União Cristã (Países Baixos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde fevereiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
União Cristã
ChristenUnie
ChristenUnie.svg
Líder Arie Slob
Presidente Peter Blokhuis
Fundação 15 de março de 2001
Sede Puntenburgerlaan 91
Amersfoort
Ideologia cristã-social protestantismo
Fusão RPF, GPV
Grupo no Parlamento Europeu ECPM
Site www.christenunie.nl

A União Cristã (em neerlandês: ChristenUnie) é um partido político dos Países Baixos, fundado no ano 2000 pela união da União Política Reformada (GPV) e da Federação Política Reformada (RPF), quando as suas organizações juvenis se fundiram, de modo a formar um grupo parlamentar único em 2001.

A UC apreenta-se às eleições legislativas holandesas de 2002 e obtém 4 cadeiras lideradas por Kars Veling. Nas eleições legislativas de 2003 perdeu uma cadeira e posições diante do CDA. Participou da formação do segundo governo de Balkenende, mas foi vetado pelo Partido Popular pela Liberdade e a Democracia (VVD) e preferiram pactar com o Partido D66. A fusão definitiva das duas organizações produziu-se em 2004.

Nas eleições legislativas de 2006 dobrou as cadeiras e participa no governo de Jan Peter Balkenende. O líder do partido foi designado ministro sem pasta para a família e a juventude. Centro de polêmica por seu cristianismo visionário, em 2007 Yvette Lont, vereadora de Amsterdam, expressa oposição a que os homossexuais tivessem representação no partido, e uma outra vereadora, Monique Henger, admitiu em público que era lésbica e recebeu críticas de membros do partido.

A UC é considerada um partido social-cristão, com a linha ortodoxa dos partidos protestantes, apresentando pontos de vista conservadores em ética e política exterior (política baseada diretamente na Bíblia) e de centro-esquerda no que se refere à economia, asilo e segurança social. Acreditam que o Estado é o "Governo de Deus". Além disso, crêem que se deve separar a igreja e o Estado e garantir a liberdade religiosa.