Ollanta Humala

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ollanta Humala
Ollanta Humala em Brasília, 2011
94º Presidente do Peru Peru
Mandato 28 de julho de 2011
a atualidade
Vice-presidente 1ª vice: Marisol Espinoza
2º vice: vacante
Primeiro-ministro Salomón Lerner Ghitis (2011)
Oscar Valdés (2011 - atualidade)
Antecessor(a) Alan García
Presidente do Partido Nacionalista Peruano Logo PNP.jpg
Mandato 3 de outubro de 2005
a atualidade
Vida
Nome completo Ollanta Moisés Humala Tasso
Nascimento 26 de junho de 1962 (52 anos)
Lima,  Peru
Dados pessoais
Alma mater Escuela Militar de Chorrillos
Pontificia Universidad Católica del Perú
Primeira-dama Nadine Heredia
Partido Logo PNP.jpg Partido Nacionalista Peruano
Profissão militar
Assinatura Assinatura de Ollanta Humala
Website Presidencia de la Republica del Perú
Serviço militar
Lealdade  Peru
Serviço/ramo Exército
Anos de serviço 1980–2005
Graduação Tenente-coronel
Batalhas/guerras Conflito interno no Peru
Guerra de Cenepa

Ollanta Moisés Humala Tasso GColIH (Lima, 26 de junho de 1962) é um militar e político peruano. Humala é o líder do Partido Nacionalista Peruano. De tendência esquerdista e nacionalista, Humala conquistou a presidência do Peru em 5 de junho de 2011, derrotando Keiko Fujimori, filha de Alberto Fujimori.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Líder da esquerda nacionalista, Ollanta Humala é o segundo de sete irmãos, filho de Elena Tasso e Isaac Humala Núñez. O pai, um ex-líder socialista e fundador do chamado etnocacerismo, colocou em seus filhos nomes Incas como Pachacutec, Ima Sumac, Cusicollur ou Antauro. De acordo com o pai de Humala, Ollanta significa "guerreiro que tudo olha".

Começou sua carreira militar em 1980, quando entrou, ao lado do seu irmão Antauro, na Academia Militar. Um ano mais tarde cursou a Escola das Américas, nos Estados Unidos.

No início da década de 1990, Humala, como capitão, foi enviado para uma região do país com forte presença do movimento guerrilheiro Sendero Luminoso.

Na zona de Madre Mía, em 1992, houve confrontos entre colonos e soldados e anos mais tarde, foi relatado que Ollanta teria estado envolvido em violações dos direitos humanos. No entanto, nada foi comprovado.

Após a queda de Alberto Fujimori em novembro de 2001, Ollanta foi anistiado pelo Congresso e estudou ciência política na Universidade Católica. Com Alejandro Toledo como presidente, foi adido militar na embaixada do Peru para a França. Em Paris, fez cursos de pós-graduação na Sorbonne, até 2004, quando se aposentou.

Eleições de 2006[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2005 ele fundou o Partido Nacionalista Peruano, e anunciou sua candidatura para a eleição geral de 2006. Com um discurso de esquerda foi derrotado por Alan Garcia nas urnas.

Neste pleito, Humala recebera apoio público de Hugo Chávez e de Evo Morales, durante uma visita deste último a Caracas em 3 de janeiro de 2006. Esse fato gerou repúdio do governo e de líderes políticos peruanos, que consideraram o apoio um caso de intromissão externa na política local.[2]

Presidente do Peru[editar | editar código-fonte]

Nas eleições gerais no Peru em 2011, com um discurso mais moderado, tendo Luiz Inácio Lula da Silva como um modelo[3] , voltou a se candidatar à presidência do Peru.

Foi o mais votado no primeiro turno e venceu o pleito no segundo turno por estreita margem. Como no sistema político peruano são necessários dois vice-presidentes, foram eleitos Marisol Espinoza como primeira vice-presidente e Omar Chehade como segundo vice-presidente. Todos os eleitos foram empossados em 28 de julho de 2011, sem a presença do ex-presidente Alan Garcia e com a visita de sete presidentes de outras nações, entre eles, Dilma Rousseff, presidente do Brasil.

A 19 de Novembro de 2012 foi agraciado com o Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique.[4]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Alan García
Presidente do Peru
2011 - atualidade
Sucedido por
Precedido por
Fernando Lugo
Presidente da UNASUL
2012 - 2013
Sucedido por
Dési Bouterse
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.