Alexandre Kalil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alexandre Kalil
Nome completo Alexandre Kalil
Nascimento 25 de março de 1959 (55 anos)
Belo Horizonte, (MG), Brasil
Ocupação Empresário

Alexandre Kalil, (Belo Horizonte, Minas Gerais, 25 de março de 1959) é um empresário e gestor desportivo brasileiro.

Filho do ex-presidente do Clube Atlético Mineiro Elias Kalil (1980–1985), foi presidente do conselho deliberativo e diretor de futebol, eleito presidente do 51º mandato do clube em 2008,[1] cargo que ocupou até 2014.

Dirigente esportivo[editar | editar código-fonte]

Nos anos de 2001, 2002, 2009, 2012 e 2012, conquistou o Troféu Guará como o melhor dirigente da temporada no futebol mineiro. Em 14 de outubro de 2004 foi reeleito Presidente do Conselho Deliberativo, permanecendo até 29 de julho de 2006.

Elegeu-se presidente do Clube Atlético Mineiro em 30 de outubro de 2008, com 271 votos, contra 130 de Sérgio Bias Fortes.[2]

Em seu primeiro mandato, Alexandre Kalil conseguiu sanar as dividas do Atlético, montou fortes elencos para o Campeonato Brasileiro de Futebol de 2010 e 2011, mas nesses dois anos o Galo brigou para não ser rebaixado, o que fez parte da torcida atleticana não o apoiar em sua reeleição. Kalil foi reeleito em dezembro de 2011,[3] e prometeu fazer times ainda mais competitivos para 2012 e disse também que era obrigação do Atlético ser campeão mineiro daquele ano.[4] O Atlético foi campeão mineiro de 2012 de forma invicta, o que não acontecia desde 1976, foi eliminado na Copa do Brasil nas oitavas-de-final pelo o Goiás Esporte Clube, mas terminou o ano como vice-campeão brasileiro.

Em dezembro de 2012, Kalil entrou na disputa pela frase do ano do programa Redação Sportv, com a frase:´´É na mão desse tipo de gente, desse rapazinho que nós estamos. Ele se trasveste de auditor do futebol brasileiro, que recebe R$ 1 bilhão por ano. Eu quero avisar aos presidentes dos clubes que nós estamos nas mãos desses garotinhos, desses menininhos que brincam no Facebook``, ele disse essa frase após Ronaldinho Gaúcho receber uma partida de suspensão no Campeonato Brasileiro , o dirigente protestou contra um dos auditores do STJD, que postou montagens em uma rede social contra atleta do clube.[5]

Uma de suas principais características como dirigente do Atlético Mineiro é anunciar todas suas contratações e comentários pelo twitter, o que se tornou um bordão.

Em 17 de abril de 2013, Kalil afirmou que a Arena Corinthians, que abrigou a estreia da Copa de 2014, teria sido fruto de um pacto entre Andrés Sanchez, então presidente do clube, e a CBF para que, em 2011, ele iniciasse um conflito com o Clube dos 13 no que tangia a valores de cotas televisivas.[6]

Em 30 de maio de 2013, após a classificação atleticana às semifinais da Libertadores, diante do Tijuana, do México, Kalil foi novamente alvo de polêmicas. Para mandatário do Galo[7] :

Cquote1.svg Nós não estamos acostumados com isso, estamos acostumados com tudo dando errado. E ultimamente anda dando tudo certo. É o que Victor falou lá dentro. Deus lá em cima reconheceu o que a gente tem feito aqui dentro. É Libertadores. As porcarias saíram. Agora só tem time bom. Tinham 32, sobraram 4[7] Cquote2.svg

Caso Anelka[editar | editar código-fonte]

Em 6 de abril de 2014, Kalil se envolveu em uma polêmica, como de costume anunciou em sua conta do twitter: "Anelka é do Galo", a nova contratação , o jogador francês Anelka que algum tempo depois, publicou um vídeo negando ter fechado negócio com o time de Minas Gerais.[8] [9]

Política[editar | editar código-fonte]

Chegou a registrar-se como candidato a uma vaga de deputado federal nas eleições em Minas Gerais em 2014 pelo Partido Socialista Brasileiro,[10] [11] porém desistiu antes do pleito.[12]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Ziza Valadares
Presidente do Atlético
2009–2014
Sucedido por
Daniel Nepomuceno