1ª Divisão de Exército

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
1ª Divisão de Exército
1de.png
Brasão
País  Brasil
Corporação Exército Brasileiro
Subordinação Comando Militar do Leste
Denominação Divisão Mascarenhas de Morais
Sigla 1ª DE
Criação 1908
Comando
Comandante Gen Div Cmb Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira[1]
Sede
Sede Rio de Janeiro Rio de Janeiro, RJ
Endereço Avenida Duque de Caxias, 1965

A 1ª Divisão de Exército (1ª DE), também conhecida como Divisão Mascarenhas de Morais, é um Grande Comando Operacional, subordinado ao Comando Militar do Leste, do Exército Brasileiro. Seu nome é uma homenagem ao marechal Mascarenhas de Morais, que comandou a 1ª DIE (Divisão de Infantaria Expedicionária), que lutou na Segunda Guerra Mundial durante a Campanha da Itália, da qual a 1ª DE é herdeira.

História[editar | editar código-fonte]

A origem da 1ª Divisão de Exército está ligada à construção da Vila Militar no Rio de Janeiro em 23 de março de 1908 e com a construção da 1ª Brigada Estratégica, em 6 de agosto[2] .

Em 9 de agosto de 1943, é formada a 1ª Divisão de Infantaria da Força Expedicionária Brasileira, principal força brasileira mandada ao teatro de operações europeu da Segunda Guerra Mundial[3] , sob o comando do General Mascarenhas de Morais. A Divisão era formada por duas forças principais, a Infantaria Divisionária, sob o comando do General Zenóbio da Costa e a Artilharia Divisionária, sob o comando do General Cordeiro de Farias[3] .

Em 1987, foi empregado para garantia da lei e ordem durante o acidente radiológico de Goiânia. Também participou da operação de garantia da lei e ordem durante a ECO-92, no Rio de Janeiro[2] .

Atualmente, tem um efetivo de cerca de 20 mil militares em suas fileiras, sendo uma das forças estratégicas do Exército Brasileiro e a maior guarnição militar da América Latina[2] .

Organizações Militares Subordinadas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]