Palácio de La Moneda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Palácio de La Moneda
Palacio de La Moneda
Fachada do Palácio de la Moneda
Estilo dominante Neoclássico
Arquiteto Joaquín Toesca
Inauguração século XVIII
Função atual Sede de governo
Geografia
País Chile
Cidade Santiago

O Palácio de La Moneda ou simplesmente La Moneda é a sede da Presidência da República do Chile. Também abriga o Ministério do Interior, a Secretaria Geral da Presidência e a Secretaria Geral do Governo.

Está localizado no centro da cidade de Santiago, entre as ruas Moneda (ao norte), Teatinos (a oeste), Morandé (a leste) e a Avenida "Libertador Bernardo O'Higgins" (ao sul). O palácio é ladeado por duas praças: ao sul, pela praça da Cidadania e, ao norte, pela Praça da Constituição.

História[editar | editar código-fonte]

Bombardeio ao Palácio de La Moneda durante o golpe militar de 1973

O Palacio de la Moneda foi projetado originalmente para abrigar a Casa da Moeda, quando o Chile era uma colônia espanhola. Devido à falta de recursos do governo colonial, a Casa Real Espanhola entregou o projeto a um particular. Graças ao financiamento por Francisco García de Huidobro, I Marquês de Casa Real, o palácio foi construído entre 1786 a 1812. O arquiteto responsável foi o italiano Joaquín Toesca. A Casa da Moeda foi inaugurada oficialmente em 1805. Suas paredes são construídas com pedras muito grandes, chegando a mais de um metro de largura, para dar à construção a resistência necessária aos frequentes abalos sísmicos que ocorrem em Santiago. Na realidade, o Palácio de La Moneda é uma das poucas construções da era colonial que ainda permanecem em pé na capital chilena.

Durante a independência do Chile, foi neste palácio que se cunharam as primeiras moedas do Chile independente. Durante o mandato do presidente Manuel Bulnes Prieto, em 1845, o Palácio de la Moneda foi convertido em sede do Governo Chileno, e residência oficial de seus presidentes. A função de Casa da Moeda foi exercida até o ano de 1929. Em 1932, uma reforma acrescentou um terceiro pavimento à fachada sul do prédio. Foi residência oficial de presidentes até o final do mandato de Carlos Ibáñez del Campo, em 1958.

Durante o golpe de estado de 11 de setembro de 1973, em que foi deposto e morto o presidente Salvador Allende, o edifício foi duramente bombardeado pelos canhões do Exército chileno e por aviões da Força Aérea chilena. Depois de três horas de luta e bombardeando o Palácio de La Moneda com aviões da força aérea foi este tomado pelo exercito. O efeito dos explosivos, adicionados ao incêndio que se propagou a seguir, destruíram não só parte do prédio como documentos e tesouros inestimáveis. Por exemplo, a Ata de Independência do Chile, de 1818, foi irremediavelmente perdida.

Durante a ditadura neoliberal de Augusto Pinochet o Salão da Independência, foi fechado por um muro de concreto, por ordem de Augusto Pinochet, para evitar o seu simbolismo. Lanternas do Oriente e do lado oeste entradas, como as do Norte e do Sul, juntamente com os seus portões etapas também foram suprimidas,Entretanto, certas modificações foram introduzidas. A tradicional porta pela rua Morandé 80 foi lacrada, e o salão Independência, onde morreu Salvador Allende, foi eliminado da obra. O edifício foi reinaugurado ao mesmo tempo em que Augusto Pinochet iniciou seu período de governo sob a Constituição totalitária de 1980, em 11 de março de 1981. Durante a reconstrução do Palácio de la Moneda, a sede do governo foi o Edifício Diego Portales.

Após o fim da era Pinochet, e com a redemocratização do Chile, durante o governo do presidente Eduardo Frei Ruiz-Tagle, o edifício foi repintado em sua cor original, branco gelo. Posteriormente, o presidente Ricardo Lagos Escobar reabriu a passagem para pedestres no interior do palácio e também, em gesto carregado de simbolismo, reabriu a porta pela rua Morandé 80, quando completaram-se 30 anos do golpe militar de 1973. Por esta porta, o presidente pode entrar de modo tranquilo no palácio sem usar o portão principal onde forçosamente deve receber as honras da Guarda. Simbolicamente, é por onde saem os presidentes ao término de seu mandato.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Pátio interno do palácio "La Moneda", conhecido como "Pátio de Los Naranjos"

Há em frente ao Palácio uma praça com todos os presidentes em estátuas e destaque acentuado para a estátua de Allende. Nesta praça também estão situados alguns órgãos governamentais e alguns jornais, como o Diário de La Nación. No interior do palácio há um pátio, conhecido como "Patio de los Naranjos", porque há laranjeiras plantadas e frutificantes. A guarda do Palácio e seus arredores é realizada pelo Exército Chileno, que utiliza uniformes muito parecidos com os uniformes da Alemanha pré-Nazista, um reflexo da influencia alemã nas forças armadas chilenas ocorrida no início do século XX. O Palácio de la Moneda é destino da maioria das manifestações políticas da população de Santiago.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Palácio de La Moneda
Ícone de esboço Este artigo sobre o Chile é um esboço relacionado ao Projeto América do Sul. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.