É Fada!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de É Fada)
Ir para: navegação, pesquisa
É Fada!
Cartaz do filme
 Brasil
2016 •  cor •  86[1] min 
Direção Cris D'Amato
Produção Daniel Filho
Argumento Daniel Filho
Roteiro Patrícia Andrade
Fernando Ceylão
Sylvio Gonçalves
Baseado em Uma Fada Veio Me Visitar 
de Thalita Rebouças
Elenco Kéfera Buchmann
Klara Castanho
Mariana Santos
Sílvio Guindane
Bruna Griphao
Clara Tiezzi
Christian Monassa
ver mais
Gênero Comédia
Infantojuvenil
Fantasia
Música "Eu Sou Fadona" - Kéfera Buchmann
Companhia(s) produtora(s) Globo Filmes
Lereby Produções
Distribuição Imagem Filmes
Lançamento 6 de outubro de 2016[2]
Idioma Português
Orçamento R$ 3 milhões[3]
Receita R$ 16,7 milhões [4]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

É Fada! é um filme brasileiro baseado no livro Uma Fada Veio Me Visitar da escritora Thalita Rebouças. Foi dirigido por Cris d'Amato, com produção feita por Daniel Filho, com roteiro de Patrícia Andrade, Fernando Ceylão e Sylvio Gonçalves e estrelado por Kéfera Buchmann, Klara Castanho, Mariana Santos, Sílvio Guindane, Bruna Griphao, Clara Tiezzi e Christian Monassa. Foi lançado nos cinemas do Brasil em 6 de outubro de 2016.[5] Em dezembro de 2016 iniciou a pré-venda do DVD e o lançamento ocorreu em 12 de janeiro de 2017.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Geraldine (Kéfera Buchmann) é uma fada que perdeu suas asas por utilizar métodos pouco convencionais em suas missões. Sua última chance para recuperá-las será a missão "Julia" (Klara Castanho). Julia foi criada somente pelo pai, com muito amor e poucos recursos. Depois de anos, a mãe retorna e passa a questionar a educação de Julia. Eis que surge Geraldine para ajudá-la a vencer os preconceitos e estabelecer novas amizades. Mas Geraldine continua atrapalhada e Julia logo descobrirá que nem todas as fadas são iguais.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Kéfera Buchmann como Geraldine (Fada)
  • Klara Castanho como Julia Ribeiro Pontes
  • Sílvio Guindane como Vicente Pontes
  • Mariana Santos como Alice Ribeiro
  • Bruna Griphao como Verônica
  • Isabella Moreira como Ingrid
  • Clara Tiezzi como Priscila
  • Junior Vieira como Ankô (Duende)
  • Carla Daniel como Dona Hermínia
  • João Fernandes como Pedro
  • Christian Monassa como Maureba
  • Thalita Carauta como Mestra
  • Narjara Turetta como Professora Margarete
  • Apollo Costa como Bocão
  • Michelle Oliveira como Gótica
  • Aramis Trindade como Arlindo
  • Claudia Mauro como Professora de Dança
  • Otavio Martins como Johnny
  • Helady Araujo como Assistente Professora de Dança
  • Marcello Escorel como Pai de Pedro
  • Karolina Albertassi como Apresentadora do Concurso
  • Filomena Mancuzo como Professora de Matemática
  • Luísa Thiré como Professora de Inglês
  • Angelo Gastal como Professor de Física
  • Rafaelle Casuccio como Pai de Johnny
  • Alexandre Moreno como Segurança Boite
  • Raul Labancca como Segurança de Alice
  • Ignacio Aldunate como Vendedor de Biquini
  • Zeiva Buchmann como Cliente Biquini
  • Vitor Colman como Beto
  • Luis Augusto Formal como Nerd 1
  • Lorena Comparato como Patricinha Loura
  • Ricardo Favilla como Policial
  • Wladimir Palomo como Felipão
  • Angela Pataro como Titia

Produção[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Uma primeira foto do diretor e produtor Daniel Filho mostra uma reunião do longa, inspirado no livro Uma Fada Veio Me Visitar, de Thalita Rebouças. A direção é de Cris d'Amato, que contou os detalhes do projeto numa entrevista ao site UOL. Um vídeo divulgado na conta do diretor, produtor e roteirista mostrou como foi a reunião sobre o filme.[6] Inicialmente o filme se chamaria Uma Fada Veio Me Visitar.[7] O primeiro empréstimo cobrindo o orçamento do filme foi liberado pelo Governo do Brasil através da Agência Nacional do Cinema (ANCINE) com um valor 8.5 milhões de reais. Depois foi reduzido para 6 milhões. Por fim, o filme foi produzido com 3 milhões de reais.[3]

Para o papel, nomes como Tatá Werneck e Paulo Gustavo foram cotados, mas Kéfera Buchmann foi quem acabou sendo escolhida. Nas redes sociais, Kéfera Buchmann contou que teve que ficar mais tempo que o de costume no Rio de Janeiro por conta do longa.

"Primeiro jantar aqui no Rio de Janeiro, com o meu parceiro de tudo, Gusta Stockler. Em breve conto as novidades pra vocês! Ficarei no Rio um período em dezembro, e depois em janeiro inteiro até a metade de fevereiro. Tudo por causa do filme que farei. Ou seja, as gravações vão começar!"[8]

— Kéfera, ao compartilhar uma foto no Instagram.

As gravações foram encerradas no final de fevereiro de 2016.[9]

Divulgação[editar | editar código-fonte]

Em 1º de agosto de 2016, Kéfera publicou em sua conta do Instagram a primeira imagem de seu filme com ela caracterizada como a personagem Geraldine.[10] Em 2 de agosto de 2016, Kéfera liberou em seu canal no YouTube o primeiro trailer do filme.[11]

Pré-estreia[editar | editar código-fonte]

Na noite de segunda-feira (26 de setembro de 2016) aconteceu a pré-estreia do filme em São Paulo, com a presença de todo o elenco, de YouTubers e uma multidão de pessoas. Antes da exibição de cada sessão, algumas pessoas conseguiram ingressos e pôsteres autografados. Kéfera foi em cada sala apresentar o filme e conversar com o público sobre as expectativas e como foi o processo.[12]

Na quarta-feira, dia 28 de setembro, a pré-estreia foi no Rio de Janeiro, no Cinemark Metropolitano Barra. A imprensa se reuniu na sala de número 3, onde Kéfera, todo o elenco e a produção iriam conversar com os jornalistas. Klara Castanho, que falou sobre a alegria de estar ali presente, disse: "É uma realização de sonho muito grande. Uma coisa que era tão distante, abstrata, agora nasceu! É um filme que foi feito com muito carinho, empenho e todos envolvidos gostaram muito de fazer".[13]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

No início de agosto de 2016 foi divulgado o primeiro trailer do filme. Nele o cachorro da Kéfera, Vilma, aparece falando e Kéfera questiona: "Que porra é essa?". Após o lançamento do trailer, o filme recebeu do Sistema de Classificação Indicativa Brasileiro o rótulo de impróprio para crianças (restrito para menores de 12 anos).[14] Daniel Filho questionou: "É um absurdo! Esta palavra, inclusive, é dita todo domingo à tarde pelo Faustão".[15]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu análises negativas e teve uma recepção geralmente desfavorável por parte da crítica especializada. Lucas Salgado, em sua crítica para o AdoroCinema, avaliou É Fada! como "fraco", escrevendo: "[O filme] falha de forma incontestável. A tentativa de buscar este público jovem, mas acostumado com a linguagem rápida e quase sem filtros do YouTube/Snapchat é evidente, mas é prejudicada por uma história rasa, sem conflitos e má desenvolvida".[16] Patricia Gomes, analisando o filme para o Omelete, disse: "A sacada da seleção brasileira e os palavrões falados pela fada logo no início do filme chegam a dar uma leve empolgação nos mais velhos, mas para por aí. O desenvolvimento da história é um tanto quanto infantil, mesmo para os seguidores de Kéfera. As gírias jovens estão lá (...) Temos até 'Easter eggs' para os mais fãs (...) O roteiro atropelado, porém, desboca em soluções simples e inocentes demais para um longa que na teoria é focado no público adolescente".[17]

A atuação de Kéfera Buchmann no filme como a fada Geraldine recebeu críticas mistas, sendo particularmente elogiada por sua caloura interpretação. Porém, em ultima análise, recebeu avaliações negativas por terminar seu papel de forma superficial, fraca e extrínseca.[1] [18] [19] [20]

Lucas Nascimento, para o Nos Bastidores, classificou o filme como "pior do que se poderia imaginar, não se encaixando nem mesmo na categoria de filmes ruins que agradam pela trasheira. É um pouco 'adulto' demais para crianças, e estúpido demais para uma faixa etária mais alta. Em outras palavras, é uma aberração que não deve agradar a ninguém além dos fãs de Kéfera".[21] Fernando Campos, ao analisar o filme para o Plano Crítico, disse que É Fada! é a prova de que a indústria de filmes do Brasil "pode produzir lixos imensuráveis", apesar do bom momento do cinema nacional.[22] Marina Galeano, para a Folha de S.Paulo, disse que Kéfera "se sai bem na telona", mas "não salva roteiro que lembra capítulo de Malhação".[18]

Rafael Aloi, para a revista Veja, também elogiou o desempenho de Kéfera, mas criticou o final do filme, dizendo que acaba de modo "bizarro e repentino, com um clímax tosco e ainda com menos sentido que o resto da história".[1] Cauê Petito do Cinemação chamou a direção de Cris D'Amato de "incompetente".[23] Carla Braga do Fique Ligado elogiou o trabalho do elenco no filme, mas criticou a direção, os efeitos especiais e o roteiro.[19] Diego Bauer, escrevendo para o Cineset, disse que Cris D'Amato é uma cineasta que "apresenta um olhar aguçado para realizar obras equivocadas, além, é claro, de um cinema de péssima qualidade (...) mas o que a diretora e os seus roteiristas não perceberam é o tom terrivelmente preconceituoso, ignorante e equivocado que a personagem Geraldine traz para o filme".[24]

Pablo Villaça do Cinema em Cena destacou negativamente referências do filme para outros, como um "contrazoom numa cena que traz Luna caminhando na rua, usando o efeito criado por Hitchcock para Vertigo (1958)" e uma cena com "uma dança que envolve personagens agindo de maneira completamente oposta aos seus comportamentos anteriores apenas para sugerir uma redenção artificial de Little Miss Sunshine (2006)".[25] Flávio Pizzol, para A Odisseia, disse que nos trailers o filme "já entregava vários problemas que o cinema nacional ama ficar repetindo (...) um filme bobo, preguiçoso e completamente apoiado em uma figura popular, assim como já aconteceu com Angélica, Xuxa, Daniel e tantos outros artistas brasileiros". Segundo Pizzol, os problemas do filme "[são] tudo fruto de uma produção corrida" feita com intenção de ser um sucesso comercial. Kéfera "funciona como uma cola entre um elenco que tem alguma química lá do fundo. [Mas] todos [do elenco] são extremamente prejudicados pelo roteiro".[26]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

No seu primeiro final de semana, É Fada! foi o segundo filme mais assistido atrás apenas de O Lar das Crianças Peculiares (Miss Peregrine's Home for Peculiar Children) no topo das bilheterias brasileira pela segunda semana seguida. É Fada! arrecadou 5 milhões de reais com 368 mil bilhetes vendidos no primeiro final de semana e 15 milhões de reais com 1 milhão de espectadores apenas na primeira semana.[27] Sua exibição em 77% dos cinemas nacionais e 22% das salas fez o filme ser a maior estreia do fim de semana.[28] A partir da segunda semana, com a grande maioria do público já tendo assistido ao filme, o número de bilhetes vendidos de É Fada! passou a cair consecutivamente.[29] Sua receita foi de 16,7 milhões,[30] com um total de 1,699,744 milhões de espectadores em todo o Brasil.[31]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

É Fada!
Trilha Sonora Oficial
Trilha sonora de Vários Artistas
Lançamento 7 de outubro de 2016
Gênero(s) Trilha sonora, rap, pop, funk e funk ostentação
Duração 0:37:42
Formato(s) CD, Formato digital
Gravadora(s) Warner Music Brasil
Singles de É Fada! — Trilha Sonora Oficial
  1. "Eu Sou Fadona"
    Lançamento: 20 de setembro de 2016

É Fada! — Trilha Sonora Oficial foi lançada em 7 de outubro de 2016 pela Warner Music Brasil.[32]

A trilha sonora do filme É Fada! conta com 12 faixas, incluindo "Sim ou Não" e "Cravo e Canela" de Anitta, "O Mundo É Nosso" de MC Duduzinho, faixas inéditas de Ludmilla e MC Guimê, entre outras. Além dos grandes destaques do álbum que são as duas faixas da Kéfera Buchmann, "É Fada" e "Eu Sou Fadona" (que foi lançada pela YouTuber em seu canal, em 20 de setembro de 2016, dezesseis dias antes do lançamento do longa), Kéfera publicou em sua conta do YouTube o videoclipe do tema oficial do filme, que também entrou para a trilha sonora em CD.[33]

Em 13 de outubro de 2016, Kéfera foi entrevistada no Programa do Porchat, onde interpretou a faixa "Eu Sou Fadona". No primeiro dia do evento "DSX", em 30 de outubro, Kéfera surpreendeu todo mundo ao surgir no palco com um look de diva do pop e soltando a voz ao som de "Eu Sou Fadona".[34]

CD • Download digital
N.º Título Música Duração
1. "Eu Sou Fadona"   Kéfera Buchmann 2:14
2. "É Fada"   Kéfera Buchmann 2:47
3. "Sim ou Não" (participação Maluma) Anitta 3:26
4. "Not This Time"   Laura Pieri 4:29
5. "Cheguei"   Ludmilla 2:54
6. "O Mundo É Nosso"   MC Duduzinho 3:15
7. "Caio no Suingue"   Pedro Luís & A Parede 3:32
8. "Preciso Poder"   Clarence 3:33
9. "Lance Proibido"   Letticia 2:39
10. "Fato Raro"   MC Guimê 2:30
11. "Tá Tudo Errado"   Ludmilla 3:00
12. "Cravo e Canela" (participação Vitin) Anitta 3:20
Duração total:
0:37:42

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Rafael Aloi (6 de outubro de 2016). «'É Fada!': Kéfera faz quase ela mesma em estreia no cinema». veja.abril.com.br. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  2. Renato Marafon (8 de abril de 2016). «'É Fada': Comédia estrelada pela Kéfera ganha data de estreia». cinepop.com.br. Consultado em 10 de abril de 2016 
  3. a b «DELIBERAÇÃO nº.052 de 08-07-2015 - PUBLICADA NODIÁRIO OFICIAL DE 09-07-2015». www.ancine.gov.br. 8 de julho de 2015. Consultado em 11 de outubro de 2016 
  4. http://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/com-vlogueira-e-fada-esta-entre-os-tres-filmes-nacionais-com-maior-bilheteria-em-2016.html
  5. Mariane Zendron (5 de dezembro de 2015). «Diretora de "S.O.S - Mulheres ao Mar" revela que Kéfera será fada em filme». cinema.uol.com.br. Consultado em 10 de abril de 2016 
  6. «Klara Castanho e Kéfera Buchmann começam ensaio e pré-produção do filme "É Fada"». ExtraOGlobo. Consultado em 9 de dezembro de 2015 
  7. Marcial Renato de Campos (5 de setembro de 2016). «DESPACHO DECISÓRIO DA SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO nº.265 de 02-09-2016 / Publicado no Diário Oficial de 05-09-2016». www.ancine.gov.br. Consultado em 11 de outubro de 2016 
  8. «Kéfera será uma fada desastrada em seu primeiro filme para o cinema» (em inglês). capricho.abril.com.br. 8 de dezembro de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  9. Amamos Cinema (Dezembro de 2015). «Primeiro papel de Kéfera no cinema é divulgado». br.eonline.com. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  10. «Youtuber Kéfera divulga no Instagram a primeira imagem de seu filme, "É fada"». Zero Hora. zh.clicrbs.com.br. 1 de agosto de 2016. Consultado em 7 de agosto de 2016 
  11. Mariane Zendron (2 de agosto de 2016). «1º trailer de "É Fada" é liberado». G1. Consultado em 2 de agosto de 2016 
  12. «Kéfera Buchmann e elenco em São Paulo na pré-estreia do filme "É Fada".». Todateen 
  13. Guilherme Assumpção (29 de setembro de 2016). «Kéfera Buchmann lança "É Fada!" no Rio e leva multidão de fãs à loucura. Saiba tudo o que rolou!». www.purebreak.com.br. Consultado em 11 de outubro de 2016 
  14. Ancelmo Gois (4 de agosto de 2016). «'É Fada', com Klara Castanho e Kéfera Buchmann, é vetado para criança: 'Absurdo'» (em inglês). www.purepeople.com.br. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  15. «Palavra 'porra' no trailer de 'É fada!', estreia de Kéfera no cinema, faz classificação ser de 12 anos». blogs.oglobo.globo.com. 4 de agosto de 2016. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  16. Lucas Salgado (Outubro de 2016). «Crítica - AdoroCinema». www.adorocinema.com. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  17. Patricia Gomes (6 de outubro de 2016). «É Fada - Crítica». omelete.uol.com.br. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  18. a b Marina Galeano (9 de outubro de 2016). «Youtuber Kéfera não salva roteiro que lembra capítulo de 'Malhação'». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  19. a b Carla Braga (7 de outubro de 2016). «É Fada - Crítica». fiqueligado.com.br. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  20. Neto, Georgenor Franco (12 de Outubro de 2016). «Crítica (É Fada!)». Cinepop. Consultado em 6 de Janeiro de 2017 
  21. «Crítica | É Fada! - Bastidores». Bastidores. 6 de outubro de 2016 
  22. Fernando Campos (9 de outubro de 2016). «Crítica - É Fada!». www.planocritico.com. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  23. Cauê Petito (10 de outubro de 2016). «Crítica: É Fada». cinemacao.com. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  24. Diego Bauer (11 de outubro de 2016). «'É Fada!': Pior que ruim, é equivocado». www.cineset.com. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  25. Pablo Villaça (7 de outubro de 2016). «É Fada». www.cinemaemcena.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  26. Flávio Pizzol (10 de outubro de 201#). «Crítica: É Fada!». aodisseia.com. Consultado em 14 de outubro de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  27. «Kéfera leva 368 mil espectadores ao cinema do 1º fim de semana de "É Fada"». cinema.uol.com.br. 10 de outubro de 2010. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  28. Vanessa Vieira (14 de outubro de 2016). «"É Fada" é a maior estreia do período, enquanto "Cegonhas" e "O Lar das Crianças Peculiares" seguem empatados». www.exibidor.com.br. Consultado em 10 de outubro de 2016 
  29. «Bilheterias de filme É Fada - AdoroCinema». www.adorocinema.com. Consultado em 27 de outubro de 2016 
  30. Góes, Bruno. «'É fada' está entre os três filmes nacionais com maior bilheteria no ano | Lauro Jardim - O Globo». Lauro Jardim - O Globo. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  31. AdoroCinema, Bilheterias de filme É Fada, consultado em 30 de dezembro de 2016 
  32. «É divulgada a trilha sonora oficial do filme "É Fada"». G1. 2 de outubro de 2016 
  33. «Kéfera Buchmann gravou uma música para divulgar o novo longa.». Hugo Gloss 
  34. «Kéfera canta no evento DSX, by Fanta». Hugo Gloss. 30 de outubro de 2016