História do Tibete

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
O mapa do Tibete histórico (data desconhecida)

A história do Tibete teve início há cerca de 2 100 anos, quando foi primeiramente ocupado por uma civilização. A história tibetana está focada principalmente na história do budismo no Tibete. Isto é em parte devido ao papel central desta religião tem desempenhado no desenvolvimento das culturas tibetanas, mongóis e manchus e, e em parte porque quase todos os historiadores nativos do país foram monges budistas.

Pré-História[editar | editar código-fonte]

Imagem do Potala.

De acordo com os vestígios arqueológicos encontrados no Tibete, presume-se que seus primeiros habitantes humanos apareceram 10 mil anos aC. No entanto, devido à natureza nômade das tribos do Tibete, não está até 2.300 anos atrás, quando começam a ter uma presença visível na história da Ásia. É nesse ponto, quando aparece o rei Nyakhri Tsampo, que estabelece uma dinastia militar que se estende do platô tibetano, entre os reinos da China, Índia, Nepal, Birmânia e Butão. A religião Xamânica chamada "Bon", foi a primeira religião praticada pelos tibetanos antes da chegada do budismo.

Por volta de 100 a.C. uma dinastia militar fixou-se no vale de Yarlung e passou a comandar a região do atual Tibete. O seu governo permaneceu por oito séculos. Por centenas de anos com uma política de investimento em seu poderio bélico, o Tibete atacou povos vizinhos.

Esta política mudou em 617, quando o imperador Songtsen Gampo, 33º rei do Tibete, decidiu assumir uma postura menos agressiva. Seu reinado durou até 701, e seu legado foi imenso: criou o alfabeto tibetano; escreveu e estabeleceu o sistema legal tibetano (baseado no princípio moral no qual se preza a proteção do meio ambiente e da natureza); favoreceu a liberdade da prática do budismo, e construiu vários templos (dentre eles o Jokhang e o Ramoche).

Com este rei, o Tibete alcançou sua expansão máxima, chegando a ter 40 milhões de habitantes e expandindo suas fronteiras até entrar na China e tomar Chang'an (Xian) em 763. O Rei Songtsen Gampo casou-se com duas princesas budistas, uma chinesa e uma indiana. Isso lhe permitiu conheceer ambas as civilizações e também o Budismo Mahayana. O País das Neves, até então um estado feudal (17 feudos), foi convertido por este rei em uma nação mais pacífica. Enviou estudantes para a Índia, onde aprenderam o sânscrito e começaram a traduzir uma vasta literatura budista tibetana. No final do século VIII, o mestre Padmasambhava foi convidado (literalmente, nascido de lótus), também conhecido no Tibete como Guru Rinpoche (Mestre Precioso), para ensinar a filosofia budista. Graças a esses dois personagens, foi introduzido o budismo no Tibete. Os tibetanos consideram Guru Rinpoche como o segundo Buda após Sakyamuni, no ano de 500 aC C. O Imperador Trisong Detsen e o mestre Padmasambhava construíram templos como o Jokhang ou Ramoche (ambas em Lhasa, nova capital tibetana), bem como numerosos mosteiros.

Império Tibetano[editar | editar código-fonte]

O império começou quando Tagbu Nyazig foi apoiado pela comunidade a revoltar-se contra Gudri Zingpoje, vassalo do Império Zhang-zhung. Mas então, temendo perder a autoridade sobre a região, Namri Löntsän, o líder do clã de maior influência na área, invadiu a região, hoje ocupada por Lhassa, capital do Tibete, até 630, quando assassinaram-no. Um importante passo que este deu pelo império foi enviar embaixadores à China, aparecendo então no cenário internacional. O império chegou ao seu apogeu durante o governo de Ralpacan, no século IX. O seu território se estendia por boa parte da Mongólia, e ao sul, ia até o Golfo de Bengala. Um dos grandes motivos que levaram-no à decadência foi a dificuldade de transporte devido às montanhas, e além do mais, territórios conquistados vinham se rebelando contra o governo central, sem esquecer também dos conflitos religiosos. O estresse todo gerado levou o imponente Império Tibetano à ruína.

Divisão do Império[editar | editar código-fonte]

Durante o período de 842 dc. a 1247, o império se viu dividido, após a morte do imperador Langdarma, que não escolheu um herdeiro. Com a desordem, eclodiu então uma guerra civil, o que marcou a separação. Um dos herdeiros, Ösung, passou a controlar a região de Lhassa e o outro, Yumtän, ficou com o comando da região de Yalung. Nesse contexto alguns monges fugiram para o nordeste do Tibete, onde pregaram o budismo através da criação de uma escola budista nos arredores do Monte Dantig. Nos séculos que se seguiram o budismo expandiu a sua influência, e foram construídos novos monastérios, como o Sakya em Lho-kha, e o Tsurphu, que abrigou Karmapa, também uma importante escola budista.

Relacionamento com a Mongólia[editar | editar código-fonte]

O Tibete, no início do século XIII, havia sido anexado ao império de Genghis Khan, mas quando este morreu, em 1227, o Tibete parou de pagar os altos impostos cobrados, o que o levou a ser invadido pelos mongóis sob o comando do neto de Genghis Khan, Príncipe Godan. Este convocou o mestre da escola Sakya para a oficialização da rendição do Tibete, mas estes adotaram o budismo também como religião.

Influência europeia no Tibete[editar | editar código-fonte]

Os primeiros europeus a chegar ao Tibete foram missionários portugueses que chegaram pela primeira vez em 1624 liderados por António de Andrade. Eles foram recebidos pelos tibetanos que lhes permitiu construir uma igreja. O século XVIII trouxe mais Jesuítas e Capuchinhos da Europa. Eles gradualmente encontraram a oposição dos lamas tibetanos, que finalmente os expulsaram do Tibete em 1745.

No entanto, no momento nem todos os europeus foram banidos do país - em 1774, um nobre escocês, George Bogle, chegou a Shigatse para investigar o comércio para a Companhia Britânica das Índias Orientais, introduzindo as primeiras batatas no Tibete .[1]

No início do século XIX, a situação dos estrangeiros no Tibete tornou-se mais precária. O Império Britânico estava invadindo do norte da Índia para o Himalaia e Afeganistão e o Império Russo dos czares estava expandindo para o sul da Ásia Central. Cada potência tornou-se suspeita de intenções no Tibete. Em 1840, Sándor Kőrösi Csoma chegou ao Tibete, na esperança de que seria capaz de rastrear a origem do grupo étnico magiar. Até 1850, o Tibete tinha proibido todos os estrangeiros no país e fechou suas fronteiras para todos os forasteiros.

Em 1865, a Grã-Bretanha começou secretamente o mapeamento Tibete. Inspetores-espiões treinados por indianos, disfarçados de peregrinos e comerciantes contaram seus passos sobre as suas viagens através do Tibete e tomaram leituras durante a noite. Nain Singh, o mais famoso, mediu a latitude, longitude e altitude de Lhasa e traçou o Yarlung Tsangpo.

Invasões inglesas do Tibete (1904-1911)[editar | editar código-fonte]

As autoridades britânicas na Índia renovaram o seu interesse no Tibete, no final do século XIX, e um número de indianos entraram no país, primeiro como exploradores, e depois como comerciantes. Tratados sobre o Tibete foram celebrados entre a Inglaterra e a China em 1886,[2] 1890 ,[3] e 1893 ,[4] mas o governo tibetano recusou a reconhecer sua legitimidade [5] e continuou a barrar emissários britânicos em seu território. Durante o "Grande Jogo", um período de rivalidade entre a Rússia e a Grã-Bretanha, os britânicos desejavam um representante em Lhasa para monitorar e contrabalançar a influência russa.

No início do século XX, os impérios britânico e russo estavam competindo pela supremacia na Ásia Central. Para evitar que os russos avançassem, em 1904, uma expedição britânica liderada pelo coronel Francis Younghusband foi enviada para Lhasa para forçar um acordo de comércio e impedir os tibetanos de estabelecer uma relação com os russos. Em resposta, o Ministério do Exterior chinês afirmou que a China era soberana sobre o Tibete, a primeira declaração clara de tal afirmação [6]

O tratado imposto exige que o Tibete para abrir sua fronteira com a Índia britânica, para permitir que os comerciantes britânicos e indianos viajem livremente, não para impor direitos aduaneiros sobre as trocas comerciais com a Índia, uma exigência dos britânicos a Lhasa, que teve de pagar 2,5 milhões de rúpias como indenização e não entrar em relações com qualquer potência estrangeira sem autorização britânica .[7]

O tratado anglo-tibetano foi seguido por um tratado sino-britânico em 1906, pelo qual o "Governo da Grã-Bretanha não se dedica a anexar o território tibetano ou interferir na administração do Tibete. O governo da China também se compromete a não permitir qualquer outro Estado estrangeiro de interferir com o território ou da administração interna do Tibete. "[8] Além disso, Pequim concordou em pagar 2,5 milhões de rúpias para Londres que Lhasa foi forçada a acordar no tratado anglo-tibetana de 1904..[9] Em 1907, a Grã-Bretanha e a Rússia concordaram que "em conformidade com o princípio da soberania admitidos da China sobre Tibete" "[10] ambas as nações "não se envolveriam em entrar em negociações com o Tibete, exceto por intermédio do Governo chinês."[10]

Reafirmação do controle dos Qing[editar | editar código-fonte]

O governo dos Qing em Beijing, então, designou Zhao Erfeng, o governador de Xining, "Comandante do exército do Tibete" para reintegrar o Tibete à China. Ele foi enviado em 1905 (embora outras fontes dizem que isso ocorreu em 1908) )[11] sobre uma expedição punitiva. Suas tropas destruíram um número de mosteiros em Kham e Amdo, e um processo de "sinificação" da região foi iniciado..[12] [13]

O título Dalai Lama, foi restaurado em novembro de 1908. Ele estava prestes a voltar de Amdo a Lhasa no verão de 1909, quando a China decidiu enviar forças militares para Lhasa para controlá-la. O Dalai Lama fugiu novamente, desta vez para a Índia, e foi novamente deposto pelos chineses [14] . A situação veio a mudar logo, porém, que, após a queda da dinastia Qing em outubro de 1911, os soldados de Zhao se amotinaram e o depuseram. .[15] [16]

1912-1951: independência de facto[editar | editar código-fonte]

O Dalai Lama retornou da Índia ao Tibete em julho de 1912 (após a queda da dinastia Qing), e expulsou os amban e todas as tropas chinesas.[17] Em 1913, o Dalai Lama fez uma proclamação que dizia que a relação entre o imperador chinês e o Tibete "tinha sido o de patrono e sacerdote e não tinha sido baseada na subordinação de uma à outra." [18] "Somos um país pequeno, religioso e independente", continuou a proclamação. .[18] Nos próximos 36 anos, o Tibete viveu uma independência de facto, enquanto a China enfrentou nessa época os senhores da guerra, a guerra civil e a Segunda Guerra Mundial. Algumas fontes chinesas afirmam que o Tibete ainda era parte da China durante este período.[19] O Tibete continuou entre 1913 a 1949 ter contatos muito limitado com o resto do mundo e Lhasa foi para estrangeiros uma cidade proibida. Poucos governos fizeram algo semelhante a um normal de reconhecimento diplomático do Tibete. Os governos chineses continuaram, ao longo do tempo, fazer valer o seu direito de soberania no Tibete.[20] Em 1932, o Exército Nacional Revolucionário Chinês, composto de soldados muçulmanos e Hans, liderados por Ma Bufang e Liu Wenhui derrotaram o exército tibetano na Guerra sino-tibetana, quando o 13 º Dalai Lama tentou capturar o território de Qinghai e Xikang. Também foi relatado que o governo central da China, incentivou o ataque, na esperança de resolver a "situação do Tibete", porque os japoneses tinham apenas apreendido a Manchúria. Eles advertiram que os tibetanos não se atreveriam a cruzar o rio Jinsha novamente. .[21] Uma trégua foi assinada, encerrando o combate. .[22] [23]

Domínio do governo comunista chinês[editar | editar código-fonte]

Invasão chinesa[editar | editar código-fonte]

O governo comunista chinês liderado por Mao Tse-tung, que chegou ao poder em Outubro de 1949 não perdeu tempo para afirmar uma nova presença chinesa no Tibete. Entre 1950 e 1951, o Exército de Libertação Popular irá intervir no Tibete, logo após a queda do governo nacionalista chinês. Em 1950, a China anuncia o que chama de "libertação" do Tibete. A fraqueza do exército tibetano, a falta de treinamento de tropas e eficiência de comando [24] , não vai parar, apesar do benefício objetivos oferecidos pelas mais altas montanhas do mundo, a intervenção precoce, tão rápida que a comunidade internacional não conseguiu reagir. Em 1951, o exército chinês entra em Lhasa. Pelo Acordo de Dezessete Pontos sobre a Libertação Pacífica do Tibete, assinado em Pequim, em 23 de maio de 1951 pela Delegação tibetana, sem o acordo formal do seu governo [25] , o Tibete tornou-se uma parte da China, oficialmente regulada pela 14ª Dalai Lama e o 10ª Panchen Lama .

Estes eventos marcam o Tibete, que institui um novo regime que coloca sob o controle do governo de Pequim. No entanto, atrasa a execução de reformas comunistas na nova província sob controle, e não introduzem nas regiões mais antigas incorporadas as províncias chinesas, pertencente à província do Tibete histórico de Kham e Amdo[26] .

Ao mesmo tempo, entre 1957 e 1961, no contexto da Guerra Fria[27] , os americanos levaram a guerrilha tibetana nos Estados Unidos para depois se infiltrarem no Tibete[28] .

A revolta de 1959[editar | editar código-fonte]

Entre 1956-1957, bandos armados tibetanos emboscaram comboios do Exército Popular de Libertação chinês. A revolta recebeu ampla ajuda da CIA, incluindo a formação militar, campos de apoio no Nepal, e inúmeras pontes aéreas.[29] Enquanto isso, nos Estados Unidos, a American Society for a Free Asia, uma frente de fachada da financiada pela CIA, divulgava energeticamente a causa da resistência tibetana, com o irmão mais velho do Dalai Lama, Thubtan Norbu, desempenhando um papel ativo nessa organização. O irmão do Dalai Lama, segundo o mais velho, Gyalo Thondup, estabeleceu uma operação de inteligência com a CIA já em 1951. Mais tarde, ele atualizou para uma unidade de guerrilha treinada pela CIA, cujos recrutas voltam de paraquedas ao Tibete..[30]

Apoiada pela CIA [31]  · [32]  · [33] , uma revolta de alguns dos tibetanos (de acordo com a historiografia do governo tibetano no exílio) e do clero e nobreza tibetana começou em março de 1959, na sequência de um boato de que as autoridades chinesas estão a ponto de prender o Dalai Lama [34] . A repressão militar chinesa sobre os rebeldes na região de Kham e Amdo levaram à "Revolta de Lhasa"; com a disseminação da resistência em grande escala por todo o Tibete.

Em 17 de março de 1959, temendo a captura do Dalai Lama, os tibetanos desarmados cercaram sua residência; assim, o Dalai Lama, com a ajuda e o apoio da CIA [31] , decide fugir para o Himalaia para chegar a Índia, acompanhado por membros do governo tibetano, onde chega em 31 de março. Como já foi reconhecido pelo próprio Dalai Lama em 2009, que ele foi seguido ou perseguido pelos chineses na sua fuga [35] .

A insurreição armada dos tibetanos, de acordo com fontes próximas ou exilados, foi duramente reprimida pelo exército chinês. Segundo um documento apresentado pelo governo tibetano no exílio como um relatório secreto do exército chinês, 87.000 tibetanos foram eliminados na região de Lhasa [36]  · [37]  · [38]  · [39]  · [40] .

A partir daí, o 14 º Dalai Lama vive em Dharamsala, na Índia, onde juntou-se a mais de 100.000 compatriotas tibetanos. Ele formou o Governo tibetano no exílio desde 1959. Resistentes - os "Khampas", originais da região de Kham - refugiados nas montanhas do Nepal, e apoiados pela Índia e os EUA (em uma estratégia de contenção do comunismo), irão conduzir uma luta armada contra os chineses [41]  · [42] . No Tibete, o Panchen Lama lidera o governo, antes de ser deposto em 1965.

Atual organização administrativa do Tibete[editar | editar código-fonte]

A subdivisão administrativa autânomas do Tibete da República Popular da China, mostrado em amarelo

A República Popular da China estabeleceu subdivisões autônomas tibetanas na antiga província tibetana de Kham, U-Tsang e Amdo. Estas subdivisões estão em número de 13; com uma região autônoma, 10 prefeituras e 2 municípios [43] .

Região Autônoma do Tibete[editar | editar código-fonte]

Em 1965, durante o estabelecimento formal da Região Autônoma do Tibete da República Popular da China, o Kham ocidental (região de Chamdo) é ligada à Ü-Tsang para formar a Região Autônoma do Tibete de hoje. Suas fronteiras coincidem aproximadamente com as da região que era controlada por Lhasa no momento da Dinastia Qing[44] e da República da China[45]  · [46] .

A destruição de mais de mais de 6.000 mosteiros do Tibete ocorreram entre 1959 e 1961. .[47] Durante meados dos anos 1960, as propriedades monásticas foram quebradas e educação secular introduzido. Durante a Revolução Cultural, os Guardas Vermelhos[48] infligiram uma campanha de vandalismo organizado contra locais de interesse cultural em toda a República Popular da China, incluindo o patrimônio dos budistas do Tibete. .[49] De acordo com pelo menos uma fonte chinesa, apenas alguns mosteiros religiosos ou culturais mais importantes permaneceram sem grandes danos,[50] e milhares de monges e monjas budistas foram mortos, torturados ou presos.[51]

A China continua a retratar o seu domínio sobre o Tibete como uma pura melhoria, mas os governos estrangeiros continuam a fazer protestos sobre aspectos do domínio da República Popular da China no Tibete como grupos como a Human Rights Watch que alegam violações dos direitos humanos. A maioria dos governos, no entanto, reconhece a soberania da República Popular da China sobre o Tibete atual, e ninguém tem reconhecido o Governo do Tibete no exílio na Índia.

Protestos contra o domínio chinês deflagraram-se outra vez em 2008. O governo chinês reagiu fortemente, impondo toque de recolher e limitando estritamente o acesso a áreas tibetanas. A resposta internacional foi também imediata e robusta, com um número de líderes que condenam a repressão e os protestos de grande porte (incluindo alguns de apoio as ações da China) em muitas grandes cidades.

Referências

  1. Teltscher 2006, p. 57
  2. Tibet Justice Center - Legal Materials on Tibet - Treaties and Conventions Relating to Tibet - Convention Relating to Burmah and Thibet (1886)
  3. Tibet Justice Center - Legal Materials on Tibet - Treaties and Conventions Relating to Tibet - Convention Between Great Britain and China Relating to Sikkim and Tibet (1890) ...
  4. Project South Asia
  5. Powers 2004, pg. 80
  6. Michael C. Van Walt Van Praag. The Status of Tibet: History, Rights and Prospects in International Law, p. 37. (1987). London, Wisdom Publications. ISBN 978-0813303949.
  7. Convention Between Great Britain and Thibet (1904)
  8. Convention Between Great Britain and China Respecting Tibet (1906)
  9. Melvyn C. Goldstein, Tibet, China and the United States: Reflections on the Tibet Question., 1995
  10. a b Convention Between Great Britain and Russia (1907)
  11. FOSSIER Astrid, Paris, 2004 "L’Inde des britanniques à Nehru : un acteur clé du conflit sino-tibétain."
  12. Karenina Kollmar-Paulenz, Kleine Geschichte Tibets, München 2006, p. 140f
  13. Goldstein 1989, p. 46f
  14. Goldstein 1989, p. 49ff
  15. Hilton 2000, p. 115
  16. Goldstein 1989, p. 58f
  17. Shakya 1999, pg. 5
  18. a b "Proclamation Issued by H.H. The Dalai Lama XIII"
  19. Tibet during the Republic of China (1912-1949)
  20. TIBET (AUTONOMY) HC Deb 21 June 1950 vol 476 c1267
  21. Xiaoyuan Liu. Frontier passages: ethnopolitics and the rise of Chinese communism, 1921-1945. [S.l.]: Stanford University Press, 2004. 240 pp. p. 89. ISBN 0804749604 Visitado em 2010-06-28.
  22. Oriental Society of Australia. The Journal of the Oriental Society of Australia, Volumes 31-34. [S.l.]: Oriental Society of Australia, 2000. p. 35, 37. Visitado em 2010-06-28.
  23. Michael Gervers, Wayne Schlepp, Joint Centre for Asia Pacific Studies. Historical themes and current change in Central and Inner Asia: papers presented at the Central and Inner Asian Seminar, University of Toronto, April 25–26, 1997, Volume 1997. [S.l.]: Joint Centre for Asia Pacific Studies, 1998. 195 pp. p. 73, 74, 76. ISBN 189529634X Visitado em 2010-06-28.
  24. (em inglês) Melvyn C. Goldstein, A History of Modern Tibet, 1913-1951: The Demise of the Lamaist State, vol. 1 of The History of Tibet, University of California Press, 1991, p. 822 : « The Tibetan army that ultimately faced the People's Liberation Army was poorly trained, poorly equipped, and pathetically led » (« L'armée tibétaine qui affronta finalement l'Armée populaire de libération, était mal entraînée, mal équipée et commandée par de piètres officiers »).
  25. (em inglês) "The 17-Point Agreement" - The full story as revealed by the Tibetans and Chinese who were involved (document de l'Administration centrale tibétaine)
  26. (em inglês) The Tibetan Rebellion of 1959 and China’s Changing Relations with India and the Soviet Union
  27. Tibet: le soutien ambigu des États-Unis au dalaï-lama.
  28. Kenneth Conloy and James Morrison, The CIA's Secret War in Tibet, University Press of Kansas, 2002, page 213.
  29. See Kenneth Conboy and James Morrison, The CIA's Secret War in Tibet (Lawrence, Kansas: University of Kansas Press, 2002); and William Leary, "Secret Mission to Tibet," Air & Space, December 1997/January 1998
  30. On the CIA's links to the Dalai Lama and his family and entourage, see Loren Coleman, Tom Slick and the Search for the Yeti (London: Faber and Faber, 1989).
  31. a b (em inglês) The Dalai Lama has CIA connections.
  32. Tibet. Le soutien ambigu des Etats-Unis au dalaï-lama.
  33. (em inglês) [1].
  34. (em inglês) The Tibetan Rebellion of 1959 and China’s Changing Relations with India and the Soviet Union, p. 71.
  35. (em inglês) Dalai Lama visits Tawang, calls China's objections baseless, Thaiindian News, 8 novembre 2009: «1959, when we came across ... no Chinese follows, no Chinese pursues us (...).»}}
  36. Un document d'origine chinoise fournit des détails sur l'origine du chiffre de 87 000 tibétains tués : Tibetan Population in China: Myths and Facts Re-examined, Yan Hao (Institute of Economic Research, State Department of Planning Commission, Beijing), p. 20, note 21 : il s'agirait d'un document secret de l'Armée chinoise datant de 1960, dont la résistance tibétaine se serait emparé en 1966, et qui a été publié pour la première fois en 1990 en Inde par une organisation bouddhiste tibétaine. Selon ce document, 87 000 Tibétains ont été « éliminés », ce qui d'après certains ne voudrait pas forcément dire « tués ».
  37. Ce que représente le 10 mars 1959 pour les Tibétains, tibet-info.net : « Selon une estimation chinoise, près de 87 000 Tibétains furent massacrés dans le seul Tibet central ».
  38. La sinisation forcée du Tibet, Le passé composé, n°3, mars 2001 : « Selon une estimation chinoise, près de 87 000 Tibétains furent massacrés dans le seul Tibet central ».
  39. Tibet, globalsecurity.org : Predefinição:Citation étrangère.
  40. Senate passes resolution commemorating Lhasa Uprising and calling for negotiations between Dalai Lama and Chinese leadership, March 10th, 2000, savetibet.org : Predefinição:Citation étrangère.
  41. Le conflit sino-tibétain, Libération pacifique versus invasion armée. Dans le chapitre « La résistance tibétaine au Tibet », notamment : « Des guerriers Khampas furent emmenés aux États-Unis dans un camp d’entraînement du Colorado, Camp Hale, où la CIA leur enseigna les techniques de guérilla et le maniement d’armes modernes » et « La deuxième raison tient au refus de l’Inde, partenaire de l’opération, de risquer un affrontement avec son puissant voisin ».
  42. (em inglês) The CIA Circus: Tibet's Forgotten Army, How the CIA sponsored and betrayed Tibetans in a war the world never knew about.
  43. Anne-Marie Blondeau et Katia Buffetrille (sous la direction de), Le Tibet est-il chinois ?, ouvrage collectif, Albin Michel, coll. Sciences des religions, 2002 Pages 254 et 255. ISBN 2226134263.
  44. Carte de la Chine sous la dynastie Qing
  45. Tibet, Tibet, A personal history of a lost land by Patrick French French argues, for the Tibetans to base their claim on roughly the area of the current TAR, whose borders generally coincide with those of the de facto independent state between the two world wars.
  46. «Histoire du Tibet» de Laurent Deshayes, p. 218
  47. Craig (1992), p. 125.
  48. Shakya (1999), p. 320.
  49. Shakya (1999), pp. 314-347.
  50. Wang 2001, pp212-214
  51. Dodin (2008), pp. 195-196.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Laird, Thomas. La historia del Tíbet. Conversaciones con el Dalai Lama. [S.l.]: Barcelona: Editorial Paidós (ed.), 2008. ISBN 978-84-493-2116-0

Ver também[editar | editar código-fonte]