Al Qaida no Magreb Islâmico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira do grupo.

A Al Qaida no Magreb Islâmico, antigo Grupo Salafista para Pregação e Combate (em árabe: الجماعة السلفية للدعوة والقتال), é uma organização terrorista internacional de origem argelina, criada em 1997.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Sunitas e defensores da Jihad (guerra santa) em todos os países do norte da África contra os interesses ocidentais, o grupo terrorista nasceu de uma cisão do Grupo Islâmico Armado por Hassan Hattab e pelo mufti Ahmed Zarabib. Desde 2002 tem laços com a rede Al Qaida, a quem se vinculou definitivamente em 2006.

Principais ações[editar | editar código-fonte]

Mapa em espanhol mostra a zona de operações do antigo Grupo Salafista para a Pregação e o Combate
  • Em 3 de janeiro de 2003, emboscada contra o exército argelino matou 43 militares e feriu outros 19, na região de Teniet El Abed (Argélia). No mesmo ano, o grupo sequestrou 23 europeus.
  • Em julho de 2005, um atentado assassinou 17 mauritanos.
  • Em 11 de abril de 2007, dois atentados suicidas quase simultâneos com carros-bomba atingiram o palácio do governo e uma delegacia de polícia deixaram 33 mortos em Argel.
  • Em 11 de julho, dez militares morreram e outros 35 ficaram feridos em um ataque suicida contra um quartel no sudeste do país.
  • Em setembro de 2007, um homem-bomba explodiu uma bomba em Batna (leste da Argélia) e provocou a morte de pelo menos 15 pessoas e 114 feridos1 . Dois dias depois, um novo atentado terrorista - dirigido contra o presidente argelino Abdelaziz Buteflika - assassinou 30 pessoas e feriu 47, em Dellys (litoral da Argélia)2 .
  • Em 11 de dezembro de 2007, dois atentados suicidas - um deles contra a sede do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados - causaram ao menos 62 mortes, na capital argelina3 .
  • Cancelamento do Rali Dakar de 2008, devido à ameaças de terrorismo da Organização.

Líderes[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]