Conexão Repórter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Conexão Repórter
Informação geral
Formato Programa jornalístico
Gênero Jornalismo investigativo
Duração 60 minutos (00:00 às 01:00)
Criador(es) Roberto Cabrini
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Roberto Cabrini
José Occhuiso
Apresentador(es) Roberto Cabrini
Narrador(es) Roberto Cabrini
Exibição
Emissora de televisão original SBT
Formato de exibição 480i (SDTV)
1080i (HDTV)
Transmissão original 4 de março de 2010 - presente
Cronologia
De Frente com Gabi

Conexão Repórter é um programa de jornalismo investigativo do Brasil, exibido pelo SBT, desde o dia 4 de março de 2010. É apresentado pelo jornalista Roberto Cabrini que é considerado um dos principais do gênero da tv brasileira com grande audiência e conquistas de importantes prêmios. A partir do dia 1º de março de 2015, passa a ser exibido aos domingos, após o Programa Silvio Santos, substituindo o programa De Frente com Gabi.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A reportagem do Conexão Repórter "Sexo, intrigas e poder", investigou casos antes ocultos de pedofilia dentro da Igreja Católica em ArapiracaAlagoas, e levou três sacerdotes, incluindo um importante Monsenhor a julgamento,e fez com que, pela primeira vez, o Vaticano reconhecesse a existência de casos de abusos sexuais dentro da Igreja Católica no Brasil. A sentença dos padres de Arapiraca foi proferida pelo juiz João Luiz de Azevedo Lessa, titular da 1ª Vara Judiciária da Infância e Juventude, no dia 19 de dezembro. O monsenhor Luiz Marques foi condenado a 21 anos de reclusão. Já o padre Edilson Duarte, e o monsenhor Raimundo Gomes, foram sentenciados a dezesseis anos e quatro meses. O trabalho jornalístico de Roberto Cabrini e sua equipe foi considerado fundamental pelo ministério público para a condenação histórica dos sacerdotes católicos, fato inédito no Brasil. No dia 3 de janeiro de 2012, o Vaticano anunciou que os três padres de Arapiraca, condenados por pedofilia, haviam sido expulsos da Igreja Católica.A reportagem repercutiu largamente em todo mundo com citações no Jornal Le Monde e El País e na Rede CNN e ganhou o Prêmio Esso de telejornalismo de 2010.

Em 2012, o programa denunciou os abusos em um hospital psiquiátrico de Sorocaba, São Paulo, revelando imagens que lembraram as dos campos de concentração nazistas, na Segunda Guerra Mundial. A reportagem foi elogiada internacionalmente. Ainda em 2012, o Conexão Repórter, comandado por ele, ganhou o Troféu Imprensa de melhor programa de jornalismo da TV brasileira do ano anterior, 2011. Em votação realizada em 2013, o Conexão Repórter voltou a ser escolhido como o melhor programa jornalístico da TV brasileira de 2012, ganhando, também, o Troféu Internet de melhor programa jornalístico, em votação popular. Ao explicar seu voto para o Conexão Repórter, Keila Jimenez, jornalista da Folha de S. Paulo, disse: "Cabrini respira jornalismo." O destaque de 2014 e 2015 ficou por conta da reportagem O doce veneno dos campos do senhor, no qual Cabrini e equipe investigaram e denunciaram o uso indiscriminado de agrotóxicos, que produz, silenciosamente, milhares de vítimas no nordeste brasileiro. A reportagem ganhou dois prêmios: o Troféu MPT, do Ministério Público do Trabalho, em 2014, e o Prêmio República, da Associação Nacional dos Procuradores da República, em 2015.[14] [15]

Ainda em 2015, em votação realizada por jornalistas de todo Brasil (350 mil votantes), Roberto Cabrini foi consagrado como o melhor repórter de mídia falada do país do ano de 2015, conquistando o Prêmio Comunique-se, conhecido como o "Oscar" do jornalismo brasileiro por sua atuação no Conexão Repórter.[16]

Em 2016, o Conexão Repórter de Roberto Cabrini venceu mais uma vez o Troféu Imprensa de melhor programa jornalístico em decisão unânime dos jurados. Na edição de 2017, o Conexão Repórter venceu mais uma vez o Troféu Imprensa em decisão unânime dos jurados, consolidando-se como o mais respeitado programa jornalístico do país.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 2010 - Prêmio Esso Especial de Telejornalismo pela reportagem sexo, intrigas e poder que denunciou a pedofilia na Igreja Católica e gerou repercussão em todo o mundo.[1]
  • 2011 - Troféu Imprensa de melhor programa jornalístico.[2]
  • 2012 - Troféu Imprensa de melhor programa jornalístico
  • 2012 - Troféu Internet de melhor programa jornalístico
  • 2014 - Troféu MPT (Ministério Público do Trabalho) pela reportagem "O doce veneno dos campos do senhor"
  • 2015 - Prêmio República (Associação Nacional dos Procuradores da República) pela reportagem "O doce veneno dos campos do senhor"
  • 2016 - Troféu Imprensa de melhor programa jornalístico
  • 2017 - Troféu Imprensa de melhor programa jornalístico

Referências