluindo Hassan Nasrallah, estava convencido de que o acidente foi o resultado de um ato de sabotagem pelo Mossad israelense.

Pasageiros e tripulantes[editar | editar código-fonte]

Ethiopian Airlines divulgou a seguinte nota, com a nacionalidades dos ocupantes da aeronave:[27]

País Passageiros Tripulantes Total
Líbano
51
-
51
 Etiópia
23
8
31
 Inglaterra
2
-
2
 Canadá
1
-
1
 França
1
-
1
 Iraque
1
-
1
 Rússia
1
-
1
 Síria
1
-
1
 Turquia
1
-
1
Total
82
8
90

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Ethiopian airliner crashes near Beirut». AFP. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  2. «Crash: Ethiopian Airlines B738 near Beirut on 25 January 2010, lost height after takeoff and impacted Mediterranean». The Aviation Herald. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  3. «Boeing 737 Next Gen – MSN 29935». Airfleets. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  4. «UPDATE 7-Ethiopian plane crashes off Beirut, 21 bodies found». Reuters. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  5. a b c «Ethiopian Airlines jet crashes into sea off Beirut». BBC News Online. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  6. «Contact with ill-fated Ethiopian 737 lost at 9,000ft». Flight Global. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  7. a b «ET409 crashed into sea». Airline Industry Review. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  8. «Ethiopian jet crashes off Beirut». Al Jazeera. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  9. a b «Ethiopian Airlines plane crashes into Mediterranean sea». United Kingdom: The Daily Telegraph. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  10. a b Henry, Derrick (24 de janeiro de 2010). «Ethiopian Airliner Crashes Near Beirut». The New York Times. New York, NY. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  11. «Criminal Occurence description». Aviation Safety Network. Consultado em 26 de janeiro de 2010 
  12. Ladki, Nadim (25 de janeiro de 2010). «Lebanon says Ethiopian plane crash site located». Reuters. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  13. «Ethiopian jet crash bodies pulled from sea off Beirut». BBC. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  14. «Ethiopian airliner crashes on takeoff in Lebanon: official». News.com Australia. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  15. a b Husseini, Nada; Carl Perry. «Bodies found from Ethiopian Airlines crash» (news). CNN.com. Consultado em 26 de janeiro de 2010 
  16. «Ninety feared dead in Lebanon crash». Cyprus Mail. 26 de janeiro de 2010. Consultado em 26 de janeiro de 2010 
  17. «Bad weather likely brought down Ethiopia jet - official». BBC. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  18. a b BBC News (26 de janeiro de 2010). «Crashed Ethiopia plane 'flew into Beirut storm'» (news). news.BBC. Consultado em 26 de janeiro de 2010 
  19. «Crash d'un avion au large du Liban avec 90 personnes à bord» (em French). TF1 News. 26 de janeiro de 2010. Consultado em 26 de janeiro de 2010 
  20. «Crash au Liban: peu d'espoir de trouver des survivants» (em French). Le Figaro. 26 de janeiro de 2010. Consultado em 26 de janeiro de 2010 
  21. Galey, Patrick; Omar Katerji. «90 feared dead in Ethiopian plane crash» (news). Dailystar.com.lb. Consultado em 26 de janeiro de 2010 
  22. «Boeing Statement on Ethiopian Airlines Accident in Lebanon». Boeing. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  23. «Brits Among 90 Feared Dead In Plane Crash». Sky News. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  24. «Mitri Says Investifations In airliner Crash Are Ongoing». Lebanon News - NOW Lebanon. Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  25. Agence France press. «US investigators to assist Lebanon with plane crash probe». iloubnan.info. Consultado em 26 de janeiro de 2010 
  26. «Ethiopian crash jet flight recorders found off Lebanon». BBC. 27 de janeiro de 2010. Consultado em 27 de janeiro de 2010 
  27. "ET-409 Incident – 25 January 2010." Ethiopian Airlines. 25 January 2010. Retrieved on 25 January 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um acidente aéreo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.