Clube dos 13

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2012). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
União dos Grandes Clubes do Futebol Brasileiro
Clube dos Treze
Fundação 11 de julho de 1987 (27 anos)
Tipo Desportiva
Sede Porto Alegre, RS
Membros Ver Membros
Línguas oficiais Português
Presidente Fábio Koff
Sítio oficial www.clubedostreze.globo.com

Clube dos Treze (oficialmente União dos Grandes Clubes do Futebol Brasileiro) é o nome recebido por uma pessoa jurídica com sede em Porto Alegre, formada em 11 de Julho de 1987 para defender os interesses políticos e comerciais dos 13 supostos principais clubes de futebol do Brasil, os 13 clubes que eram, à época, os 13 primeiros do Ranking da CBF: Internacional-RS, Grêmio, Cruzeiro, Atlético-MG, São Paulo, Santos, Corinthians, Palmeiras, Bahia, Vasco da Gama, Botafogo, Flamengo e Fluminense. Anos depois, o Clube dos 13 seria expandido, chegando a 20 clubes associados, porém sem perder o nome original. O Clube dos 13 negocia os direitos de transmissão de campeonatos como o Brasileiro com as emissoras de rádio e TV. Também dialoga com a CBF acerca das formas de disputa dos campeonatos nacionais.

História[editar | editar código-fonte]

A origem do Clube dos 13 é entrelaçada à história da Copa União de 1987.

Finalidade[editar | editar código-fonte]

A atuação do Clube dos 13, em seu ano de fundação, 1987, é ligada à Copa União.

A partir de 1988, o Clube dos 13 passou a ter como sua única finalidade a negociação dos direitos de transmissão.

Em 1997, Coritiba, Goiás e Sport passam a fazer parte do grupo. Dois anos depois, Atlético-PR, Guarani, Portuguesa e Vitória também são incorporados. Em 2000, a CBF teve problemas jurídicos e foi o C-13 quem organizou a Copa João Havelange, dividida em quatro módulos, totalizando 116 times de três divisões. O Vasco da Gama sagrou-se campeão.

A entidade foi fundada por 13 clubes (daí o nome, Clube dos Treze). Posteriormente, outros sete clubes foram aceitos como participantes, totalizando 20 membros. A viabilização do Clube dos 13 se deu através do Plano de Marketing da Copa União - nome dado ao Módulo Verde do Campeonato Brasileiro de 1987 - desenvolvido por João Henrique Areias, na época gerente de eventos e promoções da IBM Brasil e VP de Marketing do Flamengo que o comercializou com a ajuda de Celso Grellet, VP Marketing do São Paulo, com TV Globo, Coca Cola, Varig, Editora Abril e Dover (indústria de plásticos).

Em um mês foram arrecadados 6 milhões de dólares, suficientes para cobrir as despesas com viagens e estadias do evento (estimadas em 1 milhão de dólares) e criar novas fontes de recursos para os clubes. Além disto, a média de público de mais de 20 mil pessoas por partida foi, até hoje, superada apenas uma vez.

Em 2000, o Gama, por não ter aceitado o seu rebaixamento à Série B em 1999, com apoio do Sindicato dos Técnicos de Futebol do Distrito Federal, do deputado Aldo Rebelo e do PFL (posteriormente denominado DEM), entrou com uma ação na Justiça comum exigindo sua reintegração à série A. Em junho de 2000, o processo ainda não havia sido julgado em todas as instâncias, o que impediu a CBF de publicar o regulamento do campeonato que deveria iniciar em seguida. Sendo assim, a CBF não pôde realizar o campeonato daquele ano. Diante dessa situação, o Clube dos 13 assumiu a organização do campeonato de 2000, o qual ficou conhecido por Copa João Havelange.

No ano de 2007, dirigentes do Atlético Mineiro, Botafogo, Cruzeiro, Flamengo e São Paulo criaram um canal de participação permanente dos associados por não estarem conformes com a forma de gestão do presidente Fábio Koff. Mas, com a não-aceitação da proposta, os dirigentes, revoltados, retiraram-se da reunião e a ruptura entre os clubes pareceu iminente. A partir desse momento, segundo nota oficial do tricolor paulista,[1] "São Paulo, Botafogo, Flamengo, Cruzeiro e Atlético-MG se encontram em sessão permanente, e, juntos, tomarão as medidas necessárias em defesa de seus interesses, sempre abertos ao diálogo com os demais clubes." Os clubes, porém, se mantiveram filiados.

Em 2010, foi reeleito [2] o presidente Fábio Koff, vencendo o opositor Kléber Leite, que era apoiado por Ricardo Teixeira, presidente da CBF. Estavam em jogo muitas negociações entre os membros para arrecadação de votos. O vencedor com 12 votos a 8 foi Fábio Koff, que está na presidência desde 1995. Votaram a favor de Fábio Koff: Atlético-MG, Atlético-PR, Bahia, Flamengo, Fluminense, Grêmio, Guarani, Inter, Palmeiras, Portuguesa, São Paulo e Sport. Votaram a favor de Kleber Leite: Botafogo, Corinthians, Coritiba, Cruzeiro, Goiás, Santos, Vasco e Vitória

No dia 23 de fevereiro de 2011, o Corinthians requereu sua desfiliação do Clube dos 13 por não concordar com a forma em que a entidade estava negociando os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro para os anos de 2012, 2013 e 2014 com os diversos meios de comunicação interessados.[3] [4] [5] O mesmo caminho foi seguido pelo Botafogo no dia 25 de março do mesmo ano.[6] Anteriormente, o clube, junto com Flamengo, Fluminense e Vasco, já havia anunciado que iria negociar seus direitos de transmissão diretamente, sem mediação do Clube dos 13,[7] posição seguida posteriormente também pelo Coritiba[8] , pelo Cruzeiro[9] e pelo Vitória, Santos, Goiás, Sport e Bahia.[10]


Membros[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. a b c d e f g h i j k l m Membros fundadores do Clube dos Treze em 1987
  2. a b c d Membros desde 1999.
  3. a b c Membros desde 1997

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]