Júlio Cocielo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde Julho de 2018) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Júlio Cocielo
Júlio Cocielo em foto de 2017.
Nome completo Júlio César Pinto Cocielo
Nascimento 25 de maio de 1993 (25 anos)
Osasco, SP
 Brasil
Estatura 1,92 m
Peso 77kg
Progenitores Mãe: Círia Pinto
Pai: João Cocielo
Cônjuge Tatá Estaniecki (2018-presente)
Ocupação
Principais trabalhos
Servidor(es) YouTube
Género Humor, Vlog
Anos ativos 2011-presente
Inscritos + 17,3 milhões
Visualizações + 1 bilhão
Influência(s) Eduardo Sterblitch, Rafinha Bastos
Website CanalCanalha no YouTube
YouTube Silver Play Button 2.svg
100 mil
inscritos: 2014
YouTube Gold Play Button 2.svg
1 milhão
de inscritos: 2015
YouTube Diamond Play Button.svg
10 milhões
de inscritos: 2016
Dados de 21 de setembro de 2018.

Júlio César Pinto Cocielo, mais conhecido como Júlio Cocielo, ou apenas Cocielo (Osasco, 25 de maio de 1993) é um ator, humorista e youtuber, mais conhecido pelo seus vlogs no YouTube[1] e por sua participação no Pânico na Band. Ficou conhecido após publicar vlogs em seu canal, onde apresenta seu cotidiano em forma de humor.[2][3] Atualmente conta com cerca de 16 milhões de inscritos no YouTube, sendo um dos maiores canais no Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Osasco em uma realidade pobre. Antes de nascer, seu pai, João Cocielo, tentou abortá-lo,[carece de fontes?] mas não teve sucesso. Viveu com seus irmãos, pais e um cachorro, mas depois de uma briga, João foi embora e levou o cachorro. Antes mesmo de entrar pra escola, aprendeu a ler e escrever, o que fez todos da sua família pensarem que ele era um prodígio, porém no decorrer dos anos, foi se mostrando totalmente o contrário, pois tirava notas vermelhas e só passava de ano pelo conselho.[carece de fontes?] Em 2007, o pai de Cocielo foi tentando aos poucos se reaproximar do filho, porém no mesmo ano, ele faleceu ao se submeter a uma cirurgia.[carece de fontes?] Alguns anos depois, uma cadela que ele tinha ganhado quando criança após a separação de seus pais, também faleceu, o que causou depressão em Cocielo, e com isso foi conhecendo o humor a fim de superar sua perda, tendo como uma de suas inspirações o humorista Eduardo Sterblitch.

Logotipo do CanalCanalha.

Aos 18 anos, prestes a servir o quartel, estava sem emprego e já havia terminado a escola, porém seus amigos diziam que ele tinha jeito para o humor e sugeriram que ele fizesse vlogs. No final de 2011, criou o CanalCanalha, e após cerca de um ano, deu em resultado.[4]

Seu primeiro vídeo em que ele fala sobre comerciais, rendeu cerca de 2.000 views na época. A partir daí, foi conhecendo outros youtubers e aumentando seu público, e com o tempo foi conquistando grande sucesso no Youtube; em uma despretensiosa produção caseira ao sucesso de massas. Nos vídeos, ele comenta assuntos do cotidiano de forma informal e com tom humorístico, causando uma onda de sucesso por parte do público, e uma certa rejeição por outra parte.

Várias críticas alegam que o conteúdo do canal é chulo e frequentemente é exibido o consumo de bebidas alcoólicas em seus vídeos.[5] O vídeo que impulsionou seu sucesso, foi o 10 Mandamentos do Rei do Baile Funk. Em 2015, Júlio chegou a 1 milhão de inscritos, e seu vídeo mais visto até hoje é o Retrospectiva de Favela, que ele fez com outros youtubers e foi postado no mesmo ano.[carece de fontes?]

Cocielo trabalha sem apoio de profissionais. Atualmente, é o terceiro maior canal do Brasil no YouTube, com mais de 16 milhões de inscritos atualmente.[6] De acordo com pesquisa divulgada pelo Google, Júlio é a décima personalidade mais influente do Brasil entre os jovens de 14 e 17 anos, perdendo para nomes como Luciano Huck, Whindersson Nunes, Jair Bolsonaro, Taís Araújo, Tatá Werneck, entre outros.[7]

Em 2016, participou do elenco do filme Internet: O Filme.[8] No mesmo ano, ganhou o Prêmio Risadaria na categoria de melhor vlog cômico. Em 2017, começou a namorar com a também youtuber Tata Estaniecki, e no mesmo ano criou um canal de casal junto com a mesma, intitulado Tacielo. No dia 24 de março de 2018, se casaram em Punta Cana.[9][10][11][12] Mas o casamento oficial foi no dia 30 de abril de 2018 na Paróquia Nossa Senhora do Brasil, em São Paulo [13]

Pânico na Band[editar | editar código-fonte]

Em 2015, foi convidado pela Band para participar do Programa Pânico, em um quadro intitulado Bate ou Regaça. As participações dele foram interrompidas para que ele se dedicasse ao próprio stand up.[6]

Teatro[editar | editar código-fonte]

No início de 2017, Cocielo anunciou em suas redes sociais que começaria um novo show, intitulado de Talvez Você se Arrependa, uma peça teatral de humor. Atualmente a peça está ativa, com direção e texto de Thiago Ventura.[14]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Durante a Copa do Mundo FIFA de 2018, Cocielo comentou em seu Twitter que o jogador da Seleção Francesa Mbappé "conseguiria fazer vários arrastões na praia", após a partida entre França e Argentina. Houve grande reação de internautas que o acusaram de racismo. Cocielo se defendeu alegando que teria se referido à velocidade do futebolista em seu comentário, que posteriormente foi apagado.[15] Logo após, outros tweets de cunho racista publicados por Cocielo entre os anos de 2011 à 2014, foram expostos por usuários da rede social e, também, excluídos por ele.[5] Consequentemente, o Submarino, a Coca Cola e o Itaú Unibanco findaram contratos de patrocínio com o humorista.[16] O cronista da revista Veja Filipe Vilicic questionou a fama de Cocielo e afirmou que ele "não é artista, mas sim 'uma celebridade', representante do atraso civilizatório."[5]

Em 5 de julho, ele publicou um vídeo em seu canal no Youtube pedindo desculpas pelo ocorrido, comentando: ""Fiz um comentário muito zoado. Muito mal explicado [...] Sem querer espalhei o ódio e acabei sendo uma pessoa que eu não sou."[17] Ele continuou dizendo: "Eu aceito todas as consequências. Porque eu fui imaturo. Eu fui irresponsável. Eu era completamente diferente da pessoa que sou hoje."[17][18] Em setembro, Cocielo foi processado em R$7 milhões pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, que alegou "dano social coletivo" devido ao caso de racismo.[19]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Webséries / Internet
Período Título Personagem Nota(s)
2011-presente Canal Canalha Ele mesmo Canal Oficial no YouTube
2014-presente Júlio Cocielo (Antes chamado de Pinto Plays) Canal Secundário no YouTube
2017-presente Tacielo (com Tata Estaniecki) Canal de casal no YouTube
Televisão
Período Título Personagem Nota(s) Ref.
2015-2016
Pânico na Band Ele mesmo Apresentador Quadro: Bate ou Regaça
Cinema
Lançamento Título Personagem Ref.
2017 Internet: O Filme Tito [20]
Os Penetras 2 Ele mesmo [21]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Resultado Ref.
2016 Prêmio Risadaria Melhor vlog cômico Venceu [22]
Meus Prêmios Nick Youtuber masculino favorito Indicado

Referências

  1. «JÚLIO COCIELO». portaljcocielo. Consultado em 30 de março de 2017 
  2. Vilicic, Filipe (24 dez 2016). «Júlio Cocielo, do Canal Canalha: a nova face da nova fama». Veja. Consultado em 30 de março de 2017 
  3. «Júlio Cocielo, do "Canal Canalha", faz aniversário e fãs enchem as redes sociais de homenagens». PUREBREAK. 25 de maio de 2016. Consultado em 30 de março de 2017 
  4. DRAW MY LIFE - JÚLIO - CANAL CANALHA. Youtube. 11 de maio de 2013. Consultado em 30 de março de 2017 
  5. a b c Vilicic, Filipe (4 de julho de 2018). «O julgamento do racismo do youtuber Julio Cocielo». Editora Abril. Veja. Consultado em 4 de julho de 2018 
  6. a b Meier, Bruno (18 de novembro de 2016). «Canal Canalha, o novo gigante do YouTube». Veja. Consultado em 30 de março de 2017 
  7. Moraes, Juliana (12 de outubro de 2016). «Com mais de 9,6 milhões de seguidores no YouTube, Júlio Cocielo rejeita título de influenciador: "Não entendo"». Consultado em 30 de março de 2017 
  8. Foster, Gustavo (22 de fevereiro de 2017). «Rafinha Bastos, Julio Cocielo e mais: quem é quem entre os youtubers que atuam em "Internet - O Filme"». ZH Entretenimento. Consultado em 30 de março de 2017 
  9. «Tata Estaniecki se casa com Júlio Cocielo em Punta Cana». Globo.com. 24 de março de 2018. Consultado em 1 de abril de 2018 
  10. «Saiba como é o convite do casamento de Júlio Cocielo e Tatá Estaniecki». Caras. UOL. 20 de março de 2018. Consultado em 1 de abril de 2018 
  11. «Tudo sobre o casamento de Cocielo e Tatá Estaniecki». Capricho. Abril. 23 de março de 2018. Consultado em 1 de abril de 2018 
  12. «Veja como foi o casamento de Tatá Estaniecki e Júlio Cocielo em Punta Cana». Zankyou. Consultado em 1 de abril de 2018 
  13. «Famosos vão ao casamento de Tatá Estaniecki e Júlio Cocielo em São Paulo». Globo.com. 2 de abril de 2018. Consultado em 2 de abril de 2018 
  14. «TALVEZ VOCÊ SE ARREPENDA». www.ingressorapido.com.br/. Consultado em 30 de março de 2017 
  15. «Youtuber Júlio Cocielo é criticado por comentário sobre Mbappé: 'conseguiria fazer uns arrastão top na praia'». G1 
  16. «Após post considerado racista sobre jogador, YouTuber Júlio Cocielo perde patrocinadores». Folha. 3 de julho de 2018. Consultado em 3 de julho de 2018 
  17. a b «Julio Cocielo pede desculpa em vídeo após comentário recista sobre Mbappe». G1. Consultado em 5 de julho de 2018 
  18. «Julio Cocielo se desculpa em vídeo após tweets racistas. "Fui imaturo"». E! Online. Consultado em 5 de julho de 2018 
  19. «MP-SP cobra R$7 milhões de Cocielo por racismo contra jogador Mbappe». r7.com. 13 de setembro de 2018 
  20. Herbst, Bruna (9 de julho de 2016). «INTERNET O FILME JUNTA YOUTUBERS NO SET DE FILMAGEM». cinemaadois.com.br. Consultado em 30 de março de 2017 
  21. «'Os Penetras 2' traz uma série de youtubers brasileiros no elenco». TecMundo. 18 de fevereiro de 2016. Consultado em 1 de abril de 2017 
  22. «VENCEDORES». http://www.risadaria.com.br. Consultado em 30 de março de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]