Estado hiperglicêmico hiperosmolar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estado hiperosmolar hiperglicémico
É causado pelo excesso de açúcar no sangue
Especialidade endocrinologia
Classificação e recursos externos
CID-9 250.2
DiseasesDB 29213
eMedicine emerg/264
MeSH D006944
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Estado hiperglicêmico hiperosmolar (EHH) é uma emergência médica causada por diabetes mellitus mal controlado. O aumento do açúcar no sangue resulta em alta osmolaridade sem cetoacidose significativa. [1] Os sintomas incluem sinais de desidratação, fraqueza, cãibras nas pernas, problemas de visão e declínio da consciência. [2] Se não tratado em poucos dias pode resultar em coma. [3] As complicações podem incluir convulsões, coagulopatia intravascular disseminada, oclusão da artéria mesentérica e rabdomiólise . [2]

Causa[editar | editar código-fonte]

O principal fator de risco é diabetes mellitus tipo 2 sem o tratamento adequado. [1] Ocasionalmente, pode ocorrer naqueles sem diagnóstico de diabetes ou naqueles com diabetes mellitus tipo 1. [3] [1] Fatores desencadeantes incluem infecções, derrame, traumatismo, certos medicamentos e ataques cardíacos . [1] O diagnóstico baseia-se em exames de sangue que identificam um nível de açúcar no sangue superior a 30 mmol / L (600   mg / dl), osmolaridade superior a 320 mOsm / kg e pH acima de 7,3. [2] [3]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas do HHS incluem:

  • Nível alterado de consciência
  • Sinais neurológicos incluindo: visão turva, dores de cabeça, convulsões focais, mioclonia, paralisia reversível [4]
  • Anormalidades motoras incluindo flacidez, reflexos deprimidos, tremores ou fasiciculações
  • Aumento do risco de formação de coágulos sanguíneos
  • Desidratação [4]
  • Perda de peso [4]
  • Náusea, vômito e dor abdominal [4]
  • Fraqueza [4]
  • Pressão arterial baixa em pé [4]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento inicial geralmente consiste em muitos litros de soro fisiológico intravenoso para controlar a desidratação e reduzir a osmolaridade, insulina intravenosa naqueles com cetonas significativas, heparina de baixo peso molecular para diminuir o risco de coagulação do sangue e antibióticos entre aqueles nos quais há preocupação com a infecção. [3] O objetivo é um declínio lento nos níveis de açúcar no sangue. [3] A reposição de potássio é frequentemente necessária à medida que os problemas metabólicos são corrigidos. [3] Esforços para prevenir úlceras do pé diabético também são importantes. [3] Normalmente, leva alguns dias para a pessoa retornar à linha de base. [3]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Embora a incidência exata seja desconhecida, é cada vez mais comum nas emergências hospitalárias. [2] [1] As pessoas idosas são mais comumente afetadas. [1] O risco de morte entre os afetados é de cerca de 15%. [1] Foi descrito pela primeira vez na década de 1880. [1]


Referências

  1. a b c d e f g h «Hyperosmolar hyperglycemic state: a historic review of the clinical presentation, diagnosis, and treatment.». Diabetes Care. 37. PMC 4207202Acessível livremente. PMID 25342831. doi:10.2337/dc14-0984 
  2. a b c d «Hyperosmolar hyperglycemic state.». American Family Physician. 71. PMID 15887451 
  3. a b c d e f g h «Hyperglycaemic hyperosmolar state.». British journal of hospital medicine (London, England : 2005). 77. PMID 27640667. doi:10.12968/hmed.2016.77.9.C130 
  4. a b c d e f Henry, McMichael (2016). ATI RN Adult Medical Surgical Nursing 10.0. [S.l.: s.n.] ISBN 9781565335653