Estação Ecológica de Águas Emendadas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Estação Ecológica de Águas Emendadas é uma unidade de conservação - UC localizada no planalto central brasileiro, no extremo nordeste do Distrito Federal, na região administrativa de Planaltina[1] , a uma distância de 50 km do centro de Brasília e a 5 km do centro de Planaltina[2] . Com visitação controlada, a estação que está sob responsabilidade do Instituto Brasília Ambiental - IBRAM, do Governo do Distrito Federal, tem uma área de 10 mil 547 hectares e é destinada à proteção do ambiente natural, realização de pesquisas básica e aplicada em ecologia e à educação conservacionista. Em 1992 foi declarada pela UNESCO área nuclear da Reserva da Biosfera do Cerrado. O primeiro registro da região foi feito no Relatório da Comissão Exploradora do Planalto Central, coordenada por Luís Cruls, em 1892 [3] .

Flora[editar | editar código-fonte]

A vegetação é de varzea grande, cerrado, campo cerrado, capo sujo, campo limpo, mata de galeria alagada e não alagada, veredas, campo úmido e campo de murunduns.[3]

Fauna[editar | editar código-fonte]

Um grande número de animais do cerrado podem ser encontrados dentro da área da Estação de Águas Emendadas. Alguns mamíferos ameaçados de extinção como o lobo-guará, o veado-campeiro, o tamanduá-bandeira e o tatu-canastra.Também podem ser encontradas várias aves incomuns como tucanos, papagaios, carcarás e seriemas.[3]

Razões para o nome[editar | editar código-fonte]

A Estação ecológica tem esse nome por se tratar de um fenômeno hidrográfico de dispersão de águas, fluindo a partir de um mesmo ponto para lados opostos, formando a Bacia do Tocantins-Araguaia e a Bacia platina. Para o norte, o córrego Vereda grande alimenta o Rio Maranhão, que após desaguar na Lagoa da barragem de Serra da Mesa continua pelo Rio Tocantins que, após se juntar-se ao Rio Araguaia, deságua no Oceano Atlântico, na Baía do Marajó; para o sul, o Córrego Brejinho engrossa o Córrego Fumal, que deságua no Rio Pipiripau e que, após confluir com o Rio Mestre d'Armas, forma o Rio São Bartolomeu, que, por sua vez, corre para o Rio Corumbá e deste para o Rio Paranaíba, formando então o Rio Paraná, indo finalmente desaguar no estuário do Prata.[1] [3]

Referência legal[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Folder produzido pelo IBRAM, com apoio do BID, GDF e parceiros privados, distribuído no local.
  2. Águas Emendadas / Distrito Federal. Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente; Fernando Oliveira Fonseca (org.)- Brasília:Seduma, 2008.542p:il.color.ISBN 978-85-61054-00-7
  3. a b c d Guia ecológico
Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.