Vera Rubin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido de en:Vera Rubin. Ajude e colabore com a tradução.


Vera Rubin
Astronomia
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Nascimento 23 de julho de 1928 (85 anos)
Local Filadélfia
Atividade
Campo(s) Astronomia
Alma mater Universidade de Georgetown
Orientado(s) Sandra Faber
Prêmio(s) Medalha Nacional de Ciências (1993), Prêmio Dickson de Ciências (1993), Henry Norris Russell Lectureship (1994), Medalha de Ouro da RAS (1996), Prêmio Gruber de Cosmologia (2002), Medalha Bruce (2003), Medalha James Craig Watson (2004)

Vera Cooper Rubin (Filadélfia, 23 de julho de 1928) é uma astrônoma estadunidense, pioneira no estudo das curvas de rotação de galáxias espirais. Sua principal contribuição foi mostrar de maneira convincente que a velocidade de rotação nas regiões externas destas galáxias é muito maior que aquela que seria produzida por suas estrelas. Essa discrepância é considerada uma das principais evidências da existência de matéria escura.

Primeiros anos e educação[editar | editar código-fonte]

Vera Rubin nasceu no ano de 1928. Seu pai, Philip Cooper, foi engenheiro eletricista, nascido em Vilnius, Lituânia. Sua mãe, Rose Applebaum, nascida na Bessarabia, trabalhava na Companhia Bell de telefonia, calculando quilometragens de linhas telefônicas. Vera Rubin realizou seus estudos de graduação na Vassar College, e tentou se matricular no programa de pós-graduação de Princeton, mas nunca obteve resposta, pois esta universidade não aceitava mulheres em seu programa de pós-graduação até os anos 1975.

Ela então começou o mestrado na Cornell University, estudando física sob orientação de Philip Morrison, Richard Feynman e Hans Bethe. Completou seus estudos em 1951, durante os quais fez a primeira observação de desvios do fluxo de Hubble no movimento de galáxias, argumentando que estas galáxias poderiam ter um movimento de rotação ao redor de centros gravitacionais desconhecidos, e não estarem se afastando apenas. A apresentação destas idéias não foi bem recebida. Vera Rubin realizou seu doutorado na Georgetown University, sob orientação de George Gamow. Em sua tese, defendida em 1954, concluiu que as galáxias se aglomeravam, ao invés de se distribuírem aleatoriamente no universo. A ideia da existência de aglomerados de galáxias não foi levada a sério por outros pesquisadores até duas décadas depois.

Trabalho científico[editar | editar código-fonte]

Após sua formação, Rubin lecionou em Montgomery County Junior College, tendo trabalhado também na Universidade de Georgetown como pesquisadora assistente, e em 1962 tornou-se professora assistente. Além disso, em 1965, ela se tornou a primeira mulher com permissão para usar os instrumentos do Observatório Palomar. Antes disso, as mulheres não eram autorizados a acessar essas instalações. Rubin é atualmente membro sênior do DTM, Departament of Terrestrial Magnetism na Carnegie Institution of Washington, trabalhando na área de Dinâmica Galática e Extragalática.

O problema da rotação das galáxias[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1970, Vera Rubin realizou observações bastante precisas da velocidade de rotação das regiões externas da galáxia de Andrômeda e de outras. Com isso, descobriu a discrepância entre o movimento angular previsto de galáxias e o movimento observado. Esse fenômeno ficou conhecido como o problema de rotação das galáxias e seus cálculos mostraram que as galáxias devem conter uma quantidade significativa de matéria escura.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
John Houghton e Rashid Sunyaev
Medalha de Ouro da Royal Astronomical Society
1996
com Kenneth Creer
Sucedido por
Donald Farley e Donald Edward Osterbrock