Empalamento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2013).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Xilogravura representando Vlad III o Empalador durante um empalamento em massa.

Empalamento ou empalação[1] (do latim palus, estaca ou mastro[2] ) é uma método de tortura e execução que consistia na inserção de uma estaca pelo ânus, vagina, ou umbigo até a morte do torturado.[3] A vítima, atravessada pela estaca, era deixada para morrer sentido dores terríveis, agravadas pela sensação de sede.[2]

Esse tipo de tortura, altamente cruel, foi vastamente utilizada por diversas civilizações no mundo inteiro, sobretudo da Arábia e Europa. Os assírios, conhecidos por inventarem diversos métodos de tortura dos mais cruéis, séculos antes de Cristo, empalavam prisioneiros de guerra, bem como civis que cometiam certos crimes. Diz a lenda que o monarca assírio Assurbanípal apreciava assistir a sessões de empalamento, enquanto fazia suas refeições.[carece de fontes?] Os romanos conheciam este método, mas não o praticavam.[2]

O método foi muito utilizado pelo conde romeno Vlad da Valáquia[4] , que ganhou fama por empalar seus inimigos, e ficou conhecido pelo titulo o Empalador (Vlad, o Empalador) ou, em romeno, Vlad Ţepeş. Vlad, que também parecia apreciar as empalações em seus horários de refeições, inspirou Bram Stoker para seu notório livro Drácula.

Os turcos otomanos empregavam este método para punir cristãos que falassem algo contra Maomé, que tivessem alguma relação com uma mulher muçulmana, ou que tivessem entrado em uma mesquita. Soleyman, o jovem muçulmano que assassinou o General Kleber no Egito, foi empalado diante das tropas francesas; ele morreu após vários dias sofrendo os piores tormentos, com aves de rapina comendo sua carne.[2]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.