Estância (Sergipe)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Estância
"Jardim de Sergipe"
Linha Verde, uma das duas principais rodovias que passa por Estância

Linha Verde, uma das duas principais rodovias que passa por Estância
Bandeira de Estância
Brasão de Estância
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 1831
Gentílico estanciano
Lema Cultura e Trabalho
Padroeiro(a) Nossa Senhora de Guadalupe
Prefeito(a) Carlos Magno Costa Garcia (DEM)
(2013–2016)
Localização
Localização de Estância
Localização de Estância em Sergipe
Estância está localizado em: Brasil
Estância
Localização de Estância no Brasil
11° 16' 04" S 37° 26' 16" O11° 16' 04" S 37° 26' 16" O
Unidade federativa  Sergipe
Mesorregião Leste Sergipano IBGE/2008[1]
Microrregião Estância IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte (Itaporanga d'Ajuda), sul (Santa Luzia do Itanhi e Indiaroba), leste (Oceano Atlântico) e oeste (Salgado, Boquim e Arauá)
Distância até a capital 70 km
Características geográficas
Área 644,083 km² [2]
População 67 491 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 104,79 hab./km²
Altitude 53 m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,672 médio PNUD/2000[4]
PIB R$ 1 029 448,960 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 15 969,36 IBGE/2010[5]
Página oficial

Estância é um município brasileiro do estado de Sergipe. A cidade, denominada por Dom Pedro II como o jardim de Sergipe, dos sobrados azulejados, das festas juninas e do barco de fogo, ainda possui um belo acervo arquitetônico, apesar das constantes perdas provocadas por destruições e mutilações de prédios históricos.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Relevo[editar | editar código-fonte]

  • Planície Litorânea – localizada ao longo da Costa, formada por dunas e praias.
  • Tabuleiros Costeiros – localizados após a planície litorânea, constituído de baixo planalto pré-litorânea, com temperatura média de 25ْ C e um período de seca de até três meses.
  • Vegetação Litorânea – é muito variada, nas praias predominam coqueirais e uma vegetação rasteira, com campos de matas de restingas e manguezais.
  • Mata Atlântica – floresta fechada, com árvore alta encontrada no topo de algumas colinas e sopé das serras.
  • Cerrado – vegetação espaçada com arbusto e árvore baixa, retorcidas, de casca grossa.

Clima[editar | editar código-fonte]

Clima tropical, com os meses de maior calor sendo janeiro, março e dezembro e os meses mais chuvosos sendo maio, junho, julho, agosto e setembro.
  • Temperatura Máxima – 31°C
  • Temperatura Mínima – 23°C
  • Temperatura média anual -25ºC

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

Pedro Homem da Costa e seu concunhado foram agraciados com as terras onde se encontra hoje o território de Estância. A doação foi feita pelo capitão-mor da Capitania de Sergipe, João Mendes, em 16 de setembro de 1621, porém, as ditas terras haviam sido adquiridas anteriormente por Diogo de Quadros e Antônio Guedes, os quais não a povoaram nem a colonizaram, razão pela qual perderam o direito da concessão. Tanto Pedro Homem da Costa, como Pedro Alves e João Dias Cardoso, este último sogro dos dois, já ocupava a gleba antes da concessão, com roças e criação de gados.

Quem primeiro desbravou as terras foi Pedro Homem da Costa e nelas edificou uma capela, dedicada a Nossa Senhora de Guadalupe, santa que nos consta, é, também, a Padroeira do México. Entre os mexicanos, Estância é uma propriedade de criação de gado e os seus ocupantes são chamados de estancieiros, daí o nome adotado por Pedro Homem da Costa: Estância.

Durante muito tempo, Estância foi subordinada à Vila de Santa Luzia do Real, atualmente Santa Luzia do Itanhy. Só em abril de 1757, o rei autorizou que realizassem na povoação de Estância "vereações, audiências, arrematações e outros atos judiciais na alternativa dos juízes ordinários", acontecendo assim, a separação jurídica da Vila de Santa Luzia, então em franca decadência. Em 25 de outubro de 1831, a sede da Vila de Santa Luzia é transferida para Estância. Em 5 de março de 1835, é criada a sua Comarca, e, finalmente, a 4 de maio de 1848, foi elevada a categoria de cidade.

Patrimônio cultural[editar | editar código-fonte]

O IPHAN em 27 de julho de 1962 tombou a Casa à Praça Rio Branco nº. 35. Sobrado colonial que possui telhado em quatro águas com beirais e cimalha de madeira. No térreo possui quatro portas e três janelas alternadas de vergas curvas e ombreiras de madeira. O segundo pavimento possui sete janelas com balcões em balautradas em madeira. As fachadas laterais do pavimento superior possuem janelas semelhantes às da fachada principal. A fachada posterior apresenta o prolongamento do piso superior sobre pilastras de alvenaria. O prolongamento tem pé direito baixo e oito janelas geminadas de construção mais recente. O único exemplar acautelado em nível federal, incluído no livro de tombo histórico, na verdade, uma homenagem à rica história de Estância. E também mostra a predileção do órgão federal por bens coloniais em detrimentos dos ecléticos, fato que só foi superado a partir dos anos oitenta.

Entretanto, são os sobrados e casas azulejados, muitos tombados pela Secretária de Cultura do Governo do Estado de Sergipe, que se destacam na paisagem urbana. Citamos os imóveis:

- Rua Capitão Salomão nº.67; Rua Pedro Soares nº. 442 (ou Cap. Salomão nº 84) - (imóvel que sofreu recentemente uma séria descaracterização com mutilação do portico com gradil metálico e destruição do interior do pavimento térreo); Rua Capitão Salomão nº. 122; Rua Capitão Salomão nº. 136; Rua Capitão Salomão nº. 227; Rua Capitão Salomão nº. 228; Rua Capitão Salomão nº. 256; Rua Duque de Caxias nº. 339; Rua Capitão Salomão nº. 162;

Também são tombados pelo Governo Estadual a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e a pintura em óleo sobre tela Misericórdia e Caridade de autoria de Horácio Hora do Hospital Amparo de Maria.

Alguns desses imóveis citados estão em estado inadequado de conservação. E vários outros sobrados ou trechos urbanos mereceriam ter sido incluídos na lista do Patrimônio Estadual, e talvez nacional, porém foram destruídos ou deformados. Muitas vezes reação de aversão da própria população contra a figura do tombamento e seus efeitos sobre a propriedade do imóvel.

Infelizmente, a Prefeitura Municipal nunca tomou atitudes a fim de preservar o rico acervo arquitetônico, paisagístico e urbanístico da cidade de Estância, compostos por sobrados azulejados, coloniais, casas ecléticas, art-déco, e até alguns bons exemplares de arquitetura modernista. Igrejas e acervos sacros. Fábricas e vilas operárias. E o próprio espaço urbanos com suas ruas, praças, texturas e cores. Pior, muitas vezes os prefeitos incentivaram a destruição ou a desinformação quando pregam que o tombamento engessa a cidade.

Por fim, o município ainda possui exemplares remanescentes de antigos engenhos de cana-de-açúcar. O ciclo da cana-de-açúcar e o engenho tiveram papel significativo na formação econômica e social do povo sergipano e o sul do estado também participou ativamente da economia açucareira.

Demografia[editar | editar código-fonte]

(Fonte: IBGE e Rádio Povão)

  • Total – 67.491 habitantes dados mais recentes no IBGE 2013
  • Densidade Demográfica – 104,79 hab∕ km²

Economia[editar | editar código-fonte]

Setor primário
  • Agricultura – destaca-se a cultura de coco

Pecuárias – bovinos, ovinos

Setor secundário
  • Indústrias – indústria alimentícias, têxteis. metalurgicas, cerveja, sucos, quimicas, perfumarias etc.:
Setor terciário
  • Comércio, bancos, turismo e setor público.

Acesso[editar | editar código-fonte]

Mapa da BR-101, rodovia que passa por Estância
Rodovias
  • Rodovias federais
  1. BR 101 – sentido Sul/Norte
  2. Linha Verde – estrada ecológica litorânea protegida pelo IBAMA, que liga Salvador à Aracaju.
Hidrovias
Transporte de passageiros do Porto do Saco do Rio Real (Porto do Mato) até Mangue Seco na Bahia passeio de Escuna pelas margens ribeirinhas.
Porto – O porto de Sergipe, Terminal Marítimo Inácio Barbosa - TMIB, localizado na Barra dos Coqueiros, a 15 km de Aracaju, ocupa uma área de 200ha e abriga as instalações de apoio e sistemas de infra-estrutura. Conta ainda com terminal de passageiros, servindo de entrada marítima no Estado, isto a 80 km da cidade de Estancia.
Aéreo
Aeroporto Santa Maria, em Aracaju, a 56 km de distância.

Comunicação[editar | editar código-fonte]

Rádios[editar | editar código-fonte]

  • Ilha FM 101.5 MHz
  • Rádio Abaís AM 1450
  • Rádio Esperança AM 1250
  • Rádio Mar azul FM 104.9 MHz
  • Rádio Vem

Televisão[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2013. Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (01 de julho de 2013). Página visitada em 30 de setembro de 2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2006-2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 01 mar. 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Sergipe é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.