Filamento galáctico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cosmologia
WMAP 2008.png
Universo · Big Bang
Idade do universo
Cronologia do Universo
Derradeiro destino do Universo
Formação das estruturas
Forma do universo
Formação estrutural
Reionização
Formação das galáxias
Estrutura em larga escala
Filamento galáctico

Em cosmologia física, os filamentos galácticos, também denominados complexos de superaglomerados ou grandes muralhas, constituem, até o momento, as maiores estruturas conhecidas no universo. Os filamentos são estruturas massivas e estendidas, cujo comprimento típico que varia de 50 a 80 megaparsecs h-1, e formam os limites entre os grandes vazios do universo.[1] Os filamentos consistem em galáxias agrupadas pela atração gravitacional; partes em que um grande número de galáxias se encontram muito próximas umas das outras são denominadas superaglomerados.

As descobertas de estruturas maiores que os superaglomerados tiveram início nos anos 80. Em 1987, o astrônomo R. Brent Tully, do Instituto de Astronomia da Universidade do Havaí identificou uma estrutura chamada Complexo de superaglomerados Peixes-Baleia. Em 1989 a Grande Muralha CfA2 foi descoberta,[2] seguida da Grande Muralha Sloan em 2003.[3]

Em 2006, cientistas anunciaram a descoberta de três filamentos alinhados que em conjunto formam a maior estrutura conhecida pelo homem,[4] composta de agrupamentos compactos de galáxias e enormes bolhas de gás conhecidas como bolhas Lyman alpha.[5]

Lista[editar | editar código-fonte]

Filamentos de galáxias[editar | editar código-fonte]

O subtipo dos filamentos galácticos denominados filamentos possuem eixos maiores e menores similares, na espessura, ao longo do eixo de comprimento.

Filamentos galácticos
Filamento Data Distância média Dimensão Notas
Filamento de Coma O superaglomerado de Coma se localiza dentro do filamento de Coma.[6] É parte da Grande Muralha CfA2.[7]
Filamento de Perseu-Pégaso 1985 Conectado ao superaglomerado Peixes-Baleia, com o superaglomerado Perseu-Peixes sendo outro membro do filamento.[8]
Filamento de Ursa Maior Conectado ao CfA Homúnculo, uma porção desse filamento forma a "perna" do Homúnculo.[9]
Filamento Lince-Ursa Maior 1999 de 2000 km/s a 8000 km/s no espaço de desvio para o vermelho Conectado ao superaglomerado Lince-Ursa Maior.[9]
filamento ao redor do protoaglomerado ClG J2143-4423 2004 z=2.38 110Mpc Um filamento do mesmo comprimento da Grande Muralha descoberto em 2004.[10] [11] [12] [13]

Muralhas de galáxias[editar | editar código-fonte]

Os filamentos do subtipo muralha de galáxias apresentam um eixo maior significativamente mais largo que o eixo menor, ao longo do eixo de comprimento .

Muralhas de galáxias
Muralha Data Distância média Dimensão Notas
Grande Muralha CfA2 (Muralha da Cabeleira, Grande Muralha, Grande Muralha do Norte, Grande Muralha CfA) 1989 z=0.03058 251 M-al1 de comprimento
750 M-al de comprimento
250 M-al de largura
20 M-al de espessura
Esta foi a primeira super estrutura ou pseudo-estrutura em larga escala descoberta no universo. Hoje, é a segunda maior estrutura conhecida. A CfA Homúnculo se situa no coração da Grande Muralha, e juntamente com o superaglomerado da Cabeleira forma a maior parte da estrutura de homúnculo. O aglomerado da Cabeleira constitui o núcleo dessa estrutura.[14] [15]
Grande Muralha Sloan (Grande Muralha SDSS) 2005 z=0.07804 433 Mpc2 de comprimento Esta é a maior estrutura ou pseudo-estrutura ja descoberta no universo.[14]
Muralha do Escultor (Grande Muralha do Sul, Muralha do Sul) 8000 km/s de comprimento
5000 km/s de largura
1000 km/s de profundidade
(em dimensões do espaço de desvio para o vermelho)
A Muralha do Escultor é paralela à Muralha da Fornalha e perpendicular à Muralha do Grou.[16] [17]
Muralha do Grou A Muralha do Grou é perpendicular às Muralhas da Fornalha e do Escultor.[17]
Muralha da Fornalha O aglomerado da Fornalha é parte desta muralha. É paralela à Muralha do Escultor e perpendicular à Muralha do Grou.[16] [17]

1 mega-ano-luz
2 megaparsec

  • Uma muralha foi proposta, em 2000, localizada em z=1.47 nas vizinhanças da radiogaláxia B3 0003+387.[19]

Mapa das muralhas de galáxias mais próximas[editar | editar código-fonte]

O universo, num raio de 500 milhões de anos-luz da Terra, mostrando as muralhas galácticas mais próximas.

Mapas da distribuição em grande escala[editar | editar código-fonte]

Anexos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Bharadwaj, Somnath; Bhavsar, Suketu; Sheth, Jatush V. The Size of the Longest Filaments in the Universe. Astrophys.J. 606 (2004) 25-31
  2. M. J. Geller & J. P. Huchra, Science 246, 897 (1989).
  3. Sky and Telescope, "Refining the Cosmic Recipe", 14 de novembro de 2003
  4. http://www.universetoday.com/399/the-largest-structure-in-the-universe/
  5. Than, Ker. "Scientists: Cosmic blob biggest thing in universe", SPACE.com, 28/07/2006. Página visitada em 11/03/2007.
  6. 'Astronomy and Astrophysics' (ISSN 0004-6361), vol. 138, no. 1º de setembro de 1984, p. 85-92. pesquisa apoiada pela Universidade Cornell "The Coma/A 1367 filament of galaxies" 09/1984
  7. THE ASTRONOMICAL JOURNAL, 115:1745-1777, maio de 1998 ; THE STAR FORMATION PROPERTIES OF DISK GALAXIES: Hα IMAGING OF GALAXIES IN THE COMA SUPERCLUSTER
  8. 'Astrophysical Journal', Parte 1 (ISSN 0004-637X), vol. 299, 1º de dezembro de 1985, p. 5-14. "A possible 300 megaparsec filament of clusters of galaxies in Perseus-Pegasus" 12/1985
  9. a b 'The Astrophysical Journal Supplement Series', Volume 121, 2ª edição, pp. 445-472. "Photometric Properties of Kiso Ultraviolet-Excess Galaxies in the Lynx-Ursa Major Region" 04/1999
  10. NASA, GIANT GALAXY STRING DEFIES MODELS OF HOW UNIVERSE EVOLVED, 7 de janeiro de 2004
  11. 'The Astrophysical Journal', Volume 602, 2ª edição, pp. 545-554. The Distribution of Lyα-Emitting Galaxies at z=2.38 02/2004 doi:10.1086/381145
  12. 'The Astrophysical Journal', Volume 614, 1ª edição, pp. 75-83. The Distribution of Lyα-emitting Galaxies at z=2.38. II. Spectroscopy 10/2004 doi:10.1086/423417
  13. 'Relativistic Astrophysics Legacy and Cosmology - Einstein's, ESO Astrophysics Symposia', Volume . ISBN 978-3-540-74712-3. Springer-Verlag Berlin Heidelberg, 2008, p. 358 Ultraviolet-Bright, High-Redshift ULIRGS 00/2008
  14. a b Chin. J. Astron. Astrophys. Vol. 6 (2006), No. 1, 35–42 Super-Large-Scale Structures in the Sloan Digital Sky SurveyPDF
  15. 'Scientific American', Vol. 280, No. 6, p. 30 - 37 Mapping the UniversePDF (1.43 MB) 06/1999
  16. a b c Unveiling large-scale structures behind the Milky Way. Astronomical Society of the Pacific Conference Series, Vol. 67; Proceedings of a workshop at the Observatoire de Paris-Meudon; 18–21 de janeiro de 1994; San Francisco: Astronomical Society of the Pacific (ASP); c1994; editado por Chantal Balkowski e R. C. Kraan-Korteweg, p.21 ; Visualization of Nearby Large-Scale Structures ; Fairall, A. P., Paverd, W. R., & Ashley, R. P. ; 1994ASPC...67...21F
  17. a b c d 'Astrophysics and Space Science', Volume 230, 1-2ª edição, pp. 225-235 Large-Scale Structures in the Distribution of Galaxies 08/1995
  18. World Science, Wall of galaxies tugs on ours, astronomers find 19 de abril de 2006
  19. 'The Astronomical Journal', Volume 120, 5ª edição, pp. 2331-2337. B3 0003+387: AGN-Marked Large-Scale Structure at Redshift 1.47? 11/2000 doi:10.1086/316827
  20. FermiLab, Astronomers Find Wall of Galaxies Traversing the Hubble Deep Field, DARPA, 24 de janeiro de 2000
  21. 'The Astronomical Journal', Volume 119, 6ª edição, pp. 2571-2582 ; QSOS and Absorption-Line Systems surrounding the Hubble Deep Field ; 06/2000 ; doi:10.1086/301404 ; ;

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]