Evo Morales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Juan Evo Morales Ayma
65º presidente da Bolívia Bolívia
Período de governo 22 de janeiro de 2006
a atualidade
Vice-presidente Álvaro García Linera
Antecessor(a) Eduardo Rodríguez Veltzé
Vida
Nascimento 26 de Outubro de 1959 (55 anos)
Orinoca, Oruro Bolívia
Dados pessoais
Partido MAS
Profissão cocalero, político, sindicalista

Juan Evo Morales Ayma (Orinoca, Oruro, 26 de outubro de 1959) é o atual presidente da Bolívia.

Com a faixa presidencial

Líder sindical dos cocaleros - agricultores que cultivam a coca, cuja folha é utilizada em chás ou mascada, segundo a tradição indígena - e do partido Movimento para o Socialismo (MAS em língua castelhana) - IPSP (Instrumento Político pela Soberania dos Povos), Evo Morales destacou-se ao resistir os esforços do governo dos Estados Unidos para substituição do cultivo da coca, na província de Chapare, por bananas, originárias do Brasil.[1]

De orientação socialista, o foco do seu governo tem sido a implementação da reforma agrária e a nacionalização de setores chaves da economia, contrapondo-se à influência dos Estados Unidos e das grandes corporações nas questões políticas internas da Bolívia.

De etnia uru-aimará, Morales destacou-se a partir dos anos 1980, juntamente com Felipe Quispe e Sixto Jumpiri e alguns outros, na liderança do campesinato indígena do seu país.[2]

Nas eleições presidenciais bolivianas de 2002 Morales ficou em segundo lugar, colocação surpreendente face ao panorama político do país, dominado pelos partidos tradicionais. Nas eleições de dezembro de 2005, porém, venceu com maioria absoluta, tornando-se o primeiro presidente de origem indígena. Assumiu o poder em 22 de janeiro de 2006 como o primeiro mandatário boliviano a ser eleito Presidente da República em primeiro turno em mais de trinta anos, e sendo reeleito em 6 de dezembro de 2009.[3]

Morales é um admirador da ativista indígena guatemalteca Rigoberta Menchú (prêmio nobel da paz em 1992) e de Fidel Castro, este último pela oposição à política norte-americana. Morales propõe que o problema da cocaína seja resolvido do lado do consumo, pois o cultivo da Coca seria "um patrimônio cultural dos povos andinos e parte inseparável da cultura boliviana e sua proibição não poderia ser feita através de uma simples regulação estabelecida por uma convenção externa".

Embora o tráfico de drogas seja um problema internacional, a nova posição assumida pela Bolívia devolve aos mercados consumidores de drogas o problema ocasionado pela apropriação, para fins ilícitos, de uma planta de uso tradicional - a coca. Segundo Morales, "haverá zero cocaína, zero tráfico de drogas mas não zero coca."[4] [5] Assim, a posição do governo boliviano é de que os costumes indígenas não devem ser afetados pela política de repressão ao tráfico de drogas.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

A coca faz parte da tradição da Bolívia.

Nascido num pequeno povoado mineiro do departamento de Oruro, Evo Morales é de etnia uru-aimará,[6] tendo como língua materna o aimará e, como segunda língua, o castelhano, à semelhança de muitos dos habitantes do planalto ocidental boliviano. É filho de Dionisio e de María, que chegaram a ter sete filhos, dos quais apenas três sobreviveram além dos dois anos de idade, em razão das precárias condições de vida da família.

Evo sempre desejou estudar e queria ter sido jornalista porque "eles sempre estão bem informados de tudo e estão no centro dos problemas". Desde muito pequeno escutava o rádio porque em seu povoado não havia televisão e nem chegavam os jornais.

Era violento com os colegas de classe durante as partidas de futebol nos intervalos entre as aulas, chegando mesmo a ter sido proibido de participar dos jogos escolares da região.

Com o encerramento das minas nos anos 1960, os Morales mudaram-se para o Chapare, assim como milhares de outras famílias, para cultivar frutas e verduras no monte ao leste do país. Em 1985, as barreiras alfandegárias foram levantadas, e os produtos estrangeiros inundaram o mercado local. Aos camponeses de Chapare sobrou somente a folha de coca como alternativa de geração de renda.

Morales terminou sua educação secundária e atribui a sua educação posterior ao que tem chamado de a "Universidade da vida", a escola dos ignorantes, incluindo o seu serviço militar aos 17 anos de idade. Trabalhou também como pastor de lhamas, pedreiro e músico.

Em 1981 foi nomeado secretário de esportes do sindicato dos cocaleros de San Francisco, em Chapare. A partir daqui, iniciou a sua ascensão no movimento sindical.

Durante os anos 1990, os cocaleros enfrentaram-se em repetidas ocasiões com o governo do presidente Hugo Banzer Suárez, que havia prometido ao mundo a erradicação total do cultivo de coca do país, para que a Bolívia não fosse mais taxada como país produtor de drogas. Morales assume a presidência da Federación del Trópico de Cochabamba, uma federação de camponeses plantadores de coca que resiste aos planos governamentais para a erradicação desses cultivos, considerando que são parte da cultura ancestral dos indígenas.

Como líder dos cocaleros da região, Evo Morales foi eleito membro do Congresso em 1997 representando as províncias de Chapare e de Carrasco de Cochabamba, com 70% dos votos do distrito - mais que qualquer outro dos parlamentares eleitos naquela ocasião.

Eleições de 2002[editar | editar código-fonte]

Evo Morales (à direita) junto com o francês José Bové, na culturAmérica (2002)

Em Janeiro de 2002, Evo Morales foi destituído da sua posição no Congresso devido a uma acusação de terrorismo [carece de fontes?]relacionada com uma onda antierradicação ocorrida naquele mês em Sacaba (na qual morreram quatro cocaleros, três militares e um policial), além da pressão da embaixada dos EUA: "Muitos acreditam que os Estados Unidos estejam por trás de sua expulsão."[7]

Apesar disso, Morales apresentou a sua candidatura para as eleições presidenciais e legislativas que se realizariam em 27 de junho. Em Março, a sua expulsão do Congresso foi declarada inconstitucional, ainda que Morales não tenha reclamado a sua cadeira até a tomada dos legisladores sucessores, em Agosto de 2002.

Apesar de que, segundo as pesquisas de opinião, o partido registrava 4% de intenção de voto, [carece de fontes?]o MAS utilizou os seus recursos numa campanha imaginativa, que incluiu a distribuição em massa de camisetas, bonés, bolas de beisebol e todo tipo de quinquilharia política. Um controverso anúncio televisivo [carece de fontes?] do partido mostrava uma boliviana que exortava a "votar segundo a consciência de cada um, e não segundo o que mandava o chefe de cada um", além de incluir camponeses, mestiços e indígenas que afirmavam "Vamos votar por nós mesmos. Votaremos no MAS", capitalizando a condição de ser o primeiro candidato presidencial indígena a favor de Morales. O slogan oficial da campanha foi "Somos Povo, Somos MAS", num jogo de palavras que usava a sigla do partido político que era encabeçado por Morales; isso, aliado à crítica do embaixador estadunidense nesta ocasião e à convocação a não votar por Morales, converteu-se sem querer num estandarte devido à hostilidade existente entre as classes populares bolivianas e os Estados Unidos.

Nas eleições presidenciais, o MAS obteve um surpreendente segundo lugar, deixando Morales muito próximo de converter-se em presidente da Bolívia.

Eleições de 2005[editar | editar código-fonte]

Nas eleições presidenciais de dezembro de 2005, Morales conseguiu ser vencedor, ao obter 53,74% dos votos, frente a 28,59% de seu principal opositor, Jorge Quiroga. Pela primeira vez na Bolívia, um indígena subia ao poder pelo voto popular, com uma margem considerável sobre o segundo postulante.

Em seus primeiros discursos declarou a necessidade da nacionalização dos hidrocarbonetos, cuja exploração fora concedida a petrolíferas transnacionais, principalmente a brasileira Petrobras, através de concessões que catalogou como nulas de pleno direito. Metade do gás natural consumido em todo o Brasil é de origem boliviana.[8]

Morales tem declarado o seu apoio às políticas dos presidentes de esquerda da América Latina: Fidel Castro, Luiz Inácio Lula da Silva, Néstor Kirchner e em especial do presidente venezuelano Hugo Chávez.

Ideário[editar | editar código-fonte]

Morales tem articulado a força motriz por trás do MAS:

"O pior inimigo da humanidade é o capitalismo. Isso é o que provoca levantes como o nosso, uma rebelião contra o sistema, contra o modelo neoliberal, que é a representação de um capitalismo selvagem. Se o mundo inteiro não tomar conhecimento dessa realidade, que os estados nacionais não estão provendo nem mesmo o mínimo para a saúde, educação e o desenvolvimento, então a cada dia direitos humanos fundamentais estão sendo violados."

Ele também afirmou:

"…os princípios ideológicos da organização, anti-imperialista e contrária ao neoliberalismo, são claras e firmes mas seus membros ainda devem transformá-los em uma realidade programática."

Morales tem lutado para o estabelecimento de uma assembleia constituinte para transformar o país. Ele também aprovou uma nova lei dos hidrocarbonetos para garantir 50% do faturamento para a Bolívia.[9] Apesar de o MAS ter também mostrado interesse na completa nacionalização das indústrias de gás e petróleo, Morales prefere o meio-termo — apoiar a nacionalização de companhias de gás natural, mas apoiar a cooperação internacional na indústria.

Morales referiu-se ainda à proposta apoiada pelos Estados Unidos da Área de Livre Comércio das Américas, como "um acordo para legalizar a colonização das Américas."

A ideologia de Morales sobre as drogas pode ser resumida nas palavras "folha de coca não é droga"; de fato, o hábito de mascar folha de coca sempre foi uma tradição das populações locais (aimarás e quíchuas) e seu efeito como droga é menos forte que a cafeína contida no café, mas para muitos bolivianos pobres é considerada a única forma de manter-se trabalhando o dia todo, o que pode ser quinze a dezoito horas para alguns. A prática de mascar folhas de coca pelas populações indígenas na Bolívia tem mais de mil anos e nunca causou nenhum problema na sua sociedade relacionado com as drogas; é por isso que Morales acredita que o problema da cocaína deveria ser resolvido no lado do consumo, não erradicando as plantações de coca.

Política externa[editar | editar código-fonte]

Brasília - Presidente brasileiro Lula e o presidente eleito da Bolívia, Evo Morales, durante audiência no Palácio do Planalto. (Foto Domingos Tadeu/PR).

Morales tem transformado radicalmente a agenda política internacional da Bolívia. Evo tem gozado de apoio político de líderes da América do Sul e Caribe e aceitado antes de sua posse em 22 de Janeiro convites estendidos a ele por líderes de diversas nações da região e outras como Espanha, França e China.

Já antes de tomar posse do cargo de presidente da república, Morales realizou um giro internacional, iniciado em 29 de dezembro de 2005. Durante duas semanas, percorreu vários países em busca de apoio político e econômico para os seus planos de transformação da economia boliviana.

  • Em 30 de dezembro de 2005, Evo Morales, depois de celebrar a sua vitória eleitoral no povoado de Orinoca, visita Cuba como primeiro destino de um giro internacional por 3 continentes. É recebido por Fidel Castro em Havana. Os dois dirigentes firmaram um acordo para permitir a colaboração cubana com a Bolívia nos setores de saúde pública e educação.
  • Em 3 de janeiro de 2006, reúne-se com Hugo Chávez em Caracas. Chávez ofereceu à Bolívia 150.000 barris de diesel mensalmente para substituir as atuais importações que a Bolívia realiza de outros países. Em troca, a Bolívia compromete-se a pagar o hidrocarboneto doando à Venezuela produtos agrícolas bolivianos.
  • Em 4 de janeiro de 2006, José Luis Rodríguez Zapatero recebe Evo Morales no Palácio da Moncloa. Zapatero anunciou o perdão do montante total da dívida boliviana com a Espanha, uma soma total de 120 milhões de euros.
  • Em 5 de janeiro de 2006, o Rei Juan Carlos recebe Morales no Palácio da Zarzuela. A imprensa critica Morales por vestir um suéter de tecido de alpaca com motivos e desenhos indígenas durante seu encontro com o rei. José María Aznar anuncia que usará sua fundação para combater Castro, Chávez e Morales.[10]
  • Em 6 de janeiro de 2006, Evo Morales reúne-se com Jacques Chirac em Paris. Chirac promete apoio econômico e político desde que La Paz se comprometa a proteger os investimentos franceses na Bolívia. Nesse mesmo dia reúne-se em Haia com o Ministro das Relações Externas holandês Ben Bot, que lhe promete uma ajuda de 15 milhões de euros anuais.[11]
  • Em 7 de janeiro, Morales reúne-se em Bruxelas com o alto representante para a Política Externa e de Segurança Comum da União Europeia, Javier Solana, quem pediu a Morales "segurança jurídica" para os investimentos europeus na Bolívia.[12]
  • Em 9 de janeiro, se reúne em Pequim com o conselheiro de estado chinês Tang Jiaxuan, com o chefe de estado Hu Jintao, e com o ministro do comércio, Bo Xilai. Morales convida aos empresários e ao governo da China a investir em projetos para a exploração de reservas de gás na Bolívia além da construção de refinarias de gás natural.
  • Em 10 de janeiro, Morales se reuniu em Pretória, África do Sul com o presidente Thabo Mbeki que o convidou a visitar o país por ocasião da sua vitória eleitoral. Ali, Morales estabeleceu um paralelo entre as lutas populares dos indígenas na América e as dos negros na África do Sul durante o Apartheid.
  • Em 11 de janeiro, Morales encontrou-se com o arcebispo Desmond Tutu que o descreveu como sendo um "homem de grande bondade e humildade". Morales também se reuniu com Frederik de Klerk,[13] e visitou a prisão onde Nelson Mandela esteve recluso.
  • Em 13 de janeiro, em visita ao Brasil, encontrou-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a quem chamou de "mi hermano" (meu irmão). Morales e Lula acordaram trabalhar juntos num programa de cooperação para lutar contra a pobreza.[14]

Incidente com o avião presidencial em 3 de julho de 2013[editar | editar código-fonte]

Em 3 de julho de 2013 quando Evo Morales regressava de Moscou, onde participou de um encontro de países produtores de gás, o avião presidencial com Morales a bordo foi impedido de sobrevoar os espaços aéreos da Espanha[15] , França,Itália e em Portugal onde havia autorizado seu trânsito, pois o plano de voo previa uma parada para reabastecimento. O avião teve que fazer um pouso forçado em Viena, na Áustria; onde a condição para liberar a decolagem fosse uma revista na aeronave. O noticiário referiu o incidente como um preparativo da CIA que temia que seu ex-espião Edward Snowden estivesse a bordo do avião presidencial, mas em comunicado a agência EFe, o porta-voz do Ministério do Interior Austríaco, Karl-Heinz Grundbock, disse que as autoridades austríacas descartam a hipótese de que Snowden esteja dentro do avião[16] .

O episódio foi repudiado por vários governos, principalmente de chefes de estados de países Latinos, como a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, que emitiu nota oficial classificando o caso como "grave desrespeito ao Direito e às práticas internacionais e às normas civilizadas de convivência entre as nações. Acarretou, o que é mais grave, risco de vida para o dirigente boliviano e seus colaboradores":

Cquote1.svg O constrangimento ao presidente Morales atinge não só à Bolívia, mas a toda América Latina. Compromete o diálogo entre os dois continentes e possíveis negociações entre eles. Exige pronta explicação e correspondentes escusas por parte dos países envolvidos nesta provocação. . Cquote2.svg
Dilma Rousseff em nota oficial[17]

Observações apontam o caso como uma espécie de precedente em desacordo com as regras da Convenção de Chicago sobre trânsito internacional de aeronaves[18] e as Liberdades do ar.

Posse[editar | editar código-fonte]

Porta do Sol em Tiwanaku.

A posse de Evo Morales representou um momento histórico na política boliviana. Por ter sido o primeiro presidente eleito de origem indígena, Evo fez questão que a sua posse tivesse um forte simbolismo religioso representando o valor de sua origem. Em 21 de janeiro de 2006, um dia antes da posse constitucional no Parlamento, vestiu trajes típicos e compareceu ao cerimonial religioso nas ruínas de Tiwanaku, a localidade mais importante da civilização pré-incaica do Altiplano Bolivano. Cerca de quarenta mil pessoas estiveram no sítio arqueológico, muitas delas segurando tanto bandeiras da Bolívia, quanto wiphalas, a multicolorida bandeira que representa os povos originários do Altiplano.

Morales recebeu o mando originário na pirâmide de Akapana (ainda em escavações). Ali foi designado Apu Mallku, pelo líder espiritual aimará Valentin Mejillones, vestindo o gorro de quatro pontas que lhe confere poder sobre os quatro pontos cardeais e segurando o báculo da autoridade conferida pelo deus Sol. Mejillones foi posteriormente preso pela polícia boliviana, por porte, tráfico e produção de drogas. "Não importa quem seja, a pessoa que comete uma irregularidade deve se submeter à lei", disse na ocasião o vice-presidente Álvaro García.[19] .

Cerimônia de posse no Parlamento

Em 22 de janeiro, foi empossado presidente em uma cerimônia em La Paz, onde recebeu inúmeros chefes de estado, incluindo o presidente brasileiro Luís Inácio Lula da Silva, o presidente argentino Néstor Kirchner e o presidente venezuelano Hugo Chávez. O presidente chileno Ricardo Lagos, cujo país tem um histórico de conflito diplomático com a Bolívia (ver Guerra do Pacífico), também estava presente e se encontrou com o dignitário em particular. Morales descreveu sua presidência como o marco de uma nova era e que 500 anos de colonialismo agora tinham chegado ao fim.

Já empossado presidente, Morales foi recepcionado na praça San Francisco por cerca de 100 mil pessoas e jornalistas de todo o mundo.

Gestão presidencial[editar | editar código-fonte]

Um de seus primeiros gestos como presidente foi de reduzir seu salário em 57% para US$1.875 por mês. Morales anunciou também sua intenção de levar aos tribunais seu predecessor, o ex-presidente interino, Eduardo Rodríguez, e o então ministro da Defesa, Gonzalo Méndez Gutiérres, acusando-os de traição à Pátria ao terem transferido 28 mísseis terra-ar MHN-5 de fabricação chinesa que se encontravam nos arsenais bolivianos e foram entregues aos Estados Unidos para serem "desativados".

Referendo de 2008[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2007, em meio a uma tensa situação política relacionada com o processo constituinte, Morales lançou a proposta de submeter-se, juntamente com todos os governadores, ao referendo revogatório, um referendo previsto pela constituição da Bolívia que submete os ocupantes dos cargos a uma nova votação.

Assim, em 10 de agosto de 2008, o povo boliviano votou para decidir se queriam ou não que o presidente, Evo Morales, seu vice-presidente, Álvaro García Linera, e oito dos nove governadores do país continuassem em seus cargos.

Dia 16 de agosto de 2008 a Corte Nacional Eleitoral da Bolívia confirmou os resultados, que deram a esmagadora vitória do presidente Evo Morales, que acaba de cumprir a metade de seu mandato de cinco anos. Ele foi ratificado no cargo com 67,41 por cento dos votos válidos.

Além de Morales, também foram ratificados os governadores de quatro departamentos que formam a chamada "meia lua" opositora e são liderados por Rubén Costas, de Santa Cruz. Outros quatro governadores opositores às políticas de Morales não obtiveram o número necessário de votos e perderão seus mandatos.[20]

Morales perderia o cargo se tivesse no mínimo 53,74% dos votos "não". Para a revogação dos mandatos dos governadores uma nova norma da Corte Nacional Eleitoral, que foi aprovada na semana que precedeu ao referendo, determinou que eles precisam ter 50% de votos "sim" para vencer.Caso perdesse, Morales deveria convocar imediatamente novas eleições gerais, que podem ocorrer entre 90 e 180 dias depois da divulgação oficial do resultado. Os governadores que foram revogados deixarão suas funções, e o cargo será declarado vago. O presidente terá que indicar um novo governador, que exercerá as funções até a nova eleição.

"Buscando la Cruz del Sur"[editar | editar código-fonte]

Em Abril de 2006 foi anunciada a preparação de um filme sobre a vida de Evo Morales, cujo título deverá ser "Buscando la Cruz del Sur" ("Procurando o Cruzeiro do Sul"). O filme será o resultado do trabalho conjunto de dois bolivianos, o produtor Wilson Asturizaga e o realizador Tonchi Antezana. A principal motivação para a realização do filme é, de acordo com Asturizaga, o facto de constituir um evento histórico mundial a chegada de um indígena à Presidência da Bolívia. Contudo, a personagem principal do filme não terá o nome de Juan Evo Morales Aima, mas "Juan Pueblo". A escolha dos três atores que desempenharão Morales quando criança, jovem e adulto será feita em Maio de 2006 através de um "reality show", no qual o público escolherá os melhores intérpretes.[21]

Polêmica[editar | editar código-fonte]

Evo Morales também aparece na comunicação social por alguns actos polémicos.

Em abril de 2010, durante um discurso na I Conferência Mundial dos Povos sobre as Mudanças Climáticas e os Direitos da Mãe Terra, Morales afirmou que comer frangos criados em aviários, que são engordados com hormonas femininas, são a causa dos "desvios" da sexualidade masculina (referindo-se à homossexualidade) e da alopécia (calvície) na Europa. No mesmo discurso onde alertava para o perigo dos alimentos transgénicos, disse também que a bebida "Coca-Cola" e as batatas holandesas seriam prejudiciais à saúde. As declarações homofóbicas levantaram os ânimos entre os defensores de direitos LGBT. Por outro lado, o porta-voz do governo afirmou que o que foi dito por Morales seria uma "verdade" silenciada pela comunidade internacional.[22] [23]

A 4 de outubro de 2010, durante um jogo amigável entre o partido de Evo Morales e o da oposição (Movimiento Sin Miedo, em português: Movimento sem Medo), para a inaugurar um estádio em La Paz, Evo Morales, capitão de equipa, aos 5 minutos de jogo, foi pontapeado, na perna, por um jogador da equipa rival, Daniel Cartagena. Inesperadamente, dirigiu-se a Daniel e deu-lhe uma joelhada nos genitais, acção que o derrubou de imediato. O jogo ficou envolto em polémica a partir do momento em que a agressão de Evo foi desproporcionada ao golpe recebido, o árbitro não viu a joelhada mas expulsou Cartagena, os seguranças do presidente tentaram afastar o rival do local e Evo, anteriormente lesionado, permaneceu em campo até ao final do jogo.[24] [25] [26]

Traje habitual[editar | editar código-fonte]

Morales veste seu traje habitual, com motivos indígenas, na cerimônia de investidura presidencial.

Evo Morales tem preferido, como sua vestimenta oficial, roupas tradicionais bolivianas, como o suéter de tecido de alpaca, com motivos e desenhos indígenas, tal como a que usou durante um encontro com o rei da Espanha, semelhante ao utilizado na cerimônia de posse e o da foto oficial.

Algumas declarações[editar | editar código-fonte]

  • "…Se é o TLC, se é a ALCA, se é a ALBA (a Alternativa Bolivariana para as Américas, que propõe Chávez), se é o Mercosul ou a Comunidade Sul-Americana de Nações, isso avaliaremos tecnicamente colocando ao mesmo nível de igualdade todos os tratados que estão sendo promovidos atualmente…" em entrevista à edição digital do Clarín (Argentina).
  • "Nacionalizamos os recursos naturais de hidrocarbonetos do país; o Estado recupera a propriedade, a posse e o controle total e absoluto destes recursos."[27]

Referências

  1. Biografia
  2. A Native Speaker, por Jimmy Langman. Newsweek, 11 de dezembro de 2005.
  3. Evo Morales é reeleito El País 6/12/2009
  4. Bolivia's Morales Leads in Election Exit Polling (Update1), por Alex Emery.
  5. Vídeo: Cenários bolivianos (3) – Movimentos Sociais Indígenas e Identidade
  6. Evo, camino a una reelección en la que busca mayoría absoluta, por Silvina Heguy. Clarín
  7. Evo Morales and opposition to the US in Bolivia, por Erin Ralston. 15 de julho de 2002.
  8. Para uma abordagem crítica da nacionalização dos hidrocarbonetos e da construção do gasoduto Brasil-Bolivia, ver o site Nossa América Latina.
  9. Ley n° 3058 de 17 de mayo de 2005: Ley de Hidrocarburos
  10. Aznar anuncia que utilizará su Fundación en España para combatir a Chávez, Castro y Evo Morales
  11. Empresarios consideran excepcional estrategia de Morales en gira. 9 de janeiro de 2006.
  12. Solana reclama a Evo Morales «seguridad jurídica» para las inversiones en Bolivia
  13. Evo Morales se reúne con el ex presidente sudafricano De Klerk. Terra, 12 de janeiro de 2006
  14. Evo Morales afirmó que no afectará los intereses de Brasil. La Nación, 14 de janeiro de 2006.
  15. [1]. Rfi. Acesso em 04/07/2013
  16. Países latinos condenam retenção de Evo Morales, diz Bolívia[2]. EBC. Acesso em 03/07/2013
  17. Em nota, governo expressa repúdio ao constrangimento imposto ao presidente Evo Morales[3]. blog.planalto.gov.br. Acesso em 3/07/2013
  18. Sem mencionar EUA representação brasileira no Parlasul condena agressão a Evo Morales [4].Senado Federal do Brasil. Acesso em 04/07/2013
  19. Sacerdote que abençoou Morales é preso com 240 kg de cocaína. Terra, 29 de julho de 2010.
  20. QUIROGA, Carlos Alberto. Confirmada vitória esmagadora de Morales em referendo. Agência Reuters, 16 de agosto de 2008.
  21. Reality show fará filme sobre vida de Evo Morales. Terra, 13 de abril de 2006.
  22. Transgénicos y hormonas causan calvicie y homosexualidad, según Evo Morales El País.com, Mabel Azcui, Cochabamba, 21/04/2010
  23. Morales: gays e calvície são culpa dos frangos de aviário, Diário de Notícias, AFP, 22/04/2010
  24. Evo Morales pega un rodillazo a un contrincante durante un partido de fútbol La Razón.es; 05/10/2010
  25. Evo Morales se 'pica' en un partido de fútbol Vídeo RTVE; 05/10/2010
  26. Evo Morales se machuca em jogo de futebol contra equipe opositora, IG Esporte, AFP, 04/10/2010
  27. Exército boliviano ocupa duas refinarias da Petrobras

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Evo Morales
Precedido por
Eduardo Rodríguez Veltzé
Presidentes de Bolívia
2006 - Atual
Sucedido por