Marcos Bagno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Marcos Bagno
Nascimento Marcos Bagno
21 de agosto de 1961
Cataguases Minas Gerais
Nacionalidade  brasileiro
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade de Brasília
Ocupação Professor, Escritor, filologista, linguista
Principais trabalhos
  • Gramática de bolso do português brasileiro
  • Preconceito linguístico: o que é, como se faz
Prémios Prêmio Nestlé de Literatura Brasileira (1988)

Prêmio Jabuti (2012)
Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional (2013)

Género literário Poesia, Conto, Crônica
Movimento literário Modernismo e Movimento Armorial
Assinatura
AssinaturaMarcosBagno.jpg

Marcos Bagno (Cataguases, 21 de agosto de 1961) é um professor, doutor em filologia, linguista e escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É professor do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília, doutor em filologia e língua portuguesa pela Universidade de São Paulo, tradutor, escritor com diversos prêmios e mais de 30 títulos publicados[1] entre literatura e obras técnico-didáticas. Atua mais especificamente na área de sociolinguística e literatura infanto-juvenil, bem como questões pedagógicas sobre o ensino de português no Brasil. Em 2012 sua obra As memórias de Eugênia recebeu o terceiro lugar do Prêmio Jabuti na categoria juvenil,[2] e no ano seguinte, o livro infantil Marcéu recebeu o Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional Glória Pondé, a categoria juvenil.[3] Escreve uma coluna sobre questões de linguagem na revista Caros Amigos[4].

Preconceito linguístico[editar | editar código-fonte]

Entre os temas recorrentes tratados pelo autor está o preconceito linguístico, sendo uma autoridade reconhecida no assunto, com entrevistas,[5] palestras e aulas magnas[6] ministradas em diversas instituições reconhecidas. Em 2011, o Ministério da Educação distribuiu para milhares de escolas públicas o livro Por uma vida melhor, no qual se defende o uso das variantes linguísticas. A ação foi criticada pela imprensa, mas defendida pelo autor.[7]

Obras[editar | editar código-fonte]

Lista incompleta

  • A invenção das horas (contos) (1988)
  • O papel roxo da maçã (infantil) (1989)
  • Rua da Soledade (contos) (1995)
  • A Vingança da Cobra (Infanto-juvenil) (1995)
  • A Língua de Eulália (novela sociolinguística) (1997)
  • Pesquisa na escola: o que é, como se faz (1998)
  • Preconceito linguístico: o que é, como se faz (1999)
  • Dramática da língua portuguesa: tradição gramatical, mídia & exclusão social (2000)
  • Português ou brasileiro? Um convite à pesquisa (2001)
  • Norma linguística (org.) (2001)
  • Linguística da norma (org.) (2002)
  • Língua materna: letramento, variação & ensino (org.) (2002)
  • O espelho dos nomes (infantil) (2002)
  • A norma oculta: língua & poder na sociedade brasileira (2003)
  • Murucututu, a coruja grande da noite (infantil) (2005)
  • Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística (2007)
  • Não é errado falar assim! Em defesa do português brasileiro (2009)
  • As caraminholas de Barrigapé (infantil) (2009)
  • Vaganau (poesia) (2010)
  • Gramática: passado, presente e futuro (2010)
  • Gramática, pra que te quero? Os conhecimentos linguísticos nos livros didáticos de português (2011)
  • Festa no meu jardim (infantil) (2011)
  • O tempo escapou do relógio (infantil) (2011)
  • As memórias de Eugênia (romance) (2011)
  • Gramática pedagógica do português brasileiro (2012)
  • Conversa de gatos (infantil) (2012)
  • Gramática de bolso do português brasileiro (2013)
  • Sete erros aos quatro ventos: a variação no ensino de português (2013)
  • Marcéu (infantil) (2013)
  • Língua, linguagem, linguística (2014)
  • Pororoca, pipoca, paca e outras palavras do tupi (com Orlene L. S. Carvalho) (2014)
  • Gramática brasileña para hablantes de español (com Orlene L. S. Carvalho) (2015)[8]

Referências

  1. Biografia do autor
  2. «Prêmio 2012 - 58º Prêmio Jabuti 2016». 58º Prêmio Jabuti 2016. 10 de março de 2014. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  3. «Marcos Bagno». www.bn.gov.br. Biblioteca Nacional. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  4. Revista Caros Amigos, ano XVI, numero 190/2013.
  5. «Marcos Bagno - PNAIC UFSCar Entrevista». www.pnaic.ufscar.br. UFSCAR. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  6. «Linguista Marcos Bagno profere aula magna dos cursos de Letras e TILSP — Centro de Educação e Ciências Humanas». www.cech.ufscar.br. UFSCAR. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  7. «Entenda a polêmica do livro que defende o "nós pega" na escola - Educação - iG». Último Segundo 
  8. [1] CNPq. Acesso em 16/06/2013
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.