Província de Mutsu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa das províncias japonesas (1868) com a província de Mutsu em destaque

Mutsu (陸奥国, Mutsu no kuni?) foi uma antiga província do Japão, equivalente às atuais prefeituras de Fukushima, Miyagi, Iwate e Aomori, e as municipalidades de Kazuno e Kosaka na prefeitura de Akita. Também era conhecida como Ōshū (奥州), e o termo Ōu é comumente utilizado para se referir à combinação entre Mutsu e a vizinha Dewa, que compõem a atual região de Tōhoku.

Recorte histórico[editar | editar código-fonte]

Mutsu, ao norte de Honshū, foi uma das últimas províncias formadas, pelo fato de serem terras tomadas dos Ainu[carece de fontes?], e se tornou a maior de todas, expandindo-se para o norte. A antiga capital situava-se na atual prefeitura de Miyagi.

No 3º mês do 2º ano da era Wadō (709), aconteceu uma revolta contra as autoridades do governo em Mutsu e na vizinha Echigo e tropas foram enviadas para conter a insurreição.[1]

No 5º ano da era Wadō (712), Mutsu foi separada da Província de Dewa. O Daijō-kan da Imperatriz Genmei fez mudanças cadastrais no mapa provincial do Período Nara, assim como no ano seguinte a Província de Mimasaka foi separada da Província de Bizen; Hyūga foi desligada da Província de Osumi; e a Província de Tanba foi separada da Província de Tango.[1]

Durante o Período Sengoku, vários clãs governaram diferentes partes da província. O clã Uesugi tinha um castelo na cidade de Wakamatsu no sul, o clã Nanbu em Morioka ao norte, e Date Masamune, um aliado próximo dos Tokugawa, estabeleceu Sendai, que é hoje a maior cidade da região de Tōhoku.

No Período Meiji, quatro províncias foram criadas a partir de Mutsu: Rikuchū, Rikuzen, Iwaki e Iwashiro.

A área que é atualmente a prefeitura de Aomori continuou a ser parte de Mutsu até a abolição do sistema han e a conversão nacional para o sistema de prefeituras.

Distritos[editar | editar código-fonte]

Sob o Ritsuryō[editar | editar código-fonte]

Distritos durante a era Meiji[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Titsingh, Isaac. (1834). Annales des empereurs du japon, p. 64.