Antonio José de Sucre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antonio José de Sucre
Antonio José de Sucre, por Tovar y Tovar
2º presidente da Bolívia Bolívia
Período de governo 29 de dezembro de 1825
a 18 de abril de 1828
Antecessor(a) Simón Bolívar
Sucessor(a) José María Pérez de Urdininea
6º Presidente do Peru Peru
Período de governo 23 de junho de 1823
a 17 de julho de 1823
Antecessor(a) José de la Riva Agüero
Sucessor(a) José Bernardo de Tagle
Vida
Nascimento 3 de Fevereiro de 1795
Cumaná, Nova Granada
Morte 4 de junho de 1830 (35 anos)
Nariño Colômbia
Dados pessoais
Cônjuge Maríana de Carcelén y Larrea
Religião Católico
Assinatura Assinatura de Antonio José de Sucre
Serviço militar
Lealdade Grã-Colômbia
Bolívia
Serviço/ramo Exército
Graduação Marechal
Batalhas/guerras Batalha de Ayacucho
Independência da América

Antonio José de Sucre (Cumaná, Venezuela, 3 de fevereiro de 1795 — Sierra de Berruecos, Colômbia, 4 de junho de 1830) foi um militar e estadista venezuelano, e herói da independência latino-americana.[1] [2] [3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do militar Vicente Sucre e de dona Manuela de Alcalá. Os seus primeiros estudos foram realizados numa escola fundada pela sua tia, María de Alcalá, e com professores particulares. Os seus estudos universitários foram feitos em Caracas, na Escola de Engenheiros do coronel espanhol Tomás Mires; estudando durante cinco anos matemáticas, agrimensura, fortificação e artilharia. Interrompeu seus estudos em 1810 para se alistar nas tropas do General Francisco de Miranda. Depois da capitulação de Miranda, emigrou para Trinidade, regressando em 1813.

Com o general Santiago Mariño realizou as campanhas militares de 1813 e 1814. Em 1817 Simón Bolívar lhe outorgou o grau de coronel, e em 1819 recebeu o título militar de general de brigada. Participou nos tratados de armistício proposto pelo Realista Pablo Morillo

Em 1821, o general Antonio José de Sucre foi nomeado pelo Libertador Simón Bolívar chefe do Exército do Sul da Colômbia. Dirigiu e venceu a batalha de Pichincha, no ocidente de Quito, no dia 24 de maio de 1822, assegurando a libertação do Equador e integrando esta província na Grã-Colômbia. No dia 6 de agosto de 1824, Simón Bolívar e Sucre derrotaram o general José de Canterac na batalha de Junín.

"La muerte de Sucre en Berruecos". Óleo sobre tela de Arturo Michelena.

No dia 9 de dezembro de 1824 Sucre defrontou com 6.879 soldados, 10.000 soldados realistas comandados pelo general José de Canterac, a vitória desta batalha consolidou a independência definitiva da América Hispânica, foi reconhecida na capitulação de Ayacucho a independência do Peru e a desocupação de todos os territórios ocupados pelos realistas[4] [5]

Em 1825 foi proclamada no Alto Peru a República da Bolívia[6] [7] . Sucre exerceu a presidência deste pais entre 29 de dezembro de 1825 e 18 de abril de 1828. No fim de 1828 retornou à Colômbia, onde foi nomeado pelo Libertador Simón Bolívar para combater as agressões do Peru. Venceu as tropas peruanas na batalha de Tarqui no dia 27 de fevereiro de 1829.

No dia 4 de junho de 1830, quando voltava para Quito, foi assassinado na Sierra de Berruecos no lugar conhecido como "El Cabuyal".

Referências

  1. * Oropesa, Juan. 1995. Sucre síntesis biográfica. Homenaje de la Presidencia de la República. Caracas Venezuela. 207p.
  2. Rumazo González, Alfonso. 1995. Sucre biografía del Gran Mariscal. Homenaje de la Presidencia de la República. Caracas Venezuela. 437p.
  3. Sucre, Antonio José. 1995. De mi propia mano. Fundación Biblioteca Ayacucho. Caracas 489p.
  4. * Gamboa, Cesar Augusto. 1982. Batalla de Ayacucho. Revista Bolívar 1(1):187-203.
  5. * Mangin, Charles. 1982. La Independencia de la America del Sur y la Batalla de Ayacucho. Revista Bolívar 1(1):29-45.
  6. * Lecuna, Vicente. 1995. Documentos referentes a la creación de Bolivia. Comisión Nacional del Bicentenario del Gran Mariscal Sucre. (1795-1995). Caracas. 2 volúmenes.
  7. * Pinilla, Sabino. 1995. La creación de Bolivia. Comisión Nacional Bicentenario del Gran Mariscal Sucre. Caracas Venezuela. 374p.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Andrade Reimers, Luis. 1995. Sucre Soldado y Patriota. Homenaje de la Presidencia de la República. Caracas Venezuela. 269p.
  • Biblioteca Nacional de Venezuela, Universidad Central de Venezuela y Senado de la República. 1995. Sucre época épica 1795-1995. Biblioteca Nacional de Venezuela. Caracas. 32p.
  • Cova, J. A. 1995. Sucre Ciudadano de América. Homenaje de la Presidencia de la República. Caracas Venezuela. 321p.
  • Ediciones de la Presidencia de la Republica y Banco Provincial. 1995. Documentos en Honor del Gran Mariscal de Ayacucho Antonio José de Sucre. Marvin Klein Editor. Caracas Venezuela. 120p.
  • Larrea Alba, L. 1995. Sucre alto conductor político militar. Homenaje de la Presidencia de la Republica. Caracas Venezuela. 233p.
Precedido por
Simón Bolívar
Presidentes de Bolívia
1825 — 1828
Sucedido por
José María Pérez de Urdininea
Precedido por
José de la Riva Agüero
Presidentes do Peru
1823
Sucedido por
José Bernardo de Tagle
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Antonio José de Sucre
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.