Dura-máter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde janeiro de 2012). Ajude e colabore com a tradução.
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este artigo conforme o guia de tradução.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.



Dura-máter
Meninges-pt.svg
Meninges do SNC
Gray770-pt.svg
Seção diagramática tranversa da medula espinhal e suas membranas.
Gray's subject #193 872
MeSH Dura+Mater

A dura-máter, ou dura, é a mais externa das três meninges que envolvem o cérebro e a medula espinhal. É derivado da Mesoderme. As outras duas camadas meníngicas são a pia-máter e a aracnoide. A dura envolve o cérebro e a medula espinhal e é responsável por manter o líquido cefalorraquidiano. O nome dura-máter é derivado do Latim "mãe dura" ou "mãe resistente",1 2 e é também chamada de paquimeninge. A dura tem sido descrita como "resistente e inflexível" e "como couro".1

Camadas e funções[editar | editar código-fonte]

Gray488 blue.gif

A dura-máter tem diversas funções e camadas. A dura-máter é um saco que envolve a aracnoide. Ela envolve e suporta o seio dural (também chamado de seio dural venoso, seio cerebral, ou seio craniano) e carrega sangue do cérebro em direção ao coração.

A dura-máter tem duas camadas (lâminas): A camada superficial - que serve como periósteo craniano interno, chamado de endocrânio; e uma camada profunda, a verdadeira dura-máter.

Reflexões e dobras durais[editar | editar código-fonte]

Dura-máter espinhal

A dura se separa em duas camadas nas reflexões durais (também conhecido como dobras durais), lugar onde a camada dural interna é refletida como protusões foliáceas para dentro da cavidade craniana. Existem duas principais reflexões durais:

Outras duas dobras internas incluem o cerebellar falx e o diafragma selar.

  • O cerebellar falx (ou Falx cerebelli) é a dobra interna vertical que encontra-se abaixo do tentório cerebelar na parte posterior da fossa craniana. Ela separa parcialmente os hemisférios cerebelares.
  • O diafragma selar é a menor dobra interna e é uma folha circular da dura que está suspensa entre os processos clinoides, formando um teto parcial sobre a fossa da hipófise. O diafragma selar cobre a glândula pituitária nessa fossa e tem uma pequena abertura para a passagem do infundíbulo e as veias da hipófise.

Drenagem[editar | editar código-fonte]

As duas camadas da dura-máter correm juntas através de quase todo o crânio. Aonde se separam, o espaço entre elas é chamado de seio venoso dural. Esses seios drenam sangue e fluido encefalorraquidiano do cérebro e jogam dentro da veia jugular interna.

Eles drenam através da arachnoid villi, que são ramos da aracnoide (a camada meníngea média) que se estendem para dentro dos seios venosos. Essas villi funcionam como uma válvula de direção única.

Veias meníngeas, que correm através da dura-máter, e veias-ponte, que drenam o tecido neural sobreposto e punciona a dura-máter, esvaziam-se dentro dos seios durais. A ruptura de uma veia-ponte causa o hematoma subdural.

Patologia[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.

Várias patologias envolvem a dura-máter. O hematoma subdural ocorre quando há um acúmulo anormal de sangue entre a dura e a aracnoide, normalmente como resultado de lesão em veias-ponte em decorrência de trauma no crânio. O hematoma epidural é o acúmulo de sangue entre a dura e a superfície interna do crânio, normalmente em decorrência de sangramento arterial.

Em 2011, Scali et at., descobriu uma conexão entre o tecido macio do rectus capitis posterior maior e a dura-máter cervical. Diversas patologias pode estar relacionadas a esta conexão anatomica como dores de cabeça, neuralgia trigeminal e outros sintomas que envolvem a dura cervical (Spine 2011).5 O Rectus Capitis Posterior Menor tem um anexo similar como descrito por Hack et al. em 1995.

O músculo dural, a conexão ligamentosa dural na espinha cervical superior e áreas occipitais podem prover repostas anatômicas e fisiológicas para a causa das dores de cabeça cervicogênicas. Essa proposta poderia então explicar a eficácia da manipulação no tratamento da dor de cabeça cervigogênica.6

Suprimento sanguíneo[editar | editar código-fonte]

A artéria meníngea média supre a maior parte do sangue para a dura-máter, mas os ramos meníngeos da artéria etmoidal anterior e posterior também contribuem.

Inervação[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.

A inervação sensória da dura-máter supratentorial é via pequenos ramos meníngeos do nervo trigeminal (V1, V2 e V3).7 A inervação para a dura-máter infratentorial são os nervos cervicais superiores.


A Ectasia Dural é o crescimento da dura e é comum em desordens de tecido conectivo, como síndrome de Marfan e síndrome de Ehlers-Danlos.

Vazamento espontâneo de Líquido Cefalorraquidiano é a perda de volume e pressão do Líquido Cefalorraquidiano devido a buracos (furos) na dura-máter.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b medterms.com
  2. D. Harper - ety
  3. Shepherd S. 2004. "Head Trauma." Emedicine.com.
  4. Vinas FC and Pilitsis J. 2004. "Penetrating Head Trauma." Emedicine.com.
  5. Frank Scali, Eric S. Marsili, Matt E. Pontell. . "Conexão anatômica entre o Rectus Capitis Posterior Maior e a Dura-Máter". Spine.
  6. Gary D. Hack, Peter Ratiu, John P. Kerr, Gwendolyn F. Dunn, Mi Young Toh. . "Visualização da ponte do múculo Dural no conjunto de dados da mulher". The Visible Human Project, National Library of Medicine.
  7. 'Gray's Anatomy for Students' 2005, Drake, Vogl and Mitchell, Elsevier

Imagens adicionais[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]