Hot Space

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Hot Space
Álbum de estúdio de Queen
Lançamento Reino Unido 24 de maio de 1982
Estados Unidos 25 de maio de 1982
Gravação Junho - Julho de 1981, Dezembro de 1981, Março de 1982
Gênero(s) Rock
Pop rock
Funk
Funk Rock
Disco
Dance Music
New wave
Duração 43:29
Gravadora(s) Estados Unidos Hollywood Records
Produção Queen, Reinhold Mack
Cronologia de Queen
Flash Gordon
(1981)
The Works
(1984)
Singles de Hot Space
  1. "Under Pressure"
    Lançamento: 26 de Outubro de 1981
  2. "Body Language"
    Lançamento: 19 de Abril de 1982
  3. "Life is Real (Song for Lennon)"
    Lançamento: 19 de Abril de 1982
  4. "Las Palavras de Amor"
    Lançamento: 1 de Junho de 1982
  5. "Cool Cat"
    Lançamento: 1 de Junho de 1982
  6. "Calling All Girls"
    Lançamento: Julho de 1982
  7. "Put Out The Fire"
    Lançamento: Julho de 1982
  8. "Staying Power"
    Lançamento: 31 de Julho de 1982
  9. "Back Chat"
    Lançamento: 9 de Agosto de 1982
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Rolling Stone 3 de 5 estrelas. link
The Washington Post (Favorável) link
allmusic 2.5 de 5 estrelas. link
Stylus Magazine (Favorável) link

Hot Space é o décimo álbum de estúdio da banda Queen, lançado em 24 de maio de 1982. Marcando uma notável mudança da direção de seus trabalhos anteriores, a banda empregou muitos elementos de música disco, música pop, R&B e dance music no álbum, sendo parcialmente influenciado pelo sucesso de seu hit de 1980 "Another One Bites the Dust". Isso fez com que o álbum fosse menos popular entre os fãs que preferiam o estilo do rock tradicional que eles já associavam com a banda.[1]

A decisão do Queen de gravar um álbum no puxado para o dance veio do sucesso massivo nos Estados Unidos de "Another One Bites the Dust" (e, em menor extensão, do sucesso dessa música no Reino Unido também). O segundo single do álbum, "Body Language", chegou à décima primeira posição nos rankings dos Estados Unidos.

"Under Pressure", primeira e única colaboração feita entre o Queen e outro músico, foi feita em parceria com David Bowie. Lançada em 1981, a música foi o segundo hit da banda a chegar ao primeiro lugar dos rankings no Reino Unido. A música era um projeto separado, gravado antes do lançamento do álbum e da controvérsia sobre o novo som do Queen (rock influenciado pela música disco).

Em julho de 2004, a revista Q listou o Hot Space como um dos quinze álbuns em que grandes artistas do rock perderam o rumo. A maioria do álbum foi gravada em Munique durante o período mais turbulento da história da banda. Roger Taylor e Brian May lamentavam o novo estilo, sendo ambos muito críticos sobre a influência do empresário de Freddie Mercury, Paul Prenter, sobre o cantor. As vendas do álbum são estimadas, atualmente, em torno de cinco milhões de cópias.

Esta fase da banda é marcada por várias mudanças, como a inclusão definitiva de sintetizadores e bateria eletrônica nos álbuns e shows e de um estilo bem diferente do adotado nos anos 1970.

Informações sobre o álbum[editar | editar código-fonte]

Antes de 1979, o Queen nunca havia usado sintetizadores em seus álbuns. A partir de The Game, a banda começou a incluir o sintetizador Oberheim OB-X em suas músicas (como em "Play the Game" e em "Save Me"). Em Hot Space, eles foram mais longe e incluíram a bateria eletrônica pela primeira vez. Se distanciando do seu som da década de 1970, a maior parte das músicas de Hot Space é uma mistura de Funk, Funk-rock, Dance, Disco e R&B - enquanto as músicas de "rock" continuaram numa direção ao Pop-Rock similar ao seu último álbum (uma exceção é "Put Out The Fire"). Não gostando do novo som, Brian May e Roger Taylor foram bem críticos à influência que Paul Prenter, empresário de Mercury entre 1980 e 1984, teve sobre o cantor. Prenter alegadamente negou aos outros membros acesso a Mercury, muitas vezes tirando ele mais cedo das gravações para levá-lo à clubes gays.

Informações das músicas[editar | editar código-fonte]

"Staying Power"[editar | editar código-fonte]

O arranjo de sopros foi adicionado por Arif Mardin (que também produziu Chaka Khan e adicionou sessões de sopros para os Bee Gees e Aretha Franklin). "Staying Power" era tocado na turnê Hot Space Tour, embora muito mais rápido e pesado, com baterias reais no lugar da eletrônica e com guitarras e teclados no lugar dos sopros (esse arranjo não possuía baixo, uma vez que Deacon tocou uma guitarra junto com May. O som do baixo foi feito por Freddie em um teclado Roland Jupiter 8). Ela também foi tocada na turnê de The Works, apesar de ser com menos frequência do que na turnê de Hot Space. No Japão, a música foi lançada em julho de 1982, e nos Estados Unidos, em novembro do mesmo ano. Em ambos os países, a música falhou nas paradas. A contribuição de Mardin foi gravada no Record Plant Studio, na cidade de Nova York.

"Dancer"[editar | editar código-fonte]

O baixo de "Dancer" foi tocado num sintetizador (Oberheim OB-Xa) por May. A música em si - uma mistura de Rock e Disco - é uma espécie de sucessor para "Dragon Attack" (do álbum The Game), em que há a fusão de elementos de Heavy Metal com os dançantes, como fazia o Led Zeppelin. A mensagem de telefone no fim da música é em alemão, e foi gravada em um hotel em Munique; ao pé da letra, a mensagem pode ser traduzida como "bom dia, essa é uma ligação para você acordar". A letra da música é notável por ser a única do Hot Space que faz referência ao nome do álbum.

"Back Chat"[editar | editar código-fonte]

"Back Chat", escrita por Deacon, é a faixa mais influenciada pela black music. Além de tocar o baixo, John toca guitarra rítmica, piano elétrico e sintetizador nessa música. Como single, essa música ficou em 40° nas paradas do Reino Unido. Nos comentários do vídeo em Greatest Video Hits 2, Taylor deixou claro que ele odeia o clipe dessa música.

"Body Language"[editar | editar código-fonte]

"Body Language" é uma canção atípica do Queen, sendo o único single da banda que não incluía guitarra. Mercury, que fez a música no baixo sintético, havia explorado o potencial do instrumento em sua contribuição para a trilha sonora de Flash Gordon. O vídeo dessa música, que contém modelos seminuas se contorcendo em torno de si, mostrou-se controversa e foi banida em alguns países. A música também apareceu no filme-documentário Stripped, de 1984, sendo tocada por um dos dançarinos.

"Action This Day"[editar | editar código-fonte]

"Action This Day", uma das duas músicas de Roger nesse álbum, foi claramente influenciada pelo movimento da new wave que acontecia nessa época. Essa faixa é guiada por uma bateria eletrônica no compasso de 2/4 e possui um solo de saxofone sintético, tocado pelo produtor Mack em um Oberheim OB-Xa. O nome "Action This Day" veio de um slogan que Winston Churchill anexava para documentos urgentes, e recapitula o tema de consciência social que Taylor defendeu em muitas de suas músicas. A banda tocou essa música na turnê deste álbum com um arranjo mais convencional, trocando a bateria eletrônica e o baixo sintético por um arranjo de rock. A música é feita num dueto entre Taylor e Mercury, e o refrão é cantando pelos dois juntos.

"Put Out The Fire"[editar | editar código-fonte]

"Put Out The Fire" é uma música antiarmas de fogo escrita por May, que possui vocais principais de Freddie e May cantando em falsetto no final de cada verso. Brian gravou essa música sobre o efeito de álcool (depois de muitas tentativas frustradas. A primeira estrofe teoricamente falam do assassinato de John Lennon, em versos como:

"They called him a hero" ('eles o chamaram de herói'), falando de Lennon;

"In the land of the free" ('na terra da liberdade'), se referindo à América;

"But he wouldn't shake my hand boy" ('mas ele não quis apertar minha mão, menino'), incerto, mas Lennon assinou uma gravação de Mark Chapman;

"He disappointed me" ('ele me desapontou'), Chapman estava aparentemente desapontado com a rejeição de Lennon por Deus e/ou por sua última música;

"So I got my hand gun, and I blew him away" ('Então eu peguei minha arma e atirei nele), a morte de Lennon era recente e bruta para muitas pessoas e fãs, como os membros do Queen (os Beatles tiveram uma grande influência sobre a banda), e o fato da música "Life Is Real (Song For Lennon)" de Mercury vir imediatamente após essa faixa não é coincidência.

Apesar de nunca ter sido lançada como single, "Put Out The Fire", a música mais próxima das músicas tradicionais do Queen, foi incluída na compilação Queen Rocks, de 1997. Um novo vídeo também foi produzido para a compilação de vídeo que o acompanha, com uma performance ao vivo da música intercalada com imagens de fogo e explosões.

"Life Is Real (Song For Lennon)"[editar | editar código-fonte]

Mercury escreveu "Life Is Real" como um tributo a John Lennon, que foi assassinado em 1980, e havia pedido para a banda tocar "Imagine" na turnê. Como as músicas de Lennon, "Life Is Real" possui um arranjo esparso baseado no piano e um tom melancólico. Ela também é uma das poucas músicas do Queen cuja letra foi escrita antes da música (como "Killer Queen"). O nome da música pode ser uma referência ao trecho "love is real" (amor é real), da música "Love", feita por Lennon em 1970, ou à frase "nothing is real" ('nada é real'), da música "Strawberry Fields Forever" dos Beatles. A música começa com três notas de piano que soam como sinos, lembrando os sinos iniciais de "(Just Like) Starting Over)" e de "Beautiful Boy", ambas de Lennon. As duas primeiras palavras ("Guilt stains") dessa música tem uma diferença entre as duas notas (apesar de serem em uma chave diferente) que é praticamente idêntica às duas primeiras notas da música "Mother".

"Calling All Girls"[editar | editar código-fonte]

A primeira música de Roger Taylor (apesar de possuir os vocais de Freddie) a ser lançada como single (embora apenas em alguns países como Estados Unidos e Austrália, mas não na Inglaterra), "Calling All Girls" não conseguiu criar um impacto muito grande nas paradas, ficando em #60 nos EUA e #33 no Canadá, apesar de seu videoclipe ter sido baseado no filme THX 1138 de George Lucas. Taylor compôs "Calling All Girls" na guitarra e tocou os sons de fundo durante a pausa da música. Queen nunca tocou essa música em shows na Europa, e uma gravação ao vivo do Japão em 1982 é comercialmente disponível no DVD Queen on Fire - Live at the Bowl, onde a música acompanha a galeria de fotos. Foi lançada como single em julho de 1982.

"Las Palabras de Amor (The Words of Love)"[editar | editar código-fonte]

A letra dessa música foi inspirada na relação próxima do Queen com os seus fãs da Ibero-América, e tem sido interpretada como uma alegoria para a Guerra das Malvinas (na verdade, o álbum foi lançado durante a guerra, e provavelmente foi gravado bem antes do início dela). Um top 20 hits no Reino Unido, "Las Palabras de Amor" marcou quarta aparição da banda no Top of the Pops (o primeiro, segundo e terceiro sendo "Seven Seas Of Rhye", "Killer Queen" e "Good Old-Fashioned Boy Lover"). No videoclipe, May é visto tocando um grande piano, mas na gravação apenas há sintetizadores (tocados por ele). Brian também canta os vocais principais no verso harmonizado "this night and evermore".

"Cool Cat"[editar | editar código-fonte]

"Cool Cat", escrita por Freddie e Deacon, originalmente possuía David Bowie nos backing vocals e em muitos versos de palavras faladas num ritmo durante o middle eight. De acordo com uma entrevista de Mercury na TV em 1982, Bowie estava infeliz com os resultados e pediu para que seus backing vocals fossem removidos. Todos os instrumentos são tocados por Deacon, incluindo a bateria, as guitarras e os sintetizadores. Na versão do álbum, Freddie canta a música inteira em falsetto. A faixa alternativa com os vocais de Bowie é largamente disponível em vários bootlegs e versões do vinil do álbum nas primeiras prensagens feitas nos Estados Unidos. Essa também é a única faixa de álbum do Queen na qual Deacon usa a técnica de popping.

"Under Pressure"[editar | editar código-fonte]

Um famoso dueto com Bowie, "Under Pressure" foi o resultado de um improviso numa sessão de jam no estúdio da banda em Montreux. Quando foi lançado em 1981, o single ficou em #1 nas paradas do Reino Unido. Mercury foi o principal diretor desta faixa, e ele com Bowie foram os principais letristas (cada um escreveu o verso que canta). Parte da progressão de acordes é baseado em uma demonstração grosseira de uma canção não lançada chamada "Feel Like". A faixa é creditada aos cinco participantes.

Faixas[editar | editar código-fonte]

Lado 1

N.º Título Duração
1. "Staying Power"   4:10
2. "Dancer"   3:46
3. "Back Chat"   4:31
4. "Body Language"   4:29
5. "Action This Day"   3:33

Lado 2

N.º Título Duração
1. "Put Out the Fire"   3:15
2. "Life Is Real (Song for Lennon)"   3:39
3. "Calling All Girls"   3:53
4. "Las Palabras de Amor (The Words of Love)"   4:26
5. "Cool Cat"   3:26
6. "Under Pressure" (with David Bowie) 4:02

Referências

  1. «Hot Space - Queen». Allmusic. Consultado em 16 de dezembro de 2014 
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Queen é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.