Insuficiência cardíaca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Insuficiência cardíaca
Principais sinais e sintomas da insuficiência cardíaca
Classificação e recursos externos
CID-10 I50.0
CID-9 428.0
DiseasesDB 16209
MedlinePlus 000158
eMedicine med/3552
MeSH D006333

Insuficiência cardíaca (IC), muitas vezes descrita como insuficiência cardíaca congestiva (ICC), é uma condição em que o coração é incapaz de bombear sangue na corrente sanguínea em quantidade suficiente para dar resposta às necessidades do corpo.[1][2][3] Os sinais e sintomas mais comuns incluem falta de ar, fadiga, e pernas inchadas.[4] A falta de ar geralmente agrava-se com o exercício físico ou em posição deitada e é capaz de acordar a pessoa durante a noite.[4] Existe também uma capacidade limitada para a realização de exercício físico.[5] A dor torácica, incluindo angina, geralmente não é um sintoma de insuficiência cardíaca.[6]

Entre as causas mais comuns de insuficiência cardíaca estão a doença arterial coronária, incluindo um episódio anterior de enfarte do miocárdio, hipertensão, fibrilação auricular, valvopatia, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, infeções e miocardiopatia de causa desconhecida.[4][7] These cause heart failure by changing either the structure or the functioning of the heart.[4] Existem dois tipos principais de insuficiência cardíaca: insuficiência cardíaca devido à disfunção do ventrículo esquerdo e insuficiência cardíaca com fração de ejeção normal, dependo de estar ou não afetada a capacidade do ventrículo de se contrair, ou da capacidade do coração em relaxar.[4] A gravidade da doença é geralmente classificada pelo grau de problemas ao realizar exercício.[8] A insuficiência cardíaca não é o mesmo que enfarte do miocárdio (em que parte do músculo cardíaco morre) nem que paragem cardiorrespiratória (em que a corrente sanguínea é interrompida).[9][10] Entre outras doenças com sintomas semelhantes à insuficiência cardíaca estão a obesidade, insuficiência renal, problemas no fígado, anemia e doenças da tiroide.[8]

O diagnóstico da condição tem por base o histórico de sinais e sintomas e um exame físico confirmado por ecocardiografia.[11] As análises ao sangue, um eletrocardiograma e radiografia de tórax podem ajudar a determinar a causa subjacente.[11] O tratamento depende da gravidade e da causa da doença.[11] Em pessoas com insuficiência crónica moderada e estável, o tratamento geralmente consiste em modificações do estilo de vida como deixar de fumar,[12] praticar exercício físico,[13] alterações na dieta e medicação.[12] Em pessoas com insuficiência cardíaca devida a disfunção do ventrículo esquerdo, é recomendada a administração de inibidores da enzima de conversão da angiotensina e antagonistas do recetor da angiotensina II.[11] Em pessoas com doença grave, podem ser usados antagonistas da aldosterona ou hidralazina com um nitrovasodilatador.[11] Os diuréticos são úteis na prevenção de retenção de fluidos.[12] Por vezes, dependendo da causa, pode ser recomendado o implante de um dispositivo como um pacemaker ou um desfibrilador automático implantável[11] Em alguns casos moderados ou graves pode ser sugerida terapia de ressincronização cardíaca[14] ou modulação da força de contração muscular.[15] Em pessoas com doença grave que não responderam a outros tratamentos pode ser recomendado um dispositivo de assistência ventricular ou um transplante de coração.[12]

A insuficiência cardíaca é uma condição comum, com elevados custos e potencialmente fatal.[7] Em países desenvolvidos, cerca de 2% dos adultos são afetados pela doença, valor que aumenta para 6–10% em pessoas acima dos 65 anos de idade.[7][16] No ano seguinte ao diagnóstico, o risco de morte é de cerca de 35%, diminuindo a partir daí para menos de 10% em cada ano.[4] Este risco é semelhante ao de alguns tipos de cancro.[4] No Reino Unido, a doença é responsável por 5% dos casos de admissão urgente no hospital.[4] A insuficiência cardíaca é conhecida desde a Antiguidade e já era mencionado no Papiro de Ebers, datado de cerca de 1550 a.C.[5]

Insuficiência Cardíaca Aguda (ICA)[editar | editar código-fonte]

É um acontecimento súbito e catastrófico de grande risco e que ocorre devido à qualquer situação que torne o coração incapaz de uma ação eficaz.Geralmente a Insuficiência Cardíaca Aguda é consequente a um infarto do miocárdio, ou a uma arritmia severa do coração.Existem ainda as Insuficiências Cardíacas Agudas provocadas por doenças não cardíacas.A Insuficiência Cardíaca Aguda é uma situação grave, exige tratamento médico emergencial, e mesmo assim é, muitas vezes, fatal.

Exemplo delas são a hemorragia severa, o traumatismo cerebral grave e o choque elétrico de alta voltagem.

Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC)[editar | editar código-fonte]

É o estado fisiopatológico em que o coração é incapaz de bombear sangue a uma taxa satisfatória às necessidades dos tecidos metabolizadores, ou pode fazê-lo apenas a partir de uma pressão de enchimento elevada [17]

A Insuficiência Cardíaca Congestiva pode aparecer de modo agudo mas geralmente se desenvolve gradualmente, às vezes durante anos. Sendo uma condição crônica, gera a possibilidade de adaptações do coração o que pode permitir uma vida prolongada, às vezes com alguma limitação aos seus portadores, se tratada corretamente.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

No mundo: 23 milhões de casos.

Nos EUA: Maior problema de saúde pública; 5,2 milhões de casos; 550 mil novos casos/ano; 12 a 15 milhões de consultas médicas; 6,5 milhões de dias de internamentos/ano; Reinternamentos em 30-50% em 6 meses; 300.000 mortes anuais; 54.000 mortes diretas; Custo de U$ 15 bilhões/ano/ internamentos.

No Brasil: 6,5 milhões de doentes; 30% é internado anualmente; 4% de todas as internações; 31% das internações cardiovasculares; 380 000 hospitalizações/ano; média de 5,8 dias cada; R$ 200 milhões anuais; 5,6 a 6,0% de mortalidade hospitalar.

Causas[editar | editar código-fonte]

Principais Causas[editar | editar código-fonte]

  • Um dos exemplos de Insuficiência Cardíaca é a estenose aórtica, onde uma das válvulas de saída do coração não se abre perfeitamente, e a insuficiência aórtica, onde uma das válvulas permite um refluxo de sangue, fazendo com que o volume de sangue ejetado diminua. Então o coração adota mecanismos para, em um primeiro momento, tentar compensar e aumentar o volume ejetado na sístole do ventrículo esquerdo.
  • Também, doenças que aumentam o metabolismo geral do organismo também levam à sobrecarga de trabalho cardíaco. Um exemplo é o hipertireoidismo, que é um excesso de hormônio de tireoide circulante.

Taquicardia[editar | editar código-fonte]

Fisiopatologia[editar | editar código-fonte]

Quando a IC se inicia por diminuição da força do miocárdio (músculo cardíaco), o processo segue com alterações no próprio músculo e no organismo como um todo.

O número de sistemas envolvidos é muito grande e apenas parcialmente conhecido. A interação entre estes múltiplos sistemas leva a progressiva diminuição da capacidade do coração funcionar como efetiva bomba propulsora sangue.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O médico faz o diagnóstico através de um exame clínico:

  • Auscultação cardíaca (sopros)
  • Auscultação pulmonar (chiado)
  • Edema dos membros inferiores

História clínica[editar | editar código-fonte]

A base do diagnóstico de qualquer doença é a história clínica, onde são identificados os sintomas da pessoa doente. Os possíveis sintomas de Insuficiência cardíaca são:

  • Dispneia (falta de ar) A falta de ar do portador de insuficiência cardíaca caracteristicamente se dá aos esforços físicos e quando o portador encontra-se deitado (ortopneia)
  • Tosse
  • Fraqueza (astenia)
  • Edema (inchaço, ou aumento do volume dos membros)
  • Dor abdominal
  • Palpitação
  • Tonturas
  • Diminuição da emissão de urina.
    • Habitualmente, estão presentes em cada pessoa doente apenas uma parte dos sintomas acima, em graus variáveis. Uma pessoa tem mais tosse, a outra mais inchaço e assim por diante.
    • Os sintomas não são patognomônicos, ou seja, não são exclusivos desta doença. Uma pessoa pode ter o mesmo grau de inchaço que outra,e a primeira ter insuficiência cardíaca e a segunda ter varizes.
  • Falhando o ventrículo esquerdo, o território que congestiona é o pulmonar. Isso explica a falta de ar, que de início surge aos grandes esforços, depois aos médios, terminando pela falta de ar mesmo em repouso. Com a piora surge a ortopneia, a falta de ar quando deitado. A pessoa pode acordar durante a noite devido a falta de ar o que a obriga a sentar para obter algum alívio. É a dispneia paroxística noturna. Isso pode evoluir ainda para um quadro ainda mais grave de descompensação esquerda denominado de edema agudo de pulmão, grave, e que termina em morte se não tratado de urgência.
  • Falhando o ventrículo direito surge o edema, ou o inchaço, principalmente das pernas e do fígado, além de outros órgãos, tudo provocado pelo acúmulo de líquidos nesses órgãos.

Exame físico[editar | editar código-fonte]

No exame físico são identificados sinais da doença. Sinais são dados objetivos, que sensibilizam algum sentido do observador, como a visão ou o tato. São possíveis sinais da Insuficiência cardíaca:

Exames complementares[editar | editar código-fonte]

Existem numerosos métodos complementares que mostram alterações devida a Insuficiência cardíaca. Cada um deles tem o potencial de ver uma aspecto particular da doença, e como o próprio nome diz, completam a busca de informações feita pelo Terapeuta ao analisar a doença. Não existe um melhor, existe os indicados para aquela situação. São métodos comumente usados na avaliação da Insuficiência cardíaca:

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Há a necessidade de tratar, se possível, a doença subjacente que desencadeou a Insuficiência Cardíaca Congestiva, temos a estenose da válvula aórtica ou mitral, e a hipertensão arterial.

  • O tratamento para a insuficiência cardíaca envolve um grande número de opções.
  • As finalidades do tratamento são prolongar a vida do paciente e melhorar a sua qualidade de vida.
  • As modalidades de tratamento podem ser agrupadas em 3 áreas: Tratamento não farmacológico, Tratamento farmacológico e Procedimentos mecânico-cirúrgicos.

Deve-se também tratar o coração insuficiente. Para isso, restringe-se a ingestão de sal. É aconselhável emagrecer. Usam-se medicamentos chamados diuréticos, além de outros que agem diretamente no músculo cardíaco ou que corrigem as arritmias existentes.Com essas medidas, um médico consegue prolongar por anos a vida de um paciente acometido de Insuficiência Cardíaca Congestiva. Poderá haver necessidade de transplante cardíaco como última solução.

Tratamento não farmacológico[editar | editar código-fonte]

Neste grupo de medidas se enquadram:

  • Optimização do nível de atividade físico.
  • Utilização de Oxigênio.
  • Optimização do consumo de sal e de líquidos.
  • Medidas nutricionais.

Tratamento farmacológico[editar | editar código-fonte]

Neste grupo de medidas se enquadram as seguintes classes de medicações:

Existem muitas substâncias sob investigação, como:

Procedimentos Mecânico-Cirúrgicos[editar | editar código-fonte]

Neste grupo se enquadram os procedimentos que buscam corrigir defeitos estruturais do coração ou promover ajuda mecânica à contração.

Células Estaminais[editar | editar código-fonte]

Neste grupo estão as técnicas que procuram formar novo tecido muscular cardíaco a partir de células progenitoras, chamadas células estaminais. Esta terapia ainda está em estudo em seres humanos (2006), devendo vir a ser disponibilizada para prática clínica após o resultados dos últimos trabalhos científicos.

Referências

  1. heart failure em Dicionário Médico de Dorland
  2. «Heart failure». Health Information. Mayo Clinic. 23 December 2009. DS00061. 
  3. «Definition of Heart failure». Medical Dictionary. MedicineNet. 27 April 2011. 
  4. a b c d e f g h «Chronic Heart Failure: National Clinical Guideline for Diagnosis and Management in Primary and Secondary Care: Partial Update». National Clinical Guideline Centre [S.l.: s.n.]: 19–24. Aug 2010. PMID 22741186. 
  5. a b McDonagh, Theresa A. (2011). Oxford textbook of heart failure (Oxford: Oxford University Press). p. 3. ISBN 9780199577729. 
  6. O'Connor, Christopher M. (2005). Managing Acute Decompensated Heart Failure a Clinician's Guide to Diagnosis and Treatment. (London: Informa Healthcare). p. 572. ISBN 9780203421345. 
  7. a b c McMurray JJ, Pfeffer MA (2005). «Heart failure». Lancet [S.l.: s.n.] 365 (9474): 1877–89. doi:10.1016/S0140-6736(05)66621-4. PMID 15924986. 
  8. a b «Chronic Heart Failure: National Clinical Guideline for Diagnosis and Management in Primary and Secondary Care: Partial Update». National Clinical Guideline Centre [S.l.: s.n.]: 38–70. Aug 2010. PMID 22741186. 
  9. Willard & Spackman's occupational therapy. 12th ed. (Philadelphia: Wolters Kluwer Health/Lippincott Williams & Wilkins). 2014. p. 1124. ISBN 9781451110807. 
  10. Eyal Herzog (2012). The Cardiac Care Unit Survival Guide Lippincott Williams & Wilkins [S.l.] p. 98. ISBN 9781451177466. 
  11. a b c d e f «Chronic Heart Failure: National Clinical Guideline for Diagnosis and Management in Primary and Secondary Care: Partial Update». National Clinical Guideline Centre [S.l.: s.n.]: 34–47. Aug 2010. PMID 22741186. 
  12. a b c d «Chronic Heart Failure: National Clinical Guideline for Diagnosis and Management in Primary and Secondary Care: Partial Update». National Clinical Guideline Centre [S.l.: s.n.]: 71–153. Aug 2010. PMID 22741186. 
  13. Taylor, RS; Sagar, VA; Davies, EJ; Briscoe, S; Coats, AJ; Dalal, H; Lough, F; Rees, K; Singh, S (Apr 27, 2014). «Exercise-based rehabilitation for heart failure.». The Cochrane database of systematic reviews [S.l.: s.n.] 4: CD003331. doi:10.1002/14651858.CD003331.pub4. PMID 24771460. 
  14. Tracy, CM; et al. (Oct 2, 2012). «2012 ACCF/AHA/HRS focused update of the 2008 guidelines for device-based therapy of cardiac rhythm abnormalities: a report of the American College of Cardiology Foundation/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines and the Heart Rhythm Society. [corrected].» (PDF). Circulation [S.l.: s.n.] 126 (14): 1784–1800. doi:10.1161/CIR.0b013e3182618569. PMID 22965336. Consultado em Apr 29, 2015. 
  15. Kuck, K.-H.; et al. (Jan 2014). «New devices in heart failure: an European Heart Rhythm Association report: developed by the European Heart Rhythm Association; endorsed by the Heart Failure Association» (PDF). Europace [S.l.: s.n.] 16 (1): 109–128. doi:10.1093/europace/eut311. PMID 24265466. Consultado em Oct 13, 2014. 
  16. Dickstein K, Cohen-Solal A, Filippatos G, et al. (October 2008). «ESC Guidelines for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure 2008: the Task Force for the Diagnosis and Treatment of Acute and Chronic Heart Failure 2008 of the European Society of Cardiology. Developed in collaboration with the Heart Failure Association of the ESC (HFA) and endorsed by the European Society of Intensive Care Medicine (ESICM)». Eur. Heart J. [S.l.: s.n.] 29 (19): 2388–442. doi:10.1093/eurheartj/ehn309. PMID 18799522. 
  17. Braunwald e Bristow, 2000).