Gilmar Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gilmar Machado
Foto:José Cruz/ABr
Deputado federal de  Minas Gerais
Período 1999 - 2003 (51ª Legislatura)
2003 - 2007 (52ª Legislatura)
2007 - 2011 (53ª Legislatura)
2011 - 2012 (54ª Legislatura)
Deputado estadual de  Minas Gerais
Período 1991 - 1995 (12ª Legislatura)
1995 - 1999 (13ª Legislatura)
Prefeito de Uberlândia
Período 1° de janeiro de 2013 à 31 de dezembro de 2016
Antecessor Odelmo Leão
Sucessor Odelmo Leão
Dados pessoais
Nascimento 6 de novembro de 1961 (57 anos)
Cascalho Rico, Minas Gerais
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Federal de Uberlândia
Esposa Rosângela Paniago Machado
Partido PT star real version.svgPT
Religião Evangélico
Profissão Professor
Website gilmarmachado.com.br
linkWP:PPO#Brasil

Gilmar Alves Machado (Cascalho Rico, 6 de novembro de 1961)[1] é um professor e político brasileiro filiado ao Partido dos Trabalhadores. Foi duas vezes deputado estadual, e foi deputado federal por quarto mandatos consecutivos. A baixa reputação de seu partido, o levou a uma derrota infame nas urnas da cidade de Uberlândia nas eleições, com apenas 10,28% dos votos apurados, perdendo para o Odelmo Leão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Gilmar Machado é filho de Sebastião Delfino Machado e de Maria Floripes Alves, nasceu no interior de Minas Gerais na cidade de Cascalho Rico.[1] Formado em história pela Universidade Federal de Uberlândia, tornou-se professor do ensino médio. [1]

Atuou nas disciplinas de história e geografia no Instituto Rio Branco entre os anos de 1983 à 1991, entre 1982 e 1984 lecionou história na Escola Estadual Messias Pedreiro, na Escola Estadual Marechal Castelo Branco atuou por três anos entre 1983 e 1986 e por último foi professor na Escola Estadual Professora Juvenília Ferreira dos Santos em 1986.[1]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Seu pai, Sebastião Delfino Machado era produtor rural e a mãe, Maria Floripes Alves era servidora pública. Após concluir o ensino médio, Gilmar se mudou para Uberlândia, onde inicio o curso universitário.

Foi secretário da Associação dos Moradores do Bairro Luizote de Freitas em Uberlândia entre 1981 e 1983 e presidiu o Diretório Acadêmico de Geografia e História da Universidade Federal de Uberlândia em 1983 e 1984.

Gilmar Machado também foi presidente do Sindicato Único dos Trabalhores em Educação em Uberlândia por três anos, 1987-1990 e diretor da Central Única dos Trabalhadores - CUT em Minas Gerais no ano de 1989.

Gilmar é casado com a cirurgiã dentista Rosângela Borgens Paniago Machado e tem dois filhos Gustavo Barcelos Machado e Letícia Barcelos Machado. É evangélico praticante e pertence a Igreja Batista Central. Gilmar tem outros cinco irmãos, todos profissionais ligados a educação.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

É fundador do PT em Uberlândia, e um dos articuladores da fundação do partido em Minas Gerais.[1] Foi líder do PT na Assembléia Legislativa de Minas Gerais e vice-presidente do Diretório Estadual do PT no estado.[1] Exerceu a vice liderança do PT entre 2003 e 2004 na Câmara dos Deputados e foi vice-líder do Governo Lula no Congresso Nacional.[2] [1]

Foi deputado estadual de Minas Gerais em 1990 e reeleito em 1994, sendo líder da bancada governista em ambos os mandatos.[1] Em 1998 foi eleito deputado federal pela primeira vez, e desde então ocupa a cadeira na Câmara dos Deputados por quatro mandatos consecutivos. [1] Disputou pelo Partido dos Trabalhadores as eleições municipais de 2004 concorrendo ao cargo de prefeito de Uberlândia, obtendo o terceiro lugar com 62.058 votos. Também havia sido candidato ao mesmo cargo em 1992.

Foi o representante da Câmara dos Deputados na Conferência Preparatória das Américas contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Intolerâncias Correlatas em Santiago no Chile em 2000 e na Conferência Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata em Durban na África do Sul em 2001. [1]

Foi o relator do Estatuto de Defesa do Torcedor, sancionado em 15 de maio de 2003, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do Estatuto do Desporto. Também é de sua autoria o Plano Nacional de Cultura, relatou também a Lei Agnelo/Piva, que garante recursos para o esporte, por meio do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e Comitê Paraolímpico Brasileiro. [1]

Em 2012, se candidatou a prefeito de Uberlândia concorrendo com o deputado estadual Luís Humberto do PSDB, e com Gilberto Cunha do PSOL. Ele venceu a eleição com 68,72% dos votos válidos e ocupou o cargo do então prefeito Odelmo Leão. [carece de fontes?]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

  • 1961 - Nasce em Cascalho Rico, Gilmar Alves Machado.
  • 1980 - Inicia graduação em história pela Universidade Federal de Uberlândia.
  • 1981 - Filia-se ao Partido dos Trabalhadores.
  • 1986 - Funda em Uberlândia o Partido dos Trabalhadores.
  • 1988 - Se candidata a vereador em Uberlândia, tendo a primeira participação como candidato em um processo eleitoral.
  • 1989 - Lidera a campanha do então candidato Luís Inácio Lula da Silva a presidência do Brasil, na região do Triângulo Mineiro.
  • 1991 - Toma posse como deputado estadual, ocupando pela primeira vez um cargo público.
  • 1992 - Se candidata a prefeito de Uberlândia pela primeira vez, na época Paulo Ferolla da Silva é eleito com mínima diferença de votos.
  • 1994 - É reeleito deputado estadual e conduzido a mais um mandato de quatro anos.
  • 1999 - É eleito pela primeira vez para o cargo de deputado federal com 39.863 votos.
  • 2001 - Preside a Comissão Parlamentar de Educação e Cultura do Congresso Nacional.
  • 2002 - Reelege-se deputado federal com 109.722 votos.
  • 2003 - É relator do Estatuto do Torcedor, que disciplinou as práticas de participação das pessoas nos jogos e campeonatos.
  • 2004 - Candidata-se pela segunda vez a prefeitura de Uberlândia. A disputa é vencida por Odelmo Leão.
  • 2005 - Relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO.
  • 2006 - Presidente da Comissão Parlamentar de Orçamentos Públicos e Fiscalização do Congresso Nacional.
  • 2006 - É reeleito para o terceiro mandato de deputado federal com 82.110 votos.
  • 2008 - Assume a vice-liderança do Governo Lula.
  • 2010 - Como líder do Governo Lula é reeleito para o quarto mandato de deputado federal, sendo o mais votado da história do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, com 192.657 votos. Liderou a Frente Evangélica Nacional em apoio a Dilma Rousseff, para presidência da república.
  • 2011 - Reassume a vice-liderança no Congresso Nacional, desta vez no governo de Dilma Rousseff. A decisão foi tomada pela coordenação política do Palácio do Planalto e pela bancada do PT no Congresso.
  • 2012 - É indicado por unanimidade pelo seu partido e outros grupos políticos aliados como candidato ao cargo de prefeito de Uberlândia, em uma coalizão de mais de 10 partidos. Terá como companheiro de chapa, Paulo Vitiello Filho, empresário e vice presidente da Câmara dos Dirigentes Logistas de Uberlândia - CDL Uberlândia. Vitiello é filiado ao PMDB
  • 2012 - É eleito prefeito de Uberlândia com 236.418 votos, 68,72% dos votos válidos. Venceu a disputa em primeiro turno, derrotando o candidato do ex-prefeito Odelmo Leão, o deputado estadual Luiz Humberto Carneiro.
  • 2018 - É preso numa operação da Polícia Federal. [3]

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

Gilmar Machado possui diversas honrarias, das quais se destacam:

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]