Ricardo Ribeiro do Espírito Santo Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ricardo Ribeiro do Espírito Santo Silva
Nascimento 12 de Novembro de 1900
Lisboa, Portugal
Morte 2 de Novembro de 1955 (54 anos)
Cascais, Portugal
Ocupação Banqueiro, mecenas

Ricardo Ribeiro do Espírito Santo Silva ComCGCCComB (Lisboa, 12 de Novembro de 1900Cascais, 2 de Novembro de 1955), foi um banqueiro, economista, grande amador de arte, mecenas e desportista português.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do rico negociante José Maria do Espírito Santo Silva, falecido em 1915, fundador, em 1883, da firma Silva, Beirão, Pinto & Cia., que deu origem, no decorrer dos tempos, por sucessivas transformações, às firmas J. M. do Espírito Santo Silva & Cia. e Espírito Santo Silva & Cia., ambas do maior prestígio, transformada esta última, em 1920, no Banco Espírito Santo, e de sua segunda mulher Rita de Jesus Ribeiro.[1] [2]

licenciou-se em Ciências Económicas e Financeiras, com altas classificações, no Instituto Superior de Contabilidade, Economia e Finanças da Universidade Técnica de Lisboa. Foi o sucessor direto de seu pai na gestão de importantes negócios a que emprestou os seus grandes conhecimentos, especial tato administrativo e o prestígio da sua forte personalidade social. Em 1932, sucede a seu irmão, José Ribeiro do Espírito Santo Silva, na liderança do Banco Espírito Santo (BES), até à sua morte em 1955. Durante o período em que presidiu ao BES, o banco funde-se com o Banco Comercial de Lisboa, passando a designar-se por Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa, em 1937, uma das entidades financeiras e bancárias de maior importância na vida portuguesa, na primeira fila das organizações congéneres. Em 1944 era Presidente do Conselho de Administração e da Direção daquele último banco. Para além de banqueiro, Ricardo do Espírito Santo também foi presidente da Comissão Executiva da Sociedade Anónima Concessionária da Refinação de Petróleos em Portugal (Sacor), empresa petrolífera portuguesa, do Conselho de Administração da Sociedade Agrícola do Cassequel, etc. Foi Diretor do Grémio dos Bancos e Casas Bancárias e foi Presidente da Assembleia Geral da Sociedade de Ciências Económicas, de Lisboa.[1] [2]

Ricardo do Espírito Santo foi, também, um homem dedicado às artes e à cultura, tendo coleccionado diversas pinturas, mobiliário e tapeçarias. Em 1953, cria a Fundação Ricardo do Espírito Santo, uma "Escola-Museu de Artes Decorativas", instalada no Palácio Azurara, em Alfama, Lisboa, que viria a doar ao Estado português. Foi o seu primeiro presidente do Conselho Directivo. Organizou um ano depois, em 1954, uma importante exposição de ourivesaria portuguesa em Paris.[2]

Publicou, na imprensa da especialidade, muitos e autorizados artigos sobre assuntos económicos e, especialmente, bancários, e assuntos de arte antiga, sobretudo pintura, pois foi um dos conhecedores mais notáveis do seu meio, sendo possuidor de vastas e belas coleções de pintura, mobiliário, tapeçarias, etc, que tornaram a sua opulenta residência em Cascais uma das mais belas de Portugal e notável entre as mais notáveis da Europa, frequentada pela grande sociedade e as mais altas personalidades, havendo sido seu hóspede o Duque de Windsor, Eduardo, antes de ser enviado às Bahamas como Governador.[1] Como apaixonado colecionador e grande especialista de História da Arte, patrocinou a publicação de várias obras, entre as quais o Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses, de Fernando de Pamplona, as Obras-Primas da Pintura Flamenga em Portugal, de Luís Reis Santos, e a reedição da Cerâmica Portuguesa, de José Queirós e, de colaboração com J. Lloyd Hyde, e com ilustrações originais de Eduardo Malta, preparou a obra Chinese Porcelain for the European Market, que só foi publicada em 1956, no ano seguinte ao da sua morte.[2]

Homem multifacetado e grande desportista eclético, praticou diversos desportos como o ténis e ganhou algumas taças de esgrima, foi Capitão, por várias vezes, da equipa portuguesa de golfe, e da equipa de golfe do Estoril, sendo campeão nacional desta modalidade em 1933. Foi Presidente do aristocrático Sporting Clube de Cascais e gozou da merecida reputação de um dos mais extraordinários jogadores de bridge portugueses, com fama no estrangeiro.[1]

Possuiu muitas e altas condecorações, entre elas: Comendador da Ordem de Benemerência (6 de Julho de 1934), Comendador da Ordem Militar de Cristo (6 de Julho de 1936), Medalha de Ouro da Legião Portuguesa, Oficial da Ordem Nacional da Legião de Honra de França, Comendador da Ordem da Estrela da Roménia, Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo (15 de Maio de 1953), etc, etc.[3] [1] [2]

Durante a 2.ª Guerra Mundial, não obstante a ascendência judaica de sua mulher, Ricardo do Espírito Santo Silva chegou a ser considerado, pelo MI6, um agente alemão, relacionado com a estadia, entre Junho e Outubro de 1940, do Duque de Windsor (denominação dada após a abdicação à Coroa Britânica ao Rei Eduardo VIII) com a sua mulher Wallis Simpson, em casa do banqueiro português. Existe, por outro lado, um telegrama do embaixador alemão em Madrid, enviado ao ministro dos Estrangeiros, Ribbentrop, a informá-lo de que se havia posto «em contacto com o nosso confidente, e anfitrião do duque, o banqueiro Ricardo Espírito Santo Silva».[4]

Casou-se em Lisboa com sua co-cunhada Mary Pinto de Morais Sarmento Cohen (Lisboa, 8 de Março de 1903 - Cascais, Cascais, 22 de Agosto de 1979), meia-sobrinha do 1.º Barão de Sendal, aos 18 anos,[5] da qual teve quatro filhas:

Referências

  1. a b c d e f Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia. Volume Dez ESCAR - FEBRA pp. 290.
  2. a b c d e José Maria Raposo de Sousa Abecassis. Genealogia Hebraica. [S.l.]: Edição do Autor, 1.ª Edição, Lisboa, 1990. Volume II Beniso - Fresco, Cohen pp. 580.
  3. a b c Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2014-07-07. "Resultado da busca de "Ricardo Ribeiro do E. Santo Silva"."
  4. Pimentel, Irene (2009-04-22). Judeus em Portugal Durante a II Guerra Mundial Destaques » Dossiê: Ligações secretas de Salazar Revista Sábado. Visitado em 2010-03-09. Cópia arquivada em 2010-03-09.
  5. José Maria Raposo de Sousa Abecassis. Genealogia Hebraica. [S.l.]: Edição do Autor, 1.ª Edição, Lisboa, 1990. Volume II Beniso - Fresco, Cohen pp. 580, 581, 584, 585, 586 e 587.

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • Redacção Quidnovi, com coordenação de José Hermano Saraiva, História de Portugal, Dicionário de Personalidades, Volume XIX, Ed. QN-Edição e Conteúdos,S.A., 2004

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.