Joel Rufino dos Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Joel Rufino dos Santos
Nascimento 1941
Rio de Janeiro
Morte 4 de setembro de 2015 (74 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação historiador, professor e escritor
Prémios Prémio Jabuti 1979
Magnum opus Carolina Maria de Jesus: uma escritora improvável

Joel Rufino dos Santos (Rio de Janeiro, 1941 – Rio de Janeiro, 4 de setembro de 2015) foi um historiador, professor e escritor brasileiro,[1] tendo sido um dos nomes de referência sobre o estudo da cultura africana no país.

Nascido no bairro de Cascadura, cresceu apreciando a leitura de histórias em quadrinhos. Em suas próprias palavras:

"Como tantos escritores eu tive alguém, na infância, que me viciou em histórias. Lia gibis escondido, o que, possivelmente, ampliou o seu fascínio. E a Bíblia, ao invés de tomá-la como livro sagrado, tomei-a como livro maravilhoso de histórias, e como manual de estilo. Tudo se passou em Cascadura e Tomás Coelho, subúrbios antigos do Rio, onde se pode ser feliz ou infeliz como em qualquer lugar.".[2]

Ainda em suas palavras, sobre as obras importantes na sua formação:

"Filho nativo, de Richard Wright; Casa Grande & senzala, de Gilberto Freire; O Ateneu, de Raul Pompéia; Terras do Sem-Fim, de Jorge Amado; O escravo, de Hall Caine; O tempo e o vento, de Érico Veríssimo; o Manifesto comunista, de Marx e Engels… A lista é comprida. O decisivo não é o livro em si, mas a altura da vida em que você o lê. Esses foram os do começo da minha juventude."[3]

Já adulto, foi exilado por suas idéias políticas contrárias à ditadura militar então em vigor no país. Morou algum tempo na Bolívia, sendo detido quando de seu retorno ao Brasil (1973).

Doutor em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde lecionou Literatura, como escritor tem extensa obra publicada: livros infantis, didáticos, paradidáticos e outros. Trabalhou como colaborador nas minisséries Abolição, de Walter Avancini, transmitida pela TV Globo (22 a 25 de novembro de 1988) e República (de 14 a 17 de novembro de 1989). Além disso, já ganhou diversas vezes o Prêmio Jabuti de Literatura, o mais importante no país.

Faleceu no dia 04 de setembro de 2015, em razão de complicações de uma cirurgia cardíaca realizada três dias antes.[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

Romance[editar | editar código-fonte]

  • Crônica de indomáveis delírios, 1991
  • Claros sussurros de celestes ventos, 2012

Infanto-juvenil[editar | editar código-fonte]

  • O caçador de lobisomem, ou, o estranho caso do cussaruim da Vila do Passavento, 1975
  • Marinho, o marinheiro, e outras histórias, 1976
  • Aventuras no pais do pinta-aparece e outras histórias,1977
  • O curupira e o espantalho, 1978
  • Uma estranha aventura em Talalai, 1978
  • Quatro dias de rebelião, 1980
  • O noivo da cutia, 1980
  • A pirilampéia e os dois meninos de Tatipurum, 1980
  • O soldado que não era, 1983
  • Historia de Trancoso, 1983
  • A botija de ouro, 1984
  • Dudu Calunga, 1986
  • Rainha Quiximbi, 1986
  • Ipupiara, o devorador de índios, 1990
  • Uma festa no céu, 1995
  • Gosto de África, 1998
  • Cururu virou pajé, 1999
  • O curumim que virou gigante, 2000
  • O presente de Ossanha, 2000
  • O Saci e o Curupira, 2000
  • O grande pecado de Lampião e sua terrível peleja para entrar no céu, 2005
  • Vida e morte da onça-gente, 2006
  • O jacaré que comeu a noite, 2007
  • Na rota dos tubarões, 2008
  • Robin Hood, 2001

Não-ficção[editar | editar código-fonte]

  • História nova do Brasil. São Paulo (co-autoria), 1963
  • História nova do Brasil IV, 1964
  • O descobrimento do Brasil (Coleção História Nova 1), 1964
  • As invasões holandesas (Coleção História Nova 3), 1964
  • A expansão territorial (Coleção História Nova 4), 1964
  • Independência de 1822 (Coleção História Nova 6), 1964
  • Da independência à República (Coleção História Nova 7), 1964
  • O Renascimento, a Reforma e a Guerra dos Trinta Anos, 1970
  • República: campanha e proclamação, 1970
  • Mataram o presidente (co-autoria), 1976
  • História do Brasil, 1979
  • O dia em que o povo ganhou, 1979
  • O que é racismo, 1982
  • Constituições de ontem, constituinte de hoje, 1987
  • Zumbi, 1985
  • Abolição, 1988
  • Afinal quem fez a República?, 1989
  • História, histórias. São Paulo: Editora FTD, 1992
  • Atrás do muro da noite: dinâmica das culturas afro-brasileiras (com Wilson dos Santos Barbosa), 1994
  • História política do futebol brasileiro, 1981
  • Quando eu voltei, tive uma surpresa, 2000
  • Paulo e Virgínia: o literário e o esotérico no Brasil atual, 2001
  • Épuras do social: como podem os intelectuais trabalhar para os pobres, 2004
  • Quem ama literatura não estuda literatura, 2008
  • Assim foi se me parece: livros, polêmicas e algumas memórias, 2008
  • Carolina Maria de Jesus- uma escritora improvável, 2009
  • A história do negro no teatro brasileiro, 2014
  • Saber do negro, 2015

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.