João Estêvão da Bulgária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
João Estevão
Imperador da Bulgária
Governo
Reinado 1330-1331
Antecessor Miguel Shishman
Sucessor João Alexandre
Dinastia Shishman
Vida
Nome completo Иван Стефан
Nascimento 1300 ou 1301
Morte 1373 (73 anos) (?)
Nápoles
Pai Miguel Shishman
Mãe Ana Neda

João Estêvão (em búlgaro: Иван Стефан - Ivan Stefan) foi o imperador da Bulgária por oito meses entre 1330 e 1331. Ele era o filho mais velho do imperador Miguel Shishman com Ana Neda da Sérvia, uma filha do rei Estêvão Milutino da Sérvia[1] [2] . Ele era descendente das dinastias Terter, da Asen e Shishman, todas de origem parcialmente cumana. Depois da ascensão do pai ao trono em 1323, João Estêvão foi elevado a co-imperador. Quando Miguel se divorciou de Ana Neda para se casar com Teodora Paleóloga, a filha do imperador bizantino Miguel IX Paleólogo, em 1324, João foi confinado com ela num mosteiro[3] . No verão de 1330, ele se tornou o imperador da Bulgária com a ajuda do tio, Estêvão Decanski, mas foi logo deposto num golpe de estado pela nobreza de Tarnovo, fugindo com a mãe primeiro para os domínios de seu irmão, Belaur, em Nis e depois para Dubrovnik. Ele foi posteriormente expulso de lá por Estêvão Duchan a mando de João Alexandre.

É provável que ele tenha morrido em Nápoles.

Ascensão ao trono[editar | editar código-fonte]

Durante a Batalha de Velbazhd contra os sérvios, o imperador Miguel Shishman foi ferido, preso e acabou morrendo alguns dias depois no cativeiro[4] . Em 2 de agosto, o rei sérvio Estêvão Decanski[5] se encontrou com uma delegação de boiardos búlgaros num local conhecido como Mraka e aceitou uma proposta de paz pela qual João Estêvão deveria se tornar o imperador, desistindo assim da ideia de unir a Sérvia e a Bulgária sob o comando de seu filho Estêvão Duchan. Porém, menos de um ano depois, Decanski foi deposto e exilado na Fortaleza de Zvečan, onde morreu.

Depois que o acordo em Mraka foi alcançado, Ana Neda receberam ordens de ir para para a capital búlgara em Tarnovo. João Estêvão entrou na cidade e foi proclamado imperador na segunda metade de agosto de 1330. Embora ele estivesse com trinta e poucos anos, João reinou com a mãe por razões pouco claras[1] .

Resposta bizantina[editar | editar código-fonte]

Depois que João Estêvão ascendeu ao trono, a segunda esposa de Miguel Shishman, Teodora Paleóloga, e seus filhos foram forçados a deixar capital e partiram para Constantinopla em busca de refúgio com o irmão dela, Andrônico III Paleólogo[6] . Depois que as notícias sobre as mudanças em Tarnovo chegaram aos ouvidos de Andrônico, ele convocou um concílio e decidiu abandonar a guerra contra a Sérvia para poder lançar seus exércitos contra a enfraquecida Bulgária. O imperador bizantino justificou seu ataque a um ex-aliado afirmando estar defendendo os direitos de sua irmã e dos filhos dela ao trono búlgaro.

Andrônico invadiu a Bulgária a partir da Macedônia no verão de 1330. As cidades de Anquialo, Mesembria, Aetos, Kteniya, Rusocastro e Diampolis se renderam sem luta e as hostilidades rapidamente cessaram[7] .

Deposição e anos finais[editar | editar código-fonte]

Durante seu governo, João Estêvão recebeu somente o apoio de seu tio Belaur, enquanto que o resto da nobreza hostilizava-o como sendo um protégé de Decanski[8] . Descontentes por causa do fracasso frente aos bizantinos, o protovestiário Rascin e o logóteta Filipe organizaram um golpe de estado em março de 1331. O déspota de Lovech João Alexandre foi escolhido como imperador pela nobreza logo em seguida[9] .

João Estêvão fugiu com a mãe e o irmão para Nis, nas terras de Belaur, onde ficaram por um ano e meio[10] . Em 1332, os João e a mãe se mudaram para Dubrovnik enquanto seus irmãos buscaram a ajuda da Horda Dourada e do Império Bizantino, sem sucesso. O pouco que se sabe sobre os últimos anos de sua vida é incerto.

De acordo com Detlev Schwennicke, João Estêvão seguiu com a mãe para o sul da Itália, onde ele teria se casado com a filha ilegítima do príncipe de Tarento, Filipe I, mas não teve filhos. Em 1342, ele teria se encontrado com o futuro imperador bizantino João VI Cantacuzeno durante a sua fuga de Constantinopla. Vinte anos depois, ele estaria numa prisão em Siena e parece ter morrido em Nápoles em 1373. Schwennicke defende também que ele morreu em 1373, mas em Slobitsa[11] .

Família[editar | editar código-fonte]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]


Ver também[editar | editar código-fonte]

João Estêvão da Bulgária
Nascimento: 1300/1301 Morte: 1373
Precedido por:
Miguel Shishman
Imperador da Bulgária
1330–1331
Sucedido por:
João Alexandre

Referências

  1. a b Andreev, p. 266
  2. Ana Neda era da dinastia Nemânica do lado do pai e da dinastia Terter (Asen) do lado da mãe
  3. Fine
  4. Ivanov, pp. 132-134
  5. Burmov, p. 265
  6. Gregoras, p. 457
  7. Gregoras, pp. 457-458
  8. Burmov, p. 270
  9. Burmov, p. 272
  10. Gregoras, p. 458-459
  11. Schwennicke, p. 172

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Andreev, Jordan; Milcho Lalkov. The Bulgarian Khans and Tsars (em Bulgarian). [S.l.]: Abagar, 1996. ISBN 954-427-216-X
  • Burmov, Al.. History of Bulgaria during the Shishmans (em Bulgarian). [S.l.: s.n.].
  • Fine, John, V. A.. The Late Medieval Balkans, A Critical Survey from the Late Twelfth Century to the Ottoman Conquest. [S.l.]: Ann Arbor, 1987.
  • Gregoras, Nicéforo. Byzantina historia
  • Ivanov, Y.. The Bulgarian Antiquities in Macedonia (em Bulgarian). Sofia: [s.n.], 1970.
  • Schwennicke, Detlev Europäische Stammtafeln, Band II (1984)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]