Yves Chauvin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Yves Chauvin
Barney Grubbs, 2005
Nascimento 10 de outubro de 1930
Menen
Morte 28 de janeiro de 2015 (84 anos)
Tours
Nacionalidade Francês
Prêmios Nobel prize medal.svg Nobel de Química (2005)
Campo(s) Química, química orgânica

Yves Chauvin (Menen, 10 de outubro de 1930Tours, 28 de janeiro de 2015) foi um químico francês nascido na Bélgica.[1]

Foi agraciado com o Nobel de Química de 2005, juntamente com Richard Schrock e Robert Grubbs, devido ao seu desenvolvimento do método de metátese na síntese orgânica.[2]

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

O trabalho de Chauvin centrou-se na metátese, que envolve compostos orgânicos (à base de carbono). Na metátese, os químicos quebram as ligações duplas mais facilmente introduzindo um catalisador - ou seja, uma substância que inicia ou acelera uma reação química. Os químicos começaram a realizar metátese na década de 1950 sem saber exatamente como a reação funcionava. Essa falta de entendimento dificultou a busca por catalisadores mais eficientes.[3][4]

No início dos anos 1970, Chauvin alcançou um grande avanço ao descrever o mecanismo pelo qual um átomo de metal ligado a um átomo de carbono em um grupo de átomos faz com que o grupo mude de lugar com um grupo de átomos em outra molécula e explicou a metátese em detalhes. Ele mostrou que a reação envolve duas ligações duplas. Uma das ligações duplas conecta duas partes de uma molécula orgânica. A outra ligação dupla conecta um catalisador à base de metal a um fragmento de uma molécula orgânica. Na metátese, essas duas ligações duplas se combinam e se dividem para formar quatro ligações simples. As ligações simples formam um anel que conecta o catalisador de metal, o fragmento orgânico e as duas partes da molécula orgânica. O catalisador de metal então se separa do anel, levando embora parte da molécula orgânica. Esse processo deixa o fragmento ligado ao restante da molécula orgânica com uma ligação dupla, formando um novo composto orgânico. Os estudiosos compararam essa reação a uma dança em que dois conjuntos de parceiros se unem para formar um anel e depois se separam novamente para formar duas novas parcerias.[5][6]

A descrição de Chauvin da metátese levou Robert H. Grubbs e Richard R. Schrock a desenvolver catalisadores que realizaram a reação de forma mais eficiente. O trabalho dos três químicos permitiu que os fabricantes fizessem compostos orgânicos, incluindo alguns plásticos e medicamentos, usando menos energia porque as pressões e temperaturas de reação necessárias tornaram-se mais baixas, e usando menos produtos químicos prejudiciais e caros, e criando menos subprodutos de reação contaminantes e perigosos resíduos que devem ser extraídos do sintético desejado. Foi por esse processo que receberam o Prêmio Nobel de Química de 2005.[7][8]

Morte[editar | editar código-fonte]

Chauvin morreu, aos 84 anos, em 27 de janeiro de 2015 em Tours, França.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Yves Chauvin (2006). «Olefin Metathesis: The Early Days (Nobel Lecture)». Angew. Chem. Int. Ed. 45 (23): 3740–3747. PMID 16724296. doi:10.1002/anie.200601234 
  • Martinato, A.; Chauvin, Y.; Lefebvre, G. (1964). «Kinetic aspects of the "period of adjustment" during polymerization (of propylene) with titanium trichloride-triethylaluminium, "Title». Comptes Rendus. 258 (17): 4271–4273 
  • Uchino, M.; Chauvin, Y.; Lefebvre, G. (1967). «Dimerization of propylene by nickel complexes». Comptes Rendus de l'Académie des Sciences, Série C. 265 (2): 103–106 
  • Herisson, J. L.; Chauvin, Y. (1971). «Catalysis of olefin transformations by tungsten complexes. II. Telomerization of cyclic olefins in the presence of acyclic olefins». Makromol. Chem. 141: 161–176. doi:10.1002/macp.1971.021410112  (This article is occasionally cited as 1970 as the year of publication due to a typographical error in the original publication.)
  • Chauvin, Y.; Gilbert, B.; Guibard, I. (1990). «Catalytic dimerization of alkenes by nickel complexes in organochloroaluminate molten salts». Chem. Comm. 23 (23): 1715–1716. doi:10.1039/c39900001715 
  • Magna, L.; Niccolai, G. P.; Chauvin, Y.; Basset, J.-M. (2003). «The importance of imidazolium substituents in the use of imidazolium based room temperature ionic liquids as solvents for palladium catalyzed telomerization of butadiene with methanol». Organometallics. 22 (22): 4418–4425. doi:10.1021/om021057s 

Referências

  1. «Le Nobel de chimie Yves Chauvin est mort» (em francês) 
  2. «Chemistry Laureates: Fields». www.nobelprize.org. Consultado em 10 de agosto de 2018 
  3. «Humantouchofchemistry.com». Consultado em 31 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2015 
  4. «NNDB». Consultado em 31 de janeiro de 2015 
  5. «NobelPrize.org». Consultado em 31 de janeiro de 2015 
  6. «Eluniversal.com». Consultado em 31 de janeiro de 2015 
  7. «Addio a Yves Chauvin, Nobel per la chimica 2005». 29 de janeiro de 2015 
  8. «Le Nobel de chimie Yves Chauvin est mort». Le Monde.fr. 28 de janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Aaron Ciechanover, Avram Hershko e Irwin Rose
Nobel de Química
2005
com Robert Grubbs e Richard Schrock
Sucedido por
Roger Kornberg