Jano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Busto de Jano, no Vaticano
Jano.

Jano (em latim Janus) foi um deus romano das mudanças e tradições, como pode ser visto nas citações "Jano tem poder sobre todos os começos (...)"[1] e “Em poder de Jano estão os inícios”[2] , em relação às mudanças (inícios, começos), e nas citações "(...) Duas portas haver, bélicas ditas,/Que santo horror defende e o cru Mavorte:/Barras, ferrolhos cem de bronze as trancam;/Sempre ao limiar de sentinela Jano"[3] e "(...) Então deposta a guerra,/Se amolgue a férrea idade; a encanecida/Fé com Vesta, os irmãos Quirino e Remo/Ditem leis; Jano trave as diras portas/Com trancas e aldrabões"[3] , em relação às tradições (leis). A figura de Jano é associada a portas (entrada e saída), bem como a transições. A sua face dupla também simboliza o passado e o futuro. Jano é o deus dos inícios, das decisões e escolhas. O maior monumento em sua glória se encontra em Roma e tem o nome de Ianus Geminus (gêmeos Jano).

História de Jano[editar | editar código-fonte]

Jano é tido como o regente de Lácio (Lázio), região da Itália Central, foi responsável pela idade de ouro, trouxe dinheiro e agricultura a região. O seu nome está também associado as trocas e colheitas.

Jano tinha duas faces, uma olhando para a frente e outra para trás, e dele derivam os nomes da Montanha Jano e o Rio Jano, pois ele viveu na montanha.[4] Ele foi o inventor das guirlandas, dos botes, e dos navios, e foi o primeiro a cunhar moedas de bronze; por isto que em várias cidades da Grécia, Itália e Sicília, em suas moedas, trazem em um lado um rosto com duas faces e no outro um barco, uma guirlanda ou um navio.[4]

Ele se casou com sua irmã Carmese, e teve um filho chamado Aethex e uma filha chamada Olistene.[4] Desejando aumentar o seu poder, ele navegou até a Itália e se instalou em uma montanha próxima de Roma, chamada Janiculum por causa dele.[4]

Jano na Arte[editar | editar código-fonte]

Nas representações artísticas, Jano é muitas vezes representado como uma figura masculina com barbas e outras sem ela. Comum é o facto deste estar constantemente representado por duas faces que olham em direções opostas. Existindo porém outros modelos com quatro faces.

Jano na Mídia[editar | editar código-fonte]

A figura de Jano aparece em muitas mídias contemporâneas, como no filme O Turista (2010)[5] , quando Elise explica a Frank o significado de seu bracelete: "É o deus romano Jano. Minha mãe me deu quando eu era pequena. Ela queria me ensinar que as pessoas têm dois lados". No anime Cavaleiros do Zodíaco (1986-1989)[6] , o mito de Jano comparece na construção dos Cavaleiros de Gêmeos, cuja armadura apresenta duas máscaras colocadas em lados opostos. Na saga do Santuário, o Cavaleiro de Gêmeos sofre de transtorno bipolar, manifestando-se ora bondoso, ora malvado. Ele é também o inimigo final da saga do Santuário, marcando a transição entre a guerra e a paz. O mito volta a precipitar em Cavaleiros do Zodíaco Omega (2013)[7] . No primeiro anime, o Cavaleiro de Gêmeos original é Saga de Gêmeos, o que é posteriormente substituído por seu irmão Kanon. No segundo, a Amazona de Gêmeos original é Paradox, posteriormente substituída por Integra.

Jano também é um dos deuses jogáveis no MOBA Smite.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "The Shrine of Janus Geminus in Rome" - Valentine Müller
  • "Janus and the Fasti" - Lily Ross Taylor and Louise Adams Holland
  • "Classical Philology", Vol. 47, No. 3 (Jul., 1952), pp. 137-142

Referências

  1. SANTO AGOSTINHO. p. 617. Cidade de Deus. 2a ed. Trad. de J. Dias Pereira, baseado no original latino de Dombart, B. e Kalb, A. De Civitate Dei.. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996. ISBN 972-31-0543-8
  2. SANTO AGOSTINHO. Cidade de Deus. Lisboa: [s.n.], 1996. p. 634. ISBN 972-31-0543-8
  3. a b VIRGÍLIO. A Eneida. [S.l.: s.n.], 2005. p. p. 25-26, linhas 307-311; p. 214, linhas 612-615.
  4. a b c d Dracon da Córcira, Sobre as Pedras Preciosas, citado por Ateneu de Náucratis, O Banquete dos Eruditos, Livro XV [em linha]
  5. ·         VON DONNERSMARCK, F. H. (dir.) (2010). O Turista. Produzido por GK Films, Spyglass Entertainment, Birnbaum/Barber. EUA.
  6. KURUMADA, M. (escritor) (1986-1989/1994-1998). Os Cavaleiros do Zodíaco. Kōzō Morishita (1–73) (dir.), Kazuhito Kikuchi (74–114) (dir.) Toei Animation.
  7. HATANO, M. (dir.) (2012/2014). Cavaleiros do Zodíaco Omega. Toei Animation.

Ligação externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia romana é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.