Guilherme III dos Países Baixos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guilherme III
Rei dos Países Baixos
Grão-Duque de Luxemburgo
Duque de Limburgo
Rei dos Países Baixos
Reinado 17 de março de 1849
a 23 de novembro de 1890
Inauguração 12 de maio de 1849
Predecessor Guilherme II
Sucessora Guilhermina
Grão-Duque de Luxemburgo
Reinado 17 de março de 1849
a 23 de novembro de 1890
Predecessor Guilherme II
Sucessor Adolfo
Esposas Sofia de Württemberg
Ema de Waldeck e Pyrmont
Descendência
Guilherme, Príncipe de Orange
Maurício dos Países Baixos
Alexandre, Príncipe de Orange
Guilhermina dos Países Baixos
Nome completo
Guilherme Alexandre Paulo Frederico Luís
Casa Orange-Nassau
Pai Guilherme II dos Países Baixos
Mãe Ana Pavlovna da Rússia
Nascimento 19 de fevereiro de 1817
Palácio da Nação, Bruxelas,
Países Baixos
Morte 23 de novembro de 1890 (73 anos)
Palácio de Het Loo, Apeldoorn, Países Baixos
Enterro Nieuwe Kerk, Delft

Guilherme III (17 de Fevereiro de 1817 - 23 de Novembro de 1890) foi o rei dos Países Baixos e grão-duque de Luxemburgo de 1849 a 1890, filho e sucessor de Guilherme II dos Países Baixos.

Vida[editar | editar código-fonte]

Guilherme nasceu em Bruxelas, na Bélgica, como filho de Guilherme II dos Países Baixos e da Rainha Ana, filha do Czar Paulo I da Rússia e da Imperatriz Maria Feodorovna. Em sua juventude, teve uma carreira militar.

Ele casou-se com sua prima-irmã Sofia, filha do rei Guilherme I de Württemberg e da Grã-Duquesa Catarina Pavlovna da Rússia, em 18 de Junho de 1839. O casamento foi definitivamente infeliz. Sofia era uma intelectual liberal, odiando tudo relacionado com ditadura, como a armada. Guilherme era mais simples, mais conservador e amava o exército. Ele proibia exercícios intelectuais em casa, e a rainha Vitória do Reino Unido, que correspondia-se com Sofia, o chamava de "fazendeiro ineducado". Seus entusiamos extramatrimoniais fizeram o New York Times o chamar de "O Grande Devasso do Ano". Outra causa da tensão conjugal (e depois tensão política) era sua inconstância: ele podia enfurecer-se com alguém num dia e ser extramamente educado no dia seguinte.

Guilherme abominava as mudanças na constituição de 1848 iniciadas por seu pai (Guilherme II) e por Johan Rudolf Thorbecke. Guilherme II e Sofia as viam como a chave para a sobrevivência da monarquia naqueles anos de mudanças. Guilherme III, por outro lado, as considerava limitações inúteis do poder real e desejava reinar como seu avô, Guilherme I.

Ele tentou renunciar seu direito ao trono, em favor de seu irmão mais jovem. Sua mãe, no entanto, o convenceu a mudar de opinião. Um ano mais tarde (1849), Guilherme tornou-se rei com a morte de seu pai.

Reinado[editar | editar código-fonte]

Guilherme III pretendeu repetidamente abdicar assim que seu filho tivesse dezoito anos. Isso ocorreu em 1858, mas como nunca havia feito uma decisão permaneceu rei. Seu primeiro ato foi a inauguração do gabinete parlamentar de Thorbecke, o projetista da constituição de 1848, quem Guilherme III odiava.

Quando a hierarquia católica dos bispos foi restaurada em 1853, ele achou uma razão para demitir seu rival. Nas primeiras duas décadas de seu reinado, ele demitiu vários gabinetes e debandou vários generais de estado muitas vezes, instalando gabinentes reais que reinaram brevemente, pois não havia apoio no parlamento eleito.

Em 1867, tentou vender o grão-ducado de Luxemburgo. A tentativa por pouco não causou uma guerra entre a França e a Prússia e fez de Luxemburgo um país completamente independente.

Guilherme III foi popular entre pessoas ordinárias, apresentado-se como um homem cordial.

Em 1877, Sofia morreu, e anos de guerra dentro do palácio tiveram um fim. Em 1879, dois anos depois, Guilherme III resolveu desposar a jovem Princesa Ema de Waldeck e Pyrmont, um pequeno principado na Alemanha. Alguns políticos ficaram furiosos porque Ema tinha 41 anos a menos do que Guilherme. Entretanto, Ema revelou ser uma mulher cordial, e, quando o rei pediu permissão ao parlamento, o casamento foi facilmente aceito e foi rápido. Contudo, Ema não havia sido sua primeira escolha: sua irmã, a princesa Paulina de Waldeck e Pyrmont, o tinha rejeitado, bem como Tira da Dinamarca, cuja irmã era a Princesa de Gales (depois Rainha Alexandra).

Ema teve uma influência atenuada e suavizadora nas mudanças constantes de personalidade de Guilherme, e o casamento entre os dois foi feliz. A última década foi, sem dúvida, a melhor de seu reinado. Em 1880, Ema deu luz a uma menina: a futura Guilhermina dos Países Baixos, que se tornou herdeira em 1884 com a morte do último filho sobrevivente do primeiro casamento de Guilherme III. Muitos herdeiros potenciais morreram entre 1878 e 1884, e o mausoléu de Nieuwe Kerk em Delft nunca foi aberto tantas vezes na história.

Guilherme III ficou seriamente doente em 1887, morrendo em 1890. Como Guilhermina tinha apenas 10 anos, Ema tornou-se a Rainha Regente, cargo que assumiu até o aniversário de dezoito anos de sua filha. O Grã-Ducado de Luxemburgo, que na época só podia ser herdado por homens, sob a Lei sálica, foi passado para um primo distante de Guilherme III, Adolfo, Duque de Nassau.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Guilherme III teve três filhos de seu casamento com a Rainha Sofia, dos quais apenas dois chegaram à fase adulta:

Teve uma filha de seu casamento com a Rainha Ema:


Precedido por
Guilherme II
Rei dos Países Baixos
Sucedido por
Guilhermina
Precedido por
Guilherme II
Grão-duque do Luxemburgo
1849 - 1890
Sucedido por
Adolfo