Hashim Thaçi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hashim Thaçi

Hashim Thaçi (albanês: Hashim Thaçi, sérvio: Хашим Тачи, Hašim Tači) (Broćna, município de Srbica, Kosovo, República Socialista da Sérvia, 24 de Abril de 1968) é o presidente do Partido Democrático do Kosovo (PDK) e antigo terrorista do Exército de Libertação do Kosovo (UÇK).

Antes de Thaçi emigrar para a Suíça, estudou filosofia e história na Universidade de Priština. Em 1993 Thaçi juntou-se ao grupo político kosovar-albanês emigrado na Suíça. Tornou-se aí um dos fundadores do Movimento Popular do Kosovo (LPK), um grupo marxista-leninista partidário do nacionalismo albanês e do movimento que pretende unificar todas as populações de etnia albanesa num só estado, a chamada Grande Albânia.

Nas eleições kosovares realizadas em 17 de Novembro de 2007 para suceder a Agim Čeku, quando o escrutínio se situava em torno dos 90%, foi proclamada a vitória do PDK, com um total de 34% dos votos. Hashim Thaçi garantiu a sua intenção de declarar a independência do Kosovo em 10 de Dezembro, o dia fixado pelas Nações Unidas para o fim das negociações com a Sérvia.

Em 19 de Novembro de 2007, a União Europeia advertiu Thaçi e os seus aliados albaneses para que não levassem a cabo a declaração de independência sem que antes se realizasse uma consulta.

Anunciou em Fevereiro de 2008 a data de declaração da independência kosovar.[1]

Em 2 de novembro de 2010 foi destituído do cargo de primeiro-ministro após um voto de não-confiança do parlamento, ocorrido após a decisão do principal partido de coalizão de Thaci, a Liga Democrática do Kosovo (LDK), de deixar o governo. A votação teve 66 votos a favor e um contra para derrubar o governo de Thaci e dissolver 120 cadeiras da Assembleia do país.[2]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.