Soundgarden

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Soundgarden
Soundgarden ao vivo no Lollapalooza de 2010
Informação geral
Origem Seattle, Washington
País  Estados Unidos
Gênero(s) Grunge, metal alternativo, rock alternativo, heavy metal
Período em atividade 19841997, 2010–atualmente
Gravadora(s) Sub Pop, SST, A&M
Afiliação(ões) Skin Yard, Nirvana, Temple of the Dog, Pearl Jam, Hater, Wellwater Conspiracy, Audioslave, Artis the Spoonman
Página oficial soundgardenworld.com
Integrantes
Chris Cornell
Kim Thayil
Matt Cameron
Ben Shepherd
Ex-integrantes
Hiro Yamamoto
Scott Sundquist
Jason Everman

Soundgarden é uma banda de rock norte-americana formada em 1984[1] , em Seattle, Washington e que, ao lado de Nirvana, Alice in Chains e Pearl Jam, constituiu-se como um dos principais representantes do movimento grunge, incorporando, no entanto, uma maior variedade musical que as restantes bandas. Tal como Alice in Chains, Soundgarden exibe uma componente mais pesada, principalmente na primeira metade da sua carreira, sendo muitas vezes considerada uma banda de heavy metal, o que os diferencia de outras de sua época e origem como Nirvana e Pearl Jam.[2] [3] Soundgarden foi a primeira banda a assinar com uma grande editora, mas só atingiu sucesso comercial no começo dos anos 90, devido à popularização do estilo.

A partir de 2010, Soundgarden tinha vendido mais de 9 milhões de registros nos Estados Unidos, e um número estimado de 21 milhões em todo o mundo. A banda atingiu seu maior sucesso com o álbum de 1994 Superunknown, que estreou na primeira posição da Billboard e gerou os singles vencedores do Grammy, "Black Hole Sun" e "Spoonman".[4] O grupo foi colocado como 14º na lista de 100 Maiores Artistas do Hard Rock, da VH1.[5] Terminaram em 9 de abril de 1997[1] devido a brigas internas pela direção criativa da banda. Em 31 de dezembro de 2009 o site oficial da banda anunciou a reunião dos integrantes e sua volta, a notícia foi confirmada por Chris Cornell no Twitter, estando já em estúdio a trabalhar num novo álbum.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Formação (1984-1986)[editar | editar código-fonte]

Soundgarden foi formado em 1984 por Chris Cornell (guitarra e vocal) e Hiro Yamamoto (baixo), que foram mais tarde juntados a Kim Thayil (guitarra). Thayil havia se mudado para Seattle de Park Forest, Illinois[7] com Yamamoto e Bruce Pavitt, que mais tarde começaria a Sub Pop Records. A banda se denominou assim a partir de uma escultura de canos que concentrava o vento, "The Sound Garden", localizada no Magnuson Park, em Seattle.[8] Cornell originalmente tocava bateria enquanto cantava, mas a banda trouxe Scott Sundquist para permitir que Cornell se concentrasse nos vocais. As primeiras gravações da banda foram três canções que apareceram na compilação para a C/Z Records chamada Deep Six. Também continha canções de outras bandas do grunge como Green River, Skin Yard, Malfunkshun, The U-Men e Melvins.

Screaming Life/Fopp e Ultramega OK (1987-1988)[editar | editar código-fonte]

Sundquist, casado e com filhos, retirou-se da banda em 1986. Após alguma insistência, Cornell, Thayil e Yamamoto conseguiram convencer Cameron a abandonar a sua banda Skin Yard e foi então que os quatro começaram a gravar o seu primeiro EP Screaming Life em 1987 através da editora Sub-Pop juntamente com um single promocional Hunted Down/Nothing to Say (Uma cópia virgem deste single pode actualmente atingir para cima dos 100$ em alguns mercados). Em 1988, Fopp foi lançado como o segundo EP da banda. Baseando-se em covers de outras bandas como em Swallow my Pride, Fopp não possui a mesma qualidade e versatilidade que o seu antecessor. Ambos os EP foram relançados em 1990 como um único álbum Screaming Life/Fopp através da Sub-Pop. Por volta desta altura a A&M Record mostrou o seu interesse na banda, porém os membros do grupo optaram por permanecer no circuito underground e assinaram pela SST para gravar o seu primeiro álbum Ultramega OK em 1988, o qual mais tarde seria nomeado para um Grammy. A persistência da A&M acabou por se revelar fortuita, e os Soundgarden acabaram por assinar pela editora neste mesmo ano.

Louder than Love (1988-1990)[editar | editar código-fonte]

Os Soundgarden começaram a trabalhar no seu segundo álbum, o primeiro sob os auspícios da A&M, Louder than Love (O título original era Louder than Fuck) em Dezembro de 1988. Imediatamente a seguir ao lançamento do álbum, no Outono de 1989, Yamamoto optou por regressar ao meio académico e abandonou a banda. Deixada numa situação complicada e com um tour já agendado, os Soundgarden começaram a sondar baixistas para substituir Yamamoto. Ben Shepherd estava entre aqueles que apareceram nas audições mas, embora a banda gostasse do seu estilo, ele não conhecia as músicas. Jason Everman, que as conhecia, preencheu a vaga. A banda começou então a fazer tours pelos Estados Unidos e Europa, um dos quais foi filmado e mais tarde lançado em VHS como Louder than Live. Contudo depois do tour, Everman (que tinha já tinha feito parte dos Nirvana) acabou mesmo por sair. O EP Loudest Love, lançado em 1990, contem uma cover da música "Come Together" dos Beatles, que permanece como a única canção gravada em estúdio com Jason Everman na banda

Foi nesta altura que o vocalista dos Mother Love Bone, Andrew Wood, ex-companheiro de quarto de Chris Cornell, morreu de overdose. Kim Thayil revelou: “Quando Andy morreu, comecei a pensar o quão único ele era, não havia ninguém como ele, e o Chris estava pensando no mesmo. Eu lembro-me que estávamos tomando um bebida e o Chris disse:” tenho estado a pensar muito no Ben porque há algo no espírito dele que o Andy tinha." e nós pensamos que o Ben era esse tipo de pessoa, ele era único e foi então que decidimos contratá-lo”. Ben Shepherd juntou-se ao resto da banda em 1990. A recém-renovada banda lançou o seu single “Room a Thousand Years Wide” e como era de esperar, teve sucesso comercial, dando boas indicações do que estava para vir (cópias em vinil têm sido vendidas recentemente por cifras superiores a 50$). Num tributo a Andrew Wood, Cornell escreveu um punhado de canções e pediu ao seu companheiro de banda Matt Cameron, bem como a Stone Gossard, Jeff Ament, Mike McCready e Eddie Vedder (membros dos Pearl Jam) para colaborarem no seu projecto Temple of the Dog. Um álbum com o nome da banda foi lançado em Abril de 1991 através da A&M. "Hunger Strike" e "Say Hello 2 Heaven" surgiram como singles.

Badmotorfinger (1991-1993)[editar | editar código-fonte]

Na Primavera de 1991 a banda começou a trabalhar no seu próximo álbum com o produtor Terry Date. Badmotorfinger foi lançado na segunda metade do ano. O álbum possuía uma versão diferente do single "Room a Thousand Years Wide" e expôs a banda a uma ainda maior audiência. Os singles "Rusty Cage" e "Outshined" encontraram grande audiência na MTV e conduziram Badmotorfinger e os Soundgarden ao seu primeiro disco de platina, comemorando a venda de um milhão de cópias. O videoclipw do single "Jesus Christ Pose" acabaria por ser banido da MTV, pois foi considerado como anticristão.

Nos finais de 1991, a banda iniciou um tour com os Guns n' Roses pelos Estados Unidos e Canadá. O EP Satanoscillatemymetallicsonatas (SOMMS) foi lançado no ano seguinte, contendo várias covers, entre as quais, "Stray Cat Blues" dos Rolling Stones e "Into the Void (Sealth)" dos Black Sabbath, que possuia uma letra diferente da original e viria a receber uma nomeação para um Grammy. Em 1992 Badmotorfinger foi nomeado para um Grammy na categoria de "Best Metal Performance". Um vídeo filmado nesse mesmo ano durante uma actuação da banda no Paramount Theater em Seattle, acabaria por ser lançado no início de 1993. Soundgarden contribuiu ainda para algumas causas nobres como a No Alternative Compilation em benefício do desenvolvimento de uma cura para a SIDA/AIDS como também para um projecto da Greenpeace intitulado "Alternative NRG" tocando juntamente com o guitarrista dos Queen a música "New Damage" com um solo novo desenvolvido por Brian May.

Embora tida como uma crítica à religião Cristã, a canção "Jesus Christ Pose" é, segundo as palavras do vocalista e escritor Chris Cornell, uma crítica aos que procuram explorar a imagem de um mártir, como Jesus Cristo, para benefício próprio. A religião sofre no entanto duras críticas na canção "Holy Water", onde Cornell crítica não só os crentes, como também aqueles que procuram impor as seus crenças aos outros. "New Damage" e "Face Pollution" manifestam as preocupações ambientais e políticas da banda no mundo, por seu lado, "Outshined" está relacionada com a instabilidade emocional que Cornell sentia na altura, balançando entre estados de depressão e euforia.

Em Outubro de 2006, a revista Guitar World publicou uma lista dos 100 melhores álbuns de guitarra de todos os tempos na qual incluiu o álbum Badmotorfinger na posição nº45.

Superunknown (1994-1995)[editar | editar código-fonte]

As gravações para o novo álbum iniciaram-se no estúdio Bad Animals em Seattle, Washington, em Julho de 1993, estendendo-se até Setembro do mesmo ano. A banda trabalhou com o produtor Michael Beinhorn para a produção do álbum. A respeito desta mudança, o guitarrista Kim Thayil afirmou: "Tivemos a percepção que iriamos tomar outro rumo". O álbum foi mixado por Brendan O'Brien. Lançado em Março de 1994, Superunknown foi o maior sucesso comercial da banda, tendo como singles "Black Hole Sun", "Spoonman", "The Day I Tried to Live", "Fell on Black Days" e "My Wave". O videoclip de Black Hole Sun tornou-se um sucesso na MTV e recebeu o prémio para melhor videoclip de Metal/Hard Rock nos MTV Video Music Awards de 1994. As canções de Superunknown capturaram a criatividade dos trabalhos anteriores, enquanto mostram uma abordagem menos pesada da banda, evoluíndo para um novo estilo. As letras do álbum são obscuras e misteriosas, sendo que as letras de muitas músicas estão relacionados com abusos, suicídios e depressão. O crítico musical J.D. Considine da revista Rolling Stone afirmou que a versatilidade patente no álbum Superunknown é largamente superior ao que a maioria das bandas demonstram na sua carreira inteira.

Soundgarden acabou por arrecadar dois Grammies em 1995. Black Hole Sun recebeu o prémio de melhor actuação Hard Rock e Spoonman recebeu o prémio de melhor actuação Metal. Black Hole Sun foi também nomeado para melhor canção de Rock. Em 1995, Superunknown foi nomeado para o Grammy de melhor álbum Rock. Mais tarde, em 2003, a revista Rolling Stone colocou Superunknown na posição nº336 na lista dos 500 melhores álbuns de sempre.

Down On the Upside e A-Sides (1996-1997)[editar | editar código-fonte]

O último álbum da banda foi Down on the Upside, lançado em 1996 e produzido pela própria banda, não atingiu o sucesso comercial de seus antecessores, apesar de críticas positivas e do sucesso de singles como Blow up the Outside, Burden in my Hand e Pretty Noose. Ocurreram várias tensões dentro da banda durante o tour de promoção do álbum. No final do tour em Honolulu em Fevereiro de 1997, Shepherd atirou o seu baixo para o ar, frustrado após uma falha de equipamento, saindo do palco. Em 9 de abril de 1997 a banda anunciou seu fim. No Outono de mesmo ano, lançaram o seu best-of intitulado de A-Sides, contendo apenas uma música nova Bleed Together que seria lançada como single.

Pós-Soundgarden (1998-presente)[editar | editar código-fonte]

Cornell lançou um álbum solo em setembro de 1999 intitulado Euphoria Morning. Em 2001, formou o grupo Audioslave com os antigos membros do Rage Against the Machine. Cornell gravou três álbuns como vocalista da banda até sua saída (e o fim da banda) no começo de 2007.[9] Ainda no mesmo ano, em junho, Cornell lançou seu segundo álbum, Carry On, que recebeu críticas variadas e sucesso comercial.

Matt Cameron inicialmente jogou seus esforços para seu projeto paralelo Wellwater Conspiracy, a qual ambos Shepherd e Thayil contribuíram. Ele então trabalhou brevemente com o Smashing Pumpkins[10] [11] e foi até, de acordo com boatos, considerado como substituto de Jimmy Chamberlin. Em 1998, acompanhou o Pearl Jam na turnê de Yield e subsequentemente se uniu a banda como membro permanente.[12]

Kim Thayil juntou forças com o ex-vocalista do Dead Kennedys Jello Biafra, o ex-baixista do Nirvana Krist Novoselic e a baterista Gina Mainwal para um concerto, se denominando No WTO Combo, durante a conferência ministral do WTO em 1 de dezembro de 1999, em Seattle. Posteriormente, contribuiu com guitarras para o álbum 999 Levels of Undo de Steve Fisk, assim como o projeto paralelo de Dave Grohl, Probot, em 2004. Em 2006, Thayil tocou guitarra no álbum Altar, a colaboração entre as bandas Sunn O))) e Boris.

Shepherd saiu em turnê com Mark Lanegan e lançou o segundo álbum do Hater em 2005. Ele também ocasionalmente aparece nos álbuns do Wellwater Conspiracy.

Em uma entrevista no começo de agosto de 2007, Cornell mencionou o desejo de Thayil em lançar um box set ou álbum de b-sides de raridades do Soundgarden, apesar de nenhum informação posterior ter sido dada.[13]

Quanto a uma futura reunião do Soundgarden, Chris Cornell comentou em uma entrevista em outubro de 2005 que "provavelmente não aconteceria", e continuou:

Cquote1.svg É quase como se nós tivéssemos lacrado a tampa e dito, este é o Soundgarden e este é o seu tempo de vida, e colocado lá. E isso realmente parece ótimo para mim. Eu acho que voltarmos a tocar juntos tiraria a tampa daquilo e então poderia possivelmente mudar o que... para mim, parece um tempo de vida perfeito da banda. Eu não consigo imaginar qualquer razão para mexer com isso.[14] Cquote2.svg

Em entrevistas após sua saída do Audioslave em fevereiro de 2007, Cornell reiterou que os membros do Soundgarden não tinham nenhum interesse em uma reunião,[15] e se aprofundou em em uma entrevista posterior com a NME, onde comentou, "Quando o Soundgarden terminou, minhas discussões com o resto da banda foram 'Nós temos que ter um acordo que nunca mais faremos turnês como Soundgarden — Soundgarden nunca existirá — sem ser uma decisão unânime e que todos que faziam parte da banda estejam na banda.'"[16] Em 24 de março de 2009, Thayil, Cameron, e Shepherd se reuniram com Tad Doyle nos vocais, para tocar "Hunted Down", "Nothing to Say", e "Spoonman" em um concerto solo de Tom Morello no Crocodile Café em Seattle.[17] No livro de 2009, Grunge is Dead: The Oral History of Seattle Rock Music, Thayil, Cameron, e Shepherd discutiram seus pensamentos quanto à possibilidade de uma reunião do Soundgarden, com Thayil afirmando, "Eu não a vejo. Eu imagino que poderia acontecer, está perfeitamente dentro da esfera de possibilidades — todo mundo ainda está vivo [risos]. Mas não a vejo acontecendo".[18] Em 15 de abril do mesmo ano, Cornell afirmou que "não descartaria" uma possível reunião do Soundgarden, adicionando, "Vê-los reunidos recentemente no YouTube? Eu achei que foi incrível. [...] Eu gostaria de ter estado lá".[19]

Em 2010, a formação clássica do Soundgarden, com Chris Cornell, Matt Cameron, Kim Thayil e Ben Sheperd, se reuniu e lançou um single chamado Black Rain, bem como um álbum com suas melhores composições e um DVD, mas ainda não há nada de concreto sobre um novo álbum. Em 2011, a banda lançou um álbum ao vivo [20] . Em julho de 2011, Cornell disse que a expressão "reunião" não precisa mais ser usada, deixando a entender que o Soundgarden está na ativa por tempo indeterminado.

Em 12 de Novembro de 2012 o Soundgarden lançou King Animal, o sexto álbum da banda. Lançado pela Republic Records. Foi produzido pela banda e pelo produtor Adam Kasper. O álbum é o primeiro da banda em 16 anos.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Membros Atuais
Ex-membros

Timeline[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

O Soundgarden lançou seis álbuns de estúdio e dois extended plays de músicas inéditas,[21] estes últimos ainda em começo de carreira. Além disso, a banda possui também diversos singles, compilações, apresentações ao vivo e documentários de gravação.

A banda também gravou canções especialmente para trilha sonoras de filme, caso de "Birth Ritual" para o filme Vida de Solteiro,[22] "Blind Dogs" para o filme Diário de um Adolescente[23] e "Toy Box" para Digam o Que Quiserem.[24] Outras canções da banda foram usadas em filmes como "Flower" também em Digam O Que Quiserem,[24] "Get on the Snake" em Lost Angels, "Outshined" em True Romance,[25] "Jesus Christ Pose" em S.F.W.,[26] "Nothing to Say" em Hype!,[27] "My Wave" em Riding Giants,[28] "Drawing Flies" em Blast from the Past,[29] "Loud Love" em Quanto Mais Idiota Melhor [30] e "Heretic" em Pump Up The Volume.[31]

Os membros da banda também contribuíram separadamente para trilhas sonoras, com Chris Cornell tendo gravado sozinho a canção "Seasons" para Vida de Solteiro[22] e uma versão acústica de "Like Suicide" para S.F.W.[26] Cornell também, junto ao Temple of the Dog, participou da trilha sonora do filme Wayne's World com "All Night Thing".[30]

Estilos Musicais e influências[editar | editar código-fonte]

Matt Cameron, baterista do Soundgarden até 1997, em concerto com o Pearl Jam, em 2006.

Soundgarden foi um pioneiro no gênero musical grunge, que misturava elementos de punk rock e heavy metal em um som sujo e agressivo e, assim como o Alice in Chains, fazia um som mais pesado que as outras bandas da região. O som do Soundgarden durante os primórdios da cena grunge de Seattle foi descrito como consistindo de "ásperos neo-Zeppelinismos".[32] Sub Pop via a banda como tendo um ângulo que possuia "um vocalista bonitão e uma fusão de Led Zeppelin e Butthole Surfers".[33]

Soundgarden geralmente utilizava de afinações alteradas e tempos esquisitos em suas canções. Muitas canções do Soundgarden eram tocadas em afinação drop D, incluindo "Jesus Christ Pose", "Outshined", "Spoonman", e "Black Hole Sun". As cordas E dos instrumentos eram por vezes afinadas mais abaixo, como em "Rusty Cage", onde a corda E (primeira de baixo para cima) está afinada em B. Algumas canções possuem afinações mais não-ortodoxas: "My Wave" e "The Day I Tried to Live" são ambas em afinação E-E-B-B-B-E. O uso de tempos esquisitos pela banda foi variada também; enquanto em canções como "Jesus Christ Pose" são no típico tempo 4/4, "Outshined" é em 7/4, "My Wave" usa 5/4, "Fell on Black Days" é em 6/4, e "Spoonman" alterna entre seções de 7/4 e 4/4. Kim Thayil disse que a banda geralmente não considerava o tempo de uma canção até após tê-la escrito, e disse que o uso de tempos diferentes era "um total acidente".[34]


Prêmios[editar | editar código-fonte]

Certificados da RIAA[editar | editar código-fonte]

Estas estatísticas foram compiladas do banco de dados online da RIAA.[35]

Award Shows[editar | editar código-fonte]

Estas estatísticas foram compiladas através do banco de dados do site The Envelope, do Los Angeles Times.[4]


Referências

  1. a b ((( Soundgarden > Overview )))). All Music Guide. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  2. Alice in Chains. Jimi Hendrix Forever. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  3. Grunge Is Dead. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  4. a b The Envelope: The Awards Insider. Los Angeles Times. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  5. 100 greatest artists of hard rock (20-1). VH1. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  6. discodigital.sapo.pt Soundgarden confirmam novo álbum
  7. Unofficial SG Homepage: Band History. Retirado em 5 de novembro de 2007.
  8. Nirvana and The Story of Grunge. Q. pg.102. Dezembro, 2005.
  9. Sarkis, Tiago. Chris Cornell está fora do Audioslave. Whiplash! (15/02/07). Retirado em 4 de novembro de 2007.
  10. Matt Cameron Hanging With The Pumpkins?. Rolling Stone (09/12/97). Retirado em 4 de novembro de 2007.
  11. PUMPKINS REVEAL DETAILS OF LENGTHY 'ADORE' SESSIONS. NME (24/01/98). Retirado em 4 de novembro de 2007.
  12. VIC FIRTH SIGNATURE ARTIST: MATT CAMERON. Vic Firth. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  13. Chris Cornell Keen On Soundgarden Rarities Album. Star Pulse (04/08/07). Retirado em 4 de novembro de 2007.
  14. Hay, Travis. Transcript of exclusive P-I interview with Chris Cornell. Seattle Post-Intelligencer (15/10/05). Retirado em 4 de novembro de 2007.
  15. Harris, Chris. Chris Cornell Talks Audioslave Split, Nixes Soundgarden Reunion. MTV News (15/02/07). Retirado em 4 de novembro de 2007.
  16. Soundgarden Reform - Without Chris Cornell (em inglês). NME (27/03/2009). Página visitada em 17 de abril de 2009.
  17. Cunningham, Jonathan (25/03/2009). Last Night: Tadgarden, the Nightwatchman, Steve Earle, Wayne Kramer, Mark Arm and Boots Riley at The Crocodile (em inglês). Seattle Weekly. Página visitada em 17 de abril de 2009.
  18. Prato, Greg. Grunge is Dead: The Oral History of Seattle Rock Music (em inglês). [S.l.]: ECW Press, 2009. 436 p. ISBN 978-1-55022-877-9
  19. Cornell: Soundgarden Reunion “Absolutely Could Happen” (em inglês). Classic Rock (15/04/2009). Página visitada em 17 de abril de 2009.
  20. Encyclopaedia Metallum. [1]
  21. Coutinho, Thiago. Cornell: Soundgarden e possíveis raridades. Whiplash! (03/08/07). Retirado em 4 de novembro de 2007.
  22. a b Singles. SG Unofficial Homepage. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  23. The Baseketball Diaries. SG Unofficial Homepage. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  24. a b Soundtracks for Say Anything. Internet Movie Database. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  25. True Romance. SG Unofficial Homepage. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  26. a b S.F.W.. SG Unofficial Homepage. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  27. Hype!. SG Unofficial Homepage. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  28. Riding Giants (2004) - Soundtrack. Internet Movie Database. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  29. Soundtracks for Blast from the Past (1999). Internet Movie Database. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  30. a b Soundtracks for Wayne's World (1992). Internet Movie Database. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  31. Pump Up the Volume. SG Unofficial Homepage. Retirado em 4 de novembro de 2007.
  32. Azerrad, pg. 436
  33. Azerrad, pg. 439
  34. Rotondi, James. "Alone in the Superunknown". Guitar Player. Junho de 1994.
  35. Gold and Platinum database. Recording Industry Association of America. Retirado em 4 de novembro de 2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Soundgarden


Flag of the United States.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical dos Estados Unidos, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.