Colônias israelenses

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Assentamentos judeus)
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa da Cisjordânia com os assentamentos israelenses na cor magenta (janeiro de 2006).
Mapa dos assentamentos israelenses nas Colinas de Golan, em 1992.

As colônias israelenses (pt-PT, colonatos israelitas) são assentamentos ilegais construídos a partir de 1968, no Egito, Jordânia, Líbano e Síria, em territórios ocupados por Israel durante a Guerra dos Seis Dias (1967). Desde então esses territórios são controlados pelo estado judeu. [1]

A ocupação dos territórios não é reconhecida internacionalmente. Esses assentamentos estão localizados em três áreas principais:

Também existiram outros 18 assentamentos judeus na Península de Sinai, desmantelados em 1982, depois dos acordos de Camp David com o Egito. Foram igualmente removidos todos os 21 assentamentos na Faixa de Gaza e quatro no norte da Cisjordânia, em 2005, em consequência da implementação do Plano de retirada unilateral de Israel.

Atualmente, Jerusalém Oriental e as Colinas de Golan são governadas pela lei civil de Israel, mas ambas são consideradas pela comunidade internacional como territórios sob ocupação militar, assim como a Cisjordânia.[4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11]

Em novembro de 2009, cerca de 400.000 israelenses viviam na Cisjordânia, em 168 assentamentos oficialmente reconhecidos. Outros 280.000 viviam em Jerusalém Oriental.[12] Esses assentamentos tanto podem ser fazendas comunitárias como vilarejos de fronteira, com algumas centenas de habitantes, ou verdadeiras cidades, como Ariel. No caso de Jerusalém Oriental, trata-se de bairros dentro da cidade. Os três maiores assentamentos - Modi'in Illit, Maale Adumim e Betar Illit - são cidades com população superior a 30.000 residentes. Todavia, segundo um relatório confidencial do Ministério da Defesa de Israel, publicado pelo jornal Haaretz, em cerca de 75% dos assentamentos judaicos na Cisjordânia, construções foram erguidas sem licença ou em desacordo com as permissões emitidas pelas autoridades israelenses. Segundo o mesmo estudo, em 30 colônias foram construídos “prédios e infraestrutura, incluindo estradas, escolas e delegacias, em terras privadas de palestinos”. [13]

Em 23 de março de 2010 o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou, em Washington, que "se os americanos apoiam os pedidos irracionais feitos pelos palestinos com relação ao congelamento das colônias em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia, o processo político corre o risco de ficar bloqueado por um ano".

No dia seguinte, Israel anunciou que planeja construir mais 20 habitações para judeus no território ocupado de Jerusalém Oriental, no bairro árabe de Sheikh Jarrah. São as primeiras de um total previsto de cem unidades habitacionais. O projeto, aprovado pela Prefeitura de Jerusalém em julho de 2009, é um empreendimento financiado pelo milionário judeu americano da Flórida Irving Moskowitz, [14] que tem promovido a colonização do setor leste da cidade por judeus. Cerca de vinte apartamentos para famílias israelenses serão edificados no local onde está um antigo hotel, que pertenceu ao líder religioso nacionalista palestino Amin al-Husseini [15] . O negociador palestino, Saeb Erekat, disse que o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, insistirá para que Israel revogue os planos para construir em Sheikh Jarrah, assim como a decisão para construir 1.600 casas numa outra região próxima à cidade.[16]

Veto dos EUA à resolução da ONU sobre assentamentos judeus em territórios palestinos[editar | editar código-fonte]

Em 18 de fevereiro de 2011, os Estados Unidos vetaram um projeto de resolução do Conselho de Segurança da ONU, apresentado pelos países árabes, que condena o Estado de Israel, por promover a construção de assentamentos judeus em territórios palestinos. O texto proposto reafirma que todas as atividades israelenses relacionadas aos assentamentos nos Territórios Palestinos Ocupados, inclusive em Jerusalém Oriental, são ilegais e constituem grande obstáculo para alcançar-se a paz com base na solução dos dois Estados -Israel e Palestina. Em consequência, projeto de resolução preconiza a interrupção imediata da expansão das colônias israelenses, retomada em setembro de 2010.[17]

A medida é apoiada por mais de 100 países. Todos os 14 membros do Conselho de Segurança, inclusive o Brasil, votaram a favor da resolução. Somente os EUA posicionaram-se ao lado dos israelenses, seus aliados históricos,[18] e vetaram a resolução. Desde 2001, este foi o décimo veto americano sobre o assunto (o primeiro da administração de Barack Obama). [19]

Os EUA dizem condenar a expansão dos assentamentos, mas consideram que levar o caso à ONU dificulta ainda mais a retomada do processo de paz. [20] Após a votação, a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Susan Rice, declarou:

"Apesar de concordarmos com os outros membros, e de fato com o mundo em geral, sobre a insensatez e a ilegitimidade de continuar as atividades nos assentamentos israelenses, não nos parece sensato que o Conselho trate de resolver os assuntos cruciais entre israelenses e palestinos." [21]

No entanto, os palestinos afirmam que somente voltarão às negociações de paz - cuja pauta inclui, entre outros assuntos, a questão dos refugiados palestinos e o status de Jerusalém - se os israelenses interromperem completamente as construções. [22] No mesmo dia em que o ocorreu o veto americano, o governo de Israel convocou os palestinos a retomarem, imediatamente e sem condições, as negociações diretas de paz entre as duas partes. [23]

O Brasil apóia a condenação à política de Israel de continuar avançando sobre os territórios palestinos, considerando que esses avanços causam o congelamento das conversações de paz com a Autoridade Palestina. A representante permanente do Brasil nas Nações Unidas em Nova York, embaixadora Maria Luiza Viotti, declarou, na sua explicação de voto, que "a continuada expansão dos assentamentos israelenses nos territórios palestinos ocupados tornou-se o obstáculo mais grave a progressos concretos nas negociações para uma solução justa e duradoura da questão da Palestina". A embaixadora acrescentou que "o desrespeito continuado das obrigações internacionais relacionadas à construção de assentamentos constitui ameaça à paz e à segurança na região."[17]

Os árabes já esperavam o veto americano, mas a proposta foi apresentada justamente para mostrar o isolamento dos EUA em seu apoio a Israel, ainda que o governo conservador do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu insista em prosseguir a construção de bairros judaicos além das fronteiras estabelecidas em 1967 pela ONU.[24]

Referências

  1. Donald MacIntyre, The Big Question: What are Israeli settlements, and why are they coming under pressure?, The Independent 29-05-2009
  2. "Palestinian Awareness Month aims to educate Stanford students". Stanford Daily, April 20, 2006. "As Forças de Defesa de Israel continuariam com sua ocupação da Cisjordânia e incursões na Faixa de Gaza." "Chronological Review of Events Relating to the Question of Palestine", Monthly Media Monitoring Review, Sistema de Informação sobre a Questão Palestina das Nações Unidas (UNISPAL}. Divisão para os Direitos Palestinos. Março 2003.
  3. O Artigo I, Seção 9, da Basic Policy Guidelines of the Government of Israel afirma: "O governo considera as Colinas de Golan como essenciais à segurança do estado e dos seus recursos hídricos. A soberania de Israel sobre Golan será a base para uma negociação com a Síria." GPO Background Paper issued in February 1994 (updated).
  4. BBC NEWS | In Depth | Israel and the Palestinians | issues | Jerusalem: Crucible of the conflict
  5. B'Tselem - The Israeli Information Center for Human Rights in the Occupied Territories. East Jerusalem
  6. Conselho de Segurança das Nações Unidas. Resolução 497 de 1981 (em inglês).
  7. GORENBERG, Gershom The Accidental Empire: Israel and the Birth of the Settlements, 1967-1977. Macmillan, 2007 p. 363. Gershom Gorenberg examina o nascimento do movimento de ocupação nos dez anos que se seguiram à Guerra dos Seis Dias, mostrando que foi gerado tanto pelo socialismo do Partido Trabalhista de Israel como pelo extremismo religioso. Grandes figuras da história de Israel — Moshe Dayan, Golda Meir, Eshkol, Allon — assim como os contemporâneos Ariel Sharon, Yitzhak Rabin e Shimon Peres. Gorenberg também mostra como três presidentes dos Estados Unidos fecharam os olhos para o que estava acontecendo nos territórios e as razões estratégicas subjacentes.
  8. GRENVILLE, John Ashley Soames A History of the World from the 20th to the 21st Century. Routledge, 2005, p. 937
  9. What next for Gaza and West Bank? BBC, 30-08-2005. A maioria dos israelenses apoia a retirada, mas alguns acham que o governo cedeu aos grupos militantes palestinos e temem que outras desocupações possam ocorrer. Os palestinos, por sua vez, criticam o fato de que Gaza permaneça sob controle de Israel e reclamam por terem sido impedidos de se pronunciar acerca do processo de desocupação.
  10. Yearbook of the United Nations 2005, p. 514. United Nations Publications, 2007
  11. YISHAI, Yael Land Or Peace p. 58. Hoover Press, 1987. Todos os assentamentos do Sinai foram evacuados após os acordos de Camp David, mas o estabelecimento de novas colônias nos demais territórios prosseguiu. Poucos dias depois de completada a retirada do Sinai, Menahem Begin anunciou que baixaria uma resolução proibindo que os futuros governos removessem assentamentos, mesmo como parte de negociações de paz.
  12. Palestinians shun Israeli settlement restriction plan.
  13. Construções em assentamentos na Cisjordânia disparam por Gustavo Chacra. Estadão, 1° de fevereiro de 2009. Reprodução do artigo publicado.
  14. Irving Moskowitz's bingo madness. How an American gambling mogul is forcing a showdown between the Obama administration and Israel oversettlements. Por Richard Silverstein. The guardian, 6 de agosto de 2009.
  15. Israel to use Hitler shot for PR - BBC News, 22 de julho de 2009.
  16. Israel anuncia mais 20 casas em Jerusalém Oriental; palestinos condenam. Folha Online, 24/03/2010
  17. a b Nota nº 67 do Itamaraty, sobre a votação no Conselho de Segurança sobre os assentamentos israelenses nos Territórios Palestinos Ocupados
  18. Com amigos assim, quem precisa de inimigos? Dois neo-realistas reduzem a amizade entre os EUA e Israel ao tráfico de influência, por Peter Demant. Novos Estudos - CEBRAP, nº76. São Paulo novembro de 2006. ISSN 0101-3300.
  19. EUA vetam resolução da ONU que considera colônias de Israel ilegais. Estadão, 18 de fevereiro de 2011.
  20. Política Externa Brasileira Vídeo de entrevista concedida pela embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, sobre o veto americano à resolução.
  21. EUA vetam resolução contra assentamentos judaicos no Conselho de Segurança da ONU. Opera Mundi/ Efe, 18 de fevereiro de 2011
  22. Após veto dos EUA, palestinos dizem que 'reavaliarão' processo de paz. Estadão, 18 de fevereiro de 2011.
  23. Israel convoca palestinos a retomarem diálogo direto de paz. Estadão, 18 de fevereiro de 2011.
  24. Brasil apoia resolução crítica a Israel, vetada pelos EUA. R7, 18 de fevereiro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre a Palestina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Israel é um esboço relacionado ao Projeto Ásia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.