Pólux (estrela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pólux
Dados observacionais (J2000)
Constelação Gemini
Asc. reta 07h 45m 18,9s[1]
Declinação +28° 01′ 34,3″[1]
Magnitude aparente 1,14[2]
Características
Tipo espectral K0 III[3]
Cor (U-B) +0,86[2]
Cor (B-V) +1,00[2]
Astrometria
Velocidade radial 3,33 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -626,55 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) -45,80 mas/a[1]
Paralaxe 96,54 ± 0,27 mas[1]
Distância 33,78 ± 0,09 anos-luz
10,36 ± 0,03 pc
Magnitude absoluta +1,08 ± 0,02[4]
Detalhes
Massa 2,04 ± 0,3[5] M
Raio 8,8 ± 0,1[6] R
Gravidade superficial 2,685 ± 0,09 (log g)[6]
Luminosidade 43[7] L
Temperatura 4 666 ± 95[6] K
Metalicidade [Fe/H] –0,07 a +0,19[6]
Rotação 558 dias[8]
Idade 724 milhões[9] de anos
Outras denominações
Beta Geminorum, 78 Geminorum, BD+28°1463, Gliese 286, HD 62509, HIP 37826, HR 2990, SAO 79666.[1]
Pólux (estrela)
Gemini constellation map.png

Pólux ou Pollux (Beta Geminorum, β Gem, β Geminorum) é a estrela mais brilhante da constelação de Gemini e a 17ª mais brilhante de todo o céu,[10] com uma magnitude aparente de 1,14.[2] Junto com Castor, é um dos gêmeos representados no contorno da constelação. Com base em sua paralaxe, está a aproximadamente 33,78 anos-luz (10,36 parsecs) da Terra.[1] Em 2006, foi confirmada a existência de planeta extrassolar orbitando-a.[6] Pólux é a estrela mais brilhante com um planeta conhecido.[10]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Pólux é maior que o Sol, com cerca de duas vezes sua massa e quase nove vezes seu raio.[5] [6] No passado uma estrela de classe A da sequência principal,[5] Pólux já consumiu todo o hidrogênio de seu núcleo e evoluiu tornando-se uma estrela gigante com uma classificação estelar de K0 III.[3] Irradia 43 vezes mais luminosidade que o Sol[7] de sua atmosfera externa a uma temperatura efetiva de 4 666 K,[6] o que dá a ela o brilho alaranjado típico de estrelas de classe K.[11] Desde 1943, seu espectro tem servido como base pela qual outras estrelas são classificadas.[12] Pólux parece estar rotacionando lentamente, com uma velocidade de rotação projetada de 2,8 km/s,[13] completando uma rotação a cada 558 dias.[8] A abundância de elementos que não são hidrogênio ou hélio, o que é chamada de metalicidade, é incerta, com estimativas variando entre 85% e 155% da abundância solar.[6]

Pólux possui um baixo nível de atividade magnética, conforme demonstrado pela detecção de baixa emissão de raios-X pelo telescópio ROSAT. A emissão de raios-X da estrela é de cerca de 1027 erg/s, o que é aproximadamente igual à emissão de raios-X do Sol. Um campo magnético com uma força menor que 1 Gauss foi confirmado na superfície de Pólux; um dos campos mais fracos já detectados em uma estrela. A presença desse campo sugere que Pólux já foi uma estrela Ap com uma campo magnético muito mais forte.[5]

Sistema planetário[editar | editar código-fonte]

A detecção do planeta extrassolar Pólux b foi anunciada em 16 de junho de 2006. Foi calculado que Pólux b tem uma massa mínima de 2,3 vezes a massa de Júpiter. Está orbitando Pólux a uma distância média de 1,64 UA com um período de cerca de 590 dias.[6]

O sistema Pólux [6]
Planeta Massa Semieixo maior
(UA)
Período orbital
(dias)
Excentricidade
b >2,30 ± 0,45 MJ 1,64 ± 0,27 589,64 ± 0,81 0,02 ± 0,03

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

As estrelas Castor e Pollux refere-se especificamente aos personagens mitológicos gregos Castor e Pólux,[10] os filhos de Leda.

Pólux era antigamente conhecida como Abrachaléus.[14] [15]

No catálogo de estrelas no Calendarium of Al Achsasi Al Mouakket, esta estrela era designada Muekher al Dzira, o que foi traduzido em latim como Posterior Brachii, significando o fim na pata.[16]

Em chinês, 北河 (Běi Hé), significando Rio do Norte, refere-se a um asterismo consistindo de Pólux, ρ Geminorum e Castor.[17] Pólux em si é conhecida como 北河三 (Běi Hé sān, a Terceira Estrela do Rio do Norte.)[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h SIMBAD query result - POLLUX SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Página visitada em 3 de outubro de 2012.
  2. a b c d Lee, T. A. (outubro de 1970), "Photometry of high-luminosity M-type stars", Astrophysical Journal 162: 217, doi:10.1086/150648, Bibcode1970ApJ...162..217L 
  3. a b Morgan, W. W.; Keenan, P. C. (1973), "Spectral Classification", Annual Review of Astronomy and Astrophysics 11: 29, doi:10.1146/annurev.aa.11.090173.000333, Bibcode1973ARA&A..11...29M 
  4. Carney, Bruce W. et al. (março de 2008), "Rotation and Macroturbulence in Metal-Poor Field Red Giant and Red Horizontal Branch Stars", The Astronomical Journal 135 (3): 892–906, doi:10.1088/0004-6256/135/3/892, Bibcode2008AJ....135..892C 
  5. a b c d Aurière, M. et al. (setembro de 2009), "Discovery of a weak magnetic field in the photosphere of the single giant Pollux", Astronomy and Astrophysics 504 (1): 231–237, doi:10.1051/0004-6361/200912050, Bibcode2009A&A...504..231A 
  6. a b c d e f g h i j Hatzes, A. P. et al. (2006), "Confirmation of the planet hypothesis for the long-period radial velocity variations of β Geminorum", Astronomy and Astrophysics 457: 335–341, doi:10.1051/0004-6361:20065445, Bibcode2006A&A...457..335H 
  7. a b Mallik, Sushma V. (dezembro de 1999), "Lithium abundance and mass", Astronomy and Astrophysics 352: 495–507, Bibcode1999A&A...352..495M 
  8. a b Koncewicz, R.; Jordan (janeiro de 2007), "OI line emission in cool stars: calculations using partial redistribution", Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 374 (1): 220–231, doi:10.1111/j.1365-2966.2006.11130.x, Bibcode2007MNRAS.374..220K 
  9. Takeda, Yoichi; Sato, Bun'ei; Murata, Daisuke (agosto de 2008), "Stellar parameters and elemental abundances of late-G giants", Publications of the Astronomical Society of Japan 60 (4): 781–802, Bibcode2008PASJ...60..781T 
  10. a b c Kaler, James B. POLLUX (Beta Geminorum) Stars.. Página visitada em 3 de outubro de 2012.
  11. "The Colour of Stars", Australia Telescope, Outreach and Education (Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation), 21 de dezembro de 2004, http://outreach.atnf.csiro.au/education/senior/astrophysics/photometry_colour.html, visitado em 3 de outubro de 2012 
  12. Garrison, R. F. (dezembro de 1993), "Anchor Points for the MK System of Spectral Classification", Bulletin of the American Astronomical Society 25: 1319, Bibcode1993AAS...183.1710G, http://www.astro.utoronto.ca/~garrison/mkstds.html, visitado em 3 de outubro de 2012 
  13. Massarotti, Alessandro et al. (janeiro de 2008), "Rotational and Radial Velocities for a Sample of 761 HIPPARCOS Giants and the Role of Binarity", The Astronomical Journal 135 (1): 209–231, doi:10.1088/0004-6256/135/1/209, Bibcode2008AJ....135..209M 
  14. Dicionário Universal Ilustrado, Ed. João Romano Torres & Cª.1911.
  15. LES GÉMEAUX
  16. Knobel, E. B.. (junho de 1895). "Al Achsasi Al Mouakket, on a catalogue of stars in the Calendarium of Mohammad Al Achsasi Al Mouakket". Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 55. Bibcode1895MNRAS..55..429K.
  17. (chinês) 中國星座神話, escrito por 陳久金. Publicado por 台灣書房出版有限公司, 2005, ISBN 978-986-7332-25-7.
  18. (chinês) 香港太空館 - 研究資源 - 亮星中英對照表, Hong Kong Space Museum. Acessado em 23 de novembro de 2010.