Gardner Ackley

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gardner Ackley
Nascimento 30 de junho de 1915
Indianápolis
Morte 12 de fevereiro de 1998 (82 anos)
Ann Arbor
Cidadania Estados Unidos
Alma mater
Ocupação economista, diplomata, professor universitário
Prêmios
  • Programa Fulbright
  • Membro distinto da Associação Econômica Americana
  • Membro da Academia Americana de Artes e Ciências
Empregador Universidade de Michigan

Hugh Gardner Ackley (30 de junho de 1915 - 12 de fevereiro de 1998) foi um economista e diplomata estadunidense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ackley serviu como membro do Conselho de Consultores Econômicos durante o governo do Presidente John F. Kennedy e como Presidente do mesmo Conselho, durante o governo do Presidente Lyndon B. Johnson de 1964 a 1968. Ele também serviu como embaixador na Itália de 1968 a 1969.[1] Ackley foi membro daUniversidade de Michigan por 43 anos e atuou como presidente do departamento de Economia. Ao retornar à universidade após servir na embaixada, ele foi nomeado professor de economia política. Em 1982, ele serviu como presidente da American Economic Association.[2]

Ackley nasceu em Indianapolis, Indiana, em 1915, e foi criado em Kalamazoo, Michigan, onde frequentou escolas públicas e se formou na Western Michigan University em 1936. Ele ganhou um Ph.D da Universidade de Michigan em 1940, e ingressou na faculdade naquele ano. Ele serviu no Escritório de Administração de Preços dos EUA e no Escritório de Serviços Estratégicos em Washington, DC de 1941 a 1946 e como diretor assistente do Escritório de Estabilização de Preços dos EUA de 1951 a 1952.[3][4]

Ackley acreditava que o governo tinha um papel definido na sintonia fina da economia, usando tanto a intervenção fiscal quanto a monetária. Ele alertou o presidente Johnson em 1966 que um aumento de impostos era necessário para financiar a escalada da guerra no Vietnã e o aumento dos gastos com assistência social que Johnson estava empreendendo. Johnson não pediu um aumento de impostos, e economistas, incluindo Paul Samuelson, acreditavam que essa era a causa da inflação dos anos 70.

Ackley foi o autor do popular livro de pós-graduação Macroeconomic Theory, que foi traduzido em várias línguas e permaneceu o texto avançado padrão durante os anos 1960 e início dos anos 1970.[5] Ele recebeu uma bolsa da Academia Americana de Artes e Ciências em 1968 e outra bolsa da Fundação Ford.[6]

Obra[editar | editar código-fonte]

  • "Preços Relativos e Demanda Agregada ao Consumidor", com DB Suits, 1950, American Economic Review.
  • "A relação de poupança de riqueza", Journal of Political Economy, 1951.
  • "Preços Administrados e o Processo Inflacionário", American Economic Review, 1959.
  • Teoria Macroeconômica, Macmillan Company, 1961; republicado como Macroeconomic Analysis and Theory, 1978.
  • Influência da Inflação Mundial, The Atlantic Institute , 1971.
  • "Uma política de rendimentos para a década de 1970", Review of Economics and Statistics, 1972.
  • Macroeconomia: Teoria e Política, Macmillan Library Reference 1978.
  • "Os custos da inflação", American Economic Review, 1978.

Referências

  1. U.S. Dept of State, Office of Historian. "Hugh Gardner Ackley Ambassador Italy"
  2. McDowell, Edwin. "H. Gardner Ackley, 82, Dies; Presidential Economic Adviser", The New York Times, February 21, 1998.
  3. Gardner Ackley Papers 1936–1990. "Summary Information", Bentley Historical Library, University of Michigan.
  4. "H. Gardner Ackley, Obituary"[ligação inativa], The University Record, University of Michigan, February 25, 1998.
  5. Ackley, Gardner. Macroeconomic Theory. [S.l.: s.n.] 
  6. «Book of Members, 1780-2010: Chapter A» (PDF) 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) economista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.