Tim Maia Racional, Vol. 1

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tim Maia Racional, Vol. 1
Álbum de estúdio de Tim Maia
Lançamento 1975 (1975)
Gravação 1974 — 1975
Gênero(s) Soul, funk, MPB
Duração 69:48
Idioma(s) Português, inglês
Formato(s) LP
CD (relançamento)
Gravadora(s) Seroma
Trama (relançamento)
Produção Tim Maia
Cronologia de Álbuns de estúdio de Tim Maia
Último
Último
Tim Maia
(1973)
Tim Maia Racional, Vol. 2
(1976)
Próximo
Próximo

Tim Maia Racional, Vol. 1 é o quinto álbum de estúdio do cantor e compositor brasileiro Tim Maia. Lançado em 1975 pelo selo Seroma (pertencente ao próprio Tim), Racional ficou marcado pelas letras de devoção à Cultura Racional — seita filósofico-religiosa com a qual Tim se envolvera na época — e pela sonoridade que remeteu a nomes do soul e do funk norte-americano, como Barry White, Marvin Gaye e George Clinton.[1] [2]

O álbum foi relançado no formato CD em 2006 pela gravadora Trama. Apesar do desgosto do próprio Tim Maia em relação ao álbum[2] [3] e às duras críticas recebidas na época de seu lançamento,[4] Racional é tido como um dos melhores momentos da carreira do cantor, com os discos originais remanescentes tornando-se itens raros e de valor elevado. A revista norte-americana Rolling Stone, em sua lista dos 100 maiores discos da música brasileira, listou o álbum na 17ª posição.[5] .

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Paulinho Guitarra, que participou das gravações do disco, afirmou que as bases foram gravadas no final de 1974, mas a adesão de Tim à Cultura Racional fez com que o cantor mudasse as letras e os títulos das músicas.[2] [6] [4] Essa conversão representou uma mudança significativa na conturbada vida pessoal do cantor, que parou de beber e usar drogas, algo que refletiu direta e positivamente na qualidade da sua reconhecidamente poderosa voz.[6] [3] Seu desencanto com a Cultura Racional, entretanto, fez com que Tim tirasse o álbum de circulação, tornando Racional um disco raro,[2] [1] [4] [3] até seu relançamento em CD pela Trama, em 2006.[6]

Tim Maia preparou durante um ano o material para um novo trabalho, e quando julgou terminado apresentou à gravadora Philips. Obteve a resposta de que deveria refazer o disco e voltar com uma outra proposta. O comportamento temperamental fez com que o cantor rompesse o contrato com a gravadora Phillips, e fundasse seu próprio selo, Seroma (que é uma sigla para Sebastião Rodrigues Maia, seu nome de batismo). A confecção do disco Racional está diretamente ligada à Cultura Racional, da qual havia se tornado um adepto. As letras encontradas no álbum fazem defesa e divulgação da obra o Universo em Desencanto (Cultura Racional), e traz também uma exaltação ao escritor, Manuel Jacinto Coelho na faixa "O Grão Mestre Varonil".

Após o lançamento do álbum, Tim Maia passou um bom tempo divulgando o livro Universo em Desencanto, inclusive enviou o livro para James Brown, Curtis Mayfield e John Lennon.

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as canções escritas e compostas por Tim Maia

Lado A
N.º Título Duração
1. "Imunização Racional (Que Beleza)"   5:08
2. "O Grão Mestre Varonil"   0:24
3. "Bom Senso"   5:08
4. "Energia Racional"   0:15
5. "Leia o Livro Universo em Desencanto"   2:50
Lado B
N.º Título Duração
6. "Contato com o Mundo Racional"   3:06
7. "Universo em Desencanto"   3:43
8. "You Don't Know What I Know"   0:35
9. "Rational Culture"   12:09
Duração total:
33:18

Referências

  1. a b MATIAS, Alexandre (9 de outubro de 2006). Tim Maia Racional digestivocultural.com. Visitado em 21 de novembro de 2011.
  2. a b c d GIACOMO, Fred Di (9 de maio de 2004). Tim Maia Racional punkbrega.com.br. Visitado em 21 de novembro de 2011.
  3. a b c Racional, Vol. 1 (em inglês) no Allmusic. Acessado em 21 de novembro de 2011.
  4. a b c ESSINGER, Silvio (3 de maio de 2000). O mítico disco de Tim Maia cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 21 de novembro de 2011.
  5. http://rateyourmusic.com/list/sallamanka/rolling_stones_top_100_brazilian_albums/
  6. a b c Tim Maia - Racional popup.mus.br (19 de abril de 2006). Visitado em 21 de novembro de 2011.