George P. Smith

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
George P. Smith Medalha Nobel
Nascimento 10 de março de 1941 (78 anos)
Norwalk
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade Harvard
Ocupação químico, biólogo, bioquímico
Prêmios Prêmio Nobel de Química, Membro da Associação Americana para o Avanço da Ciência
Empregador Universidade do Missouri
Magnum opus Phage display

George Pieczenik Smith (Norwalk, 10 de março de 1941) é um químico norte-americano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É professor emérito de ciências biológicas na Universidade Missouri-Columbia. Foi distinguido com o Prêmio Nobel da Química em 2018.

Estudou biologia no Haverford College, foi professor do ensino secundário e técnico de laboratório durante um ano e obteve o doutoramento em bacteriologia e imunologia na Universidade de Harvard. Foi pós-doutorado na Universidade de Wisconsin (com o futuro prêmio Nobel Oliver Smithies) antes de se juntar à faculdade de Missouri-Columbia em 1975. Passou o ano acadêmico 1983-1984 na Universidade Duke com Robert Webster.[1]

É conhecido por desenvolver uma técnica na qual o código genético de uma proteína específica se insere artificialmente no gene da proteína da coberta de um bacteriófago, o que faz que a proteína se mostra no exterior do bacteriófago. Smith descreveu a técnica das amostras de fagos pela primeira vez em 1985.[2] Foi laureado com o laureado com o Prêmio Nobel de Química de 2018 por este trabalho, dividindo o prêmio com Gregory Winter e Frances Arnold.[3]

Prêmios e distinções[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Pro mega de Investigação em Biotecnologia 2007[4]
  • 2001 - eleito membro da AAAS[5]
  • 2000 - professor da Universidade de Missouri[6]

Referências

  1. «Tropical and Molecular Parasitology Seminar Series». Consultado em 3 de outubro de 2018 
  2. Smith GP (junho de 1985). «Filamentous fusion phage: novel expression vectors that display cloned antigens on the virion surface». Science. 228 (4705): 1315–7. Bibcode:1985Sci...228.1315S. PMID 4001944. doi:10.1126/science.4001944 
  3. «3 científicos ganan el Nobel de Química por aplicar el poder de la evolución para diseñar proteínas revolucionarias». BBC News Mundo (em espanhol). 3 de octubre de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. «Promega Award Laureates». American Society For Microbiology. Consultado em 3 de outubro de 2018. Arquivado do original em 3 de outubro de 2018 
  5. «George Smith». University of Missouri. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  6. «George Smith». University of Missouri. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  7. «Nobel Prize in Chemistry Is Awarded to 3 Scientists for Using Evolution in Design of Molecules». NYT. Consultado em 3 de outubro de 2018 


Precedido por
Jacques Dubochet, Joachim Frank e Richard Henderson
Nobel de Química
2018
com Frances Arnold e Gregory Winter
Sucedido por