Daniel Munduruku

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Daniel Munduruku
Nascimento 28 de fevereiro de 1964 (58 anos)[1]
Belém, Pará Pará
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Tânia Mara
Filho(a)(s) Gabriela, Lucas e Beatriz
Ocupação Escritor, professor
Principais trabalhos O banquete dos deuses – conversa sobre a origem e a cultura brasileira, Contos indígenas brasileiros
Prêmios Comendador da Ordem do Mérito Cultural da Presidência da República (2013)

Menção honrosa do Prêmio Literatura para Crianças e Jovens na Questão da Tolerância, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura[1]. Menção de Livro Altamente Recomendável pela Fundação Nacional para o Livro Infantil e Juvenil. Prêmio Jabuti de Literatura. Prêmio da Academia Brasileira de Letras. Prêmio Érico Vanucci Mendes, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.[2]

Filiação PCdoB (2019-2021)[3][4]

PDT (2021-atualmente)[5][6]

Gênero literário Literatura Infantil
Página oficial
http://danielmunduruku.blogspot.com

@danielmundurukuoficial

Daniel Munduruku (Belém, 28 de fevereiro de 1964) é um escritor, professor e ativista indígena brasileiro. Suas obras literárias são sobretudo dirigidas ao público infanto-juvenil e tem como temas principais a cultura indígena. Ademais, ele é um defensor ativo dos direitos dos povos indígenas e tem trabalhado para promover a conscientização sobre a importância da preservação das culturas dos povos nativos do Brasil.

Munduruku é autor de diversas obras literárias e são os de maior destaque O banquete dos deuses – conversa sobre a origem e a cultura brasileira (2013) e Contos indígenas brasileiros (2016). Muitos de seus livros considerado altamente recomendável pela Fundação Nacional para o Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Recebeu diversos prêmios, entre eles o Prêmio Jabuti na categoria Literatura Infantil e Juvenil em 2018. Também recebeu uma menção de honra da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Prêmio Literatura para Crianças e Jovens na Questão da Tolerância e foi declarado Comendador da Ordem do Mérito Cultural pela Presidência da República em 2013.

Em questões políticas, Munduruku é membro do Partido Democrático Trabalhista (PDT), pelo qual concorreu à deputado federal por São Paulo em 2022. Além de sua atividade literária, ele também atua como professor e palestrante, onde promove uma visão mais positiva dos povos nativos brasileiros.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Munduruku está empenhado no movimento indígena brasileiro. Graduou-se em filosofia, história e psicologia pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL). Fez mestrado e doutorado em educação pela Universidade de São Paulo e pós-doutorado em linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É diretor-presidente do Instituto Uk'a - Casa dos Saberes Ancestrais. É autor de 54 obras, sendo a maioria classificada como literatura infanto-juvenil[7].

É membro da Academia de Letras de Lorena[2]. Recebeu a comenda do mérito cultural por duas vezes. Já recebeu vários prêmios no Brasil e no exterior: Prêmio Jabuti, da Academia Brasileira de Letras, Prêmio Érico Vanucci Mendes (CNPq), Tolerância (UNESCO). Muitos de seus livros receberam o selo Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil - FNLIJ.

Nas eleições de 2020 foi candidato a prefeito na cidade de Lorena pelo PCdoB, ficando em terceiro lugar com 1.416 votos (3,25%).[8] Nas eleições estaduais em São Paulo em 2022, foi candidato a deputado federal pelo PDT e recebeu 9.492 votos, não sendo eleito.[9][10]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Histórias de índio, Companhia das Letrinhas, 1997
  • O caráter educativo do movimento indígena brasileiro - 1970-1990, 2012 - Paulinas
  • Meu vô Apolinário, 2001, Studio Nobel, ISBN 8585445955
  • As serpentes que roubaram a noite e outros mitos, 2001 - Editoria Peirópolis
  • O ovo que dançou, 2002 - Brinque Book
  • Kabá Darebü, 2002 - Brinque Book
  • Coisas de índio, 2000 - Callis Editora
  • O sinal do pajé, 2003 - Peirópolis
  • Coisas de índio - versão infantil, 2003 - Callis editora
  • O sinal do pajé, 2003, Peirópolis, ISBN 8575960067
  • Histórias que eu ouvi e gosto de contar, 2004, Callis Editora ISBN 8574162264
  • Contos indígenas brasileiros, 2005 - Global Editora
  • O segredo da chuva, Ed. Ática, 2006, ISBN 9788508087440
  • O sumiço da noite, 2006 - Caramelo
  • Caçadores de aventuras, 2006 - CARAMELO
  • Catando piolhos contando histórias, 2006 - Brinque-Book
  • Histórias que eu vivi e gosto de contar, 2006 - Callis Editora.
  • Parece que foi ontem, 2006 - Global Editora
  • Sabedoria das águas, 2006 - Studio Nobel
  • O sumiço da noite, 2006, Caramelo, ISBN 8573405058
  • O onça, 2006. Caramelo.
  • A primeira estrela que vejo é a estrela do meu desejo e outras histórias indígenas de amor, 2007 - Global Editora
  • As peripécias do Jabuti, 2007 - Mercuryo Jovem
  • O Menino e o pardal, 2007 - Callis Editora
  • O olho bom do menino, 2007 - Brinque-Book
  • O homem que roubava horas, 2007 - Brinque Book
  • A palavra do Grande Chefe, 2008 - Global Editora
  • Outras tantas histórias Indígenas de origem das coisas e do universo, 2008 - Global Editora
  • O Karaíba - 2010 - Editora Amarilys (Manole)
  • A caveira-rolante, a mulher-lesma e outras histórias indígenas de assustar, 2010 - Global Editora
  • Como surgiu - mitos indígenas brasileiros, 2011 - Callis Editora
  • Crônicas de São Paulo, 2011 - Callis Editora Limited
  • Histórias que eu Li e gosto de contar, 2011 - Callis editora
  • O banquete dos deuses, 2013 - Global Editora
  • O olho da águia, 2013 - Leya
  • Karú Tarú - O pequeno Pajé, 2013 - EDELBRA
  • O mistério da estrela vésper, 2014 - Leya
  • Das Coisas que Aprendi - 1a. Edição, 2014 - Uka Editorial
  • Foi Vovó que disse, 2014 - EDELBRA
  • Memórias de Índio - uma quase autobiografia, 2016 - EDELBRA
  • Das Coisas que Aprendi - 2a. Edição, 2018 - Uka Editorial
  • Mundurukando 2 - 2018 - Uka Editorial
  • O olho bom do menino, 2019 - Editorial Uka
  • Mundurukando 1 - 2a. edição - 2020 - Editorial Uka
  • Crônicas indígenas para rir e refletir na escola, 2020 - Moderna

Referências

  1. a b Bruno Ribeiro (5 de fevereiro de 2010). «Entrevista: Daniel Munduruku» (HTML). Consciência.net. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 25 de março de 2022 
  2. a b http://danielmunduruku.blogspot.com/p/sobre-daniel-munduruku.html
  3. «PCdoB apresenta a candidatura do indígena Daniel Munduruku à prefeitura de Lorena (SP)». 16 de setembro de 2020. Consultado em 2 de abril de 2022 
  4. «Daniel Munduruku, o indígena que concorrerá a prefeito pelo PCdoB». 18 de fevereiro de 2020. Consultado em 20 de novembro de 2022 
  5. «Cabo Daciolo, Leila Barros e Aldo Rebelo estão entre novos filiados do PDT; veja». 2 de abril de 2022. Consultado em 2 de abril de 2022 
  6. «Ex-candidato a prefeito de Lorena, Munduruku agora é PDT». 8 de julho de 2021. Consultado em 20 de novembro de 2022 
  7. Maíra Magro (7 de outubro de 2009). «Histórias do Mestre Munduruku». Consultado em 15 de setembro de 2020 
  8. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais». divulgacandcontas.tse.jus.br. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  9. «Resultados – TSE». resultados.tse.jus.br. Consultado em 6 de novembro de 2022 
  10. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais». divulgacandcontas.tse.jus.br. Consultado em 6 de novembro de 2022 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Daniel Munduruku
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.