WWE Brand Extension

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Rock foi o primeiro lutador a ser transferido durante a implementação da extensão de marcas.

WWE Brand Extension (em português: extensão de marcas da WWE) é um processo realizado pela promoção de luta livre profissional WWE (anteriormente conhecida como World Wrestling Entertainment) para dividir seus funcionários entre os dois programas principais da empresa: Raw e SmackDown. Este sistema foi instaurado em 2002 após o fim das Monday Night Wars e da aquisição da World Championship Wrestling (WCW) em 2001. O plantel da então WWF (World Wrestling Federation) dobrou de tamanho. A fim de permitir igualdade de oportunidades a todos os lutadores, a empresa aprovou uma extensão de marca para que a WWF passasse a ser representada e promovida com as "marcas" Raw e SmackDown. Para concretizar a separação de talentos, era realizado um draft para determinar em qual programa os lutadores apareceriam. O processo terminou em 29 de agosto de 2011 quando o chefe de operações da WWE Triple H anunciou que todos os lutadores apareceriam em ambos os shows.

No entanto, uma nova extensão de marcas foi implementada em 19 de julho de 2016 quando o SmackDown passou a ser transmitido ao vivo nas noites de terça-feira na USA Network.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Após a conclusão das Monday Night Wars em 2001, uma rivalidade entre a então WWF e sua promoção arqui-rival World Championship Wrestling (WCW), a WWF saiu vitoriosa, tendo adquirido todos os ativos da WCW e da Extreme Championship Wrestling (ECW, a terceira maior promoção nos Estados Unidos durante este período) e os empregados de ambas as empresas através de aquisições separadas. Com a compra de suas concorrentes, a WWF se tornou na única empresa de luta livre profissional com distribuição internacional.

Com a aquisição de novos talentos, o plantel da WWF dobrou de tamanho. A fim de permitir a igualdade de oportunidades a todos os seus funcionários, a empresa aprovou uma extensão de marca para que a WWF passasse a ser representada e promovida com as "marcas" Raw e SmackDown.

O plano original era para relançar a WCW (que seria uma entidade independente nas histórias, mas estaria sob o controle da WWF na realidade) com uma faixa de transmissão na TNN (agora Spike TV) de duas horas nas noites de sábado. Estes planos foram eventualmente desfeitos devido à reputação da WCW em perder dinheiro, com a noite de sábado sendo ocupado pelo programa WWF Excess (depois WWE Velocity e WWE Confidential).

Depois de não conseguir garantir um espaço na televisão, um outro método seria a WCW tomar conta do Raw ou SmackDown e usar o show para recriar seus homólogos, Nitro ou Thunder. Esta experiência foi feita pela primeira vez na edição de 2 de julho de 2001 do Raw, quando os 20 minutos finais foram dados a WCW, em que os empregados da WWF foram substituídos por grande parte de ex-talentos da WCW. Após a audiência local não gostar do segmento e com a WWF focada em dividir seu plantel e com os planos para relançar a marca WCW fracassando, a história da invasão foi usada como um segundo recurso.

Por causa da conclusão antecipada do enredo após o Survivor Series de 2001, a WWF executou seu plano alternativo, que era separar seus próprios dois shows: anteriormente, os lutadores apareceriam em ambos Raw e SmackDown, mas com esta extensão, os lutadores seriam exclusivos para apenas um show. Apenas o campeão da WWF e a campeã feminina estavam isentos e poderiam aparecer em ambos os shows.

A extensão começou oficialmente em 25 de março de 2002 com um draft no Raw e entrou em vigor uma semana depois, em 1 de abril. Em 13 de junho de 2006, depois de um evento isolado, a WWE anunciou uma adição à sua programação de um horário nobre para a ECW no Sci-Fi. A nova ECW serviu como uma terceira marca, e um renascimento da ECW original. Ambas as instâncias das extensões de marca requeriam que os representantes de cada marca escolhessem os lutadores para o seu show em um draft.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 17 de março de 2002, o presidente da World Wrestling Federation (WWF) Vince McMahon anunciou oficialmente que a empresa representaria o negócio de luta livre profissional através de duas marcas distintas chamadas "Raw" e "SmackDown" – nomes dos dois programas de televisão semanais da WWF. Este foi um resultado direto da aquisição da World Championship Wrestling (WCW) e Extreme Championship Wrestling (ECW), as corporações rivais primárias da WWF ao longo dos anos 1990, que resultaram na adição de numerosos talentos para a WWF.[1]

Em termos de enredo, Ric Flair tinha-se tornado dono de cinquenta por cento da WWF após o Survivor Series 2001 depois de Shane e Stephanie venderem suas ações para ele a fim de comprar a WCW e ECW, respectivamente, como forma de começar o enredo da invasão.[2] Vince McMahon detestava ter que compartilhar sua criação com Flair e procurou dissolver sua parceria.[3] Simultaneamente, Flair estava envolvido em uma rivalidade com The Undertaker e esperava concluí-la com uma luta no WrestleMania X8.[3] No entanto, o Conselho de Administração da WWF só permitiria a realização do combate se Flair cedesse sua parte da empresa para McMahon.[3][4] Flair concordou, mas o Conselho declarou que iria rever o status da propriedade da WWF depois do WrestleMania.[3][4]

Em continuação à história, a decisão final do Conselho foi dividir todo o plantel da WWF em duas entidades separadas, com McMahon no controle da marca SmackDown e Ric Flair no controle da marca Raw.[5][6] Todos os lutadores da WWF seriam atribuídos a uma marca com base nas seleções aleatórias realizadas através de um draft. No Raw de 25 de março de 2002, o processo foi realizado, em que cada proprietário escolheu um total de trinta empregados.[7]

Seleção dos lutadores[editar | editar código-fonte]

O draft ocorreu em 25 de março de 2002.[8][9] A primeira metade do processo foi televisionado ao vivo na TNN por duas horas, como parte do programa Raw.[8] A segunda metade foi realizada através da Internet no site oficial da WWF, WWF.com.[10] Cada proprietário poderia escolher trinta lutadores, para sua respectiva marca, Raw e SmackDown.[11] Os funcionários restantes foram divididos aleatoriamente, com cada marca recebendo um total de trinta lutadores.[12]

Escolha nº Marca (para) Escolha nº Empregado
(Nome real)
1 SmackDown 1 The Rock (Dwayne Johnson)
2 Raw 1 The Undertaker (Mark Callaway)
3 Smackdown 2 Kurt Angle
4 Raw 2 nWo (Kevin Nash, Scott Hall & X-Pac (Sean Waltman))

McMahon permitiu a nWo ser escolhida como um grupo.

5 SmackDown 3 Chris Benoit

Transferido enquanto se recuperava de uma cirurgia no pescoço. Benoit fez o seu regresso no Raw.

6 Raw 3 Kane (Glenn Jacobs)
7 SmackDown 4 Hulk Hogan (Terry Bollea)
8 Raw 4 Rob Van Dam (Rob Zsatkowski)

Quando foi transferido, Van Dam era campeão intercontinental, fazendo o título exclusivo do Raw.

9 SmackDown 5 Billy Gunn (Monty Sopp) e Chuck Palumbo

Quando foram transferidos, Billy e Chuck eram campeões de duplas, fazendo o título exclusivo do SmackDown. Em adição, o treinador deles, Rico, foi transferido junto.

10 Raw 5 Booker T (Booker Hoffman)
11 SmackDown 6 Edge (Adam Copeland)
12 Raw 6 Big Show (Paul Wight)
13 SmackDown 7 Rikishi (Solofa Fatu)
14 Raw 7 Bubba Ray Dudley (Mark LoMonaco)
15 SmackDown 8 D-Von Dudley (Devon Hughes)
16 Raw 8 Brock Lesnar

Quando foi transferido, o treinador de Lesnar, Paul Heyman, foi transferido junto.

17 SmackDown 9 Mark Henry
18 Raw 9 William Regal (Darren Matthews)

Quando foi transferido, Regal era o campeão europeu, fazendo o título exclusivo do Raw.

19 SmackDown 10 Maven (Maven Huffman)

Quando foi transferido, Maven era o campeão hardcore, fazendo o título exclusivo do SmackDown. No entanto, Raven derrotaria Maven pelo título antes da separação das marcas, trazendo o título para o Raw com ele.

20 Raw 10 Lita (Amy Dumas)
21 SmackDown 11 Billy Kidman (Peter Gruner)
22 Raw 11 Bradshaw (John Layfield)
23 SmackDown 12 Tajiri (Yoshihiro Tajiri)

Quando foi transferido, Tajiri era o campeão peso-leve, fazendo o título exclusivo do SmackDown.

24 Raw 12 Steven Richards (Michael Manna)
25 SmackDown 13 Chris Jericho (Chris Irvine)
26 Raw 13 Matt Hardy
27 SmackDown 14 Ivory (Lisa Moretti)
28 Raw 14 Raven (Scott Levy)
29 SmackDown 15 Albert (Matt Bloom)
30 Raw 15 Jeff Hardy
31 SmackDown 16 The Hurricane
32 Raw 16 Mr. Perfect (Curt Hennig)
33 SmackDown 17 Al Snow (Al Sarven)
34 Raw 17 Spike Dudley (Matthew Hyson)
35 SmackDown 18 Lance Storm (Lance Evers)
36 Raw 18 D'Lo Brown (Accie Connor)
37 SmackDown 19 Diamond Dallas Page (Page Falkinburg)
38 Raw 19 Shawn Stasiak (Shawn Stipich)
39 SmackDown 20 Torrie Wilson
40 Raw 20 Terri (Terry Boatright Runnels)
41 SmackDown 21 Scotty 2 Hotty (Scotty Garland)
42 Raw 21 Jacqueline (Jacqueline Moore)
43 SmackDown 22 Stacy Keibler
44 Raw 22 Goldust (Dustin Runnels)
45 SmackDown 23 Christian (Jay Reso)
46 Raw 23 Trish Stratus (Trish Stratigeas)
47 SmackDown 24 Test (Andrew Martin)
48 Raw 24 Justin Credible (Peter Polaco)
49 SmackDown 25 Faarooq (Ron Simmons)
50 Raw 25 Big Boss Man (Ray Traylor)
51 SmackDown 26 Tazz (Peter Senerchia)
52 Raw 26 Tommy Dreamer (Tommy Laughlin)
53 SmackDown 27 Hardcore Holly (Bob Howard)
54 Raw 27 Crash Holly (Mike Lockwood)
55 SmackDown 28 Val Venis (Sean Morley)
56 Raw 28 Mighty Molly (Nora Greenwald)
57 SmackDown 29 Perry Saturn (Perry Satullo)

Nota:

  • As escolhas #1-20 foram feitas ao vivo no Raw na TNN
  • As escolhas #21-57 foram feitos via loteria no WWE.com.

Consequências[editar | editar código-fonte]

A extensão de marcas foi aplicada oficialmente em 1 de abril de 2002.[1] Stone Cold Steve Austin foi o último lutador a ser escolhido.[13] Um mês depois, a WWF foi processada pela World Wildlife Fund pelo uso do acrônimo WWF. Isso resultou na empresa ser renomeada de "World Wrestling Federation Entertainment, Inc." para simplesmente "World Wrestling Entertainment, Inc.", que causou todos os ativos da WWF ser devidamente renomeados.[14] A rivalidade de Flair e McMahon chegou ao fim na edição de 10 de junho de 2002 do Raw, quando McMahon tornou-se no único proprietário da WWE ao derrotar Flair numa luta no holds barred.[15] Seguindo a situação com a extensão de marca e mudança de nome, por ter duas marcas, a WWF foi capaz de aumentar o número de eventos ao vivo realizados a cada ano de 200 para 350, incluindo viagens em diversos novos mercados internacionais.[1] Mesmo após o fim da extensão de marcas, a WWE continuou a ter duas turnês de eventos ao vivo, um com o campeão da WWE, enquanto o outro caracterizava geralmente John Cena ou outro popular no local do evento.[1]

Após McMahon tornar-se no único proprietário, a função de proprietário foi substituído por "gerentes gerais". Para o Raw, ele anunciou que seria Eric Bischoff, e para o Smackdown, Stephanie McMahon. Na mesma noite, quando ele anunciou Stephanie como a nova gerente geral, ele também afirmou que um período para agentes livres seria iniciado e qualquer lutador poderia assinar com a outra marca. Isto continuou até o outono de 2002. No Raw de 23 de setembro, Bischoff anunciou que o plantel tinha sido congelado e a única maneira para um lutador assinar com o show era pedir uma troca.

ECW[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após a WWE comprar todos os ativos da Extreme Championship Wrestling (ECW) em 2003, a empresa começou a lançar DVDs que promovia a ECW.[16] Logo depois, a empresa promoveu dois eventos de reunião com seus ex-lutadores, que foram intitulados ECW One Night Stand, realizados em 2005 e em 2006.[16]

Em 25 de maio de 2006, a WWE anunciou o lançamento de uma nova marca, a ECW, um renascimento da promoção da década de 1990.[17] A nova marca estreou no Sci Fi em 13 de junho de 2006.[17]

Seleção dos lutadores[editar | editar código-fonte]

O draft de 2006 aconteceu em 29 de maio, onde o representante da ECW, Paul Heyman, escolheu dois lutadores, um do SmackDown e um do Raw para a recém-criada marca ECW.[18][19]

Escolha nº Marca (para) Empregado
(Nome real)[1]
Papel Marca (de)
1 ECW Rob Van Dam
(Robert Szatkowski)
Lutador Raw
2 ECW Kurt Angle Lutador SmackDown
3 ECW Tazz
(Peter Senerchia)
Lutador/comentarista SmackDown
4 ECW Big Show
(Paul Wight Jr.)
Lutador Raw
5 Raw Randy Orton Lutador Smackdown

Consequências[editar | editar código-fonte]

No final de 2007, os lutadores do SmackDown e ECW começaram a aparecer nos dois programas como parte de um acordo entre o então gerente geral da ECW Armando Estrada e a gerente geral do SmackDown Vickie Guerrero.[20]

Além do intercâmbio de talentos entre SmackDown e ECW, um intercâmbio entre Raw e ECW foi anunciado em setembro de 2008.[21]

Em 2 de fevereiro de 2010, o presidente da WWE Vince McMahon anunciou que a ECW acabaria em 16 de fevereiro de 2010.[22] A marca ECW foi dissolvida após o show final, com cada lutador da ECW se tornando um agente livre e elegível para participar tanto do Raw ou SmackDown.[23]

Reintrodução[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: WWE Draft (2016)

Em 25 de maio de 2016, foi anunciado que a partir do SmackDown de 19 de julho o programa iria ser transmitido ao vivo nas noites de terça-feira, tendo um plantel único em comparação com o Raw, restaurando assim a extensão de marcas.[24] Um draft aconteceu no episódio de estreia do SmackDown ao vivo para determinar os lutadores de ambas as marcas.[25] No Raw de 11 de julho, Vince McMahon anunciou Shane McMahon como o comissário do SmackDown e Stephanie McMahon como a comissária do Raw.[26]

Impacto[editar | editar código-fonte]

Competição inter-promocional[editar | editar código-fonte]

A concorrência entre as marcas foi inicialmente reduzida ao mínimo, com os lutadores de todas as marcas competindo juntos apenas nos eventos em pay-per-view. No entanto, em 2003, todos os eventos pay-per-view tornaram-se exclusivos de uma das marcas, deixando os "quatro grandes" (WrestleMania,SummerSlam, Survivor Series e Royal Rumble) como os únicos shows inter-promocionais.[27]

Começando no final de 2006, em uma tentativa de adicionar mais importância para os shows, lutas inter-promocionais tornaram-se mais comuns. Mais notavelmente, MNM e The Hardys se juntaram novamente, apesar do fato de que os companheiros estavam em marcas separadas.[28] Bobby Lashley também foi notável por sua ação entre marcas, como ele estava envolvido em uma história com o presidente da WWE, Vince McMahon.[29][30] O breve retorno do Saturday Night's Main Event também levou a uma maior interação entre as marcas.[31]

Pay-per-views[editar | editar código-fonte]

A separação do plantel da WWE entre duas marcas também dividiu os pay-per-views, começando com o Bad Blood em junho de 2003.[32] A ideia original era de que apenas o "principais" eventos pay-per-view no momento (Royal Rumble, SummerSlam, Survivor Series, e WrestleMania) seriam os únicos casos em que os lutadores de diferentes marcas interagiriam uns com os outros, e mesmo entre os quatro shows apenas o Royal Rumble e WrestleMania teria lutadores de diferentes marcas concorrentes uns contra os outros. Lutadores, como resultado, só apareciam em dois terços dos shows em um determinado ano, e, portanto, apareciam em menos espetáculos em comparação com antes da extensão de marca. Com pay-per-views de marca única, a WWE era capaz de adicionar mais eventos durante o ano, como o Taboo Tuesday/Cyber Sunday, New Year's Revolution, December to Dismember e The Great American Bash. Eventualmente, a WWE abandonou essa prática depois do WrestleMania 23.[33] December to Dismember e New Year's Revolution foram cancelados após o anúncio.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, o Undisputed WWE Championship e o WWE Women's Championship estavam disponíveis para ambas as marcas.[8][9][12] Os outros títulos tornaram-se exclusivos para a marca em que o campeão fazia parte.[8][9][12] Quando a extensão de marca começou, o Raw recebeu os campeonatos Europeu e Intercontinental, quando seus respectivos campeões foram escolhidos, enquanto o SmackDown recebeu os campeonatos de duplas e de pesos-leves. Com vários campeonatos específicos sendo exclusivos de uma marca, inúmeros lutadores ficaram sem nenhum título para lutar, exceto pelo Campeonato Hardcore, que apesar de ser propriedade do SmackDown depois do draft, foi disputado sob regras diferentes do que os outros campeonatos.

Este problema foi corrigido em setembro de 2002, quando o Undisputed Championship tornou-se WWE Championship novamente e foi transferido para o SmackDown, enquanto Eric Bischoff criou o World Heavyweight Championship para o Raw.[34] Pouco tempo depois, o SmackDown criou seu próprio campeonato de duplas, reviveu o United States Championship e tornou o Cruiserweight Championship exclusivo do programa.[35][36][37] Enquanto isso, o Raw tornou-se na marca exclusiva para o WWE World Tag Team Championship original, o Campeonato Intercontinental e o Campeonato Feminino.[35][36] O resultado final foi cada marca ter quatro campeonatos. Quando a ECW foi reativada em 2006, o ECW World Heavyweight Championship foi reintroduzido também.[38]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «WWE Entertainment To Make RAW and SMACKDOWN Distinct Television Brands» (Nota de imprensa). WWE. 27 de março de 2002. Consultado em 5 de abril de 2012 
  2. Zimmerman, Christopher. «WWF Raw (November 19, 2002) Results». The Other Arena. Consultado em 22 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 15 de março de 2008 
  3. a b c d Zimmerman, Christopher Robin. «WWE Raw Results (March 11, 2002)». The Other Arena. Consultado em 22 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 15 de março de 2008 
  4. a b «WWE Raw (March 11, 2002) Results». Online World of Wrestling. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  5. McAvennie, Michael (2003). «WWE The Yearbook: 2003 Edition». Pocket Books. pp. 99 & 100 
  6. «WWE Raw (March 18, 2002) Results». The Other Arena. Consultado em 22 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 15 de março de 2008 
  7. Michael McAvennie (2003). «WWE The Yearbook: 2003 Edition». Pocket Books. 102 páginas 
  8. a b c d Zimmerman, Christopher Robin (26 de março de 2002). «WWE Draft 2002 Recap». Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  9. a b c «WWE Raw (March 25, 2002) Results». Online World of Wrestling. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  10. «WWE Raw (March 25, 2002) Recap». WrestleView. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  11. «WWE 2002 Draft Results». PWWEW.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  12. a b c «WWE Raw (March 25, 2002) Results». PWWEW.net. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 [ligação inativa] 
  13. WWE Superstars (1 de abril de 2002). WWE Raw (April 1, 2002). World Wrestling Entertainment 
  14. John K. Carlisle (2003). «World Wide Fund For Nature vs. World Wrestling Entertainment» (PDF). Capital Research Center. Foundation Watch. Consultado em 15 de dezembro de 2010 
  15. «WWE Raw (June 10, 2002) Results». Consultado em 22 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 15 de março de 2008 
  16. a b Cohen, Eric. «Top Ten Moments of WWE in 2005». About: Pro Wrestling. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  17. a b «WWE Launches ECW As Third Brand» 
  18. Williams III, Ed (29 de maio de 2006). «Heyman gets Draft picks». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  19. Williams III, Ed (29 de maio de 2006). «Will Triple H join the Mr.McMahon Kiss my Ass club». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  20. Dee, Louie (18 de outubro de 2007). «Even Exchange?». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  21. Sitterson, Aubrey (8 de setembro de 2008). «Dangerous liaisons». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  22. Caldwell, James (5 de fevereiro de 2010). «WWE Officially Announces NXT's Debut Date Replacing ECW, Only Two Episodes Remaining». Pro Wrestling Torch. Consultado em 9 de fevereiro de 2010 
  23. Adkins, Greg (8 de fevereiro de 2010). «Raw's pit stomp». World Wrestling Entertainment. Consultado em 9 de fevereiro de 2010 
  24. Steinberg, Brian (25 de maio de 2016). «WWE's 'Smackdown' Will Move To Live Broadcast On USA (EXCLUSIVE)». Variety (em inglês). Consultado em 25 de maio de 2016 
  25. «WWE's destiny to be determined during SmackDown's LIVE premiere». WWE. 20 de junho de 2016. Consultado em 20 de junho de 2016 
  26. Caldwell, James. «7/11 WWE Raw Results – CALDWELL'S Complete Report». Pro Wrestling Torch. Consultado em 11 de julho de 2016 
  27. «WWE Pay-Per-Views to follow WrestleMania formula». World Wrestling Entertainment Corporate. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  28. Dee, Louie (27 de novembro de 2006). «R-K-Anarchy». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  29. Tell, Craig (3 de abril de 2007). «Fatal Fallout». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  30. Hunt, Jen (27 de fevereiro de 2007). «Superstar's React to Trump's choice». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  31. «WWE Returns to NBC with Saturday Night's Main Event». World Wrestling Entertainment Corporate. 22 de fevereiro de 2006. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  32. Powell, John. «Bad Blood Just Plain Bad». Canoe: SLAM! Wrestling. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  33. «WWE Pay-Per-Views To Follow WrestleMania Formula» 
  34. «Triple H's first World Heavyweight Championship reign». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  35. a b «WWE Tag Team Championship History». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  36. a b «WWE United States' Championship History». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  37. «WWE Cruiserweight Championship History». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  38. «Rob Van Dam's first ECW Championship reign». World Wrestling Entertainment. Consultado em 23 de fevereiro de 2008