Ângela Lago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 28 de outubro de 2017.)
Twemoji 1f464.svg
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde outubro de 2009).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ângela Lago
Nome completo Ângela Maria Cardoso Lago
Nascimento 1945
Belo Horizonte, Minas Gerais
Morte 21 de outubro de 2017 (72 anos)
Belo Horizonte
Prémios Prémio Jabuti (1995)

Prêmio ABL de Literatura Infantojuvenil (2010)

Género literário Romance, ilustração
Movimento literário Pós-modernismo
Magnum opus Cena de rua
Página oficial
http://www.angela-lago.net.br

Ângela Maria Cardoso Lago (Belo Horizonte, 1945  – Belo Horizonte, 21 de outubro de 2017) foi uma escritora e ilustradora brasileira.[1]

A maior parte de sua obra é dedicada às crianças. Em alguns de seus livros não usa palavras, apenas imagens.

Entre suas obras destaca-se Cena de Rua, premiado na França e na Bienal de Bratislava. Cena de Rua foi publicado no México, na França, nos Estados Unidos e no Brasil.

Escritora e ilustradora, mineira, nascida em Belo Horizonte, em 1945, Ângela Anastasia Cardoso Lago, inicia sua formação superior na Escola de Serviço Social da Universidade Católica de Minas Gerais. Frequentou o atelier do escultor Bitter, com um grupo de artistas plásticos. Em 1969, leciona na Escola de Serviço Social e trabalha como assistente no Instituto Psico-Pedagógico, para crianças com dificuldades psico-pedagógicas e psiquiátricas. Em 1975, abre seu próprio atelier de programação visual para publicidade, onde criou marcas, logotipos, propaganda institucional entre outros. A autora possui diversas obras contendo ilustrações e textos próprios nacionais, ilustrações de livros para outros autores nacionais, livros com textos e ilustrações da autora no exterior, ilustrações para livros de outros autores estrangeiros. Das diversas obras que a autora possui, podemos destacar a obra Sangue de Barata. Resultante da relação entre texto poético e desenho.[2]

Alguns livros de Ângela-Lago[3][editar | editar código-fonte]

  • Cena de Rua, Editora RHJ, Belo Horizonte, 1994
  • Tampinha, Editora Moderna, São Paulo, 1994
  • A festa no céu, Editora Melhoramentos, São Paulo, 1995
  • Uma palavra só, Editora Moderna, São Paulo, 1996
  • Um ano novo danado de bom, Editora Moderna, São Paulo, 1997
  • A novela da panela, Editora Moderna, São Paulo, 1999
  • Indo não sei aonde buscar não sei o quê, Editora RHJ, Belo Horizonte, 2000
  • Sete histórias para sacudir o esqueleto, Companhia das Letrinhas, São Paulo, 2002
  • A banguelinha, Editora Moderna, São Paulo, 2002
  • Muito capeta, Companhia das Letrinhas, São Paulo, 2004
  • A raça perfeita, Ângela Lago e Gisele Lotufo, Editora Projeto, Rio Grande do Sul, 2004
  • A casa da onça e do bode, Editora Rocco, Rio de Janeiro, 2005
  • A flauta do tatu, Editora Rocco, Rio de Janeiro, 2005
  • O bicho folharal, Editora Rocco, Rio de Janeiro, 2005
  • João felizardo, o rei dos negócios, Cosac-Naif, São Paulo, 2006
  • Um livro de horas, Editora Scipione, São Paulo, 2008

Estudos sobre a obra de Ângela-Lago[4][editar | editar código-fonte]

A complexização do objeto artístico: uma análise da obra de Ângela Lago [1] Essa tese, defendida por André Mendes, da Faculdade de Letras da UFMG, foi vencedora do Prêmio Moinho Santista Juventude e publicada pela Editora UFMG em 2007 com o título "O amor e o diabo em Ângela Lago – a complexidade do objeto artístico".

Matrizes de linguagem e pensamento na literatura infantil e Juvenil: a tessitura dos signos em obras de Ângela Lago e Otaviano Correia, doutorado em Letras pela USP, de Maria Zilda da Cunha [2] publicado posteriormente pela Humanitas, em 2002.

Ângela Lago - o objeto livro como performance estética do contador.

Juliana Silva Loyola [3] do Departamento de Arte da Faculdade de Comunicação e Filosofia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo apresentou o trabalho em 2008.

Livro de Imagem: três artistas narram seus processos de criação (Ângela Lago, André Neves e Graça Lima)Hanna Talita Gonçalves Pereira de Araújo.Dissertação de Mestrado em Artes, Universidade Estadual de Campinas, defendida em 2010. (http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000782551&opt=4)

De charadas e adivinhas: o continuum do contar de Ângela Lago [4] Dissertação de mestrado defendida por Rosemarie Giudilli Cordioli na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Encurtando o Caminho Entre Texto e Ilustração: Homenagem a Ângela Lago.

Tese de mestrado de Luís Camargo defendida na Unicamp em 2006

Um mergulho no lago: era uma vez e outra vez, na obra de Ângela Lago Dissertação de mestrado em Letras na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) defendida em 2000 por Esther Ortlieb Faria de Almeida

Alfabetização e letramentos: pensando a produção literária para crianças sob a ótica dos letramentos literário e visual através de livros de Ângela Lago e Eva Furnari.

Pesquisa realizada para conclusão do curso de Pedagogia de Fernanda de Araújo Rocha

Uma Leve Mãozinha: Recontar o passado com a escrita e ilustração em De Morte, de Ângela Lago. Mestrado em andamento de Silvia Luciana Montoro

em Literatura e Crítica Literária na PUC/SP

O resgatar dos contos tradicionais na contemporaneidade por Ângela-Lago: uma leitura complexa de João Felizardo, O Rei dos Negócios e Sua Alteza A Divinha. Mestrado em andamento de Ana Paula Gualter de Oliveira Almeida

em Literatura e Crítica Literária na PUC/SP.

Vestígios da Cultura Popular em Ângela Lago: conto recontado é segredo revelado. Dissertação de mestrado defendida por Celso Sisto Silva

Periódicos

Algumas premiações[5][editar | editar código-fonte]

. Prémio Iberoamericano de Ilustración, La Consejería de Cultura, Junta de Andalucia, Sevilha, Espanha, 1994. Prêmio Octogone de Ardoise 1994-1995, Prix Graphique, Centre International d’ Etudes en Littératures de Jeunessa, Paris, pelo livro Cena de Rua. BIB Plaque, Prêmio da Bienal Internacional da Bratislava, 2007, pelos originais ilustrações do livro João Felizardo o rei dos negócios. Prêmio Jabuti, Categoria Melhor Ilustração de Livro Infantil ou Juvenil, 2008, Câmara Brasileira do Livro, pelo livro João Felizardo, o rei dos Negócios. Prêmio de melhor ilustração na produção de 2008 pela FNLIJ com Um livro de horas.

Fontes: www.angela-lago.com.br, www.angela-lago.net.br e www.cbl.org.br

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Escritora e ilustradora Ângela Lago morre em Belo Horizonte». G1 
  2. COELHO, Nely Novaes. Dicionário crítico da literatura infantil / juvenil brasileira: 1882-1982. 2. ed. São Paulo: Quíron / Brasília, 1984.
  3. Catálogo, veja a obra completa de Ângela-Lago.
  4. Estudos sobre Ângela Lago
  5. Prêmios de Ângela-Lago
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.