Língua kinnauri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kinnauri
Falado em: Himachal Pradesh, Índia
Total de falantes: 78 mil
Família:
 (Tibeto-Birmanesa)
  Tibeto-Kanauri
   Himalaia-ocidental
    Kinnauri
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: kfk

Kinnauri, também chamada Kanauri, Kanor, Koonawur, or Kunawar é uma das línguas tibeto-birmanesas falada no distrito de Kinnaur, Himachal Pradesh, Índia, por cerca de 78 mil pessoas. Sua escrita é a Devanagari.

Outros nomes[editar | editar código-fonte]

Kanauri, Kanaury Anuskad, Kanawari, Kanawi, Kanoreunu Skad, Kanorin Skad, Kanorug Skadd, Kinnaura Yanuskad, Kinner, Kinori, Koonawure, Kunawari, Kunawur, Lower Kinnauri, Malhesti, Milchan, Milchanang, Milchang, Tibas Skad.

Falantes[editar | editar código-fonte]

Eram cerca de 63.800 falantes (Conf. Ethnologue em 2000) distribuídos em Himachal Pradesh, Kinnaur, distritos Chauhra até Sangla e vilas ao norte ao longo do rio Satluj River até Morang, no vale do alto rio Ropa em Lahul-Spiti. Área de Shimla e Rampur em Uttar Pradesh; Panjabe, Caxemira. Os falantes são pastores e agricultores tenodo como religiões o Hinduísmo, o Budismo lamaísta e religiões tradicionais.

Língua de relações comerciais entre grupos. È segunda língua para 15 a 20 mil pessoas em Kinnaur. Alguns poucos também usam o Hindi. A alfabetizaçãocom segunda língua é de 37% (homens 52%, mulheres 22%). Já existem gramática e dicionário escritos na língua. Entre 1909 e 1917 foram traduzidos trechos da Bíblia. Peasant agriculturalists; pastoralists. Hindu, Buddhist (Lamaist), traditional religion.

Dialetos[editar | editar código-fonte]

O dialeto Nichar é 80% inteligível com o Sangla. Outras varianes dialetais têm entre si inteligibilidade functional. Línguas próximas e relacionadas: Kanashi [xns], Chitkuli Kinnauri [cjk], Jangshung Tukpa [jna]. Os lléxicos são similares entre elas de 75 a 90%.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Descrição conforme dialeto Pangi do Kinnauri.

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Bilabial Alveolar Retroflex Palatal Velar Glotal
Nasal m n ɲ ŋ
Plosiva sonora b d ɖ ɡ
surda p t ʈ k
aspirada ʈʰ
Africada sonora dz
surda ts
aspirada tsʰ tʃʰ
Fricativa s ʃ h
Vibrantel r
Aproximante l j w

Nota: as palatais /dʒ/, /tʃ/, /tʃʰ/ e /ʃ/ são post-alveolares. /ɲ/ é Alvéolo-palatal.

Vogais[editar | editar código-fonte]

Kinnauri tem cinco pares de fonemas vogais – Longa/curta.

Frontal Central Posterior
Fechada i ɨ
Média e o
Aberta a

Sílabas[editar | editar código-fonte]

/h/, as obstruentes aspiradas (Ex. /pʰ/, /tʰ/, /ʈʰ/, /kʰ/, /t͡sʰ/, /t͡ʃʰ/) e semivogais (Ex. /w/, /j/) nunca ocorremno final de sílaba.

Todas consoantes podem ocorrer antes do início da sílaba e no mei da palavra.

São os seguintes os tipos de sílabas:

  • (C)V(C)(C)(C)
  • CCV(C)
  • CCCVC

Gramática[editar | editar código-fonte]

Kinnauri tem estrutura de sentenças S-O-V, usa extensamente verbos auxilares, usa post-posições. Nas suas frases a palavra principal fica no final. No tempo verbal passado apresenta alinhamento ergativo com marcação de caso gramatical. Nos demais tempos é sempre nominativa-acusativa. O caso ergativo é idêntico ao caso instrumental. Não há distinção entre os casos acusativo e dativo e o genitiivo é parcialmente sincrético com acusativo/dativo.Pode-se reconhecer um caso ablativo, normalmente juntado ao genitivo com diferentes alomorfos para referentes animados e não animados. Há também um caso locativo usado só para substantivos inanimados.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Em ingles:

  • Grimes, Barbara F. (Ed.). (2000). Ethnologue: Languages of the world, (14th ed.). Dallas, TX: SIL International. ISBN 1-55671-106-9. (Online edition: http://www.ethnologue.com/).
  • Nagano, Yasuhiko; & LaPolla, Randy J. (Eds.). (2001). New research on Zhangzhung and related Himalayan languages. Bon studies 3, Senri ethnological reports 19. Osaka: National Museum of Ethnology.
  • Takahashi, Yoshiharu. (2001). A descriptive study of Kinnauri (Pangi dialect): A preliminary report. In Y. Nagano & R. J. LaPolla (Eds.), New research on Zhangzhung and related Himalayan languages. Osaka: National Museum of Ethnology.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]