Tangará (Santa Catarina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Tangará
Vista parcial de Tangará

Vista parcial de Tangará
Bandeira de Tangará
Brasão de Tangará
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 30 de dezembro de 1948 (65 anos)
Gentílico tangaraense
Prefeito(a) Euclides Cruz (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Tangará
Localização de Tangará em Santa Catarina
Tangará está localizado em: Brasil
Tangará
Localização de Tangará no Brasil
27° 06' 18" S 51° 14' 49" O27° 06' 18" S 51° 14' 49" O
Unidade federativa  Santa Catarina
Mesorregião Oeste Catarinense IBGE/2008 [1]
Microrregião Joaçaba IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Pinheiro Preto, Videira, Ibiam, Monte Carlo, Fraiburgo, Campos Novos e Ibicaré
Distância até a capital 400 km
Características geográficas
Área 389,184 km² [2]
População 8 777 hab. IBGE 2013
Densidade 22,55 hab./km²
Altitude 641 m
Clima Mesotérmico úmido, com temperatura média anual de 18°C
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,737 alto PNUD/2010 [3]
PIB R$ 191 145,506 mil IBGE/2008[4]
PIB per capita R$ 22 143,83 IBGE/2008[4]
Página oficial

Tangará é um município brasileiro do estado de Santa Catarina, localizado na latitude 27º06'17" sul e longitude 51º14'50" oeste. Está a 641 metros acima do nível do mar. Tem uma área de 459,81 km² e uma população de 8.777 habitantes, conforme estimativa do IBGE.[5]

A distância rodoviária até a capital do estado é de 400 km.

História[editar | editar código-fonte]

A Brazil Railway Company, por meio de sua subsidiária Southern Brazil Lumber & Colonization Company, que explorava a madeira araucária na região, construiu no início do século XX a ferrovia que integrou parte de Santa Catarina, e que viria a ser conhecida como Ferrovia do Contestado.

A linha férrea margeou o Rio do Peixe e, em setembro de 1910, foi inaugurada uma estação de apoio logístico no km 743, ou como diziam os trabalhadores: "lá onde o rio é bonito".

E como Rio Bonito a localidade foi denominada, até que no final de 1948, com a emancipação administrativa, o nome foi trocado para Tangará, em alusão a um belo tipo de pássaro nativo.[6]

Primeiros moradores[editar | editar código-fonte]

Os pioneiros de Tangará, antes mesmo da construção da ferrovia, foram:

  • José Antônio Leitão, português de Lisboa, que chegou à cidade com aproximadamente 41 anos e 4 filhos. Instalou em Rio Bonito uma sapataria, um empório e uma loja de tecidos. Construiu casas para sua família e empregados e instalou a primeira agência de correios.
  • José Thomas da Igreja, também português e comerciante, veio a convite de José Antônio Leitão, instalou a primeira casa comercial de Rio Bonito junto aos trilhos onde hoje é a Adegas (Cantina) Casa Grande.

Migração[editar | editar código-fonte]

Em 1918 José Antônio Leitão vendeu a Augusto Piccoli uma área de terras que, juntamente com seu irmão Raimundo Piccoli, demarcou o quadro da futura vila ao abrir estradas, construir pontes e montar pequenas indústrias por intermédio da Empresa Colonizadora Piccoli e Canduro, o que atraiu para Rio Bonito levas de colonos e empresários, a grande maioria oriunda do Rio Grande do Sul.

Os migrantes de origem italiana colonizaram as terras da margem esquerda do Rio do Peixe, até Sede Dona Alice, pela União Colonizadora Sul Brasil, enquanto na margem direita se instalaram os colonos de origem alemã.

Dos migrantes herdou-se costumes e tradições, como o cultivo de milho, uvas, fabricação de vinho, festas religiosas, danças e cantos.

Tangará tem sua formação populacional baseada nas etnias italiana (cerca de 75%) e alemã (cerca de 20%).

Emancipação[editar | editar código-fonte]

A emancipação do município se deu em 1948, pela Lei n.º 247.

Economia[editar | editar código-fonte]

Fruticultura

Tangará se destaca pelo cultivo de lavouras temporárias, principalmente o milho, pela pecuária, notadamente suínos, aves e gado leiteiro, na produção de frutas, com destaque para a uva, maçã, pêssego, ameixa e nectarina.

Predomina na região o minifúndio.

Na indústria, os setores de maior produção são o papeleiro e a vinicultura.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O visitante encontrará em Tangará a culinária típica de seus fundadores, o turismo rural e uma das melhores localizações para a prática do voo livre.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SC-303 via Videira, Pinheiro Preto, Tangará, Ibicaré e Joaçaba.
  • SC-455 via Campos Novos e Ibiam.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 25 de agosto de 2013.
  4. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  5. IBGE - Estimativa populacional 2013
  6. Prefeitura Municipal de Tangará

Ver também[editar | editar código-fonte]