Coca-Cola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Coca Cola)
Ir para: navegação, pesquisa
Coca-Cola
Coca-Cola logo.svg
Tipo Refrigerante
Definição Normal
Sabor Noz-de-cola
Cor Caramelo E-150d
Origem  Estados Unidos
Criador John Pemberton
Lançamento 1886
Fabricante The Coca-Cola Company
Distribuidor Vários
Comercialização Internacional
Slogan Abra a Felicidade
Variante(s)
Relacionada(s)
Website
Teor calórico 425 kcal/litro
Edulcorante(s) Açúcar
Acidulante(s) Ácido fosfórico

Coca-Cola é um refrigerante carbonado vendido em lojas, restaurantes e máquinas de venda automática em todo o mundo. Ele é produzido pela The Coca-Cola Company, sediada em Atlanta, Estados Unidos, e é muitas vezes referido apenas como Coca-Cola (a marca registrada da empresa Coca-Cola nos Estados Unidos desde 27 de março de 1944). Originalmente concebida como um remédio patenteado quando foi inventada no final do século XIX por John Pemberton, a Coca-Cola foi comprada pelo empresário Asa Griggs Candler, cujas táticas publicitárias levaram a bebida ao domínio do mercado de refrigerantes no mundo ao longo do século XX.

A empresa produz o produto concentrado, que depois é vendido para engarrafadores licenciados pela Coca-Cola em todo o mundo. Os engarrafadores, que detêm contratos de exclusividade territorial com a empresa, colocam a bebida concentrada em latas e garrafas junto com água filtrada e adoçantes. Os engarrafadores, em seguida, vendem, distribuem e comercializam a Coca-Cola para lojas de varejo e máquinas de venda automática.

A The Coca-Cola Company, também produz outros refrigerantes com a marca Coca-Cola. O mais comum deles é a Coca-Cola Diet, além de outros, como a Coca-Cola sem cafeína, a Coca-Cola Diet sem cafeína, a Coca-Cola de cereja, a Coca-Cola Zero e versões especiais com limão ou café. Em 2013, os produtos Coca-Cola podiam ser encontrados em mais de 200 países ao redor do mundo, com mais de 1,8 bilhão de doses de bebidas da empresa consumidas diariamente.[1] Com base na pesquisa da Interbrand em 2011, a Coca-Cola foi considerada a marca mais valiosa do mundo.[2]

História[editar | editar código-fonte]

John Stith Pemberton, o criador da fórmula da Coca-Cola.
A farmácia de Jacob.

A criação[editar | editar código-fonte]

A história da Coca-Cola inicia com a chegada do farmacêutico John Pemberton na cidade de Atlanta nos Estados Unidos, logo após a Guerra Civil americana. Ele havia acabado de participar da guerra e estava disposto a mudar de vida, em busca de uma nova clientela que comprasse suas ideias e medicamentos. Por não ter nenhuma habilidade em vendas, sempre fracassou em suas criações, até conhecer o contador Frank Robinson, que acaba tornando-se sócio.

  • 1884 – Foi lançada a bebida alcoólica chamada “Pemberton's French Wine Coca”, anunciada como uma bebida intelectual, vigorante do cérebro e tônica para os nervos,[3] sendo, inicialmente uma mistura de folhas de coca, grãos de noz-de-cola e álcool.[4]
  • 1886 – O puritanismo religioso estava em alta e havia todo um movimento antiálcool. Nenhuma mulher ou homem decente poderia ser visto em lugares que fornecessem esse tipo de bebida. Neste mesmo ano, todos os estabelecimentos que vendiam álcool foram fechados e Pemberton e Robinson se viram na procura por outro produto que lhes rendessem dinheiro.[3]

Naquela época existiam os chamados “Pontos de Vendas”, lugares aonde pessoas iam após as compras, para se reunir e tomar sorvetes e xaropes misturados com água carbonada nos mais diferentes sabores, e que possivelmente acabaram dando ideias para a produção de um novo produto.

Tentando se encaixar neste novo padrão, Pemberton passou meses no porão de sua casa em Atlanta, adicionando ingredientes à água carbonada para fazer um xarope e, mandando amostras para a “Jacob’s Pharmacy”, para testar a opinião dos clientes.[5]

No dia 8 de maio era vendida a primeira bebida conhecida atualmente como Coca-Cola, nome posteriormente dado por Frank Robinson, que utilizou a sua própria caligrafia para fazer o logotipo.[6] [7] [8] [9] O produto era um xarope com água carbonada, servidos em copos de vidro e misturados na hora de servir.[10]

No dia 29 de maio, Pemberton anuncia a bebida pela primeira vez no “Atlanta Journal”.[11]

  • 1887 – Em seu primeiro ano de operação foram vendidos somente 25 galões de Coca-Cola, o que correspondia a 9 copos por dia, o que rendeu 50 dólares, tornando-se um prejuízo.[12]
  • 1888 – Devido a problemas de saúde e financeiros, Pemberton foi obrigado a vender a fórmula, pelo total de 1.750 dólares e, acabou falecendo, no dia 16 de agosto, dois anos após ter inventado a bebida que acabaria por se tornar um dos maiores símbolos americanos. No mesmo ano, Frank Robinson procura pelo empresário e farmacêutico Asa Griggs Candler que acaba comprando a fórmula por 2.300 dólares.[8] [11]

De 1891 a 1920[editar | editar código-fonte]

Anúncio do Jornal American Druggist em 1900, a Coca-Cola já estava sendo comercializada em cinco estados norte-americanos.
Nova identidade para as garrafas de Coca-Cola lançada no ano de 1916, diferenciando o produto das inúmeras falsificações que surgiram no início do século.

O empresário Asa Griggs Candler acreditava no produto e queria que a Coca-Cola fosse conhecida. Naquela época, não existiam meios de comunicação nacionais e, a grande maioria dos consumidores encontrava-se isolados nas pequenas cidades do interior que visitavam as grandes cidades. Uma das formas encontradas foi o contratar pessoas para distribuir cupons que davam o endereço e um brinde, experimentar de graça a Coca-Cola, fazendo com que os estabelecimentos fossem procurados.[6]

Candler também acaba disponibilizando outros brindes nos estabelecimentos, como calendários e posters que serviam como uma forma dos consumidores olharem para o nome da Coca-Cola e lembrar onde compraram.[6]

  • 1893 – No dia 31 de janeiro a marca Coca-Cola foi registrada.[13]
  • 1894 – No dia 12 de março Coca-Cola foi vendida pela primeira vez em garrafas de vidro em uma loja de doces em Vicksburg, Mississippi, usando garrafas de vidro que vinham com a marca da companhia de engarrafamento em auto-relevo, a “Biedenharn Candy Company”. O dono da engarrafadora, Joseph A. Biedenharn ficou impressionado com as vendas e relatou o caso para Asa Griggs Candler, que não teve nenhum interesse em comercializar a Coca-Cola em garrafas.[9] [13] [14]
  • 1895 – A forma de promoção agressiva adotada por Candler acabou funcionando, a marca Coca-Cola já contava com três fábricas que engarrafavam o produto nas cidades de Chicago, Dallas e Los Angeles.[6]
  • 1897 – Começa a internacionalização da Coca-Cola, chegando no Canadá, e no México.[11]
  • 1899 – Dois advogados de Chattanooga, Tennessee Benjamim Franklin Thomas e Joseph Whitehead propõem á Candler que fizessem o engarrafamento em larga escala. No início Candler questionou a estava em dúvidas quanto ao engarrafamento da bebida, mas os dois negociantes que propuseram a idéia foram tão persuasivos dizendo que as pessoas poderiam levar para casa. Um contrato foi firmado dando controle total do procedimento à Thomas e Whitehead para engarrafarem a Coca-Cola, e que excluía Joseph A. Biedenharn deste processo.[9]
  • 1902 – Coca-Cola passa a ser vendida em garrafas com “tampa coroa”, até então, era comercializada em garrafas com tampa de rolha.[15]
  • 1909 – Nos Estados Unidos, cerca de 400 fábricas já engarrafavam a Coca-Cola, sendo, a maioria delas era de propriedades de empresas familiares. Algumas foram abertas somente nos meses de clima quente, quando havia maior demanda do produto.[9]
  • 1915 – Com tantas cidades engarrafando e distribuindo o produto, começaram a surgir as primeiras falsificações. Comerciantes começaram a engarrafar outros produtos com o rótulo parecido com o da Coca-Cola, naquela época, não existia diferenciação dos produtos, somente o rótulo, que era facilmente removível.[6]
  • 1916 – É realizado um concurso para escolher um novo design para a garrafa da Coca-Cola. O projeto vencedor foi do projetista Raymond Louise da cidade de Terre Haute, estado de Indiana. Sua inspiração foi no formato da fruta do Cacau. A garrafa foi patenteada no estatuto de marcas dos Estados Unidos.[9]
  • 1918 – No final do ano, Candler vende a empresa por 25 milhões de dólares para um grupo de investidores liderados por Ernest Woodruff e WC Bradley.[6] [16]
  • 1919 – O design de garrafa escolhido em 1916 já estava em todas as fábricas, dando originalidade ao produto e evitando a pirataria. Neste mesmo ano foram abertos fábricas na Espanha, na Bélgica, na França, na Itália, na Guatemala, em Honduras, no Peru, na Austrália e na África do Sul.[17]
  • 1920 – Mais de 1000 empresas engarrafadoras realizam a produção e distribuição da Coca-Cola nos Estados Unidos.[9]

De 1921 a 1940[editar | editar código-fonte]

Engarrafadora na década de 1940.

Quando os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial, a Coca-Cola já tinha se tornado a maior consumidora de açúcar do mundo para a fabricação de seus produtos. Com a guerra, começou a ter racionamento, colocando em perigo os negócios.

  • 1923 – Com o final da Primeira Guerra Mundial, houve a recessão que quase faliu com a companhia [nota 1] , este fato fez o conselho que comandava a The Coca-Cola Company escolhesse um novo presidente, sendo eleito Robert Woodruff [nota 2] , o mesmo dirigiria a companhia pelos próximos 60 anos.[16]
  • 1929 – A Coca-Cola lança uma caixa de metal, que a conservava gelada nos postos de vendas, chamado de “open-top cooler”.[16]
  • 1931 – A Coca-Cola encomenda uma série de quadros a Haddom Sundblom, representando a imagem do Papai Noel, para uso em publicidade.[19] A figura acaba tornando-se a identidade do Papai Noel. Mas, em 1927 os mesmos traços já haviam sido utilizados no jornal New York Time.

Quando os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial, a Coca-Cola desenvolveu "fábricas" móveis que foram enviadas para as frentes de batalha junto com técnicos da empresa, que garantiam a produção e a distribuição da bebida para os soldados, fato este aprovado pelo então general Dwight D. Eisenhower das Forças Armadas dos Estados Unidos. A empresa conseguiu na época uma autorização excepcional de Washington.[5] Apesar dos custos de produção na frente de batalha serem elevados, a companhia decidiu arcar com os mesmos, numa tática de marketing, vendendo o refrigerante pelo mesmo preço praticado nos Estados Unidos. Durante o período de guerra, 64 instalações de engarrafamento foram criadas para abastecer as tropas que estavam fora dos Estados Unidos.[5] [9] Este fato ajudou a abrir caminho para a internacionalização da Coca-Cola, que, durante e após a guerra acabou sendo licenciada nos diversos países em que acompanhou o exército americano, incluindo o Brasil.[15] Tendo em vista a sua associação com os produtos americanos, o refrigerante acabou exercendo o papel de um símbolo patriótico. A popularidade da bebida aumentou bastante no pós-guerra, quando os soldados voltaram fazendo propaganda do refrigerante.

Países lusófonos[editar | editar código-fonte]

Mapa mundial do consumo de Coca-Cola por habitante em cada país.

Brasil[editar | editar código-fonte]

Portugal[editar | editar código-fonte]

  • 1928 Fernando Pessoa escreveu o slogan de lançamento da Coca-Cola: "Primeiro, estranha-se. Depois, entranha-se". A coca-cola viria a ser interdita pelas autoridades, por, alegadamente, se tratar de um produto susceptível de criar habituação.

O director de Saúde de Lisboa - Ricardo Jorge - mandou apreender o produto existente no mercado e deitá-lo ao mar. Ricardo Jorge justificava o seu entendimento argumentando que se do produto faz parte a coca, da qual é extraído um estupefaciente, a cocaína, a mercadoria não podia ser vendida ao público, para não intoxicar ninguém; mas se o produto não tem coca, então anunciá-lo com esse nome para o vender seria burla, o que igualmente justificava que ele não fosse permitido no mercado. Perante o «slogan» de Fernando Pessoa, o médico entendia que ele era o próprio reconhecimento da toxicidade do produto, pois que, se primeiro se estranhava e depois se entranhava, isso é precisamente o que sucede com os estupefacientes que, embora tomados a primeira vez com estranheza, o paciente acaba por adquirir a sua habituação.

  • 1953 – A cantora Amália Rodrigues apresentou-se no programa de televisão “Coca-Cola Time” comandado por Eddie Fisher, interpretando a canção “April in Portugal”, tornando o estilo fadista conhecido internacionalmente.[20]
  • 1977 – No dia 4 de Julho a Coca-Cola entra oficialmente em Portugal, a bebida era proibida até 1974.[21]
  • 2007 – Coca-Cola comemorou os 30 anos no país com desfile em Lisboa.[22]
  • 2011 – Coca-Cola apoia o Instituto da Felicidade.[23]

Produção[editar | editar código-fonte]

Ingredientes[editar | editar código-fonte]

Informação nutricional de Coca-Cola
Porção de: 200 ml (1 copo)
Quantidade
por porção
VD%
Valor energético 85 kcal = 361 kJ 4
Sódio 10 mg 0

O refrigerante Coca-Cola normal tem como ingredientes, aromatizantes naturais, água gaseificada, açúcar, cafeína, extrato de Noz de cola, corante caramelo IV, acidulante Ácido Fosfórico (INS 338). É um produto não alcoólico, sem glúten e não contém quantidades significativas de proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans e fibras alimentares.[24]

A fórmula exata da Coca-Cola é um segredo industrial, e nem sequer são conhecidas quais as matérias-primas usadas. Segundo a revista Veja “a Coca-Cola mantém equipes de degustadores que retiram de quinze em quinze minutos garrafas de refrigerante da linha de produção para beber um gole e checar se o sabor está de acordo com as especificações da bebida”.[25]

A Coca-Cola contém um ingrediente que, em alta dosagem, é potencialmente cancerígeno - ao menos em ratos. A empresa informou que solicitou aos fabricantes do corante de caramelo que modificassem o processo de fabricação para evitar problemas - um deles seria a obrigação de que suas embalagens viessem com um alerta de risco de câncer. O corante possui sulfito de amônia (4-metilimizadol ou 4-MEI).Entretanto, a informação sobre o risco de câncer desse ingrediente da Coca-Cola ainda não consta nas embalagens.[26]

Modelo de produção e embalagens[editar | editar código-fonte]

Embalagens de Coca-Cola comercializadas nos Estados Unidos.

A produção e a distribuição da Coca-Cola seguem o modelo de franchising. A The Coca-Cola Company produz o concentrado de xarope, que é vendido às empresas engarrafadoras franqueadas do mundo inteiro.

A produção da Coca-Cola é realizada através da mistura do concentrado de xarope com água gaseificada filtrada. Passa-se ao engarrafamento e posteriormente, à venda e distribuição para o varejo.

A Coca-Cola é comercializada no Brasil em:[27]

  • Embalagens de vidro de 200 ml, 290 ml, 297 ml, 350 ml, 500 ml, 600 ml, 1 Litro e 1,25 Litro.
  • Garrafas Pet de 400 ml, 500 ml, 600 ml, 1 Litro, 1,25 Litro, 1,5 Litro, 1,75 Litro, 2 Litros, 2,25 Litros, 2,5 Litros, 3 Litros e 3,3 Litros.
  • Latas de alumínio de 250 ml, 350 ml e 470 ml.
  • Copos “Post Mix” de 300 ml, 500 ml e 700 ml.

Variantes[editar | editar código-fonte]

A Coca-Cola iniciou a inclusão de produtos variantes da década de 1980. Desde então, várias versões chegaram ao mercado. No Brasil, poucos foram os lançamentos, que incluem a Coca-Cola Light, Diet, Zero e Light Lemon.

No mundo todo, circularam as seguintes variantes, sendo que algumas foram lançadas como edições limitadas.[28] [nota 3] ,

  • Black Cherry Vanilla Coke – Com essências de café, cereja e baunilha. (Lanç. 2006).
  • Black Cherry Vanilla Coke Diet – Versão Diet. (Lanç. 2006).
  • Coca-Cola Free Caffeine Diet – a versão diet sem cafeína. (Lanç. 1983).
  • Coca-Cola Free Caffeine – a versão sem cafeína. (Lanç. 1983).
  • Cherry Coke – sabor de cereja, sendo o primeiro refrigerante da linha Coca-Cola com sabor (Lanç. 1985).
  • Coca-Cola (with Lime) – a versão original com um toque de lima. (Lanç. 2005).
  • Coca-Cola Blak – Possui essência de café e 45 calorias. (Lanç. 2006).
  • Coca-Cola C2 – uma nova versão com metade dos carboidratos, açúcar e calorias da versão normal. (Lanç. 2004).
  • Coca-Cola Citra – refrigerante misturado com limão e lima, disponível somente no Japão, Nova Zelândia, México e Bósnia e Herzegovina. (Lanç. 2006).
  • Coca-Cola Light Sango – Linha Diet com sabor de laranja. (Lanç. 2005).
  • Coca-Cola Orange – com sabor de laranja. (Lanç. 2007).
  • Coca-Cola Raspberry – com sabor de framboesa. (Lanç. 2005).
  • Coca-Cola Zero – versão sem açúcar. (Lanç. 2005).
  • Diet Coke – (Lanç. 1982).
  • Diet Coke (with Splenda) – refrigerante adoçado com Splenda [nota 4] , (Lanç. 2005).
  • Diet Coke Cherry – a versão diet. (Lanç. 1986).
  • Diet Coke Lime – versão do refrigerante light misturado com o sabor lima, introduzido para tentar barrar o grande avanço da rival Pepsi Twist. (Lanç. 2004).
  • Diet Coke Plus – versão diet com vitaminas (B6 e B12) e minerais (magnésio e zinco). (Lanç. 2007).
  • Diet Coke With Lemon – refrigerante com um toque especial de limão. (Lanç. 2001).
  • Coca-Cola Diet Vanilla – A versão diet. (Lanç. 2002).
  • Coca-Cola Vanilla – sabor de baunilha. (Lanç. 2002).

Publicidade[editar | editar código-fonte]

Anúncio de 1900

A publicidade da Coca-Cola tem tido um impacto significativo na divulgação da cultura norte-americana, sendo freqüentemente creditada à bebida a "invenção" da imagem moderna do Papai Noel (português brasileiro) ou Pai Natal (português europeu) como um homem idoso em roupas vermelhas e brancas, justamente as cores da Coca-Cola. Apesar disso, a companhia começou a promover esta imagem de Papai Noel somente na década de 1930, nas suas campanhas de inverno, mas a imagem do Papai Noel, com os mesmos traços já havia sido publicada num artigo do “New York Times” em 1927, sem os créditos da Coca-Cola.[30]

A Coca-Cola tem sido destaque em inúmeros filmes e programas de televisão. Desde a sua criação, permanece como um dos elementos mais importantes da cultura popular, principalmente no mundo ocidental. A bebida foi um elemento importante da trama de filmes como One, Two, Three, The Coca-Cola Kid e de Os Deuses Devem Estar Loucos, entre muitos outros. Nas músicas "Come Together", dos Beatles, e "All Summer Long", dos The Beach Boys também há referências sobre o refrigerante.[31]

Além disso, o artista mais vendido de todos os tempos e em todo o mundo ícone cultural,[32] Elvis Presley, promoveu a Coca-Cola durante sua última turnê de 1977. A The Coca- Cola Company usou a imagem de Elvis para promover o produto.[33] A empresa, por exemplo, utilizou uma canção executada por Presley, "A Little Less Conversation", em um comercial japonês da Coca-Cola.[34]

Outros artistas que promoveram Coca-Cola incluem David Bowie,[35] George Michael, Elton John e Whitney Houston, entre muitos outros.

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Músicas[editar | editar código-fonte]

Cantores internacionais como Julio Iglesias (Ron Y Coca Cola) e Cyndi Lauper (Right Track Wrong Train) e os conjuntos musicais U2 (Billy Boola), The Beatles (Come Together), Red Hot Chili Peppers (Desecration Smile), Bee Gees (Another Cold And Windy Day) Oasis (Come Together), Green Day (The Static Age), entre outros já fizeram referências do refrigerante Coca-Cola em suas canções.[36]

Na música brasileira, o refrigerante Coca-Cola já foi utilizado como referência de forma não-comercial da marca. Grupos e cantores que fizeram menção à Coca-Cola em canções que acabaram virando parte da história da música popular brasileira:

Popularidade[editar | editar código-fonte]

A Coca-Cola é a bebida mais vendida na maioria dos países, mas não em todos. Entre estes, podemos citar:

A Coca-Cola também é menos popular em países do Oriente Médio e Ásia, como os territórios palestinos e a Índia — por um lado devido ao sentimento anti-ocidental, por ser extremamente popular em Israel e, por outro, por não ter condições de ser fabricada[carece de fontes?]. Há poucos anos, a Mecca-Cola, [nota 5] uma versão "islâmica" da Coca-Cola, tem feito grande sucesso no Oriente Médio.[37]

Colecionismo[editar | editar código-fonte]

Colecionismo: Coca-Cola em miniatura.

Uma das grandes estratégias da Coca-Cola no Brasil visando o público infanto-juvenil é o colecionismo, apesar de não ser algo forte como nos Estados Unidos, Canadá e França. Os itens são praticamente os mesmos em todo o mundo, com pequenas diferenças culturais que favorecem as propagandas e os slogans criados em cada país.[38]

No Brasil, os itens mais colecionados são os anúncios originais de época, garrafas, latas, tampinhas, pôsteres e réplicas.

Um dos primeiro itens promocionais lançados no Brasil foi a réplica do caminhão que entregava as bebidas na década de 1940, e que atualmente está valendo cerca de R$ 1500,00.[39] Outro item de grande destaque são as miniaturas de garrafinhas em um engradado (Promoção Tampinhas por Garrafinhas).

Outros brindes e artigos de coleção lançados no Brasil: ioiôs (1985); coleção Turma da Mônica Coca-Cola, que consistia em cinco revistas com os personagens de Maurício de Sousa (1990);[40] abridor de garrafa com formato de uma garrafa de Coca-Cola (anos 1980); série Retro Histórica 120 Anos: seis garrafas retratando a evolução no design (2006); bola de futebol Coca-Cola (Copa de 1998); engradado de mini-garrafas (1983); coleção Mini-Craques da Copa do Mundo (1998); garrafa prateada Coca-Cola (1998); minigarrafinhas da copa do mundo (2013).

Entre outros produtos, como latas com temas. Em 1995 as primeiras latas com tema Papai Noel e Natal foram lançadas no Brasil. Em 2007 foi lançada em edição especial a primeira lata de Coca-Cola na cor azul, criada para o Festival de Parintins que acontece no Amazonas.[41]

Críticas[editar | editar código-fonte]

A Coca-Cola tem sido criticada devido aos alegados efeitos adversos para a saúde humana, por suas agressivas campanhas publicitárias voltadas para crianças, por práticas de exploração laboral, por altos níveis de pesticidas em seus produtos, pela construção de fábricas na Alemanha nazista que empregavam trabalho escravo, por destruição ambiental, por práticas comerciais monopolistas e por contratar unidades paramilitares para assassinar dirigentes sindicais. Em outubro de 2009, em um esforço para melhorar a sua imagem, a Coca-Cola fez uma parceria com a Academia Americana de Médicos de Família e doou 500 mil dólares para ajudar a promover a educação de estilo de vida saudável; a parceria gerou fortes críticas sobre ambos os parceiros por parte de médicos e nutricionistas.[42]

A Bolívia anunciou em janeiro de 2013 que está a considerar a proibição da venda de Coca-Cola em seu território.[43]

Efeitos na saúde[editar | editar código-fonte]

Estudos indicam que "refrigerantes e bebidas açucaradas são a principal fonte de calorias na dieta americana",[44] o que faz a maioria dos nutricionistas recomendarem que a Coca-Cola e outros refrigerantes podem ser prejudiciais se consumidos em excesso, particularmente para crianças pequenas, cujo consumo de refrigerantes atrapalha, ao invés de complementar, uma dieta equilibrada. Estudos têm mostrado que os consumidores regulares de refrigerantes possuem um menor consumo de cálcio, magnésio, ácido ascórbico, riboflavina e vitamina A.[45] A bebida também tem despertado crítica por utilizar cafeína, o que pode provocar dependência física.[46] Além disso, foi demonstrada uma ligação foi entre a ingestão regular de bebida de cola a longo prazo e de osteoporose em mulheres mais velhas (mas não em homens).[47] Isto ocorre provavelmente devido à presença de ácido fosfórico nesse tipo de bebida e o risco foi considerado mesmo para as colas com cafeína e descafeinadas, bem como o mesmo para as colas diets e açucaradas.

Uma crítica comum contra a Coca-Cola, de que a bebida tem níveis de acidez supostamente tóxicos, tem sido derrubada por pesquisadores; ações judiciais considerando estas noções foram negadas por vários tribunais estadunidenses por este motivo. Apesar de vários processos judiciais terem sido movidos contra a The Coca-Cola Company desde 1920, alegando que a acidez da bebida é perigosa, nenhuma evidência corroborando esta afirmação foi encontrada por pesquisadores. Em condições normais, a evidência científica indica que a acidez da Coca-Cola não causa nenhum dano imediato.[48]

Desde 1980, nos Estados Unidos, a Coca-Cola tem sido feita com xarope de milho rico em frutose como ingrediente. Originalmente, ele era usado em combinação com mais açúcar de cana, mas no final de 1984, a formulação foi adoçado inteiramente com o xarope de milho. Alguns nutricionistas alertam contra consumo do xarope de milho, pois pode agravar a obesidade e diabetes tipo 2 mais do que o açúcar da cana.[49]

Na Índia, há uma controvérsia sobre se há pesticidas e outros produtos químicos nocivos em produtos engarrafados, incluindo a Coca- Cola. Em 2003, o Centro para a Ciência e o Meio Ambiente (CSE), uma organização não-governamental de Nova Delhi, disse que as águas gaseificadas produzidas por fabricantes de refrigerantes na Índia, incluindo gigantes multinacionais como a PepsiCo e Coca- Cola, continham toxinas como lindano, DDT, malation e clorpirifós, pesticidas que podem contribuir para o câncer e para um colapso do sistema imunológico.[50]

Após as acusações sobre pesticidas terem sido feitas em 2003, as vendas da Coca-Cola na Índia diminuiu 15 por cento. Em 2004 uma comissão parlamentar indiana apoiou as descobertas do CSE e uma comissão nomeada pelo governo foi encarregada de desenvolver padrões de pesticidas para refrigerantes produzidos no país. A The Coca- Cola Company tem respondido que utiliza água filtrada para remover contaminantes potenciais e que seus produtos são testados para pesticidas e devem cumprir as normas mínimas de saúde, antes de serem distribuídos.[51] A Coca-Cola também foi acusada de uso excessivo de água na Índia.[52]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. No dia 31 de março de 1923, a “Pepsi-Cola Company” declarou falência, justamente por causa do preço do açúcar.[18]
  2. Conduzida por Robert W. Woodruff, diretor executivo e presidente do Conselho de Administração, a empresa iniciou um grande esforço para estabelecer as operações de engarrafamento fora do território americano. Na época em que a Segunda Guerra Mundial começou a Coca-Cola já estava presente em 44 países.[9]
  3. Todas as variantes apresentadas na seção “Variantes da Marca” foram pesquisadas no site da The Coca-Cola Company, pela seguinte referência de número
  4. Splenda é uma marca de adoçante.[29]
  5. A Mecca-Cola não é um produto da The Coca-Cola Company. Trata-se de um produto criado pela Meca-Cola Beverage Company, sendo um produto voltado para a cultura islâmica.[37]

Referências

  1. Elmore, 2013, p 717
  2. Houpt, Simon. "Apple cracks Interbrand’s best global brands top 10 list", Globe and Mail, 4 de outubro de 2011.
  3. a b GEORGIA Encyclopedia. John Stith Pemberton (1831-1888) (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  4. VERGARA, Rodrigo (Revista Super Interessante, edição 172, janeiro de 2002). Drogas: o que fazer a respeito (em português). Página visitada em maio de 2010.
  5. a b c MEDEIROS, Cristina (Revista Super Interessante, edição 41, fevereiro de 1991). Cola-Cola é isso aí (em português). Página visitada em maio de 2010.
  6. a b c d e f COCA-COLA* Brasil. História da Coca-Cola no Mundo (em português). Página visitada em maio de 2010.
  7. ABIR - Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes. O timeline da indústria de refrigerantes (em português). Página visitada em maio de 2010.
  8. a b THE COCA-COLA Company. Chronicle birth refreshing Idea (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  9. a b c d e f g h THE COCA-COLA Company. History of Bottling (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  10. THE COCA-COLA Company. Our company (em Ingês). Página visitada em maio de 2010.
  11. a b c TEDLOW, Richard S. (Executive Digest, ano 3, nº 28, fevereiro de 1997). A fórmula do sucesso da Coca-Cola (em português). Página visitada em maio de 2010.
  12. BRASAL Refrigerantes. História da Coca-Cola (em português). Página visitada em maio de 2010.
  13. a b THE COCA-COLA Company. The Candler era (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  14. THE BIEDENHARN Coca-Cola Museum. The origins of the coke bottle (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  15. a b MIRANDA, Celso; GIASSETTI, Ricardo (Revista Aventuras na História). Refrigerantes: É isso aí (em português). Página visitada em maio de 2010.
  16. a b c THE COCA-COLA Company. A man named Woodruff (em português). Página visitada em maio de 2010.
  17. COCA-COLA France. Saga Coca-Cola (em Francês). Página visitada em maio de 2010.
  18. THE PEPSI Store. History of the birthplace (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  19. JIPEMANIA. Coke (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  20. A VIDA é um palco (12 de agosto de 2009). Primeiro disco de Amália Rodrigues reeditado (em português). Página visitada em maio de 2010.
  21. VICTOR Jorge (Revista HiperSuper, 7 de setembro de 2007). Entrevista: José Alberto Antunes, Marketing Manager da Coca-Cola (em português). Página visitada em maio de 2010.
  22. DIÁRIO Digital (3 de janeiro de 2007). Coca-Cola comemora 30 anos em Portugal com desfile em Lisboa (em português). Página visitada em maio de 2010.
  23. Boas Notícias (10 de Novembro de 2011). Instituto da Felicidade chega a Portugal (em português).
  24. COCA-COLA Brasil. Informações nutricionais, ingredientes, validade (em português). Página visitada em maio de 2010.
  25. CHIARI, Tatiana (Revista Veja. Ed. 1680 de 20 de dezembro de 2000). Todos querem a fórmula: Os segredos industriais que resistem às sofisticadas técnicas da pirataria industrial (em português). Página visitada em maio de 2010.
  26. http://info.abril.com.br/noticias/blogs/cientifica/comida/a-coca-cola-mudou-sua-formula-apos-acusacoes-de-cancer/
  27. VONPAR. Produtos: Coca-Cola (em português). Página visitada em maio de 2010.
  28. THE COCA-COLA Company. Product list (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  29. SUCRALOSE. O que dizem os especialistas (em português). Página visitada em maio de 2010.
  30. SNOPES Rumor has it. The Claus that refreshes (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  31. All Summer Long Lyrics – Beach Boys. Sing365.com. Página visitada em 23 de abril de 2012.
  32. "Elvis Presley is overrated", CNN, 8 de agosto de 2002.
  33. Coca Cola celebrates 125th anniversary with 'Elvis and Coke'. Rica.alfahosting.org. Página visitada em 23 de abril de 2012.
  34. Elvis Music In Japanese Coca-Cola Commercial – Misc. ElvisNews.com. Página visitada em 23 de abril de 2012.
  35. David Bowie: Coca-Cola Planet Live (Rare Euro Promo) FLAC – Guitars101 – Guitar Forums. Guitars101. Página visitada em 23 de abril de 2012.
  36. LETRAS Mus. Letras de canções (em português). Página visitada em maio de 2010.
  37. a b FRANCE Presse (Folha Online, 19 de janeiro de 2003). Refrigerante "engajado" Meca-Cola conquista Oriente Médio (em português). Página visitada em maio de 2010.
  38. CLAY, Kimberly. Coca-Cola collectibles: why are Coca-Cola antiques so popular (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  39. THE COCA-COLA Company. Collectors Columns (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  40. GUIA dos quadrinhos. Turma da Mônica coleção Coca-Cola (em português). Página visitada em maio de 2010.
  41. BR Beer’s Page. Coca-Cola Limited Edition cans: 1991 – 1999 (em inglês). Página visitada em maio de 2010.
  42. Health Care Renewal: Paging (and Paying) "Dr Coca-Cola". Hcrenewal.blogspot.com (9 de novembro de 2009). Página visitada em 13 de março de 2011.
  43. Bolivia Set To Banish Coca-Cola To Mark Mayan End Of Capitalism at Forbes.com
  44. Preliminary Data Suggest That Soda And Sweet Drinks Are The Main Source Of Calories In American Diet. Sciencedaily.com (27 de maio de 2005). Página visitada em 2 de julho de 2011.
  45. Jacobson, Michael F. (2005). "Liquid Candy: How Soft Drinks are Harming Americans' Health", pp. 5–6. Center for Science in the Public Interest. Acessado em 13 de outubro de 2010.
  46. Center for Science in the Public Interest (1997). "Label Caffeine Content of Foods, Scientists Tell FDA." Retrieved June 10, 2005. Archived at WebCite
  47. Tucker KL, Morita K, Qiao N, Hannan MT, Cupples LA, and Kiel DP. (1 d eoutubro de 2006). "Colas, but not other carbonated beverages, are associated with low bone mineral density in older women: The Framingham Osteoporosis Study" (PDF). American Journal of Clinical Nutrition 84 (4): 336–342. PMID 17023723.
  48. Mikkelson, Barbara & Mikkelson, David P. (2004). "Acid Slip". Retrieved June 10, 2005.
  49. "Single food ingredient the cause of obesity ? New study has industry up in arms". (26 de abril de 2004). FoodNavigator.com. Acessado em 27 de fevereiro de 2007.
  50. PTF (2003). "Pepsi, Coke contain pesticides: CSE". Retrieved June 12, 2006. Archived julho 10, 2007 at WebCite
  51. Coca-Cola website (2006). "The Coca-Cola Company addresses allegations made about our business in India". Retrieved June 12, 2006. Arquivado em dezembro 10, 2005 no Wayback Machine
  52. Coca-Cola and Water – An Unsustainable Relationship. Commondreams.org (7 de março de 2006). Página visitada em 13 de março de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Coca-Cola