Congresso da Polônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Królestwo Polskie
Царство Польское

Congresso da Polônia
Protetorado do Império Russo, mais tarde transformado em província.
Brasão de armas
Brasão de armas
18151915
Bandeira do Congresso da Polônia
Bandeira Brasão
Karte kongresspolen.png
Mapa do Congresso da Polônia, em alemão, colorido em verde, a linha escura mostra a fronteira antes da partilha
Capital Varsóvia
Línguas inicialmente polaco, depois russo
Religião católica romana, ortodoxa oriental
Forma de governo
Monarquia
Monarquia Constitucional
1815–25 Alexandre I
1825–31 Nicolau I (deposto)
1894–1915 Nicolau II (renunciou)
Legislativo Sejm
Área
128.000 km²
População
  Variável (est.) 3.300.000 hab.
Densidade 25.7 hab./km²
Reino da Polônia, 1815-1830
Mapa (em polaco) de 1902

Congresso da Polônia ou Congresso da Polónia (em polaco: Kongresówka; oficialmente Reino da Polônia, (em polaco: Królestwo Polskie, em russo: Царство Польское Tsarstvo Polskoye 'tsarstʋɘ 'polʲskɘje), também informalmente conhecido como Polônia Russa, foi a união constitucional da Polônia com o Império Russo, criada em 1815 pelo Congresso de Viena. Foi depois substituída pelos Impérios Centrais, em 1915, pelo Reino da Polônia. Embora oficialmente o Congresso da Polônia tivesse iniciado como Estado com uma considerável autonomia política, o Czar russo não aceitava restrições ao seu poder, além de ter reduzido severamente os poderes autônomos depois das revoltas de 1830-31 e de 1863, fazendo da Polônia, novamente um estado fantoche do Império russo, que depois foi dividido em províncias.[1] [2] Assim desde o começo, a autonomia polonesa não foi nada mais do que ficção.[3]

O território do Congresso da Polônia corresponde grosseiramente as voivodias (regiões ou províncias) de Lublin, Łódź, Mazóvia e Santa Cruz.

Nome[editar | editar código-fonte]

Embora o nome oficial do estado fosse "Monarquia da Polônia", na prática isto não foi usado. Em vez disso, para distingui-lo de outro Reinos da Polônia, foi então chamado Congresso da Polônia. Em todas as partes do século XIX, o termo congresso da Polônia continuou sendo usado em relação a estes territórios, embora a entidade política deles unidos não existisse mais.

História[editar | editar código-fonte]

O "Congresso da Polônia" foi criado fora do Ducado de Varsóvia no Congresso de Viena em 1815, quando os Estados Europeus reorganizaram a Europa depois da guerra napoleônica A criação do Congresso da Polônia criou uma partição de terras polonesas nas quais o estado foi dividido e governado entre Império Russo, Áustria e Prússia.[4]

O Congresso foi importante o suficiente na criação do estado que o novo país teve seu nome em homenagem a ele.[5] [6] O Congresso da Polônia perdeu seu status como estado soberano em 1831, quando a divisão administrativa do Congresso da Polônia foi reorganizado. Era suficientemente distinto que seu nome permaneceu em uso oficial russo, apesar de no últimos anos do poder russo ter sido normalmente substituído extra-oficialmente,[7] por País Vistulano (em russo: Privislyansky Krai).

Na sequência da derrota da Revolta de Novembro suas distintas instituições e acordos administrativos foram abolidos, como parte de um aumento de russificação, de forma a ser mais estreitamente integrado com o Império Russo. No entanto, mesmo após esta anexação formal, o território manteve alguma forma de distinção e continuou a ser chamado informalmente de Congresso Polônia até a dominação russa terminar, como resultado do avanço dos exércitos das Impérios Centrais em 1915 durante a Primeira Guerra Mundial.

Originalmente, o reino tinha uma área de cerca de 128500 km ² e uma população de aproximadamente 3,3 milhões de pessoas. O novo Estado seria um dos mais pequenos estados poloneses da história, menor do que o anterior Ducado de Varsóvia, e muito menor do que a República das Duas Nações (que tinha uma população de 10 milhões de habitantes e uma área de 1 milhões de km².[6] A sua população atingia 6,1 milhão em 1870 e 10 milhões em 1900. A maior parte da etnia polaca do Império Russo viviam no Reino do Congresso da Polônia, embora algumas áreas fora dele também continham maioria polonesa.

O Congresso da Polônia emergiu principalmente graças ao esforços de Adam Jerzy Czartoryski,,[8] um polonês que buscava a ressureição do Estado Polonês em aliança com a Rússia.

O Reino da Polônia foi uma das poucas monarquias constitucionais contemporâneas na Europa, com o Imperador da Rússia servindo como Rei da Polônia. Seu título como chefe da Polônia, em russo, era czar, similar ao usado nos estados integrados no seio do Império (Geórgia, Kazan, Sibéria).

Independência inicial[editar | editar código-fonte]

Teoricamente o Congresso da Polônia, na sua forma original, era uma forma semi-autônoma de estado unido com a Rússia através do domínio do czar russo. O estado possuía a Constituição do Reino da Polônia, uma das mais liberais da Europa no século XIX,,[8] um parlamento (Sejm) responsável por votar leis, um exército independente, moeda, orçamento, Código Penal e uma alfândega na fronteira que a separava do resto do território russo. A Polônia também teve tradições democráticas (Liberdade dourada) e a nobreza polonesa valorizando profundamente a liberdade pessoal. Na realidade, o czar tinha poder absoluto e o título formal de autocrata, e não queria restrições ao seu poder. Toda a oposição ao imperador era perseguida, as liberdades individuais sendo desrespeitadas à vontade pelos funcionários russos.[9] apesar da Rússia exigir o domínio absoluto, isto era difícil de ser estabelecido no Congresso da Polônia por causa das tradições e instituições liberais. A independência do Congresso da Polônia durou apenas 15 anos; inicialmente Alexandre I utilizou o título de Rei da Polônia e foi obrigado a respeitar as resoluções da Constituição. No entanto, com o tempo, a situação mudou e ele concedeu ao vice-rei, Grão-Duque Konstantin Pavlovich, poderes quase ditatoriais.[5] Logo, após o Congresso de Viena resoluções foram assinados, mas a Rússia deixou de respeitá-las. Alexandre I,em 1819, aboliu a liberdade de imprensa e introduziu a censura preventiva. A resistência ao controle russo começou em 1820.[3] A polícia secreta russa comandada por Nikolay Nikolayevich Novosiltsev iniciou a perseguição de organizações secretas polonesas e, em 1821, o Czar ordenou a supressão da maçonaria, que representavam tradições patrióticas da Polônia.[3] A partir do início de 1825, às sessões do Sejm foram mantidas em segredo.

Revoltas e perda de autonomia[editar | editar código-fonte]

O sucessor de Alexandre I, Nicolau I foi coroado Rei da Polônia em 24 de maio de 1829, em Varsóvia, mas ele se negou a jurar obediência à Constituição e continuou a limitar a independência do Congresso da Polônia. O governo de Nicolau representava a idéia de Nacionalidade Oficial, que é ortodoxia, autocracia e nacionalidade. Em relação aos poloneses, estas idéias implicaram na meta de assimilação, com objetivo de transformá-los em fiéis ortodoxos russos.[3] O princípio da ortodoxia, foi o resultado especial do papel que desempenhava a Igreja no Império Russo, tornando-se de fato um departamento do estado,[3] sendo outras religiões discriminadas, por exemplo as bulas papais não podiam ser lidas no Congresso da Polônia sem autorização do governo russo. O Estado de Nicolau também significou o fim da tradição política na Polônia, tendo acabado com a existência de instituições democráticas, introduzido a administração centralizada, que não era eleita mas sim nomeada. Ele tentou também mudar as relações entre o Estado e o indivíduo. Todo este descontentamento e levou a resistência entre a população polonesa.[3] Em janeiro de 1831 a Sejm depôs o Czar como Rei da Polônia, em resposta aos seus reiterados atentados aos direitos constitucionais. O czar russo reagiu através do envio de tropas para a Polónia e então a Revolta de Novembro eclodiu.[10] depois de 11 meses de campanha militar o Congresso Polônia perdeu sua semi-independência e foi, posteriormente, muito mais rigidamente integrado ao Império Russo. Este foi formalizado através da emissão do Estatuto Orgânico do Reino da Polônia pelo Imperador em 1832, que aboliu a Constituição, o exército e a assembléia legislativa. Nos próximos 30 anos uma série de medidas vinculou o Congresso Polônia cada vez mais estreitamente com a Rússia. Em 1863 a Revolta de Janeiro eclodiu, mas foi esmagada em 1865. Como resultado todos os diretos restantes de Estado separado do Congresso Polônia foram removidos e a entidade política foi diretamente incorporada ao Império russo. O nome extra-oficial País Vistulano (em russo: Привислинский Край) substituiu "Congresso da Polônia" como nome oficial da área e se tornou um namestnichestvo sob controle de um namestnik até 1875, quando se tornou uma Guberniya. Nos anos de 1880, a língua oficial, foi alterada para russo e o polonês foi banido tanto dos escritórios e das escolas. Em 1912 a parte sudeste, em torno de Chełm, constituiu uma entidade separada e foi incorporada no núcleo da Rússia. Em 1915 durante a Primeira Guerra Mundial Congresso Polônia foi saqueada e abandonada no recuo exército russo, tentando imitar a política de terra queimada de 1812;[11] [12] os russos também despejaram centenas de milhares de habitantes suspeitos de colaborar com o inimigo.[11] [13] [14] No ano seguinte, a ocupação dos Impérios Centrais criou o Reino da Polônia de curta duração com a maior parte do seu território.

Governo[editar | editar código-fonte]

O governo do Congresso da Polônia foi delineado na Constituição do Reino da Polônia em 1815. O Imperador da Rússia era o oficial chefe de Estado, considerado o Rei da Polônia, com o governo local, liderado pelo Namestnik do Reino da Polônia, Conselho de Estado e Conselho administrativo, além de uma das Sejm.

Em teoria o Congresso da Polônia possuía um dos governos mais liberais do seu tempo, na Europa,[8] mas, na prática, a área era um estado fantoche do império russo. As disposições liberais da Constituição e o alcance da autonomia eram frequentemente ignoradas pelos funcionários russos.[6] [8] [9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Nicolson, Harold George. The Congress of Vienna: A Study in Allied Unity, 1812-1822. New York: Grove Press, 2001. 171 pp. ISBN 0-802-13744-X.
  2. Palmer, Alan Warwick. Twilight of the Habsburgs: The Life and Times of Emperor Francis Joseph. Boston: Atlantic Monthly Press, 1997. 7 pp. ISBN 0-871-13665-1.
  3. a b c d e f Nation without a State: Imagining Poland in the Nineteenth Century by Agnieszka Barbara Nance, Dissertation for the Degree of Doctor of Philosophy The University of Texas at Austin page 169-188
  4. Henderson, WO. Castlereagh et l'Europe, w: Le Congrès de Vienne et l'Europe. Paris: Bruxelles, 1964. 60 pp.
  5. a b Miłosz, Czesław. The history of Polish literature. Berkeley: University of California Press, 1983. 196 pp. ISBN 0520044770. Visitado em 2008-04-10.
  6. a b c Nicolson, Harold George. The Congress of Vienna: A Study in Allied Unity, 1812-1822. New York: Grove Press, 2001. 179–180 pp. ISBN 0-802-13744-X. Visitado em 2008-04-10.
  7. Kingdom of Poland The Brockhaus and Efron Encyclopedia (1890–1906). Visitado em 2006-07-27.
  8. a b c d Ludwikowski, Rett R.. Constitution-making in the region of former Soviet dominance. Durham, N.C: Duke University Press, 1996. 12–13 pp. ISBN 0-822-31802-4.
  9. a b konstytucja Królestwa Polskiego Encyklopedia PWN. Visitado em 2006-01-19. (Polonês)
  10. Janowski, Maciej; Przekop, Danuta. Polish Liberal Thought Before 1918. Budapest: Central European University Press, 2004. 74 pp. ISBN 9639241180. Visitado em 2008-04-10.
  11. a b John N. Horne, Alan Kramer, German Atrocities, 1914: A History of Denial, Yale University Press, 2001, ISBN 0300107919, Google Print, p. 83
  12. Roger Chickering, Stig Förster, Great War, Total War: Combat and Mobilization on the Western Front, 1914-1918, Cambridge University Press, 2000, ISBN 0521773520, Google Print, p.160
  13. Barnett R. Rubin, Jack L. Snyder, Post-Soviet Political Order: Conflict and State Building, Routledge, 1998, ISBN 0415170699, Google Print, p.43
  14. Alan Kramer, Dynamic of Destruction: Culture and Mass Killing in the First World War, Oxford University Press, 2007, ISBN 0192803425, Google Print, p.151

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]