Ana Malhoa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ana Malhoa
Ana Malhoa, 2011
Informação geral
Nome completo Ana Sofia Lopes Malhoa
Também conhecido(a) como
  • Rainha da Pop portuguesa
  • Rainha da Música "Pimba"
  • AM
  • La Bomba
  • Bomba Latina
  • La "Makina"
Nascimento 6 de agosto de 1979 (37 anos)
Origem Lisboa
País  Portugal
Gênero(s) Música Popular Portuguesa, Pop Latino, Pop Rock, Tropical Urbano
Ocupação(ões)
Cônjuge Jorge Moreira (de 1998 a 2016)
Instrumento(s)
Período em atividade 1985-Presente
Gravadora(s) Espacial (1985-presente)

Paradise Entertainment (2011-presente)

Página oficial www.anamalhoa.com
www.anamalhoaoficialsite.com

Ana Sofia Lopes Malhoa[1] (Lisboa, 6 de agosto de 1979) conhecida como Ana Malhoa é uma cantora, compositora, apresentadora, produtora e empresária portuguesa. Filha do cantor popular José Malhoa, iniciou sua carreira musical em 1985, ao lado do pai.

Biografia[editar | editar código-fonte]

São Sebastião da Pedreira, uma antiga freguesia da capital portuguesa, onde Ana nasceu.[2]
Pessoal

Ana Malhoa nasceu na freguesia de São Sebastião da Pedreira em Lisboa a 6 de agosto de 1979, filha do cantor popular José Malhoa e de Angelina Lopes. Tem quatro meios-irmãos de mães diferentes e dois meios-irmãos de pai diferente. Foi criada pela sua madrasta Rosa, falecida em 2012, aos 73 anos. Estudou até ao 12º ano. A mãe biológica de Ana, Angelina Lopes, engravidou de José Malhoa, este já estava casado com Rosa Malhoa. Três meses depois de dar à luz Ana Malhoa, Angelina Lopes morreu. Aos 12 anos, Ana encontrou um álbum de fotos de Angelina e descobriu que não era filha biológica de Rosa.[3].

Casou-se com Jorge Moreira em 1998, de quem tem uma filha também artista, chamada Índia Malhoa, nascida em 1999. Em 2009 posou nua para a revista Playboy Portugal, trabalho pelo qual recebeu um cachet de 50 mil euros, o mais alto da publicação[4][5] Em setembro de 2016 o casal anunciou a separação[6] e por consequência a demissão de Jorge do cargo de gestor da carreira de Ana.[7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

1985-1993: Primeiros anos e sucesso com o pai[editar | editar código-fonte]

Desde os 4 anos de idade que manifestava o desejo de ser cantora. Em 1985, com apenas 5 anos, Ana Malhoa subiu pela primeira vez aos palcos com o seu pai, o cantor popular José Malhoa durante a digressão do disco Obrigado Amor, Obrigado. Em 1986 lançaram um primeiro EP juntos, Pai Amigo, que recebeu o disco de ouro e vendeu mais de 33 mil cópias.

No ano seguinte, lançaram o single Vem Dançar.[2] Em 1988 foi contratada pela RTP para apresentar "O Grande Pagode", um programa de televisão dedicado aos mais novos, que obteve êxito na época.[8]

Com Nossa Lambada (1989), um novo EP lançado com o pai, Ana atingiu a maior vendagem da carreira até então, com 40 mil cópias comercializadas, resultando no terceiro disco de ouro da carreira.[2] No mesmo ano apresentou o Natal dos Hospitais, ao lado de Ana Zanatti e Fialho Gouveia, onde também cantou o single "A Nossa Lambada", ao lado do pai José Malhoa.[9]

Em 1992 edita seu primeiro extended play a solo, I'm Happy e recebe mais um disco de ouro. No mesmo ano edita Dois Corações com o pai, que resultou em outro disco de ouro e mais 27 mil cópias vendidas.[2]

Em 1994 é contratada pela SIC para apresentar o programa infantil Buéréré (1994-98), que se tornou no programa mais visto da história da televisão portuguesa, com share médio de 92%. Em 1994 também edita O Amor Nunca Pode Acabar com o pai, que resulta em mais um disco de ouro. Nesta época, ainda adolescente, se consagra como fenómeno pop, sendo desde então uma das figuras públicas mais proeminentes da cultura popular portuguesa, com uma vida pessoal muito divulgada. Ainda na SIC apresenta o Super Buéréré (1996-99) aos fins de semana e anualmente os Globos de Ouro (1995-99). No mesmo período edita quatro discos de banda sonora do programa, que juntos venderam mais de 240 mil cópias em território nacional.[2]

Em 1998 anuncia seu casamento com o empresário Jorge Moreira. Em 1999 afasta-se da televisão para dar à luz a sua primeira filha, Índia Malhoa Moreira. No mesmo ano, por sua influência e popularidade nos países lusófonos, é eleita embaixadora da UNICEF com a missão de chamar a atenção dos jovens portugueses a ajudar a melhorar a saúde, a educação, igualdade e protecção de todas as crianças nas ex-colónias portuguesas.

Em 2000 lança seu primeiro álbum de estúdio a solo, com dois singles de sucesso nas rádios portuguesas e recebe o galardão de ouro. Com Por Amor (2001), Eu (2003) e Eu Sou Latina (2004) mantém o sucesso na carreira musical e recebe mais três galardões de ouro. Em 2002 foi a apresentadora do Domingo Fantástico pela TVI, um programa de entretenimento, em directo, nas tardes de domingo.

Em 2005 lança Bué da Fixe: Só para Amiguinhos, um novo álbum voltado ao público infantil. No mesmo ano lança o mixtape Hot Reggaeton, desta vez sob o alter-ego de Lil' Queen. Recorda suas canções de sucesso com Êxitos (2006), que também comemora as mais de 50 mil cópias vendidas de seus quatro álbuns de estúdio lançados até então. No mesmo ano lança a canção "Triumph Without Weapons" que foi hino da campanha de desarmamento voluntário em Portugal e que teve como objetivo arrecadar fundos para a UNICEF.

Com Nada Me Pára (2007) retorna às paradas de sucesso, liderado pelo single do mesmo nome e seguido por Exótica (2008). Em 2009 lança Sexy, seu primeiro disco a solo a receber o galardão de platina e atingir o topo da lista de álbuns mais vendidos pela Associação Fonográfica Portuguesa.

Simultaneamente estrela a capa da revista Playboy Portugal, em uma das edições mais vendidas da trajetória da revista, sob o cachet de 50 mil euros, o mais alto da publicação. Promove o mesmo em sua digressão "Pop City Music Live Tour" e após este período, muda-se por alguns meses para os Estados Unidos.

Em abril de 2011, de regresso a Portugal, lança Caliente. O disco é reeditado em outubro do mesmo ano. O álbum atinge a primeira posição lista de álbuns mais vendidos pela Associação Fonográfica Portuguesa e Ana recebe mais um galardão de platina. Foi considerado o álbum nacional de maior sucesso do verão de 2011, com quatro temas entre os mais executados nas rádios portuguesas.

O disco Azucar (2013) foi projectado para apresentar Ana Malhoa oficialmente ao mercado hispânico. O disco entrou diretamente para o topo da lista dos álbuns mais vendidos em Portugal e recebeu o galardão de platina dupla. A divulgação do álbum, através da Azucar Tour iniciou-se a 1º de junho de 2012, sendo a digressão mais extensa de Ana Malhoa até hoje, com mais de 150 concertos em 20 países.[10] O single "Sube La Temperatura" liderou a lista das canções mais executadas nas rádios portuguesas por 17 semanas, sendo considerado a canção de maior sucesso da carreira de Ana Malhoa a solo e a a canção mais executada em Portugal em 2013,[11] chegando ao European Hot 100.[12] O sucesso da canção em Portugal foi impulsionado por integrar a banda sonora da ficção televisiva “Destinos Cruzados” da TVI, na qual Ana também actuou em dois episódios.[13]

Em 2014 lança "Tá Turbinada" que liderou a lista das canções mais executadas nas rádios portuguesas por doze semanas, sendo a canção mais executada em Portugal em 2014. "Encaixa Baby Encaixa" (2015) foi a canção mais executada em Portugal em 2015, mantendo a liderança por oito semanas consecutivas. Por três anos consecutivos (2013, 2014 e 2015) Ana Malhoa foi a intérprete da "canção mais executada do ano" em Portugal.[14] O polémico vídeo da canção, atingiu 1 milhão de visualizações em duas semanas.[15] Ambas foram incluídas no álbum Superlatina, que recebeu o disco de ouro pela Associação Fonográfica Portuguesa.

É a artista pop feminina mais requisitada para actuações em Portugal, com mais de 635 mil cópias vendidas ao longo de 30 anos de carreira, é também uma das recordistas de vendas de discos em Portugal.[2]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Ana Malhoa
Álbuns de estúdio

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Digressões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Digressões de Ana Malhoa

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]