Etapa primária do socialismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A etapa primária do socialismo é conceito desenvolvido pelos economistas soviéticos da década de 1920 para categorizar as sociedades que haviam passado pelo processo de revolução socialista vitóriosa mas que não poderiam ser chamados de sociedades socialistas.

Seria portanto o período temporal que se manifestava quando a revolução socialista triunfante - em que se desse ou um país atrasado ou em circunstância de isolamento ou antes da vitória geral da revolução mundial - deveria passar por um período preliminar de construção de condições para o florescimento e consolidação das relações socialistas de produção (e do desenvolvimento das forças produtivas correspondentes) que lhe garantiriam a transição ao socialismo. Nesse sentido, a jovem URSS da década de 1920, não seria plenamente socialista, estando apenas nessa "etapa primária". Esta economia seria sem dúvida, uma economia mista, mas voltada pela ação do Estado Operário para a construção das relações de produção socialistas.

As dificuldades da jovem URSS e a transição ao socialismo[editar | editar código-fonte]

A maioria dos marxistas entendiam que Marx e Engels havia preconizavado que o novo sistema, ao surgir da superação positiva do capitalismo, adveria pioneiramente nos países francamente industrializados. Contudo, isso não se viu na Revolução Russa, onde as relações capitalistas não estavam plenamente constituídas, comparativamente as potências como Alemanha, França, Grã-Bretanha ou EUA. Essas economias, após a suas respectivas revoluções ou da vitória da revolução mundial ajudariam o desenvolvimento socialista dos países atrasados, que se encontravam em condições capitalistas de subdesenvolvimento.

Para Lênin e os outros revolucionários bolcheviques, especialmente Trotski e os membros da Oposição de Esquerda não bastava apenas o triunfo da revolução no país, ou mesmo a mudança no caráter de classe do Estado na Rússia para Estado Operário, para implantação do sistema socialista, era preciso que a revolução se processasse mundialmente à medida que o sistema capitalista era um sistema mundial.

A maturidade da revolução russa, isto é, a maturidade das condições objetivas para o aparecimento e vitória do processo revolucionário devia-se a maturidade do mercado mundial capitalista, que a Rússia se inseria, e não ao grau interno de desenvolvimento das forças produtivas. Porém, após a revolução, o elo da Rússia com o mercado mundial havia sido rompido, dificuldando ao posterior desenvolvido das forças produtivas obrigatórias e respectivas para as relações de produção socialistas. Tais restrições ao desenvolvimento das condições ao socialismo da URSS poderiam ser compensada pelo prosseguimento da industrialização no país e o apoio externo de alguma potência industrial em que a revolução também triunfasse.

Contudo, a Rússia soviética havia sofrido uma enorme destruição de seu parque industrial, resultanto em um recuo do patamar do desenvolvimento de suas forças produtivas, como resultado tanto da participação do país na Primeira Guerra Mundial como da intervenção armada das potências ocidentais e da Guerra Civil. A revolução européia havia fracassado entre [1918] e [1922], e a jovem URSS, além de isolada, passava por um forte bloqueio e boicote internacional, sendo privada de mercado para exportação tradicional de seus produtos primários, como para importação de maquinários para a industrialização, além também de não dispor de grande volume de capitais para tal.

Assim, a Rússia soviética, atrasada, do ponto de vista do desenvolvimento capitalista, e isolada nas relações internacionais, não poderia enquadra-se como uma sociedade socialista, isto é, no que os marxistas chamavam de etapa primária do comunismo. Na verdade a Rússia pós-revolucionária, encontrava-se em uma "etapa primária dessa própria etapa primária", o que se passou a chamar de etapa primária do socialismo. O aparecimento de amplos aspectos socialistas na economia, mas com a manutenção de aspectos capitalistas, e mesmo pré-capitalistas, reforçavam ainda mais essa caracterização, reforçando assim a percepção de que a Rússia estava em etapa histórica especial.

Acumulação socialista primitiva[editar | editar código-fonte]

Este período especial e necessário de transição ao socialismo, que seria a "etapa primária do socialismo", implica um processo de construção de novas condições sociais e econômicas na sociedade, sendo então necessário uma acumulação socialista que o viabilizasse. Para os líderes da Oposição de Esquerda, especialmente Ievguêni Preobrajenski, essa acumulação socialista seria sob a forma de acumulação socialista primitiva.Sob certos aspectos, lembra o modo como a industrialização na Europa Ocidental ocorreu, a chamada acumulação primitiva de capitais, onde o setor capitalista desenvolveu-se pela extração do setor pré-capitalista.

A acumulação socialista primitiva seria a acumulação regulada pelo Estado Operário por meio do planejamento econômico centralizado, onde não apenas os recursos excedentes obtidos do setor socialista da economia mista (especialmente das indústrias estatais) seriam empregados nos investimentos estatais para a industrialização e modernização econômica, mas também recursos extraídos dos setores não-socialistas, principalmente do pequeno comércio e da agricultura, obtidos por meio de forte taxação e tributação e da fixação de preços diferenciados definidos pelos órgãos públicos.

Em suma, seria a forma pelo que o Estado Operário em um país isolado e subdesenvolvido colocaria a economia mista no caminho da transição ao socialismo.

Ver também[editar | editar código-fonte]