Fura-fila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Obras paradas do Fura-Fila

Fura-Fila foi o nome de um projeto de veículo leve sobre pneus (VLP) para a Cidade de São Paulo. O Fura-Fila surgiu como obra eleitoral do Candidado Levir Fidelix, com o nome de Aerotrem. Ridicularizado por muitos durante anos, a idéia de fazer um projeto parecido surgiu com o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, criando um projeto parecido batizado de Fura-Fila, mas que não era um transporte sobre trilhos, conforme o projeto de Fidelix. Ao longo dos anos o sistema foi rebatizado por Marta Suplicy de "Paulistão" e por José Serra de "Corredor Expresso Parque D. Pedro - Cidade Tiradentes", ou somente "Expresso Tiradentes".

História[editar | editar código-fonte]

A construção começou em 1997 durante a gestão de Celso Pitta, operou experimentalmente os primeiros 2,8 quilômetros em 30 de setembro de 2000 e prolongou-se por quatro meses. A obra foi paralisada por muitos anos, mas depois retomada pela ex-prefeita Marta Suplicy, em 2002, com o nome de "Paulistão", e teve seu traçado estendido para chegar até São Mateus, mas foi novamente paralisada. As obras só foram definitivamente retomadas em 2005, na gestão de José Serra, rebatizado de Expresso Tiradentes. Finalmente, em 22 de fevereiro de 2007, o prefeito Gilberto Kassab entrega o primeiro trecho. Nos projetos, haveria uma extensão até o bairro de Cidade Tiradentes, no extremo leste da cidade[1] , porém optou-se por executar o trecho em forma de monotrilho, integrando-o à malha metroviária.

Projeto[editar | editar código-fonte]

O projeto surgiu em meados de 1995, idealizado pelo então prefeito Paulo Maluf com o nome de Fura-Fila, só teve suas obras iniciadas em meados de 1997 após o projeto ter garantido a eleição do candidato Celso Pitta.

O projeto inicial previa a construção apenas do percurso compreendido pelos trechos 1 e 2, ligando o Sacomã ao Parque Dom Pedro II As obras se arrastaram por três anos e foram interrompidas em 2000. Por anos, permaneceu como um esqueleto na avenida do Estado.

A Linha 1 que ligaria os bairros do Sacomã e Parque Dom Pedro II deveria ser a primeira de outras inúmeras linhas espalhadas por toda a cidade.

No projeto original os veículos seriam articulados e alimentados por cabos suspensos. No ano de 2000 este veículo operou experimentalmente no trecho sobre o tampão do Tamanduateí por um período de quatro meses.

No final de 2000 teve suas obras, que já se arrastavam, e a operação experimental suspensas por falta de verbas e vontade política.

No final de sua administração Celso Pitta deixou como herança o trecho sobre o tampão do Tamanduateí semi acabado com as estações nem ao menos iniciadas, do trecho elevado somente as vigas de sustentação saindo do solo e nos terminais Sacomã e Parque Dom Pedro II áreas totalmente degradadas.

O percurso foi estendido de 8 para 32 quilômetros, expandindo o traçado até Cidade Tiradentes, e o projeto rebatizado com o nome de Expresso Tiradentes.[2]

Referências